2. HISTÓRIA DO BRA­SIL

Superguia Enem - Geografia e História - - SUMÁRIO -

2.1. História do Bra­sil Co­lo­ni­al

Ao abor­dar­mos o iní­cio da co­lo­ni­za­ção bra­si­lei­ra, de­ve­mos sa­ber que nos pri­mei­ros 30 anos de­cor­ren­tes de­pois de 1500, os por­tu­gue­ses não po­vo­a­ram o nos­so país. Nes­ta eta­pa ini­ci­al, sim­ples­men­te uti­li­za­ram-se do es­cam­bo e da mão de obra in­dí­ge­na para a ex­tra­ção do pau-bra­sil, a pri­mei­ra fon­te de ri­que­za da co­roa por­tu­gue­sa, al­go que tam­bém so­ou para os lu­si­ta­nos co­mo uma de­cep­ção, pois se es­pe­ra­va achar ou­ro nas no­vas ter­ras, as­sim co­mo os con­cor­ren­tes es­pa­nhóis ha­vi­am en­con­tra­do.

Em 1530, o Bra­sil pas­sa a ser re­al­men­te po­vo­a­do. Sur­ge um sis­te­ma de ad­mi­nis­tra­ção ter­ri­to­ri­al cri­a­do pe­lo rei de Por­tu­gal, D. João III, em 1534, as Ca­pi­ta­ni­as He­re­di­tá­ri­as (que re­ce­be­ram es­se no­me por se­rem trans­mi­ti­das he­re­di­ta­ri­a­men­te, ou se­ja, dos pais aos des­cen­den­tes). Sem in­ten­ção de in­ves­tir em ter­ras tu­pi­ni­quins, os por­tu­gue­ses re­sol­ve­ram ter­cei­ri­zar o ser­vi­ço, is­to é, a ad­mi­nis­tra­ção ao en­car­go de par­ti­cu­la­res (prin­ci­pal­men­te no­bres com re­la­ções com a Co­roa Por­tu­gue­sa).

As­sim, di­vi­di­ram as ter­ras bra­si­lei­ras em 15 ca­pi­ta­ni­as para 12 do­na­tá­ri­os. Ao fi­nal, por con­ta das hos­ti­li­da­des ter­ri­to­ri­ais, so­ci­ais e econô­mi­cas en­con­tra­das no Bra­sil, es­te sis­te­ma foi dei­xa­do e im­plan­ta­do uma no­va for­ma de or­ga­ni­za­ção: o Go­ver­no Ge­ral.

Os be­ne­fi­ciá­ri­os, co­nhe­ci­dos co­mo do­na­tá­ri­os, se tor­na­ram ti­tu­la­res das ca­pi­ta­ni­as he­re­di­tá­ri­as por meio de um ins­ti­tu­to ju­rí­di­co de­no­mi­na­do con­ces­são. En­ten­de-se por con­ces­são, se­gun­do o di­ci­o­ná­rio Au­ré­lio, a ação de con­ce­der, per­mis­são, con­sen­ti­men­to, pri­vi­lé­gio que o go­ver­no con­ce­de a uma em­pre­sa para que ex­plo­re, em re­gi­me de mo­no­pó­lio, um ser­vi­ço de uti­li­da­de pú­bli­ca. Ti­nham co­mo mis­são co­lo­ni­zar, pro­te­ger e ad­mi­nis­trar o ter­ri­tó­rio.

Por ou­tro la­do, ti­nham o di­rei­to de ex­plo­rar os re­cur­sos na­tu­rais (ma­dei­ra, ani­mais, mi­né­ri­os). Os do­na­tá­ri­os re­ce­be­ram ape­nas a con­ces­são das ter­ras das Ca­pi­ta­ni­as, que te­ve cu­nho ju­rí­di­co ad­mi­nis­tra­ti­vo, no qual ha­via per­mis­são para exer­cer a Jus­ti­ça, or­ga­ni­zar a área econô­mi­ca e re­ser­var quan­ti­as de pro­du­ção para seu pró­prio con­su­mo. Con­tu­do, a pro­pri­e­da­de con­ti­nu­ou per­ten­cen­do à Co­roa Por­tu­gue­sa, tra­tan­do-se de um con­tra­to per­pé­tuo, por tem­po ili­mi­ta­do, pois se fos­se por tem­po li­mi­ta­do, ou de­ter­mi­na­do, não po­de­ria ser he­re­di­tá­rio. As con­ces­sões ti­nham dois do­cu­men­tos, a Car­ta de do­a­ção, que con­fe­ria a pos­se; e a Car­ta Fo­ral, que es­ta­be­le­cia os di­rei­tos e de­ve­res.

