Fi­gu­ras de sintaxe

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

As fi­gu­ras de lin­gua­gem ex­plo­ram o sen­ti­do co­no­ta­ti­vo das pa­la­vras e ex­pres­sões, com is­so se afas­tam da for­ma pa­drão uti­li­za­da nor­mal­men­te nos tex­tos. Es­sas fi­gu­ras cos­tu­mam ser uti­li­za­das em tex­tos li­te­rá­ri­os, mas tam­bém po­dem apa­re­cer na lin­gua­gem co­lo­qui­al, na lin­gua­gem pu­bli­ci­tá­ria e em mui­tos ou­tros ti­pos de tex­tos.

Elip­se: omis­são de um ter­mo iden­ti­fi­cá­vel pe­lo seu con­tex­to. Exem­plos:

Na lo­ja, ape­nas qua­tro pes­so­as. (au­sên­cia do ver­bo "ha­ver").

Zeug­ma: elip­se de um ter­mo que já foi ci­ta­do an­te- ri­or­men­te.

Exem­plo: Es­ta­vam jun­tos, po­rém dis­tan­tes. Ele no ce­lu­lar, ela no com­pu­ta­dor. (elip­se do ver­bo es­tar, que já ha­via si­do uti­li­za­do na pri­mei­ra fra­se).

Ple­o­nas­mo: re­dun­dân­cia pa­ra re­for­çar a men­sa­gem. Exem­plo: Os ros­tos na fo­to co­nhe­cia-os de lon­ga da­ta. (re­pe­ti­ção do ter­mo ini­ci­al).

Hi­pér­ba­to: se­pa­ra­ção de pa­la­vras que per­ten­cem a um mes­mo sin­tag­ma, por uma fra­se, ou ora­ção. É a in­ver­são da or­dem nor­mal das pa­la­vras den­tro de uma ora­ção. Exem­plo: “E o sol da Li­ber­da­de, em rai­os fúl­gi­dos, Bri­lhou no céu da Pá­tria nes­se ins­tan­te”.

(Hi­no Na­ci­o­nal Bra­si­lei­ro). A or­dem di­re­ta se­ria: O sol da Li­ber­da­de bri­lhou em rai­os fúl­gi­dos no céu da Pá­tria nes­se ins­tan­te. Po­lis­sín­de­to: é a re­pe­ti­ção do co­nec­ti­vo. Exem­plo: Tra­ba­lhou e es­tu­dou, e não se can­sou, e con­quis­tou mui­tas coi­sas du­ran­te a vi­da.

As­sín­de­to: é o con­trá­rio do po­lis­sín­de­to. Nes­sa fi­gu­ra de sintaxe há a omis­são do co­nec­ti­vo.

Exem­plo: Tra­ba­lhou, es­tu­dou, não se can­sou, con­quis­tou mui­tas coi­sas du­ran­te a vi­da.

Ana­co­lu­to: há uma mu­dan­ça de pen­sa­men­to du­ran­te o pe­río­do, dei­xan­do um ter­mo des­li­ga­do dos ou­tros.

Exem­plo: Es­sa aces­si­bi­li­da­de de ho­je, a in­ter­net es­tá dei­xan­do as pes­so­as mais pre­gui­ço­sas.

A ora­ção des­ta­ca­da que ini­cia a fra­se não tem fun­ção sin­tá­ti­ca al­gu­ma. É co­mo se o pen­sa­men­to ini­ci­al ti­ves­se si­do in­ter­rom­pi­do e o nar­ra­dor se­gui­do uma no­va li­nha de ra­ci­o­cí­nio pa­ra for­mu­lar sua fa­la.

Aná­fo­ra: é a re­pe­ti­ção de ter­mos de for­ma in­ten­ci­o­nal. Exem­plo: “Pe­la ca­cha­ça de gra­ça que a gen­te tem que en­go­lir. Pe­la fu­ma­ça e a des­gra­ça, que a gen­te tem que tos­sir. Pe­los an­dai­mes pin­gen­tes que a gen­te tem que cair”.

(Chi­co Bu­ar­que, Cons­tru­ção, CD Per­fil). Nes­se ca­so, há a re­pe­ti­ção de al­guns ter­mos co­mo “pe­lo” e a ora­ção “que a gen­te tem que” que dá ideia de obri­ga­ção, a re­pe­ti­ção des­ses ter­mos têm a fi­na­li­da­de de re­for­çar a fal­ta de op­ção, o acú­mu­lo de fun­ções, que ge­ra can­sa­ço e fal­ta de op­ções.

In­ver­são: in­ver­são da or­dem di­re­ta dos ter­mos da ora­ção. Exem­plo: En­tu­si­as­ma­dos es­tão os alu­nos.

Si­lep­se: é a con­cor­dân­cia que se faz com um ter­mo que não es­tá ex­pres­so no tex­to. Exis­tem três ti­pos de si­lep­se.

Si­lep­se de gê­ne­ro: é qu­an­do a con­cor­dân­cia é fei­ta com um gê­ne­ro con­ti­do no ter­mo, mas que não es­tá re­pre­sen­ta­do nes­se ter­mo.

Exem­plo: A ca­lo­ro­sa Sal­va­dor se pre­pa­ra pa­ra o car­na­val de 2014. (a ci­da­de de Sal­va­dor).

Si­lep­se de nú­me­ro: é qu­an­do o ver­bo da ora­ção não con­cor­da em nú­me­ro com o su­jei­to. Exem­plo: Es­sa tur­ma te­rá apro­va­ção unâ­ni­me. São es­for­ça­dos.

Si­lep­se de pes­soa: qu­an­do o ver­bo não con­cor­da com o su­jei­to da ora­ção, mas es­tá con­ju­ga­do em ou­tra pes­soa. Exem­plo: Porquê os bra­si­lei­ros não de­sis­ti­mos nun­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.