PRO­POS­TA DE RE­DA­ÇÃO

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

A par­tir da lei­tu­ra dos tex­tos mo­ti­va­do­res e com ba­se nos co­nhe­ci­men­tos cons­truí­dos ao lon­go de sua for­ma­ção, re­di­ja tex­to dis­ser­ta­ti­vo-ar­gu­men­ta­ti­vo em mo­da­li­da­de es­cri­ta for­mal da lín­gua por­tu­gue­sa so­bre o te­ma “Ca­mi­nhos pa­ra com­ba­ter a intolerância re­li­gi­o­sa no Bra­sil”, apre­sen­tan­do pro­pos­ta de in­ter­ven­ção que res­pei­te os di­rei­tos hu­ma­nos. Se­le­ci­o­ne, or­ga­ni­ze e re­la­ci­o­ne, de for­ma co­e­ren­te e co­e­sa, ar­gu­men­tos e fa­tos pa­ra de­fe­sa de seu pon­to de vis­ta.

CO­MEN­TÁ­RI­OS DE LUIZ CLÁU­DIO JUBILATO, PRO­FES­SOR DE LÍN­GUA POR­TU­GUE­SA:

As pro­vas do Enem, nos úl­ti­mos anos, têm se ca­rac­te­ri­za­do pe­la re­la­ção en­tre o ide­al (as leis e seus ar­ti­gos) e o re­al (os fa­tos que de­mons­tram que há leis de­fa­sa­das ou a fal­ta de pu­ni­ção ri­go­ro­sa pa­ra quem as des­res­pei­ta). Há, por­tan­to, ques­tões cha­ves pa­ra de­sen­vol­ver o te­ma. Va­mos pon­tuá-las.

Pa­la­vra(s) cha­ve(s): mar­cá-la(s), por­que elas de­fi­nem a es­pe­ci­fi­ci­da­de do te­ma: “Ca­mi­nhos pa­ra com­ba­ter a intolerância re­li­gi­o­sa no Bra­sil”.

Qu­er di­zer que “há intolerância re­li­gi­o­sa no Bra­sil”, a cha­ve pa­ra is­so é: co­mo com­ba­tê-la.

O alu­no que fo­car ape­nas a intolerância re­li­gi­o­sa tan­gen­ci­ou o te­ma pro­pos­to.

Li­nha de ra­ci­o­cí­nio: a co­le­tâ­nea traz pis­tas im­por­tan­tes so­bre co­mo o alu­no po­de se va­ler da sequên­cia de te­mas que pro­põe em ca­da ex­cer­to. In­clu­si­ve, o tí­tu­lo de ca­da um sin­te­ti­za a sua ideia cen­tral.

O ide­al: o tex­to I de­mons­tra “O que pre­ga a cons­ti­tui­ção”; os tex­tos II e III tra­zem “O que pre­ga o có­di­go pe­nal”.

O re­al: es­tá des­mem­bra­do no in­fo­grá­fi­co do tex­to IV, no qual o alu­no de­ve ob­ser­var o que re­ve­la o enun­ci­a­do: as re­li­giões mais per­se­gui­das são as afro-bra­si­lei­ras. E, em se­gui­da, os da­dos re­fe­ren­tes à intolerância re­li­gi­o­sa no Bra­sil.

In­ter­ven­ções so­ci­ais: é o mai­or dos pro­ble­mas que o alu­no en­fren­ta, de­vi­do ao “ví­cio” de crer que pre­ciTEXTO IV

sa dar uma “so­lu­ção” pa­ra o pro­ble­ma. Pa­ra fi­car cla­ro: o pro­ble­ma da intolerância re­li­gi­o­sa no Bra­sil não tem so­lu­ção, por is­so é pre­ci­so ha­ver o com­ba­te a ela. O me­lhor é tro­car a ideia de “so­lu­ção” pe­la de “su­ges­tão” e a de “re­sol­ver” pe­la de “mi­ni­mi­zar”. Es­sa ideia er­rô­nea de ter que “dar uma so­lu­ção” em­pa­ca o alu­no que não re­di­ge um tex­to com o mí­ni­mo de coerência ou par­te pa­ra ge­ne­ra­li­za­ções: “in­ves­tir em edu­ca­ção” ou “a cul­pa é das au­to­ri­da­des que não agem” ou “o pro­ble­ma são os po­lí­ti­cos cor­rup­tos”.