Em vir­tu­de da gran­de ex­ten­são ter­ri­to­ri­al bra­si­lei­ra, os do­na­tá­ri­os di­vi­di­am su­as ca­pi­ta­ni­as em por­ções me­no­res, de­no­mi­na­das ses­ma­ri­as. Ses­ma­ria foi um ins­ti­tu­to ju­rí­di­co por­tu­guês que nor­ma­ti­za­va a dis­tri­bui­ção de ter­ras des­ti­na­das à pro­du­ção. As­sim co­mo no feu­da­lis­mo, os se­nho­res feu­dais per­mi­ti­am a ocu­pa­ção de ter­ras (uma es­pé­cie de ar­ren­da­men­to) aos vas­sa­los, que se tor­na­vam obri­ga­dos a en­tre­gar par­te da pro­du­ção aos su­se­ra­nos e a pa­gar tri­bu­tos.

O sis­te­ma te­ve ori­gem em Por­tu­gal du­ran­te o sé­cu­lo XIV, com a Lei das Ses­ma­ri­as, em 1375, cri­a­da para com­ba­ter as cri­ses agrí­co­la e econô­mi­ca que atin­gi­am o país e a Eu­ro­pa. En­tre­tan­to, o sis­te­ma de ca­pi­ta­ni­as fra­cas­sou. O in­su­ces­so atra­sou o de­sen­vol­vi­men­to da ter­ra, em ra­zão de as di­fi­cul­da­des se­rem mai­o­res do que os do­na­tá­ri­os po­di­am cal­cu­lar. Mui­tos do­na­tá­ri­os nem che­ga­ram a to­mar pos­se das su­as ter­ras.

Em 1822, Jo­sé Bo­ni­fá­cio de An­dra­de e Sil­va ex­tin­guiu o re­gi­me de apro­pri­a­ção de ter­ras por meio da ses­ma­ria, o que oca­si­o­nou a pos­se de ter­ras ter se tor­na­do uma prá­ti­ca no Bra­sil. So­men­te a pro­mul­ga­ção da Lei de Ter­ras, que re­co­nhe­ceu as ses­ma­ri­as an­ti­gas, ra­ti­fi­cou for­mal­men­te o re­gi­me das pos­ses e ins­ti­tuiu a com­pra co­mo a úni­ca for­ma de ob­ten­ção de ter­ras. Ve­ja o dis­po­si­ti­vo da Lei nº 601/1850 (al­guns ter­mos es­tão gra­fa­dos se­gun­do a or­to­gra­fia vi­gen­te da épo­ca):

Dis­põe so­bre as ter­ras de­vo­lu­tas no Im­pé­rio, e acer­ca das que são pos­suí­das por ti­tu­lo de ses­ma­ria sem pre­en­chi­men­to das con­di­ções le­gais. bem co­mo por sim­ples ti­tu­lo de pos­se man­sa e pa­ci­fi­ca; e de­ter­mi­na que, me­di­das e de­mar­ca­das as pri­mei­ras, se­jam elas ce­di­das a ti­tu­lo one­ro­so, as­sim para em­pre­sas par­ti­cu­la­res,

co­mo para o es­ta­be­le­ci­men­to de co­lo­ni­as de na­ci­o­na­es e de ex­tran­gei­ros, au­to­ri­za­do o Go­ver­no a pro­mo­ver a co­lo­ni­sa­ção ex­tran­gei­ra na for­ma que se de­cla­ra.

