Pro­no­me

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

Se­gun­do a de­fi­ni­ção de Er­na­ni Ter­ra, em sua “Mi­ni­gra­má­ti­ca”, o pro­no­me é “a pa­la­vra va­riá­vel em gê­ne­ro, nú­me­ro e pes­soa que re­pre­sen­ta ou acom­pa­nha o subs­tan­ti­vo, in­di­can­do sua po­si­ção em re­la­ção às pes­so­as do dis­cur­so ou si­tu­an­do-o no es­pa­ço e no tem­po”.

Sen­do as­sim, há, ini­ci­al­men­te, du­as classificações pa­ra o pro­no­me. Ele po­de ser um pro­no­me subs­tan­ti­vo (qu­an­do re­pre­sen­tar o subs­tan­ti­vo: Ela não al­mo­çou ho­je) ou um pro­no­me ad­je­ti­vo (qu­an­do acom­pa­nhar um subs­tan­ti­vo de for­ma a res­trin­gir o seu sig­ni­fi­ca­do: Meu tra­ves­sei­ro é ma­cio). Ve­ja ou­tras for­mas de clas­si­fi­ca­ção dos pro­no­mes. Pro­no­mes pes­so­ais: são pro­no­mes subs­tan­ti­vos, que re­pre­sen­tam as pes­so­as do dis­cur­so. São sub­di­vi­di­dos em:

Pro­no­me pes­so­al re­to: de­sem­pe­nha o pa­pel de su­jei­to de uma ora­ção. Ve­ja as for­mas: Eu – pri­mei­ra pes­soa do sin­gu­lar; Tu – se­gun­da pes­soa do sin­gu­lar; Ele ou ela – ter­cei­ra pes­soa do sin­gu­lar; Nós – pri­mei­ra pes­soa do plu­ral; Vós – se­gun­da pes­soa do plu­ral; Eles ou elas – ter­cei­ra pes­soa do plu­ral.

Pro­no­me pes­so­al do ca­so oblí­quo: de­sem­pe­nha a fun­ção de com­ple­men­to ver­bal. São da se­guin­te for­ma: Me, mim, co­mi­go – pri­mei­ra pes­soa do sin­gu­lar; te, ti, contigo – se­gun­da pes­soa do sin­gu­lar; se, si, con­si­go, o, a, lhe – ter­cei­ra pes­soa do sin­gu­lar; Nos, co­nos­co – pri­mei­ra pes­soa do plu­ral; vos, con­vos­co – se­gun­da pes­soa do plu­ral; se, si, con­si­go, os, as, lhes – ter­cei­ra pes­soa do plu­ral. Os pro­no­mes oblí­quos po­dem ser áto­nos (me, te, se, lhe, nos, vos, o, a, os, as) ou tô­ni­cos (mim, ti, si).

Pro­no­mes de tra­ta­men­to: se re­fe­rem à pes­soa com quem se fa­la (se­gun­da pes­soa), mas a con­cor­dân­cia de­ve ser fei­ta com a ter­cei­ra pes­soa.

Exem­plos: Vossa Al­te­za = re­fe­ren­te à prín­ci­pes; Vossa Majestade = re­fe­ren­te à reis, rai­nhas, im­pe­ra­do­res e im­pe­ra­tri­zes; Ex­ce­len­tís­si­mo ou Me­ri­tís­si­mo = re­fe­ren­te à juí­zes.

Co­mo em­pre­gar os pro­no­mes pes­so­ais? Os pro­no­mes oblí­quos “o”, “a”, “os”, “as”, qu­an­do utilizados de­pois de ver­bos que ter­mi­nam em “r”, “s”, “z”, as­su­mem as for­mas “lo”, “la”, “los”, “las”. Exem­plos: Vê- la me faz bem. En­con­tra­mo- lo na sar­je­ta. O bo­lo, fi- lo so­zi­nha. Es­ses mes­mos pro­no­mes pre­ce­di­dos de ver­bos ter­mi­na­dos em “-m”, “-ão”, “õe”, as­su­mem as for­mas “no”, “na”, “nos”, “nas”. Exem­plos: En­tre­ga­ram- nas em ca­sa.