Re­sol­vi­do is­so, par­ti­mos pa­ra dis­cu­tir as for­mas de in­ter­ven­ção so­ci­al: o com­ba­te ao “ra­cis­mo” por cam­pa­nhas criadas pe­la so­ci­e­da­de or­ga­ni­za­da (ONGS, veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção, sin­di­ca­tos…); en­vol­vi­men­to das uni­ver­si­da­des nas in­ter­ven­ções so­ci­ais; de­nún­cia, se­gui­da de pu­ni­ção ri­go­ro­sa, prin­ci­pal­men­te em di­nhei­ro; pri­são ex­ten­sa pa­ra rein­ci­den­tes; cri­a­ção de de­le­ga­ci­as es­pe­ci­a­li­za­das em cri­mes de ra­cis­mo em to­do o país; a po­lí­cia fa­zer cum­prir a lei, sob pe­na de os en­vol­vi­dos so­fre­rem pu­ni­ções ri­go­ro­sas; en­vol­ver câ­ma­ras mu­ni­ci­pais em ações afir­ma­ti­vas. É mui­to im­por­tan­te que as su­ges­tões se­jam apre­sen­ta­das ao lon­go do tex­to e sin­te­ti­za­das no úl­ti­mo pa­rá­gra­fo.

RE­DA­ÇÃO NO­TA 1000 ENEM 2016

“Or­gu­lho Ma­cha­di­a­no Brás Cu­bas, o de­fun­to-au­tor de Ma­cha­do de As­sis, diz em su­as “Me­mó­ri­as Pós­tu­mas” que não te­ve fi­lhos e não trans­mi­tiu a ne­nhu­ma cri­a­tu­ra o le­ga­do da nos­sa mi­sé­ria. Tal­vez ho­je ele per­ce­bes­se acer­ta­da sua de­ci­são: a pos­tu­ra de mui­tos bra­si­lei­ros fren­te à intolerância re­li­gi­o­sa é uma das fa­ces mais per­ver­sas de uma so­ci­e­da­de em de­sen­vol­vi­men­to. Com is­so, sur­ge a pro­ble­má­ti­ca do pre­con­cei­to re­li­gi­o­so que per­sis­te in­trin­se­ca­men­te li­ga­do à re­a­li­da­de do país, se­ja pe­la in­su­fi­ci­ên­cia de leis, se­ja pe­la len­ta mu­dan­ça de men­ta­li­da­de so­ci­al.

É in­du­bi­tá­vel que a ques­tão cons­ti­tu­ci­o­nal e sua apli­ca­ção es­te­jam en­tre as cau­sas do pro­ble­ma. Con­for­me Aris­tó­te­les, a poé­ti­ca de­ve ser uti­li­za­da de mo­do que, por meio da jus­ti­ça, o equi­lí­brio se­ja al­can­ça­do na so­ci­e­da­de. De ma­nei­ra aná­lo­ga, é pos­sí­vel per­ce­ber que, no Bra­sil, a per­se­gui­ção re­li­gi­o­sa rom­pe es­sa har­mo­nia; ha­ja vis­ta que, em­bo­ra es­te­ja pre­vis­to na Cons­ti­tui­ção o prin­cí­pio da iso­no­mia, no qual to­dos de­vem ser tra­ta­dos igual­men­te, mui­tos ci­da­dãos se uti­li­zam da in­fe­ri­o­ri­da­de re­li­gi­o­sa pa­ra ex­ter­nar ofen­sas e ex­cluir so­ci­al­men­te pes­so­as de re­li­giões di­fe­ren­tes.

Se­gun­do pes­qui­sas, a re­li­gião afro-bra­si­lei­ra é a prin­ci­pal ví­ti­ma de dis­cri­mi­na­ção, des­ta­can­do-se o pre­con­cei­to re­li­gi­o­so co­mo o prin­ci­pal im­pul­si­o­na­dor do pro­ble­ma. De acor­do com Durkheim, o fa­to so­ci­al é a ma­nei­ra co­le­ti­va de agir e de pen­sar. Ao se­guir es­sa li­nha de pen­sa­men­to, ob­ser­va-se que a pre­pa­ra­ção do pre­con­cei­to re­li­gi­o­so se en­cai­xa na te­o­ria do so­ció­lo­go, uma vez que, se uma cri­an­ça vi­ve em uma fa­mí­lia com es­se com­por­ta­men­to, ten­de a ado­tá-lo tam­bém por con­ta da vi­vên­cia em gru­po. As­sim, a con­ti­nu­a­ção do pen­sa­men­to da in­fe­ri­o­ri­da­de re­li­gi­o­sa, trans­mi­ti­do de ge­ra­ção a ge­ra­ção, fun­ci­o­na co­mo ba­se for­te des­sa for­ma de pre­con­cei­to, per­pe­tu­an­do o pro­ble­ma no Bra­sil.