Pos­te­ri­or­men­te, a se­gun­da ba­se econô­mi­ca ex­plo­ra­da em ter­ras bra­si­lei­ras foi a ca­na-de-açú­car. Tra­zi­da por Mar­tim Afon­so de Sou­za, da Ilha Ma­dei­ra, es­sa er­va se adap­tou em nos­so ter­ri­tó­rio. Foi ins­ta­la­do en­tão o pri­mei­ro en­ge­nho do Bra­sil, na Colô­nia de São Vi­cen­te. Mas de­vi­do a me­lho­res con­di­ções cli­má­ti­cas, hou­ve mi­gra­ção de sua plan­ta­ção para o Nor­des­te do país. A ca­na de açú­car to­mou a po­si­ção do pau-bra­sil, pois seu va­lor era al­tís­si­mo para o co­mér­cio na Eu­ro­pa. Com a introdução dos en­ge­nhos, a mão de obra es­cra­va afri­ca­na co­me­ça a ser tra­zi­da para a no­va colô­nia.

O uso de mão de obra es­cra­va no Bra­sil (en­tre 1559 e 1888) te­ve mui­tos in­dí­ge­nas tam­bém ví­ti­mas des­se pro­ces­so. A es­cra­vi­dão in­dí­ge­na foi abo­li­da ofi­ci­al­men­te pe­lo Marquês do Pom­bal, no fi­nal do sé­cu­lo XVIII. Em ra­zão de ter en­con­tra­do con­di­ções fa­vo­rá­veis, a cul­tu­ra do ca­fé no Bra­sil, deu iní­cio, em 1825, a um no­vo ci­clo econô­mi­co no país. No fi­nal do sé­cu­lo XVIII, quan­do o prin­ci­pal ex­por­ta­dor mun­di­al do pro­du­to en­trou em cri­se, o Bra­sil au­men­tou a sua pro­du­ção e pas­sou a ex­por­tá-lo com mai­or re­gu­la­ri­da­de.

Na pri­mei­ra me­ta­de do sé­cu­lo XIX, a eco­no­mia bra­si­lei­ra era de­pen­den­te da ex­por­ta­ção de ca­fé, cu­jo cul­ti­vo era ba­se­a­do no tra­ba­lho es­cra­vo. Pou­co tem­po de­pois de os por­tu­gue­ses te­rem vin­do para o Bra­sil, o al­mi­ran­te fran­cês Ni­co­las Vil­le­gaig­non li­de­rou os fran­ce­ses na fun­da­ção da Fran­ça An­tár­ti­ca, em 1555, no Rio de Ja­nei­ro. Mas fo­ram ex­pul­sos pe­los por­tu­gue­ses, com a aju­da de tri­bos in­dí­ge­nas do li­to­ral, em 1567. Em 1612, ou­tro co­man­dan­te da ma­ri­nha fran­ce­sa, o ca­pi­tão Da­ni­el de La Tou­che, le­vou os fran­ce­ses a fun­da­rem a ci­da­de de São Luís (MA), des­ta vez de­no­mi­na­da de Fran­ça Equi­no­ci­al. Mas fo­ram ex­pul­sos três anos de­pois.

No ano 1580, po­rém, de­pois da mor­te do rei de Por­tu­gal, sem ter ne­nhum her­dei­ro di­re­to, o tro­no pas­sou para o pa­ren­te mais pró­xi­mo, o pri­mo Fe­li­pe II da Es­pa­nha, e as­sim nas­ceu a União Ibé­ri­ca. Jun­ta­men­te com a união dos dois paí­ses apa­re­ceu um no­vo ini­mi­go para os por­tu­gue­ses: os ho­lan­de­ses, que tam­bém se aven­tu­ra­ram nas in­va­sões ao Bra­sil, ten­do ocu­pa­do as ci­da­des do Rio de Ja­nei­ro, Sal­va­dor e San­tos em 1599. Com a aju­da dos es­pa­nhóis, os por­tu­gue­ses ex­pul­sa­ram os ho­lan­de­ses da Bahia em 1625. Os ho­lan­de­ses vol­ta­ram a in­va­dir o Bra­sil em 1630, na re­gião do li­to­ral de Per­nam­bu­co, mai­or cen­tro pro­du­tor de açú­car do país e do mun­do. Ex­pan­dem a in­ves­ti­da en­tre 1630 e 1641 e ocu­pam áre­as no li­to­ral do Ma­ra­nhão, Pa­raí­ba, Ser­gi­pe e Rio Gran­de do Nor­te.

