PRO­POS­TA DE RE­DA­ÇÃO

Superguia Enem - Português e Redação - - Sumário -

A par­tir da lei­tu­ra dos tex­tos mo­ti­va­do­res e com ba­se nos co­nhe­ci­men­tos cons­truí­dos ao lon­go de sua for­ma­ção, re­di­ja tex­to dis­ser­ta­ti­vo-ar­gu­men­ta­ti­vo em mo­da­li­da­de es­cri­ta for­mal da lín­gua por­tu­gue­sa so­bre o te­ma “Ca­mi­nhos pa­ra com­ba­ter o ra­cis­mo no Bra­sil”, apre­sen­tan­do pro­pos­ta de in­ter­ven­ção que res­pei­te os di­rei­tos hu­ma­nos. Se­le­ci­o­ne, or­ga­ni­ze e re­la­ci­o­ne, de for­ma co­e­ren­te e co­e­sa, ar­gu­men­tos e fa­tos pa­ra de­fe­sa de seu pon­to de vis­ta.

CO­MEN­TÁ­RI­OS DE LUIZ CLÁU­DIO JUBILATO:

Mais uma vez es­ta­mos di­an­te da re­la­ção en­tre o ide­al (as leis e seus ar­ti­gos) e o re­al (os fa­tos que de­mons­tram que há leis de­fa­sa­das ou a fal­ta de pu­ni­ção ri­go­ro­sa pa­ra quem as des­res­pei­ta). Por­tan­to, há ques­tões cha­ves pa­ra de­sen­vol­ver o te­ma. Va­mos pon­tuá-las.

Te­ma: ao con­trá­rio do que mui­tos can­di­da­tos pen­sa­ram, a dis­cus­são prin­ci­pal não era es­pe­ci­fi­ca­men­te so­bre o ra­cis­mo no Bra­sil, mas sim so­bre o “com­ba­te” a ele.

Co­le­tâ­nea: a li­nha de ra­ci­o­cí­nio tran­si­ta en­tre o re­al e o ide­al. O tex­to II traz, em li­nhas ge­rais, o ar­ti­go da lei so­bre o ra­cis­mo; o tex­to III de­mons­tra a di­fe­ren­ça en­tre “ra­cis­mo” e “in­jú­ria ra­ci­al”; o tex­to I faz um his­tó­ri­co da con­di­ção do ne­gro “sem­pre es­cra­vo no Bra­sil” pa­ra de­sem­bo­car no tex­to IV que dis­cu­te as ques­tões que en­vol­vem “cha­ma­das ações afir­ma­ti­vas”.

In­ter­ven­ções so­ci­ais: o can­di­da­to po­de­ria pro­por a cri­a­ção de de­le­ga­ci­as es­pe­ci­a­li­za­das em cri­mes de ra­cis­mo em to­do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. Pro­por a pu­ni­ção ri­go­ro­sa pa­ra cri­mes de ra­cis­mo, tam­bém na for­ma pe­cu­niá­ria. Am­pli­ar as “ações afir­ma­ti­vas” com a par­ti­ci­pa­ção das câ­ma­ras fe­de­rais, es­ta­du­ais e mu­ni­ci­pais, o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção in­cluir na gra­de cur­ri­cu­lar a ma­té­ria ci­da­da­nia, a par­tir da qual o ra­cis­mo se­ria dis­cu­ti­do. Me­lhor de­fi­ni­ção so­bre o sis­te­ma

de co­tas pa­ra ne­gros nas uni­ver­si­da­des pú­bli­cas.

PRO­POS­TA DE RE­DA­ÇÃO FUVEST 2017

Res­pos­ta à per­gun­ta: O que é Esclarecimento?* Esclarecimento é a saí­da do ho­mem de sua me­no­ri­da­de, da qual ele pró­prio é cul­pa­do. A me­no­ri­da­de é a in­ca­pa­ci­da­de de ser­vir-se de seu pró­prio en­ten­di­men­to sem di­re­ção alheia. O ho­mem é o pró­prio cul­pa­do des­sa me­no­ri­da­de qu­an­do ela não é cau­sa­da por fal­ta de en­ten­di­men­to mas, sim, por fal­ta de de­ter­mi­na­ção e co­ra­gem pa­ra ser­vir-se de seu pró­prio en­ten­di­men­to sem a tu­te­la de ou­tro. Sa­pe­re au­de!** Ou­sa fa­zer uso de seu pró­prio en­ten­di­men­to! Eis o le­ma do Esclarecimento.