In­fe­re-se, por­tan­to, que a intolerância re­li­gi­o­sa é um mal pa­ra a so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra. Sen­do as­sim, ca­be ao Go­ver­no Fe­de­ral cons­truir de­le­ga­ci­as es­pe­ci­a­li­za­das em cri­mes de ódio con­tra a re­li­gião, a fim de ate­nu­ar a prá­ti­ca do pre­con­cei­to na so­ci­e­da­de, além de au­men­tar a pe­na pa­ra quem o pra­ti­car. Ain­da ca­be à es­co­la cri­ar pa­les­tras so­bre as re­li­giões e su­as his­tó­ri­as, vi­san­do a in­for­mar cri­an­ças e jo­vens so­bre as di­fe­ren­ças re­li­gi­o­sas no país, di­mi­nuin­do, as­sim, o pre­con­cei­to re­li­gi­o­so. Ade­mais, a so­ci­e­da­de de­ve se mo­bi­li­zar em re­des so­ci­ais, com o in­tui­to de cons­ci­en­ti­zar a po­pu­la­ção so­bre os ma­les da intolerância re­li­gi­o­sa. As­sim, po­der-se-á trans­for­mar o Bra­sil em um país de­sen­vol­vi­do so­ci­al­men­te, e cri­ar um le­ga­do de que (do qual) Brás Cu­bas pu­des­se se or­gu­lhar.”

COMENTÁRIO DE LUIZ CLÁU­DIO JUBILATO:

Mes­mo as re­da­ções no­ta 1000 pos­su­em pon­tos a se­rem me­lho­ra­dos ou exem­plos a não se­rem se­gui­dos. Con­fi­ra es­ses fa­to­res des­ta­ca­dos pe­lo pro­fes­sor Luiz Cláu­dio Jubilato:

Qu­an­do o can­di­da­to afir­ma, na in­tro­du­ção, que há in­su­fi­ci­ên­cia de leis so­bre a intolerância re­li­gi­o­sa, de­mons­tra lei­tu­ra su­per­fi­ci­al da co­le­tâ­nea, pois os tex­tos I, II e III dei­xam cla­ro que há ar­ti­gos na Cons­ti­tui­ção que pre­ve­em o li­vre en­ga­ja­men­to do in­di­ví­duo em qual­quer re­li­gião, quan­to há ar­ti­gos do có­di­go pe­nal que pu­nem atos de intolerância re­li­gi­o­sa. O pro­ble­ma es­tá sim, se­gun­do o in­fo­grá­fi­co, na apli­ca­ção das leis.

O alu­no re­to­ma es­se as­sun­to no iní­cio do se­gun­do pa­rá­gra­fo, mas con­fun­de Cons­ti­tui­ção com Có­di­go Pe­nal. No iní­cio do ter­cei­ro pa­rá­gra­fo, a ge­ne­ra­li­za­ção “se­gun­do pes­qui­sas”, é in­fan­til, pois, no in­fo­grá­fi­co, a fon­te das in­for­ma­ções é cla­ra.

O can­di­da­to faz uma ver­da­dei­ra sa­la­da, ao ci­tar Brás Cu­bas, (1º pa­rá­gra­fo e 4º pa­rá­gra­fos), Aris­tó­te­les (2º pa­rá­gra­fo) e uma mis­tu­ra de Durkheim com o De­ter­mi­nis­mo de Tai­ne (3º pa­rá­gra­fo). Quan­to mais ten­ta ar­gu­men­tar, mais se con­fun­de. É no­tó­ria a pre­o­cu­pa­ção de de­mons­trar que pos­sui “re­per­tó­rio cul­tu­ral”.

A ex­pres­são in­fe­ri­o­ri­da­de re­li­gi­o­sa (1º pa­rá­gra­fo) é des­ca­bi­da den­tro do con­tex­to da dis­cus­são. A par­tir daí, há gran­de re­pe­ti­ção de idei­as.

A aber­tu­ra com Me­mó­ri­as Pós­tu­mas de Brás e o con­se­quen­te fe­cha­men­to do tex­to dão coerência ao tex­to, mas a re­la­ção de idei­as se mos­tra frá­gil.

As in­ter­ven­ções so­ci­ais são ge­ne­ra­li­zan­tes, ape­sar de apre­sen­ta­rem al­gu­ma coerência.

Há re­pe­ti­ção de pa­la­vras, co­mo re­li­gi­o­sa, re­li­gião...,que de­mons­tra cer­ta po­bre­za de vo­ca­bu­lá­rio.

Os er­ros gra­ma­ti­cais não com­pro­me­tem o tex­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.