Com a che­ga­da do con­de ho­lan­dês Mau­rí­cio de Nas­sau em Per­nam­bu­co, em 1637, que veio ad­mi­nis­trar as áre­as in­va­di­das, mui­tos co­lo­nos já es­ta­vam in­sa­tis­fei­tos com os ho­lan­de­ses, o que cul­mi­nou na cha­ma­da in­sur­rei­ção per­nam­bu­ca­na, em 1645. Li­de­ra­dos por João Fer­nan­des Vi­ei­ra e Antô­nio Ca­val­can­ti os re­vol­to­sos ven­ce­ram os ho­lan­de­ses em vá­ri­as ba­ta­lhas, en­tre as quais me­re­cem des­ta­que as du­as ba­ta­lhas de Gu­a­ra­ra­pes. A pri­mei­ra foi em 1648 e a se­gun­da um ano de­pois, quan­do te­ve fim o do­mí­nio ho­lan­dês no Bra­sil. Em 1661, Por­tu­gal e Ho­lan­da as­si­na­ram o Tra­ta­do de Haia, no qual a Ho­lan­da se com­pro­me­teu a de­sis­tir dos cen­tros pro­du­to­res de açú­car do nor­des­te bra­si­lei­ro.

Com a ex­pul­são dos ho­lan­de­ses, vi­e­ram os pro­ble­mas econô­mi­cos, pois a co­roa lu­si­ta­na ga­nhou com es­sa ati­tu­de um con­cor­ren­te for­tís­si­mo na pro­du­ção de ca­na de açú­car que, sain­do das ter­ras lu­si­ta­nas, pas­sa­ram a pro­du­zir nas ilhas do Ca­ri­be. Nes­ta si­tu­a­ção, os por­tu­gue­ses fo­ram obri­ga­dos a bus­car al­ter­na­ti­vas fi­nan­cei­ras. Sur­gi­ram, pos­te­ri­or­men­te, as en­tra­das e ban­dei­ras para ex­plo­ra­ção do ter­ri­tó­rio, e com elas uma no­va fon­te de ri­que­za, o ou­ro. Fin­dan­do es­te pe­río­do his­tó­ri­co, ain­da te­mos as re­vol­tas bra­si­lei­ras dos sé­cu­los XVII e XVIII. Co­nhe­ci­das co­mo re­vol­tas na­ti­vis­tas, es­sas in­sur­rei­ções bus­ca­vam re­sol­ver os pro­ble­mas lo­cais e não ob­je­ti­va­vam a in­de­pen­dên­cia de Por­tu­gal, en­tre as mai­o­res po­de­mos des­ta­car a Re­vol­ta de Beck­man (1684), a Gu­er­ra dos Em­bo­a­bas (1708), a Gu­er­ra dos Mas­ca­tes (1710) e a Re­vol­ta de Fi­li­pe dos San­tos (1720).

Já as re­vol­tas co­lo­ni­ais ti­nham por ob­je­ti­vo to­nar-se in­de­pen­den­tes, pois es­ta­vam mo­ti­va­das pe­los ide­ais ilu­mi­nis­tas. A In­con­fi­dên­cia Mi­nei­ra, mo­vi­men­to so­ci­al que ocor­reu em 1789, na an­ti­ga Vi­la Ri­ca (atu­al Ou­ro Pre­to), ca­pi­tal da ca­pi­ta­nia de Mi­nas Ge­rais, te­ve co­mo prin­ci­pal lí­der Jo­a­quim Jo­sé da Sil­va Xa­vi­er, o Ti­ra­den­tes.

Com a re­per­cus­são da in­de­pen­dên­cia dos EUA (1776), o mo­vi­men­to se in­ten­si­fi­cou e te­ve in­te­lec­tu­ais ár­ca­des en­ga­ja­dos na in­sur­rei­ção que foi pre­cur­so­ra da in­de­pen­dên­cia do Bra­sil, en­tre eles os es­cri­to­res To­más Antô­nio Gon­za­ga, Al­va­ren­ga Pei­xo­to e Cláu­dio Ma­nu­el da Cos­ta.