A pre­gui­ça e a co­var­dia são as cau­sas que a imen­sa mai­o­ria dos ho­mens, mes­mo de­pois de a na­tu­re­za já os ter li­ber­ta­do da tu­te­la alheia, per­ma­ne­ça de bom gra­do a vi­da in­tei­ra na me­no­ri­da­de. É por es­sas mes­mas cau­sas que, com tan­ta fa­ci­li­da­de, ou­tros ho­mens se co­lo­cam co­mo seus tu­to­res. É tão cô­mo­do ser me­nor. Se te­nho um li­vro que faz as ve­zes de meu en­ten­di­men­to, se te­nho um men­tor es­pi­ri­tu­al que as­su­me o lu­gar de mi­nha cons­ci­ên­cia, um mé­di­co que por mim es­co­lhe mi­nha di­e­ta, en­tão não pre­ci­so me es­for­çar. Não te­nho ne­ces­si­da­de de pen­sar, se é su­fi­ci­en­te pa­gar. Ou­tros se en­car­re­ga­rão, em meu lu­gar, des­sas ocu­pa­ções abor­re­ci­das.

A imen­sa mai­o­ria da hu­ma­ni­da­de con­si­de­ra a pas­sa­gem pa­ra a mai­o­ri­da­de, além de di­fí­cil, pe­ri­go­sa, por­que aque­les tu­to­res de bom gra­do to­ma­ram-na sob sua su­per­vi­são. De­pois de te­rem, pri­mei­ra­men­te, em­bur­re­ci­do seus ani­mais do­més­ti­cos e im­pe­di­do es­sas dó­ceis cri­a­tu­ras de dar um pas­so se­quer fo­ra do an­da­dor de cri­an­ças em que se co­lo­ca­ram, seus tu­to­res mos­tram-lhes, em se­gui­da, o pe­ri­go que é ten­tar an­da­rem so­zi­nhos. Ora, es­se pe­ri­go não é as­sim tão gran­de, pois apren­de­ri­am a an­dar, fi­nal­men­te, de­pois de al­gu­mas que­das. Bas­ta uma li­ção des­se ti­po pa­ra in­ti­mi­dar o in­di­ví­duo e dei­xá-lo te­me­ro­so de no­vas ten­ta­ti­vas.

Im­ma­nu­el Kant * Pa­ra o ex­cer­to aqui apre­sen­ta­do, fo­ram uti­li­za­das as tra­du­ções de Flo­ri­a­no de Sou­sa Fer­nan­des, Luiz Pau­lo Rou­a­net e Vi­ni­cius de Fi­guei­re­do.

** Sa­pe­re au­de: cit. lat. de Ho­rá­cio, que sig­ni­fi­ca “Ou­sa sa­ber”.

Es­tes são os pa­rá­gra­fos ini­ci­ais de um cé­le­bre tex­to de Kant, nos quais o pen­sa­dor de­fi­ne o Esclarecimento co­mo a saí­da do ho­mem de sua me­no­ri­da­de, o que es­te al­can­ça­ria ao tor­nar-se ca­paz de pen­sar de mo­do li­vre e autô­no­mo, sem a tu­te­la de um ou­tro. Pu­bli­ca­do em um pe­rió­di­co, no ano de 1784, o tex­to di­ri­gia-se aos lei­to­res em ge­ral, não ape­nas a es­pe­ci­a­lis­tas.

Em pers­pec­ti­va his­tó­ri­ca, o Esclarecimento, tam­bém cha­ma­do de Ilu­mi­nis­mo ou de Ilus­tra­ção, con­sis­te em um am­plo mo­vi­men­to de idei­as, de al­can­ce in­ter­na­ci­o­nal, que, fir­man­do-se a par­tir do sé­cu­lo XVIII, pro­cu­rou es­ten­der o uso da ra­zão, co­mo guia e co­mo crí­ti­ca, a to­dos os cam­pos da ati­vi­da­de hu­ma­na. Pas­sa­dos mais de dois sé­cu­los des­de o iní­cio des­se mo­vi­men­to, são mui­tas as in­ter­ro­ga­ções quan­to ao sen­ti­do e à atu­a­li­da­de do Esclarecimento.