Dão- nos co­mi­da por ca­ri­da­de. “Vo­cê(s)”, ape­sar de ser um pro­no­me de tra­ta­men­to, as­su­miu as ca­rac­te­rís­ti­cas de pro­no­me pes­so­al no por­tu­guês mo­der­no. Por­tan­to, as­su­miu as re­gras de pro­no­me de se­gun­da pes­soa, subs­ti­tuin­do o “tu” e o “vós”. Mas ain­da con­cor­da com a ter­cei­ra pes­soa.

Exem­plos: Vo­cês fa­rão o al­mo­ço ho­je? (vo­cês = se­gun­da pes­soa do plu­ral, com quem se fa­la; fa­rão = ter­cei­ra pes­soa do plu­ral).

Vo­cê vai al­mo­çar co­nos­co ho­je? (vo­cê = se­gun­da pes­soa do sin­gu­lar, com quem se fa­la; vai al­mo­çar = ter­cei­ra pes­soa do sin­gu­lar).

Pro­no­mes pos­ses­si­vos

São pro­no­mes que es­ta­be­le­cem uma ideia de pos­se, in­di­can­do o que per­ten­ce à pes­soa do dis­cur­so. Eles vão con­cor­dar em gê­ne­ro, nú­me­ro e grau com aqui­lo que é pos­suí­do e em pes­soa com o pos­sui­dor. São eles: Meu(s), mi­nha(s) = pri­mei­ra pes­soa do sin­gu­lar; Teu(s), tua(s) = se­gun­da pes­soa do sin­gu­lar; Seu(s), sua(s) = ter­cei­ra pes­soa do sin­gu­lar; Nos­so(s), nos­sa(s) = pri­mei­ra pes­soa do plu­ral; Vos­so(s), vossa(s) = se­gun­da pes­soa do plu­ral; Seu(s), sua(s) = ter­cei­ra pes­soa do plu­ral.

Pro­no­mes de­mons­tra­ti­vos

In­di­cam a po­si­ção em que um ser se en­con­tra em re­la­ção à pes­soa do dis­cur­so. As for­mas in­va­riá­veis sem­pre fun­ci­o­na­rão co­mo pro­no­me subs­tan­ti­vo. Os pro­no­mes de­mons­tra­ti­vos po­dem apa­re­cer adi­ci­o­na­dos a pre­po­si­ções ( de, em ou a). São eles: Es­te(s), es­ta(s), is­to (in­va­riá­vel) = pri­mei­ra pes­soa; Es­se(s), es­sa(s), is­so (in­va­riá­vel) = se­gun­da pes­soa; Aque­le(s), aque­la(s), aqui­lo (in­va­riá­vel) = ter­cei­ra pes­soa.

Co­mo em­pre­gar os de­mons­tra­ti­vos? Os pro­no­mes “o(s)” e “a(s)” são em­pre­ga­dos co­mo de­mons­tra­ti­vos qu­an­do equi­va­lem a “aque­le(s)”, “aque­la(s)”, “aqui­lo” ou “is­so”.

Exem­plo: Pe­ga­ram o que viram pe­la fren­te. (Pe­ga­ram aqui­lo que viram pe­la fren­te).

“Tal” e “se­me­lhan­te” tam­bém po­dem fun­ci­o­nar co­mo pro­no­me de­mons­tra­ti­vo se equi­va­ler a “es­te”, “es­se(s)”, “is­so”.

Exem­plos: Não era ne­ces­sá­ria tal fú­ria. (Não era ne­ces­sá­ria es­sa fú­ria).

Não era ne­ces­sá­ria se­me­lhan­te fú­ria. (Não era ne­ces­sá­ria es­sa/tal fú­ria).

Os pro­no­mes de­mons­tra­ti­vos de 1ª pes­soa in­di­cam que o ser es­tá pró­xi­mo a quem fa­la.

Exem­plos: Es­te li­vro em mi­nhas mãos se­rá uti­li­za­do pe­los alu­nos em 2014.

Os pro­no­mes de­mons­tra­ti­vos de se­gun­da pes­soa in­di­cam que o ser de que se fa­la es­tá pró­xi­mo à pes­soa com quem se fa­la. Exem­plo: Es­sa re­de ao seu la­do foi com­pra­da em Ser­gi­pe.

