So­lu­ci­o­nan­do an­ti­gas dú­vi­das

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

Há ou a? Qu­an­do in­di­ca­mos tem­po pas­sa­do, uti­li­za­mos “há”: Há di­as es­pe­ro por ele.

Qu­an­do in­di­ca­mos tem­po fu­tu­ro, uti­li­za­mos “a”: Da­qui a pou­co ele che­ga.

Mais ou mas? “Mais” po­de dar a ideia de in­ten­si­da­de ou de adi­ção. A for­ma mais prá­ti­ca de sa­ber qu­an­do de­ve ser uti­li­za­do é tro­car por me­nos. Se a subs­ti­tui­ção não in­ter­fe­rir na for­ma co­mo a fra­se foi es­cri­ta o uso es­tá cor­re­to. Ex.: Sou mais bo­ni­ta ho­je do que há vin­te anos (Sou me­nos bo­ni­ta ho­je do que há vin­te anos).

O uso da pa­la­vra “me­nos” não mo­di­fi­ca gra­ma­ti­cal­men­te a fra­se. As­sim, o uso de “mais” es­tá cor­re­to.

“Mas” in­di­ca ad­ver­si­da­de, opo­si­ção: Gos­to de vo­cê, mas gos­to mais de mim.

Mau ou mal? “Mau” po­de ser subs­ti­tuí­do por “bom”. Ex.: Pe­dro é mui­to mau (Pe­dro é mui­to bom). A subs­ti­tui­ção foi fei­ta sem pre­juí­zo gra­ma­ti­cal da fra­se, por­tan­to, o uso de “mau” es­tá cor­re­to.

“Mal” po­de in­di­car um mo­do de ser ou po­de ser um no­me. Nes­ses ca­sos é só subs­ti­tuir pe­lo antô­ni­mo “bem”. Ex.: O pro­fes­sor es­tá mal (O pro­fes­sor es­tá bem). Ex.: O mal é in­cu­rá­vel (O bem é in­cu­rá­vel). Mas, qu­an­do se tra­tar de uma con­jun­ção tem­po­ral, ou se­ja, que in­di­que tem­po, ele equi­va­le a “as­sim que”. Exem­plo: Mal che­gou, des­mai­ou ( As­sim que che­gou, des­mai­ou).

On­de ou aon­de? “On­de” é em­pre­ga­do com ver­bos que não dão ideia de mo­vi­men­to. Ver­bos: es­tar, en­con­trar, fi­car. Exem­plos: On­de es­tão os brin­que­dos de sua ir­mã? On­de vo­cê en­con­trou es­se do­ce? On­de va­mos fi­car hos­pe­da­dos?

Já o ter­mo “aon­de” é em­pre­ga­do com ver­bos que dão ideia de mo­vi­men­to. Ver­bos: ir, le­var, pro­cu­rar. Exem­plos: Aon­de nós va­mos? Aon­de le­var tan­tos alu­nos? Aon­de pro­cu­rar o pre­sen­te de sua ir­mã?

Ces­são, ses­são ou se­ção? “Ces­são” sig­ni­fi­ca dar al­go pa­ra al­guém: A ces­são do ter­re­no pa­ra os po­bres ali­vi­ou sua cul­pa.

“Ses­são” sig­ni­fi­ca um mo­men­to, in­ter­va­lo de tem­po pa­ra a re­a­li­za­ção de uma as­sem­bleia ou reu­nião: Es­ta ses­são es­tá en­cer­ra­da.

“Se­ção” sig­ni­fi­ca uma di­vi­são es­pe­cí­fi­ca pa­ra de­ter­mi­na­da coi­sa ou as­sun­to: Qu­an­do vou ao mer­ca­do co­me­ço pe­la se­ção de con­ge­la­dos.

Por que, por­que, porquê ou por quê?

Além da di­fe­ren­ça en­tre "por que" se­pa­ra­do, que é usa­do em fra­ses in­ter­ro­ga­ti­vas, e o "por­que" jun­to, que ser­ve pa­ra dar res­pos­tas, uti­li­za-se “por que” qu­an­do equi­va­le a “pe­lo qual”, ou, se de­pois de­le, vi­er es­cri­ta a pa­la­vra “ra­zão”, que tam­bém po­de es­tar su­ben­ten­di­da na fra­se. Exem­plos: Eu sei o mo­ti­vo por que ele me fe­riu. (Eu sei o mo­ti­vo pe­lo qual ele me fe­riu); Por que os me­ni­nos es­tão de pé? (Por que ra­zão os me­ni­nos es­tão de pé?).

Usa­mos “por­que” qu­an­do va­mos ex­pli­car al­gu­ma coi­sa ou a cau­sa de­la. Ge­ral­men­te equi­va­le a “pois” Exem­plos: Fui ao mé­di­co por­que sen­ti do­res no pei­to. (Fui ao mé­di­co, pois sen­ti do­res no pei­to); Vim bus­car a pa­pe­la­da por­que pre­ci­sa­mos dar en­tra­da no ca­sa­men­to. (Vim bus­car a pa­pe­la­da, pois pre­ci­sa­mos dar en­tra­da no ca­sa­men­to).

“Porquê” é um subs­tan­ti­vo, vai vir acom­pa­nha­do por ar­ti­go, nu­me­ral ou pro­no­me, ou se­ja, pa­la­vras que de­ter­mi­nem o subs­tan­ti­vo. Exem­plos: Ela não sa­be o porquê da des­con­fi­an­ça de seu ma­ri­do; Exis­tem dois porquês pa­ra es­sa bri­ga, o ciú­me e a ver­go­nha.

“Por quê” é usa­do nas mes­mas si­tu­a­ções de por que,

mas so­men­te é usa­do no fi­nal da fra­se. Pois, “que” de­ve sem­pre ser acen­tu­a­do no fi­nal de uma fra­se. Exem­plos: Vo­cê ou­ve o quê?; Vo­cê gos­ta de quê?; Ele me fe­riu por quê?; Os me­ni­nos es­tão de pé por quê?

Se­não ou se não? “Se­não” é uti­li­za­do qu­an­do pu­der ser subs­ti­tuí­do por “ca­so con­trá­rio”. Exem­plos: En­tre, se­não vou bus­cá-lo (En­tre, ca­so con­trá­rio, vou bus­cá-lo); Va­mos ago­ra, se­não per­de­re­mos o voo. (Va­mos ago­ra, ca­so con­trá­rio, per­de­re­mos o voo).

“Se não” é uti­li­za­do qu­an­do pu­der ser subs­ti­tuí­do pe­la ex­pres­são “se por aca­so não”. Exem­plos: Vi­a­ja­re­mos ho­je, se não per­der­mos o voo. (Vi­a­ja­re­mos ho­je, se por aca­so não per­der­mos o voo); Se não cho­ver, ire­mos à praia. ( Se por aca­so não cho­ver, ire­mos à praia).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.