Com ba­se nas idei­as pre­sen­tes no tex­to de Kant, aci­ma apre­sen­ta­do, e va­len­do-se tan­to de ou­tras in­for­ma­ções que vo­cê jul­gue per­ti­nen­tes quan­to dos da­dos de sua pró­pria ob­ser­va­ção da re­a­li­da­de, re­di­ja uma dissertação em pro­sa, na qual vo­cê ex­po­nha o seu pon­to de vis­ta so­bre o te­ma:

O ho­mem saiu de sua me­no­ri­da­de? Ins­tru­ções: A dissertação de­ve ser re­di­gi­da de acor­do com a nor­ma-pa­drão da lín­gua por­tu­gue­sa.

Es­cre­va, no mí­ni­mo, 20 li­nhas, com le­tra le­gí­vel. Não ul­tra­pas­se o es­pa­ço de 30 li­nhas da fo­lha de re­da­ção.

Dê um tí­tu­lo a sua re­da­ção.

CO­MEN­TÁ­RI­OS LUIZ CLÁU­DIO JUBILATO:

Os te­mas pro­pos­tos pe­la FUVEST têm um ca­rá­ter pe­cu­li­ar: ao mes­mo tem­po em que abrem “pro­fun­das re­fle­xões so­bre o com­por­ta­men­to hu­ma­no atu­al”, le­vam tam­bém “pro­fun­das re­fle­xões so­bre as re­la­ções en­tre o pen­sa­men­to e o com­por­ta­men­to” hu­ma­no ao lon­go do pro­ces­so his­tó­ri­co.

Não nos es­que­ça­mos de que o te­ma é uma per­gun­ta, por­tan­to uma pro­pos­ta de re­fle­xão so­bre “se o ho­mem saiu de sua me­no­ri­da­de ou não”, le­van­do em con­ta uma pe­que­na par­te da pu­bli­ca­ção das pre­o­cu­pa­ções fi­lo­só­fi­cas de Im­ma­nu­el Kant.

Pri­mei­ro: o tex­to não era uma dissertação so­bre a obra de Kant, mas sim so­bre co­mo res­pon­der uma per­gun­ta que to­ma co­mo pon­to de par­ti­da a sua obra.

Se­gun­do: se, no pri­mei­ro tex­to, Kant de­sen­vol­ve a sua te­o­ria so­bre o “Esclarecimento”, no tex­to se­guin­te a ban­ca exa­mi­na­do­ra es­cla­re­ce que Kant não pu­bli­cou o tex­to vi­san­do atin­gir es­pe­ci­a­lis­tas, mas sim lei­to­res em ge­ral. Nes­se mo­men­to, o tex­to si­na­li­za um ca­mi­nho es­tu­pen­do pa­ra que o alu­no de­li­mi­te sua dis­cus­são: ... tor­nar-se ca­paz de pen­sar de mo­do li­vre e autô­no­mo, sem a tu­te­la de um ou­tro (...) Pas­sa­dos mais de dois sé­cu­los des­de o iní­cio des­se mo­vi­men­to, são mui­tas as in­ter­ro­ga­ções quan­to ao sen­ti­do e à atu­a­li­da­de do Esclarecimento.

Ter­cei­ro: a par­tir daí, o alu­no po­de­ria pen­sar que to­dos es­ta­mos sob a tu­te­la do “es­ta­do” e o es­ta­do não tem ros­to, mas o po­der que o cons­trói e o man­tém pos­sui ide­o­lo­gia e a ide­o­lo­gia é re­pro­du­zi­da pa­ra o ci­da­dão atra­vés de vá­ri­os me­ca­nis­mos: o dis­cur­so po­lí­ti­co, os mei­os de co­mu­ni­ca­ção, o pro­ces­so edu­ca­ci­o­nal, a for­mu­la­ção da cons­ti­tui­ção e do có­di­go pe­nal. Es­ta­mos sim sob a tu­te­la de “al­guém”. Es­ta­mos sem­pre sen­do mo­ni­to­ra­dos. Sem­pre há al­gum “sal­va­dor da pá­tria” com seu dis­cur­so fa­la­ci­o­so que­ren­do nos pe­gar nas mãos.