A Con­ju­ra­ção Bai­a­na, tam­bém cha­ma­da de Re­vol­ta dos Al­fai­a­tes, li­de­ra­da pe­lo mé­di­co Ci­pri­a­no Ba­ra­ta, acon­te­ceu em 1798. Dois sol­da­dos e dois al­fai­a­tes, os már­ti­res do mo­vi­men­to, fo­ram en­for­ca­dos em pra­ça pú­bli­ca. En­quan­to a In­con­fi­dên­cia Mi­nei­ra foi di­ri­gi­da pe­la eli­te in­te­lec­tu­al de Vi­la Ri­ca, com pra­ti­ca­men­te ne­nhu­ma par­ti­ci­pa­ção po­pu­lar, a Con­ju­ra­ção Bai­a­na in­cluiu re­pre­sen­tan­tes de di­ver­sas clas­ses so­ci­ais do Bra­sil co­lo­ni­al: es­cra­vos, mu­la­tos e ne­gros li­vres. Es­sa épo­ca co­lo­ni­al ter­mi­na com a In­de­pen­dên­cia do Bra­sil, em 1822.

2.2. História do Bra­sil Im­pe­ri­al

Na tran­si­ção do pe­río­do co­lo­ni­al para o im­pe­ri­al te­mos um dos mar­cos mais im­por­tan­tes da nos­sa história: a vin­da da fa­mí­lia re­al por­tu­gue­sa para o Bra­sil. Para vo­cê se dar con­ta da im­por­tân­cia de tal acon­te­ci­men­to, sai­ba que nun­ca an­tes ha­via acon­te­ci­do o fa­to de, an­te­ri­or­men­te a es­te epi­só­dio, uma fa­mí­lia re­al eu­ro­peia ter vin­do fi­xar mo­ra­dia no con­ti­nen­te ame­ri­ca­no. Gra­ças a Na­po­leão Bo­na­par­te e ao seu blo­queio con­ti­nen­tal, em 1806, is­so foi pos­sí­vel. A che­ga­da de­fi­ni­ti­va, po­rém, só acon­te­ceu em 1808, ele­van­do a colô­nia bra­si­lei­ra à ca­te­go­ria de rei­no. E foi em 1821 que D. João VI foi obri­ga­do a vol­tar para Por­tu­gal, dei­xan­do no co­man­do do Bra­sil seu fi­lho D. Pe­dro, co­mo prín­ci­pe re­gen­te. A im­pren­sa da épo­ca no­ti­ci­a­va que D. Pe­dro es­ta­va mais pre­o­cu­pa­do com Por­tu­gal do que com o Bra­sil, em ra­zão de vá­ri­as cri­ses que acon­te­ci­am por lá e co­gi­ta­va as­su­mir o tro­no por­tu­guês tam­bém.

Para os bra­si­lei­ros, o im­pe­ra­dor de­ve­ria es­tar com­pro­me­ti­do com a ad­mi­nis­tra­ção do Bra­sil, e ti­nha o de­ver de dei­xar Por­tu­gal de la­do. O mo­nar­ca en­trou em con­fli­to di­re­to com os in­te­res­ses por­tu­gue­ses, pois de­ci­diu fi­car. Es­sa de­ci­são do prín­ci­pe de de­sa­fi­ar as Cor­tes de­cor­reu de um am­plo mo­vi­men­to, no qual se des­ta­cou Jo­sé Bo­ni­fá­cio de An­dra­da e Sil­va. Com a cé­le­bre fra­se “Se é para o bem de to­dos e fe­li­ci­da­de ge­ral da Na­ção, es­tou pron­to! Di­gam ao po­vo que fi­co”, a da­ta da re­so­lu­ção en­trou para a história co­mo “O Dia do Fi­co”. Pos­te­ri­or­men­te, no dia 7 de se­tem­bro de 1822, às mar­gens do ri­a­cho do Ipi­ran­ga, o prín­ci­pe pro­cla­mou a in­de­pen­dên­cia do Bra­sil, e pas­sou a ser D. Pe­dro I, o im­pe­ra­dor.