Os pro­no­mes de­mons­tra­ti­vos de ter­cei­ra pes­soa in­di­cam que o ser es­tá pró­xi­mo à pes­soa de quem se fa­la, ou dis­tan­te dos in­ter­lo­cu­to­res.

Exem­plos: Aque­les li­vros na sa­la dos pro­fes­so­res se­rão utilizados pe­los alu­nos em 2014.

Os pro­no­mes de­mons­tra­ti­vos de pri­mei­ra pes­soa in­di­cam tem­po pre­sen­te ou mui­to pró­xi­mo do mo­men­to em que se fa­la.

Exem­plos: Ho­je é meu ani­ver­sá­rio, por is­so es­te dia é es­pe­ci­al.

Os pro­no­mes de­mons­tra­ti­vos de se­gun­da pes­soa in­di­ca tem­po pas­sa­do re­la­ti­va­men­te pró­xi­mo ao mo­men­to em que se fa­la.

Exem­plo: Se­gun­da-fei­ra pas­sa­da foi meu ani­ver­sá­rio, por is­so es­se dia foi es­pe­ci­al.

Os pro­no­mes de ter­cei­ra pes­soa re­ve­lam tem­po re­mo­to ou bas­tan­te va­go.

Exem­plo: Nos anos 1980, ha­via mui­tos pro­gra­mas in­fan­tis, na­que­le tem­po as cri­an­ças eram te­les­pec­ta­do­res mais exi­gen­tes.

Em­pre­ga­mos “es­te” ou “is­to” qu­an­do al­go ain­da vai ser di­to e “es­se” ou “is­so” qu­an­do já foi di­to.

Exem­plos: Só es­pe­ro is­to: que o go­ver­no olhe mais pe­la edu­ca­ção.

Que o go­ver­no olhe mais pe­la edu­ca­ção, é is­so que es­pe­ro.

Pro­no­mes re­la­ti­vos

In­tro­du­zem uma re­la­ção su­bor­di­na­da, in­di­can­do um ter­mo já men­ci­o­na­do. São:

Va­riá­veis: o qual, a qual, os quais, as quais, cu­jo (s), cu­ja(s), quan­to(s), quan­ta(s). In­va­riá­veis: que, quem, on­de. Co­mo em­pre­gar os re­la­ti­vos? “Quem” se re­fe­re a pes­so­as. Exem­plos: “Doa a quem do­er”.

Eu vou ao bai­le, se­ja com quem for. “Que” se re­fe­re a pes­so­as ou coi­sas. Exem­plos: Es­sa é a pro­fes­so­ra de que fa­lei.

Es­te é o li­vro que ci­tei. Qu­an­do o pro­no­me “que” é pre­ce­di­do de pre­po­si­ção mo­nos­si­lá­bi­ca é uti­li­za­do so­zi­nho, mas qu­an­do for pre­ce­di­do de pre­po­si­ções com mais de uma sí­la­ba é uti­li­za­do “o qual” ou su­as fle­xões. Exem­plos: Es­sa é a pro­fes­so­ra so­bre a qual lhe fa­lei. Es­se é o li­vro com que tra­ba­lho. O pro­no­me re­la­ti­vo “cu­jo” equi­va­le a “do qual”, é re­la­ti­vo pos­ses­si­vo e con­cor­da com aqui­lo que se pos­sui.

Exem­plo: Es­sa é a pes­soa cu­jo no­me não pos­so di­zer.

Pro­no­mes in­de­fi­ni­dos

Re­fe­rem-se a ter­cei­ra pes­soa de for­ma va­ga e im­pre­ci­sa. Os prin­ci­pais pro­no­mes in­de­fi­ni­dos são:

Va­riá­veis: al­gum(a), al­guns, al­gu­mas, mui­to(s), mui­ta(s), ne­nhum(a), ne­nhuns, ne­nhu­mas, ou­tro(s), ou­tra(s), to­do(s), to­da(s), cer­to(s), cer­ta(s), pou­co(s), pou­ca(s), qual­quer, quais­quer, quan­to(s), quan­ta(s), tan­to(s), tan­ta(s), vá­ri­os, vá­ri­as, qual, quais, um, uma(s), uns.