Quar­to: o alu­no que leu 1984 e/ou A Re­vo­lu­ção dos Bi­chos, de Ge­or­ge Orwell, ou Ad­mi­rá­vel Mun­do No­vo, de Al-

dous Hux­ley, te­ria vas­to ma­te­ri­al pa­ra es­sa dis­cus­são, aque­le que pen­sou em Ali­ce no País das Ma­ra­vi­lhas, tam­bém.

Quin­to: O alu­no po­de­ria tra­zer pa­ra a dis­cus­são a di­fe­ren­ça en­tre Hu­ma­nis­mo e Con­trar­re­for­ma ba­se­a­do em con­cei­tos de his­tó­ria e li­te­ra­tu­ra; as di­ver­sas di­ta­du­ras que ocu­pa­ram a his­tó­ria e as su­pos­tas de­mo­cra­ci­as ne­o­li­be­rais.

Lo­gi­ca­men­te, tu­do is­so de­pen­de da res­pos­ta que o alu­no da­rá a es­sa per­gun­ta. A mais ló­gi­ca se­ria não. O ho­mem não saiu da sua mi­no­ri­da­de. Dois são os gran­des pe­ri­gos des­se te­ma: Ter­gi­ver­sar: dis­cu­tir ape­nas o pen­sa­men­to de Kant; Fal­ta de pro­gres­si­vi­da­de: en­ro­lar-se ten­tan­do ex­pli­car te­mas pa­ra­le­los, co­mo o Ilu­mi­nis­mo, e ain­da não res­pon­der a per­gun­ta ex­pli­ci­ta­da no te­ma.

PRO­POS­TA DE RE­DA­ÇÃO UNESP 2017 TEX­TO I

A dis­tri­bui­ção das ri­que­zas é uma das ques­tões mais vi­vas e polêmicas da atu­a­li­da­de. Se­rá que a di­nâ­mi­ca da acu­mu­la­ção de ca­pi­tal pri­va­do con­duz de mo­do ine­vi­tá­vel a uma con­cen­tra­ção ca­da vez mai­or da ri­que­za e do po­der em pou­cas mãos, co­mo acre­di­ta­va Karl Marx no sé­cu­lo XIX? Ou se­rá que as for­ças equi­li­bra­do­ras do cres­ci­men­to, da con­cor­rên­cia, do pro­gres­so tec­no­ló­gi­co le­vam es­pon­ta­ne­a­men­te a uma re­du­ção da de­si­gual­da­de e a uma or­ga­ni­za­ção har­mo­ni­o­sa da so­ci­e­da­de, co­mo pen­sa­va Si­mon Kuz­nets no sé­cu­lo XX? Tho­mas Pi­ketty. O ca­pi­tal no sé­cu­lo XXI, 2014.

Adap­ta­do

TEX­TO II

Já se tor­nou ar­gu­men­to co­mum a ideia de que a me­lhor ma­nei­ra de aju­dar os po­bres a sair da mi­sé­ria é per­mi­tir que os ri­cos fi­quem ca­da vez mais ri­cos. No en­tan­to, à me­di­da que no­vos da­dos so­bre a dis­tri­bui­ção da ren­da são di­vul­ga­dos*, cons­ta­ta-se um de­se­qui­lí­brio as­sus­ta­dor: a dis­tân­cia en­tre aque­les que es­tão no to­po da hi­e­rar­quia so­ci­al e aque­les que es­tão na ba­se cres­ce ca­da vez mais.

A obs­ti­na­da per­sis­tên­cia da po­bre­za no pla­ne­ta que vi­ve os es­pas­mos de um fun­da­men­ta­lis­mo do cres­ci­men­to econô­mi­co é bas­tan­te pa­ra le­var as pes­so­as aten­tas a fa­zer uma pau­sa e re­fle­tir so­bre as per­das di­re­tas, bem co­mo so­bre os efei­tos co­la­te­rais des­sa dis­tri­bui­ção de ri­que­za.

Uma das jus­ti­fi­ca­ti­vas mo­rais bá­si­cas pa­ra a eco­no­mia de li­vre mer­ca­do, is­to é, que a bus­ca de lu­cro in­di­vi­du­al tam­bém for­ne­ce o me­lhor me­ca­nis­mo pa­ra a bus­ca do bem co­mum, se vê as­sim ques­ti­o­na­da e qua­se des­te­mi­da.