No iní­cio, os paí­ses eu­ro­peus não re­co­nhe­ce­ram o rei­na­do de D. Pe­dro I. Os Es­ta­dos Uni­dos fo­ram os pri­mei­ros a acei­tar a in­de­pen­dên­cia do Bra­sil, no epi­só­dio que pas­sou a ser cha­ma­do “Gri­to do Ipi­ran­ga”. En­tre os prin­ci­pais acon­te­ci­men­tos da épo­ca po­de­mos ci­tar a pri­mei­ra Cons­ti­tui­ção do país, ou­tor­ga­da no ano de 1824, e que re­a­fir­ma­va o au­to­ri­ta­ris­mo de D. Pe­dro I. Uma ca­rac­te­rís­ti­ca que di­fe­ren­ci­a­va es­sa Cons­ti­tui­ção foi a ins­ti­tui­ção de um quar­to po­der, o Mo­de­ra­dor, ao la­do do Exe­cu­ti­vo, Le­gis­la­ti­vo e Ju­di­ciá­rio. Es­te quar­to po­der era ex­clu­si­vo do mo­nar­ca e, por ele, o im­pe­ra­dor con­tro­la­va a or­ga­ni­za­ção po­lí­ti­ca do Im­pé­rio do Bra­sil. Com re­gi­me de mo­nar­quia cons­ti­tu­ci­o­nal, o su­frá­gio era o cen­si­tá­rio, ou se­ja, o di­rei­to de vo­tar e de ser vo­ta­do de­pen­dia da po­si­ção so­ci­al e pa­trimô­nio fi­nan­cei­ro, o que ex­cluía a mai­or par­te da população.

D. Pe­dro I te­ve pro­ble­mas com a opo­si­ção, que dis­cu­tia o pa­pel do mo­nar­ca no go­ver­no. Ele tam­bém en­fren­tou ou­tros obs­tá­cu­los, co­mo a mal­su­ce­di­da Gu­er­ra da Cis­pla­ti­na, con­fli­to pe­lo ter­ri­tó­rio da an­ti­ga Pro­vín­cia Ori­en­tal ou Cis­pla­ti­na, que vi­ria a se tor­nar o atu­al Uru­guai. O mo­nar­ca en­fren­tou for­te opo­si­ção pe­lo es­va­zi­a­men­to dos co­fres pú­bli­cos em fun­ção des­sa cam­pa­nha bé­li­ca. Por fim, de­vi­do a vá­ri­os es­cân­da­los pes­so­ais e po­lí­ti­cos, o im­pe­ra­dor ab­di­cou ao po­der em 1831, dei­xan­do seu fi­lho Pe­dro de Al­cân­ta­ra (D. Pe­dro II), com ape­nas cin­co anos de ida­de co­mo seu su­ces­sor. Por ain­da ser me­nor de ida­de fi­cou sob a tu­te­la de re­gen­tes, épo­ca que fi­cou co­nhe­ci­da co­mo Pe­río­do Re­gen­ci­al.

Em 1840, ter­mi­nou o go­ver­no re­gen­ci­al, quan­do ocor­reu o Gol­pe da Mai­o­ri­da­de, e com ape­nas 14 anos, Pe­dro, as­su­miu o po­der e tor­nou-se D. Pe­dro II. Uma no­va era es­ta­va por vir, mais co­nhe­ci­da co­mo Se­gun­do Rei­na­do, que pre­sen­ci­ou vá­ri­as re­vol­tas co­mo a Ca­ba­na­gem, a Far­rou­pi­lha, a Sa­bi­na­da e a Ba­lai­a­da. No ex­te­ri­or, en­fren­tou a Gu­er­ra do Pa­ra­guai, que foi um dos fa­to­res que in­cen­ti­vou a for­ma­ção de ide­ais re­pu­bli­ca­nos. O trá­fi­co ne­grei­ro, de­vi­do às pres­sões in­ter­na­ci­o­nais con­trá­ri­as a es­ta prá­ti­ca, es­ta­va vi­ven­do seu fim gra­da­ti­vo, até que, em 1850, a Lei Eu­sé­bio de Qu­ei­rós abo­liu de­fi­ni­ti­va­men­te o trá­fi­co do ce­ná­rio na­ci­o­nal.

