1. OR­TO­GRA­FIA

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

A or­to­gra­fia é a par­te da gra­má­ti­ca que nor­ma­ti­za a for­ma de es­cre­ver, ou se­ja, en­si­na a es­cre­ver bem.

Em­pre­go do s

O s é em­pre­ga­do nos se­guin­tes ca­sos: Nas pa­la­vras de­ri­va­das do ver­bo ver­ter: ver­são, re­ver­são, re­ver­sí­vel, con­ver­são, sub­ver­si­vo.

To­das as pa­la­vras de­ri­va­das de ver­bos ter­mi­na­dos em - pe­lir: re­pe­lir (re­pul­si­vo), im­pe­lir (im­pul­so), ex­pe­lir (ex­pul­so).

Pa­la­vras de­ri­va­das de ver­bos ter­mi­na­dos em -en­der: ten­der (ten­são), com­pre­en­der (com­pre­en­são), apre­en­der (apre­en­si­va).

Nas for­mas dos ver­bos pôr e que­rer: pus, pu­ser, pu­ses­se, quis, qui­ser, qui­ses­se.

Nos ver­bos de­ri­va­dos de pa­la­vras que já têm s: aviso = avi­sar, pes­qui­sa = pes­qui­sar.

Nos ad­je­ti­vos ter­mi­na­dos em -oso (a): amo­ro­so, hor­ro­ro­so, chei­ro­so, fei­o­so, ran­co­ro­so.

Nos ad­je­ti­vos que in­di­cam ori­gem, tí­tu­lo de no­bre­za ou pro­fis­são ter­mi­na­dos em -ês (a) e -isa: marquês, mar­que­sa, cam­po­nês, cam­po­ne­sa, di­na­marquês, di­na­mar­que­sa, po­e­ti­sa, pro­fe­ti­sa.

Nos ad­je­ti­vos que in­di­cam re­la­ção, pro­ce­dên­cia ou ori­gem ter­mi­na­dos em -nse: rio-gran­den­se, flu­mi­nen­se, ate­ni­en­se. Se o s vi­er de­pois de um di­ton­go: coi­sa, lou­sa. Nos di­mi­nu­ti­vos de pa­la­vras que já têm a le­tra s: prin­ce­sa = prin­ce­si­nha, país = pai­si­nho.

Di­ca: o “s” en­tre du­as vo­gais tem sem­pre o som de “z”.

Em­pre­go do z

A le­tra z é em­pre­ga­da nos se­guin­tes ca­sos: Nos ver­bos de­ri­va­dos de pa­la­vras que não têm z: ci­vil = ci­vi­li­zar, ár­vo­re = ar­bo­ri­zar, su­a­ve = su­a­vi­zar.

Nos di­mi­nu­ti­vos de­ri­va­dos de pa­la­vras que não têm s, ter­mi­na­dos em -zi­nho(a): ár­vo­re = ar­vo­re­zi­nha, ho­mem = ho­men­zi­nho.

Nos for­ma­do­res de subs­tan­ti­vos abs­tra­tos ba­se­a­dos em ad­je­ti­vos, que se­jam ter­mi­na­dos em -ez, -eza: es­tú­pi­do = es­tu­pi­dez, ava­ro = ava­re­za.

Nos for­ma­do­res de ver­bo com ba­se em subs­tan­ti­vo ou ad­je­ti­vo ter­mi­na­dos em -izar que não se es­cre­vam com s: hos­pi­tal = hos­pi­ta­li­zar, hu­ma­no = hu­ma­ni­zar.

Di­ca: o subs­tan­ti­vo "ca­te­que­se" é es­cri­to com “s”, mas o ver­bo equi­va­len­te com “z” (ca­te­qui­zar). Is­so acon­te­ce de­vi­do a eti­mo­lo­gia das pa­la­vras – ca­te­que­se vem do la­tim ca­te­che­se, e o ver­bo ca­te­qui­zar vem do la­tim ca­te­chi­za­re.

Em­pre­go de g ou j

A le­tra g é em­pre­ga­da nos se­guin­tes ca­sos: Nas pa­la­vras ter­mi­na­das em - ágio, -égio, -ígio, -ógio, -úgio: pe­dá­gio, co­lé­gio, pro­dí­gio, re­ló­gio, re­fú­gio. A pa­la­vra “Ser­gi­pe” é uma ex­ce­ção.

Nos subs­tan­ti­vos ter­mi­na­dos em -gem: ga­ra­gem, sel­va­gem, agi­o­ta­gem. Os subs­tan­ti­vos "pa­jem", "la­jem" e "lam­bu­jem" são es­cri­tos com “j”, por­tan­to, são ex­ce­ções. A le­tra j é em­pre­ga­da nos se­guin­tes ca­sos: Em pa­la­vras que têm ori­gem tu­pi: ca­ju, ja­bu­ti, ju­ru­ru. Nas con­ju­ga­ções dos ver­bos ter­mi­na­dos em -jar: vi­a­jar = vi­a­jo, vi­a­jei.

Di­ca: o subs­tan­ti­vo vi­a­gem se es­cre­ve com “g”, mas o ver­bo vi­a­jar na 3ª pes­soa do plu­ral do mo­do im­pe­ra­ti­vo (vi­a­jem) se es­cre­ve com “j”.

Em­pre­go do x ou ch

A le­tra x é em­pre­ga­da nos se­guin­tes ca­sos: Nor­mal­men­te, se em­pre­ga o x de­pois de di­ton­gos: cai­xo­te, fai­xa, pei­xe.

Em pa­la­vras que se ini­ci­am com -en: en­xa­da, en­xa­gue, en­xo­fre. Os ver­bos “en­cher”, “en­char­car” e de­ri­va­dos são gra­fa­dos com “ch”, por­tan­to, são ex­ce­ções.

Em pa­la­vras que se ini­ci­am com me-: me­xe­ri­quei­ra, Mé­xi­co, me­xo. A pa­la­vra “me­cha” e seus de­ri­va­dos tam­bém são es­cri­tas com “ch”, por­tan­to, con­sis­tem em ex­ce­ções.

Em pa­la­vras que têm ori­gem afri­ca­na e in­dí­ge­na: xa­rá, xa­van­te, xangô.

Em­pre­go de ss e ç

Usa-se o ss nos se­guin­tes ca­sos: Em to­das as pa­la­vras de­ri­va­das de ver­bos ter­mi­na­dos em -gre­dir: agre­dir = agres­são, re­gre­dir = re­gres­são.

Em to­das as pa­la­vras de­ri­va­das de ver­bos ter­mi­na­dos em -mi­tir: de­mi­tir = de­mis­são, ad­mi­tir = ad­mis­são.

Em to­das as pa­la­vras de­ri­va­das de ver­bos ter­mi­na­dos em -ce­der: ce­der = ces­são, re­tro­ce­der = re­tro­ces­so. Usa-se ç nos se­guin­tes ca­sos: Em pa­la­vras que têm ori­gem ára­be ou tu­pi: açaí, cai­ça­ra e mu­çul­ma­no. De­pois dos di­ton­gos: lou­ça, lin­gui­ça, fei­ção. Em pa­la­vras de­ri­va­das dos ver­bos ter e tor­cer: ob­ter = ob­ten­ção, tor­cer = tor­ção.

Nas pa­la­vras ter­mi­na­das em -aça(o), -iça(o), - uça(o): bar­ca­ça, pre­gui­ça, pin­gu­ço.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.