For­ma­ção das pa­la­vras

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

Quan­to à for­ma­ção, as pa­la­vras po­dem ser clas­si­fi­ca­das em pri­mi­ti­vas, de­ri­va­das, sim­ples e com­pos­tas.

Pri­mi­ti­vas: são aque­las que não pro­vêm de ne­nhu­ma ou­tra pa­la­vra: pe­dra, ca­sa.

De­ri­va­das: são aque­las que pro­vêm de ou­tras pa­la­vras já exis­ten­tes: pe­drei­ro, ca­sa­rão.

Sim­ples: são aque­las que só pos­su­em um úni­co ra­di­cal: cou­ve, mo­ça.

Com­pos­tas: são aque­las que pos­su­em mais de um ra­di­cal na sua for­ma­ção, seus ele­men­tos po­dem ser li­ga­dos por hí­fen ou não, co­mo já vi­mos no ca­pí­tu­lo an­te­ri­or: cou­ve-flor, ae­ro­mo­ça.

Es­sas pa­la­vras são for­ma­das em pro­ces­sos di­fe­ren­tes. Ve­ja­mos, en­tão, os prin­ci­pais pro­ces­sos de for­ma­ção de pa­la­vras.

Com­po­si­ção: ocor­re qu­an­do dois ou mais ra­di­cais se jun­tam pa­ra for­mar uma no­va pa­la­vra. Exis­tem dois ti­pos de com­po­si­ção.

Jus­ta­po­si­ção: qu­an­do os ra­di­cais se jun­tam sem que ha­ja al­te­ra­ção fo­né­ti­ca dos ra­di­cais: cou­ve-flor, ae­ro­mo­ça, gi­ras­sol.

Aglu­ti­na­ção: qu­an­do os ra­di­cais se jun­tam e nes­sa jun­ção há al­te­ra­ção fo­né­ti­ca dos ra­di­cais: pla­no + al­to = pla­nal­to, água + ar­den­te = aguar­den­te.

De­ri­va­ção por acrés­ci­mo de afi­xos: por es­se pro­ces­so se ob­têm pa­la­vras de­ri­va­das pe­la adi­ção de afi­xos. Há três ti­pos de de­ri­va­ção por acrés­ci­mo.

Pre­fi­xal: qu­an­do é adi­ci­o­na­do um pre­fi­xo pa­ra a for­ma­ção de uma no­va pa­la­vra: de­sem­pre­go.

Su­fi­xal: qu­an­do é adi­ci­o­na­do um su­fi­xo pa­ra a for­ma­ção da no­va pa­la­vra: em­pre­ga­do.

Pa­ras­sin­té­ti­ca: qu­an­do há acrés­ci­mo de pre­fi­xo e su­fi­xo si­mul­ta­ne­a­men­te pa­ra a for­ma­ção da no­va pa­la­vra: en­tris­te­cer.

Di­ca: a pa­ras­sín­te­se só exis­te qu­an­do o acrés­ci­mo de su­fi­xo e pre­fi­xo são fei­tos ao mes­mo tem­po. Na pa­la­vra “de­sem­pre­ga­do”, por exem­plo, não há pa­ras­sín­te­se, uma vez que exis­te a pa­la­vra “de­sem­pre­go” e “em­pre­ga­do”. Já na pa­la­vra “en­tris­te­cer” ocor­re a pa­ras­sín­te­se, já que não exis­tem as pa­la­vras “en­tris­te” e “tris­te­cer”.

Exis­tem ou­tros ti­pos de de­ri­va­ção, nos quais não há a pre­sen­ça de afi­xos.

De­ri­va­ção re­gres­si­va: nes­se ti­po de de­ri­va­ção há uma re­du­ção da pa­la­vra pri­mi­ti­va pa­ra a for­ma­ção da no­va pa­la­vra. Is­so ocor­re, prin­ci­pal­men­te, na for­ma­ção de subs­tan­ti­vos de­ri­va­dos de ver­bos: pes­car = pes­ca, ca­çar = caça.

De­ri­va­ção im­pró­pria: nes­se ca­so há uma mu­dan­ça de clas­se gra­ma­ti­cal da pa­la­vra pri­mi­ti­va. Po­rém não ha­ve­rá mu­dan­ça na for­ma: porquê (subs­tan­ti­vo) de­ri­va de por­que (con­jun­ção).

Há ain­da ou­tros pro­ces­sos de for­ma­ção de pa­la­vras. Ve­ja­mos:

Abre­vi­a­ção: re­du­ção da pa­la­vra até um li­mi­te no qual ain­da se­ja pos­sí­vel a sua com­pre­en­são: fo­to (fo­to­gra­fia), mo­to (mo­to­ci­cle­ta).

Po­de­mos ain­da ci­tar co­mo abre­vi­a­ção as si­glas: De­tran (De­par­ta­men­to Es­ta­du­al de Trân­si­to).

Di­ca: a abre­vi­a­ção é di­fe­ren­te da abre­vi­a­tu­ra. A pri­mei­ra con­sis­te em apre­sen­tar a for­ma re­du­zi­da de uma pa­la­vra, já a se­gun­da re­pre­sen­ta uma pa­la­vra por meio de sí­la­bas ou le­tras: pág. (pá­gi­na), ex. (exem­plo).

Hi­bri­dis­mo: são as pa­la­vras for­ma­das por ele­men­tos de lín­guas di­fe­ren­tes: au­to­mó­vel (au­to = gre­go + mó­vel = la­tim).

As clas­ses gra­ma­ti­cais po­dem se di­vi­dir em clas­ses va­riá­veis, for­ma­das pe­los: subs­tan­ti­vos, ver­bos, ar­ti­gos, ad­je­ti­vos, pro­no­mes e nu­me­rais, e as clas­ses in­va­riá­veis, for­ma­da pe­los: ad­vér­bi­os, pre­po­si­ções, con­jun­ções e in­ter­jei­ções.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.