Tor­na­va-se ne­ces­sá­rio, en­tão, pen­sar na subs­ti­tui­ção do tra­ba­lho es­cra­vo. Es­te se­ria um dos ar­gu­men­tos uti­li­za­dos nos de­ba­tes que gi­ra­ri­am em tor­no das no­vas for­mas de dis­tri­bui­ção da ter­ra no Bra­sil.

Na se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo XIX, o Bra­sil viu sur­gir o mo­vi­men­to abo­li­ci­o­nis­ta, que te­ve Jo­a­quim Na­bu­co co­mo um dos prin­ci­pais ar­ti­cu­la­do­res. A pri­mei­ra eta­pa do pro­ces­so ocor­reu com a mo­di­fi­ca­ção na le­gis­la­ção es­cra­vis­ta bra­si­lei­ra, que proi­biu o trá­fi­co de es­cra­vos para o Bra­sil. Em 1871, foi de­cla­ra­da a Lei do Ven­tre-Li­vre, que tor­na­va li­vre os fi­lhos de es­cra­vos que nas­ces­sem a par­tir de sua pro­mul­ga­ção. Em 1885, foi apro­va­da a lei Sa­rai­va-Co­te­gi­pe ou dos Se­xa­ge­ná­ri­os, que be­ne­fi­ci­a­va os ne­gros de mais de 65 anos.

E, fi­nal­men­te, em 13 de maio de 1888, a Lei Áu­rea con­ce­dia li­ber­da­de to­tal aos ne­gros no Bra­sil. Es­ta lei, as­si­na­da pe­la Prin­ce­sa Isa­bel, abo­liu de vez a es­cra­vi­dão no Bra­sil. Em al­gu­mas oca­siões, Dom Pe­dro II te­ve de se au­sen­tar do Bra­sil, dei­xan­do sua fi­lha, a Prin­ce­sa Isa­bel na ad­mi­nis­tra­ção de cau­sas di­fí­ceis.

Ape­sar de não ha­ver o de­se­jo en­tre a mai­o­ria dos bra­si­lei­ros de mu­dar a for­ma de go­ver­no do Bra­sil, um gru­po de re­pu­bli­ca­nos co­me­çou a pres­si­o­nar os mi­li­ta­res para der­ru­bar a mo­nar­quia, e o le­van­te que ins­tau­rou a for­ma re­pu­bli­ca­na fe­de­ra­ti­va pre­si­den­ci­a­lis­ta de go­ver­no no Bra­sil ocor­reu em 15 de no­vem­bro de 1889, tor­nan­do o ma­re­chal De­o­do­ro da Fon­se­ca o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e che­fe do Go­ver­no Pro­vi­só­rio.

2.3. História do Bra­sil Re­pu­bli­ca­no

A pri­mei­ra eta­pa do pe­río­do re­pu­bli­ca­no bra­si­lei­ro foi de­no­mi­na­da de Re­pú­bli­ca Ve­lha. Ela po­de ser di­vi­di­da em du­as par­tes: a pri­mei­ra é cha­ma­da de Re­pú­bli­ca da Es­pa­da (1889-1894) e a se­gun­da de Re­pú­bli­ca das Oli­gar­qui­as (1894-1930). É ne­ces­sá­rio res­sal­tar que na for­ma­ção da Re­pú­bli­ca na­ci­o­nal não hou­ve par­ti­ci­pa­ção po­pu­lar, por is­so não po­de­mos as­so­ciá-la a um mo­vi­men­to de­mo­crá­ti­co.

Na Re­pú­bli­ca da Es­pa­da des­ta­cam-se dois pre­si­den­tes, o pri­mei­ro, o ma­re­chal De­o­do­ro da Fon­se­ca e o su­ces­sor, o ma­re­chal Flo­ri­a­no Pei­xo­to. Es­ta épo­ca foi mar­ca­da por cri­ses na eco­no­mia bra­si­lei­ra.