* Um es­tu­do do World Ins­ti­tu­te for De­ve­lop­ment Eco­no­mics Re­se­ar­ch da Uni­ver­si­da­de das Na­ções Uni­das re­la­ta que o 1% mais ri­co de adul­tos pos­suía 40% dos bens glo­bais em 2000, e que os 10% mais ri­cos res­pon­di­am por 85% do to­tal da ri­que­za do mun­do. A me­ta­de si­tu­a­da na par­te mais bai­xa da po­pu­la­ção mun­di­al adul­ta pos­suía 1% da ri­que­za glo­bal.

TEX­TO III

Um cer­to con­cei­to rous­se­au­ni­a­no pa­re­ce ter se apo­de­ra­do de nos­sa épo­ca, que ago­ra vê a pro­pri­e­da­de pri­va­da e a eco­no­mia de mer­ca­do co­mo res­pon­sá­vel por to­dos os nos­sos ma­les. É ver­da­de que elas fa­vo­re­cem a con­cen­tra­ção de ri­que­zas, no­ta­da­men­te de ren­da e pa­trimô­nio.

Es­sa, po­rém, é só par­te da his­tó­ria. Os mes­mos me­ca­nis­mos de mer­ca­do que pro­mo­vem a dis­pa­ri­da­de – eles exi­gem cer­to ní­vel de de­si­gual­da­de es­tru­tu­ral pa­ra fun­ci­o­nar – são tam­bém os res­pon­sá­veis pe­lo mais ex­tra­or­di­ná­rio pro­ces­so de me­lho­ra das con­di­ções ma­te­ri­ais de vi­da que a hu­ma­ni­da­de já ex­pe­ri­men­tou.

Se o ca­pi­ta­lis­mo exi­be o viés eli­tis­ta de con­cen­tra­ção de ren­da, ele tam­bém apresenta a vo­ca­ção mais de­mo­crá­ti­ca de tor­nar pra­ti­ca­men­te to­dos os bens mais aces­sí­veis pe­lo apri­mo­ra­men­to dos pro­ces­sos pro­du­ti­vos. Não te­nho na­da con­tra per­se­guir idei­as de jus­ti­ça, mas é im­por­tan­te não per­der a pers­pec­ti­va das coi­sas. He­lio Schwarts­man. “Uma de­fe­sa da de­si­gual­da­de”.

Fo­lha de São Pau­lo, 14.06.2015. Adap­ta­do Com ba­se nos tex­tos apre­sen­ta­dos e em seus pró­pri­os co­nhe­ci­men­tos, es­cre­va uma dissertação, em­pre­gan­do a nor­ma-pa­drão da lín­gua por­tu­gue­sa, so­bre o te­ma:

A ri­que­za de pou­cos be­ne­fi­cia a so­ci­e­da­de in­tei­ra?

COMENTÁRIO LUIZ CLÁU­DIO JUBILATO:

Um ques­ti­o­na­men­to co­mo o que o te­ma traz, "A ri­que­za de pou­cos be­ne­fi­cia a so­ci­e­da­de in­tei­ra?", in­duz o alu­no pou­co in­for­ma­do, sem um re­per­tó­rio cul­tu­ral ra­zoá­vel, a cair em ar­ma­di­lhas, co­mo a da ge­ne­ra­li­za­ção: “A so­ci­e­da­de ca­pi­ta­lis­ta ho­di­er­na...”; “A cul­pa de tu­do o que es­tá acon­te­cen­do ho­je é dos ca­pi­ta­lis­tas que só pen­sam em en­ri­que­cer...”

