Di­ca: co­mo fa­zer um tex­to nar­ra­ti­vo?

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

Ba­seia-se nas ações dos per­so­na­gens em de­ter­mi­na­do tem­po e es­pa­ço. Pa­ra cons­truir o tex­to, de­ve-se aten­tar a al­gu­mas par­ti­cu­la­ri­da­des.

Ele­men­tos

• Nar­ra­dor Quem con­ta a his­tó­ria. Po­de ser: nar­ra­dor-per­so­na­gem (o tex­to é em pri­mei­ra pes­soa e, co­mo o no­me su­ge­re, tra­ta-se de um per­so­na­gem da nar­ra­ti­va); nar­ra­dor-ob­ser­va­dor (não par­ti­ci­pa da his­tó­ria, nar­ra em ter­cei­ra pes­soa e sa­be o que es­tá acon­te­cen­do, ex­ce­to os pen­sa­men­tos mais ín­ti­mos dos per­so­na­gens); nar­ra­dor-onis­ci­en­te (tem co­nhe­ci­men­to de tu­do o que se pas­sa, usa a ter­cei­ra pes­soa e apresenta re­fle­xões em pri­mei­ra pes­soa). • En­re­do São os acon­te­ci­men­tos que com­põe à tra­ma. Os mei­os utilizados pa­ra apre­sen­tá-los são li­ne­a­res, ou se­ja, obe­de­cem a uma or­dem cro­no­ló­gi­ca (co­me­ço, meio e fim) ou não li­ne­a­res, que rom­pem o tem­po e o es­pa­ço por meio de re­tros­pec­ti­vas e an­te­ci­pa­ções. • Per­so­na­gens É em tor­no de­les que to­da a his­tó­ria acon­te­ce. Dividem-se en­tre per­so­na­gens prin­ci­pais – pro­ta­go­nis­tas e an­ta­go­nis­tas – e per­so­na­gens se­cun­dá­ri­os – co­ad­ju­van­tes. • Es­pa­ço O lu­gar no qual o en­re­do se pas­sa. A des­cri­ção é im­por­tan­te pa­ra am­bi­en­tar o lei­tor. • Tem­po Da­ta, era ou épo­ca em que a his­tó­ria es­tá acon­te­cen­do. Va­le lem­brar que de­ter­mi­na­dos pe­río­dos de tem­po são mar­can­tes pa­ra a ca­rac­te­ri­za­ção dos per­so­na­gens.

Es­tru­tu­ra • Apre­sen­ta­ção: é o mo­men­to no qual os prin­ci­pais fa­to­res são in­tro­du­zi­dos, res­pon­den­do quem, qu­an­do e on­de.

• De­sen­vol­vi­men­to ou com­pli­ca­ção: si­tu­a­ção ou con­fli­to que in­ter­fe­re ou mo­di­fi­ca o que foi ex­pos­to na apre­sen­ta­ção.

• Clí­max: pon­to al­to de ten­são e fa­to mais im­por­tan­te da his­tó­ria.

• Des­fe­cho: se­ja fe­liz ou tris­te, é qu­an­do os con­fli­tos se re­sol­vem, as con­sequên­ci­as são evi­den­ci­a­das e a tra­ma en­cer­ra­da.

Dis­cur­sos • Di­re­to: o tex­to é com­pos­to pe­la fa­la dos per­so­na­gens. Exem­plo: “— Aca­bei de che­gar e não con­si­go pa­rar de pen­sar no que acon­te­ceu”.

• In­di­re­to: qu­an­do o nar­ra­dor con­ta o que se pas­sa, re­pro­du­zin­do as con­ver­sas com su­as pa­la­vras. Exem­plo: Joana dis­se que aca­bou de che­gar e não con­se­gue pa­rar de pen­sar no que acon­te­ceu.

• In­di­re­to li­vre: com­bi­na­ção dos dois an­te­ri­o­res, mes­cla fa­las e des­cri­ções do nar­ra­dor. Joana dis­se que aca­bou de che­gar.“— Não con­si­go pa­rar de pen­sar no que acon­te­ceu”, fa­lou ner­vo­sa.

◊◊◊

Con­sul­to­ria: Ed­nir Bar­bo­sa, pro­fes­so­ra de lín­gua por­tu­gue­sa e re­da­ção do Co­lé­gio e Cur­so Ofi­ci­na do Es­tu­dan­te, em Cam­pi­nas (SP); Ju­li­a­no Sou­sa, pro­fes­sor de re­da­ção do cur­si­nho pré-ves­ti­bu­lar do Co­lé­gio In­te­ra­ti­vo, em Bau­ru (SP).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.