In­va­riá­veis: al­go, al­guém, ca­da, mais, me­nos, na­da, nin­guém, ou­trem, tu­do.

Tam­bém apa­re­cem em for­ma de lo­cu­ções pro­no­mi­nais co­mo: ca­da qual, qual­quer um.

Pro­no­mes in­ter­ro­ga­ti­vos

São utilizados pa­ra for­mu­lar per­gun­tas. Os prin­ci­pais pro­no­mes in­ter­ro­ga­ti­vos são: Va­riá­veis: qual, quan­to. In­va­riá­veis: que, quem. Os pro­no­mes oblí­quos áto­nos po­dem ocu­par três po­si­ções na ora­ção. An­tes, no meio ou de­pois do ver­bo. Qu­an­do vi­er an­tes do ver­bo ocor­re­rá a pró­cli­se; de­pois, a ên­cli­se; e no meio a me­só­cli­se. Pró­cli­se Ocor­re em ora­ções nas quais an­tes do ver­bo ha­ja: Pro­no­me re­la­ti­vo Exem­plo: Não en­con­trei o re­mé­dio que me fa­lou. Pro­no­me in­de­fi­ni­do Exem­plo: To­do en­can­to se aca­ba. Pa­la­vra de sen­ti­do ne­ga­ti­vo. Exem­plo: Não me en­vi­a­ram o con­vi­te pa­ra

o ca­sa­men­to. Ên­cli­se Ocor­re nas se­guin­tes si­tu­a­ções: Qu­an­do o ver­bo es­ti­ver no iní­cio da fra­se, já que não se uti­li­za pro­no­me pa­ra ini­ci­ar uma fra­se.exem­plos: Ou­viu- se mui­ta coi­sa so­bre es­se as­sun­to. Acre­di­ta- se no fu­tu­ro do país. Qu­an­do o ver­bo es­ti­ver no im­pe­ra­ti­vo afir­ma­ti­vo. Exem­plos: Di­ri­jam- se à di­re­ção.

Ins­cre­vam- se no con­cur­so o mais rá­pi­do pos­sí­vel. Qu­an­do o ver­bo es­ti­ver no in­fi­ni­ti­vo im­pes­so­al. Exem­plos: Leia a ques­tão an­tes de re­sol­vê- la. Es­tu­de bas­tan­te o as­sun­to an­tes de so­lu­ci­o­ná- lo. Qu­an­do o ver­bo es­ti­ver no ge­rún­dio. Exem­plos: Cui­dou do do­en­te de for­ma cal­ma, fa­zen­do-lhe es­que­cer da dor.

Olhou fi­xa­men­te pa­ra o me­ni­no, con­ven­cen­do-o de que es­ta­va er­ra­do.

Di­ca: qu­an­do o ge­rún­dio vi­er pre­ce­di­do pe­la pre­po­si­ção “em”, o pro­no­me de­ve­rá vir an­tes do ver­bo. Nes­se ca­so, ocor­re­rá a pró­cli­se.

Exem­plo: Em se tra­tan­do de re­mé­di­os, pre­fi­ro os ca­sei­ros.

Ad­vér­bio Exem­plo: Aqui se es­tu­da mui­to. Con­jun­ções su­bor­di­na­ti­vas e co­or­de­na­ti­vas Exem­plo: Não di­ria, ain­da que me obri­gas­sem. Ocor­re tam­bém a pró­cli­se nas ora­ções ini­ci­a­das por pa­la­vras in­ter­ro­ga­ti­vas e ex­cla­ma­ti­vas e nas ora­ções op­ta­ti­vas. Exem­plos: Quem te in­for­mou so­bra a reu­nião?

Que Deus te aben­çoe. Me­só­cli­se Só ocor­re­rá me­só­cli­se qu­an­do o ver­bo es­ti­ver no fu­tu­ro do pre­sen­te ou no fu­tu­ro do pre­té­ri­to. Exem­plos: Amar- me- ia se me co­nhe­ces­se. Mos­trar- me- á o ví­deo de­pois de pron­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.