A co­le­tâ­nea ofe­re­ce in­for­ma­ções pre­ci­o­sas, se o can­di­da­to sou­ber re­su­mir a te­má­ti­ca cen­tral de ca­da ex­cer­to: Tex­to 1: o 1º pe­río­do pro­põe uma in­tro­du­ção ao tex­to. O 2º pe­río­do ex­põe o pen­sa­men­to de Karl Marx so­bre a acu­mu­la­ção de ca­pi­tal, que pre­ju­di­ca a so­ci­e­da­de. O 3º pe­río­do já ex­põe um pen­sa­men­to di­a­me­tral­men­te opos­to, o de Si­mon Kuz­nets, de que a con­cor­rên­cia e a tec­no­lo­gia le­va­ri­am a uma or­ga­ni­za­ção har­mo­ni­o­sa do acú­mu­lo de ri­que­za. Tex­to 2: es­se tex­to se afi­na com o pen­sa­men­to de Marx: ri­cos ca­da vez mais ri­cos pro­vo­cam au­men­to apa­vo­ran­te da de­si­gual­da­de so­ci­al e, por­tan­to, da mi­sé­ria. Tex­to 3: ape­sar do tí­tu­lo, o au­tor do tex­to se apro­xi­ma do pen­sa­men­to de Si­mon Kuz­nets, qu­an­do afir­ma que a de­si­gual­da­de so­ci­al é fun­da­men­tal pa­ra que o ca­pi­ta­lis­mo

se es­tru­tu­re e se man­te­nha. Con­tra­di­to­ri­a­men­te, é o acú­mu­lo de ca­pi­tal, que es­ti­mu­la a de­si­gual­da­de, o mes­mo que trou­xe as mai­o­res be­nes­ses pa­ra a so­ci­e­da­de mo­der­na. São três as pos­si­bi­li­da­des pa­ra res­pon­der a per­gun­ta: 1. A co­le­tâ­nea em­pur­ra o alu­no pa­ra um ra­ci­o­cí­nio bi­la­te­ral (pon­de­rar so­bre os dois la­dos da ques­tão), pa­ra que ele em­ba­se de for­ma per­ti­nen­te a sua opi­nião.

2. Ca­so o alu­no di­ga que sim, po­de se apoi­ar nos ho­mens que cons­truí­ram os gran­des con­glo­me­ra­dos tec­no­ló­gi­cos, der­ru­ba­ram as fron­tei­ras fí­si­cas e es­ta­be­le­ce­ram uma no­va or­dem mun­di­al; po­de se apoi­ar na in­dús­tria far­ma­cêu­ti­ca que trou­xe ino­va­ções fan­tás­ti­cas pa­ra mi­ni­mi­zar os ma­les da vi­da mo­der­na e a cu­ra de do­en­ças, an­tes in­tra­tá­veis. Lo­gi­ca­men­te, pa­ra que o mun­do evo­lua, há a ne­ces­si­da­de do sa­cri­fí­cio de mui­tos pa­ra me­lho­rar a vi­da de pou­cos. São os pro­du­tos ex­traí­dos de paí­ses po­bres, on­de a po­pu­la­ção vi­ve em re­gi­me de es­cra­vi­dão, que sus­ten­tam a ca­deia pro­du­ti­va ca­pi­ta­lis­ta oci­den­tal.

3. Ca­so o alu­no di­ga que não, po­de se apoi­ar na ideia de que os paí­ses ri­cos mi­se­ra­bi­li­za­ram a Áfri­ca e a Ásia de tal for­ma que ho­je pa­gam pre­ços mui­to al­tos pe­la ex­plo­ra­ção de­sen­fre­a­da, co­mo ter­ro­ris­mo e le­vas de re­fu­gi­a­dos em seu ter­ri­tó­rio. O mes­mo ocor­re com os EUA, que to­ma­ram a par­te mais ri­ca do Mé­xi­co e, ho­je, que­rem bar­rar a de­sen­fre­a­da imi­gra­ção de pes­so­as em bus­ca de con­di­ção hu­ma­na de vi­da.

O que é fun­da­men­tal? Res­pon­der ob­je­ti­va­men­te à per­gun­ta que o te­ma in­vo­ca.

PRO­POS­TA FUVEST 2013 Es­ta é a reprodução (aqui, sem as mar­cas nor­mais dos anun­ci­an­tes, que fo­ram subs­ti­tuí­das por X) de um anún­cio pu­bli­ci­tá­rio re­al, co­lhi­do em uma re­vis­ta, pu­bli­ca­da no ano de 2012.

Co­mo to­da men­sa­gem, es­se anún­cio, for­ma­do pe­la re­la­ção en­tre ima­gem e tex­to, car­re­ga pres­su­pos­tos e im­pli­ca­ções: se o ob­ser­var­mos bem, ve­re­mos que ele ex­pres­sa uma de­ter­mi­na­da men­ta­li­da­de, pro­je­ta uma da­da vi­são de mun­do, ma­ni­fes­ta uma cer­ta es­co­lha de va­lo­res e as­sim por di­an­te.