A mais im­por­tan­te es­tá re­la­ci­o­na­da com a po­lí­ti­ca do En­ci­lha­men­to do mi­nis­tro da Fa­zen­da, Rui Bar­bo­sa. Nu­ma ten­ta­ti­va in­fe­liz de in­dus­tri­a­li­zar o Bra­sil, aca­bou de­sen­ca­de­an­do a fa­lên­cia de vá­ri­as in­dús­tri­as e ge­ran­do uma in­fla­ção que te­ve co­mo con­sequên­cia o for­ta­le­ci­men­to do po­der dos ca­fei­cul­to­res, fa­to­res que de­ram iní­cio ao pe­río­do co­nhe­ci­do co­mo Re­pú­bli­ca das Oli­gar­qui­as, tam­bém de­no­mi­na­das Re­pú­bli­ca do Ca­fé com Lei­te, com­pos­ta pre­do­mi­nan­te­men­te pe­los pre­si­den­tes dos mai­o­res co­lé­gi­os elei­to­ral do Bra­sil, o de São Pau­lo – com pro­du­ção de ca­fé – e o de Mi­nas Ge­rais – com gran­de pro­du­ção de lei­te.

Atra­vés de elei­ções frau­du­len­tas e dos vo­tos de ca­bres­to, ne­nhum ou­tro es­ta­do con­se­guia ele­ger re­pre­sen­tan­tes pre­si­den­ci­ais. Es­ta si­tu­a­ção só foi al­te­ra­da de­pois da que­bra de acor­do por par­te de São Pau­lo, dan­do a chan­ce para a en­tra­da de Ge­tú­lio Var­gas na pre­si­dên­cia do país, em 1930. Vá­ri­as re­vol­tas ocor­re­ram na Ve­lha Re­pú­bli­ca, en­tre elas, a gu­er­ra de Ca­nu­dos, do Con­tes­ta­do, a Re­vol­ta da Va­ci­na, da Chi­ba­ta e do For­te Co­pa­ca­ba­na. Var­gas go­ver­nou pe­la pri­mei­ra vez por quin­ze anos, ini­ci­an­do uma no­va era, que se di­vi­de em três par­tes: o Go­ver­no Pro­vi­só­rio (1930 – 1934), o Go­ver­no Cons­ti­tu­ci­o­na­lis­ta (1934 – 1937) e o Es­ta­do No­vo (1937 – 1945).

Den­tre os acon­te­ci­men­tos re­le­van­tes da era Var­gas, po­de­mos ci­tar a Re­vo­lu­ção de 1930, a Cons-

ti­tui­ção de 1934, a In­ten­to­na Co­mu­nis­ta, o Pla­no Cohen e a par­ti­ci­pa­ção do Bra­sil na Se­gun­da Gu­er­ra Mun­di­al.

Pos­te­ri­or­men­te a Ge­tú­lio Var­gas, te­mos os go­ver­nos de Eu­ri­co Gas­par Du­tra (1946 -1951); a vol­ta de Ge­tú­lio em 1951, até o seu sui­cí­dio em 1954; de Jus­ce­li­no Ku­bits­chek (1956 – 1961), com seu pla­no de cres­ci­men­to de “Cin­quen­ta anos em cin­co” e a cons­tru­ção de Bra­sí­lia. E, fin­dan­do o pe­río­do de­mo­crá­ti­co bra­si­lei­ro, ti­ve­mos os pre­si­den­tes Jâ­nio Qu­a­dros (1961), se­gui­do de João Gou­lart, que foi cha­ma­do pe­jo­ra­ti­va­men­te de “demô­nio co­mu­nis­ta”, e so­freu o gol­pe di­ta­to­ri­al de 1964.

De 1964 a 1985, o Bra­sil vi­veu uma era de re­pres­sões. As elei­ções não eram mais de­mo­crá­ti­cas, o vo­to era de for­ma in­di­re­ta e a na­ção es­ta­va sob o co­man­do de uma jun­ta de mi­li­ta­res, que go­ver­na­vam atra­vés dos Atos Ins­ti­tu­ci­o­nais. To­dos os opo­si­to­res fo­ram re­pre­en­di­dos de for­ma bru­tal. O Po­der Exe­cu­ti­vo des­te pe­río­do foi di­vi­di­do en­tre os ge­ne­rais Cas­te­lo Bran­co, Cos­ta e Sil­va, Mé­di­ci, Gei­sel e Fi­guei­re­do e a re­de­mo­cra­ti­za­ção do país co­me­çou a par­tir de 1985.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.