12.2. Se­me­lhan­ças en­tre as pro­pos­tas

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

Em­bo­ra não apa­ren­te, há se­me­lhan­ças en­tre o tex­to no­ta mil do Enem e o tex­to de al­to pa­drão da Fuvest. E são jus­ta­men­te es­sas se­me­lhan­ças que o alu­no que bus­ca se dar bem em qual­quer pro­va pre­ci­sa mi­rar. A pri­mei­ra é o fa­to de as re­da­ções se­rem da mes­ma ti­po­lo­gia tex­tu­al (dis­ser­ta­ti­va-ar­gu­men­ta­ti­va). Es­se fa­to faz com que o es­tu­dan­te te­nha cons­ci­ên­cia de que, em qual­quer pro­va ou exa­me, se­rá ne­ces­sá­rio de­fen­der uma te­se so­bre uma te­má­ti­ca. No Enem, es­sa te­má­ti­ca é ex­plí­ci­ta e de fá­cil com­pre­en­são, en­quan­to na Fuvest ela pre­ci­sa ser cons­truí­da. Is­so, con­tu­do, não exi­me o can­di­da­to de ser ati­vo di­an­te de­la.

A se­gun­da se­me­lhan­ça re­si­de no fa­to de am­bas as ban­cas so­li­ci­ta­rem tex­tos que pre­ci­sam ser es­tru­tu­ra­dos da mes­ma ma­nei­ra: pos­suir uma in­tro­du­ção, que bus­ca si­tu­ar o lei­tor em re­la­ção ao te­ma; ter um de­sen­vol­vi­men­to, mais lon­go, que traz o de­ba­te so­bre a te­má­ti­ca, com o ob­je­ti­vo de com­pro­var a te­se. A úni­ca di­fe­ren­ça es­tru­tu­ral es­tá na con­clu­são. En­quan­to no Enem ela pre­ci­sa, ne­ces­sa­ri­a­men­te, dar as so­lu­ções à pro­ble­má­ti­ca su­ge­ri­da no te­ma, na Fuvest is­so não é obri­ga­tó­rio, em­bo­ra pos­sa ser fei­to.

Por fim, a úl­ti­ma se­me­lhan­ça diz res­pei­to à lin­gua­gem. Os mes­mos apon­ta­men­tos que valem pa­ra o Enem valem tam­bém pa­ra a re­da­ção da Fuvest. Am­bas as ban­cas exi­gem que a re­da­ção se­ja es­cri­ta de acor­do com a nor­ma pa­drão da lín­gua por­tu­gue­sa e pos­sua uma lin­gua­gem cla­ra e ob­je­ti­va. A mes­ma im­pes­so­a­li­da­de que im­pe­ra no Enem tam­bém é ex­tre­ma­men­te vá­li­da na pro­va de re­da­ção da Fuvest. Além dis­so, os re­cur­sos de co­e­são re­fe­ren­ci­al e de co­e­são in­ter­frá­si­ca tam­bém são os mes­mos, pos­suin­do gran­de va­lor no mo­men­to de ava­li­a­ção.

Após ter­mos dis­cor­ri­do so­bre a pro­du­ção do tex­to dis­ser­ta­ti­vo-ar­gu­men­ta­ti­vo, es­pe­ra­mos ter dei­xa­do cla­ro qual a vi­são so­bre a ti­po­lo­gia tex­tu­al so­li­ci­ta­da nos exa­mes e os pro­ce­di­men­tos que o can­di­da­to de­ve to­mar pa­ra ela­bo­rar uma boa re­da­ção. Lem­bra­mos que o tex­to bom não é so­men­te aque­le que con­se­gue a no­ta má­xi­ma, co­mo os que mos­tra­mos du­ran­te as li­ções, mas tam­bém o que já con­se­gue um es­co­re mai­or que 750. Ob­vi­a­men­te, o alu­no de­ve per­se­guir a per­fei­ção, a no­ta 1000, mas de­ve ter os pés no chão pa­ra en­ten­der que es­sa mé­dia, jun­to de um es­co­re ra­zoá­vel nas de­mais pro­vas, já abre mui­tas por­tas de uni­ver­si­da­des.

Fri­sa­mos, por fim, que a prá­ti­ca, a lei­tu­ra e a par­ti­ci­pa­ção ati­va nas ou­tras au­las, prin­ci­pal­men­te re­la­ci­o­na­das às ci­ên­ci­as da hu­ma­ni­da­de, aju­dam con­si­de­ra­vel­men­te na pro­du­ção da re­da­ção. Nin­guém es­cre­ve bem de um dia pa­ra o ou­tro. Por­tan­to, so­men­te a prá­ti­ca po­de le­var a per­fei­ção. Nin­guém es­cre­ve se não pos­suir o que es­cre­ver. A lei­tu­ra é mais que es­sen­ci­al nes­se sen­ti­do, uma vez que so­men­te ela po­de fa­zer do alu­no um co­nhe­ce­dor dos mais va­ri­a­dos as­sun­tos, ap­to a re­di­gir so­bre os te­mas mais di­ver­sos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.