Re­di­ja uma dissertação em pro­sa, na qual vo­cê in­ter­pre­te e dis­cu­ta a men­sa­gem con­ti­da nes­se anún­cio, con­si­de­ran­do os as­pec­tos men­ci­o­na­dos no pa­rá­gra­fo an­te­ri­or e, se qui­ser, tam­bém ou­tros as­pec­tos que jul­gue re­le­van­tes. Pro­cu­re ar­gu­men­tar de mo­do a dei­xar cla­ro seu pon­to de vis­ta so­bre o as­sun­to. Ins­tru­ções: - A re­da­ção de­ve obe­de­cer à nor­ma-pa­drão da lín­gua por­tu­gue­sa.

- Es­cre­va, no mí­ni­mo, 20 e, no má­xi­mo, 30 li­nhas, com le­tra le­gí­vel.

- Dê um tí­tu­lo a sua re­da­ção.

COMENTÁRIO DE LUIZ CLÁU­DIO JUBILATO: Te­mos que des­ta­car al­guns as­pec­tos re­le­van­tes: 1. A fra­se abai­xo da fi­gu­ra traz al­gu­mas ex­pres­sões cha­ves: O car­tão de cré­di­to ofe­re­ce o me­lhor do mun­do.

2. A ima­gem re­for­ça as­pec­tos da fra­se: shop­ping, o pa­raí­so do con­su­mo e do car­tão de cré­di­to.

3. Pres­su­pos­tos e im­pli­ca­ções: de­ter­mi­na­da men­ta­li­da­de; pro­je­ta da­da vi­são de mun­do;

RE­DA­ÇÃO NO­TA 1000 Tí­tu­lo: As ca­te­drais de Xan­gai O anún­cio pu­bli­ci­tá­rio de car­tão de cré­di­to exi­be co­mo pon­to de vis­ta a ima­gem de um vão. O va­zio é o ele­men­to co­mum aos seis pa­vi­men­tos (ad­vi­nham-se seis, mas po­de­ri­am ser se­te ou se­ten­ta e se­te) e bem uma cen­te­na de pes­so­as es­tão de­bru­ça­das nas amu­ra­das; são pe­que­nas es­ca­las hu­ma­nas de ca­be­los ne­gros, tra­ços achi­ne­sa­dos, que ser­vem pa­ra dar a di­men­são des­se enor­me edi­fí­cio que, na fo­to, só ve­mos por den­tro. Das es­ca­das ro­lan­tes, al­guns chi­ne­ses con­tem­plam os pa­ta­ma­res que se ele­vam su­ces­si­va­men­te nu­ma cons­tru­ção que tem ca­rac­te­rís­ti­cas de ca­te­dral gó­ti­ca, ain­da que a ilu­mi­na­ção que inun­de o edi­fí­cio apre­sen­te, no ca­so, um as­pec­to ama­re­la­do, ba­ço e ar­ti­fi­ci­al.

A com­pa­ra­ção não é ar­bi­trá­ria. É pos­sí­vel en­con­trar ho­je li­te­ra­tu­ra em que au­to­res se re­cu­sam a em­pre­gar a no­men­cla­tu­ra “shop­ping cen­ter” ado­tan­do, ao in­vés, “ca­te­drais do con­su­mo”. O ga­nho teó­ri­co im­pli­ca­do na ado­ção des­sa no­men­cla­tu­ra se­ria a de dar a en­ten­der uma es­pé­cie de sa­cra­li­za­ção do con­su­mo nos di­as de ho­je, o que con­sis­te em um tre­men­do des­fa­vor à ideia de re­li­gi­o­si­da­de.

O viés ar­qui­tetô­ni­co, fu­gin­do da ma­nia de cul­par a re­li­gião por tu­do, é, no en­tan­to, bas­tan­te in­te­res­san­te. As­sim co­mo as ca­te­drais gó­ti­cas, o “shop­ping cen­ter” se con­fi­gu­ra co­mo um edi­fí­cio fe­cha­do, am­plo e ilu­mi­na­do, que di­mi­nui o in­di­ví­duo e en­gran­de­ce as prá­ti­cas ali re­a­li­za­das (ne­nhu­ma das du­as cons­tru­ções tem o ho­mem co­mo es­ca­la).

Tal­vez pa­re­ça des­pro­po­si­ta­do, mas o de­sen­vol­vi­men­to do con­su­mis­mo ru­mo ao que te­mos ho­je es­tá bas­tan­te re­la­ci­o­na­do com o sur­gi­men­to de de­ter­mi­na­dos ti­pos de edi­fí­ci­os

e al­gu­mas al­te­ra­ções no es­pa­ço ur­ba­no. O Flâ­neur foi a per­so­na­gem sím­bo­lo da mo­der­ni­da­de, fla­nan­do pe­las ru­as re­cém-am­pli­a­das de Pa­ris, ob­ser­van­do to­da a no­va di­nâ­mi­ca da ci­da­de. Es­sa per­so­na­gem pa­ri­si­en­se do sé­cu­lo XIX en­con­tra sua mor­te, co­mo mos­tra Marshall Ber­man, jus­ta­men­te nas ga­le­ri­as, qu­an­do es­tas se trans­for­mam em gran­des ma­ga­zi­nes.

A exis­tên­cia de Flâ­neur ho­je es­ta­ria res­tri­ta a ob­ser­var vi­tri­nes em uma das tais “ca­te­drais do con­su­mo”, uma vez que não exis­tem ex­pe­ri­ên­ci­as pos­sí­veis fo­ra de­las. O mais as­sus­ta­dor não é o mun­do, en­quan­to (co­mo) uni­ver­so de pos­si­bi­li­da­des, ter se trans­for­ma­do em al­go es­tri­ta­men­te con­su­mí­vel, mas o quan­to es­sa no­va di­nâ­mi­ca afe­ta o com­por­ta­men­to das e nas nos­sas ci­da­des.

Os es­pa­ços em que o con­su­mo acon­te­ce de ma­nei­ra acir­ra­da têm so­men­te qua­li­da­des no­ci­vas: o alhe­a­men­to, em um es­pa­ço fe­cha­do, em re­la­ção ao tem­po “na­tu­ral” e ao res­tan­te da ci­da­de, es­sa ali­e­na­ção com a qual as pes­so­as con­sen­tem ao en­trar em um shop­ping cen­ter e que ca­da uma das ca­rac­te­rís­ti­cas da cons­tru­ção tem co­mo ob­je­ti­vo agra­var. O mais as­sus­ta­dor no anún­cio que mos­tra seis pa­vi­men­tos de um shop­ping é, sem dú­vi­da, o tex­to que in­si­nua que aqui­lo tu­do é o me­lhor que o mun­do tem a ofe­re­cer.

COMENTÁRIO DE LUIZ CLÁU­DIO JUBILATO:

1. O pri­mei­ro pa­rá­gra­fo faz uma des­cri­ção de­ta­lha­da das pes­so­as, mas se con­cen­tra na re­la­ção en­tre o va­zio do lu­gar e o va­zio das pes­so­as que ne­le es­tão. Ex­ce­len­te.

2. O de­sen­vol­vi­men­to des­se ra­ci­o­cí­nio ao lon­go do tex­to é per­fei­to. Co­e­ren­te.

3. A con­clu­são fe­chan­do es­se ra­ci­o­cí­nio re­to­man­do a fra­se do anún­cio é per­fei­ta.

4. Há que se des­ta­car ain­da a ex­ce­len­te ana­lo­gia en­tre shop­pings e ca­te­drais, que não “têm o ho­mem co­mo es­ca­la”.

5. Um dos pon­tos cru­ci­ais da cri­a­ti­vi­da­de do au­tor, de­mons­tran­do ex­ce­len­te re­per­tó­rio cul­tu­ral, es­tá no ter­cei­ro pa­rá­gra­fo: "o Flâ­neur foi a per­so­na­gem sím­bo­lo da mo­der­ni­da­de, fla­nan­do pe­las ru­as re­cém-am­pli­a­das de Pa­ris, ob­ser­van­do to­da a no­va di­nâ­mi­ca da ci­da­de. Es­sa per­so­na­gem pa­ri­si­en­se do sé­cu­lo XIX en­con­tra sua mor­te, co­mo mos­tra Marshall Ber­man, jus­ta­men­te nas ga­le­ri­as, qu­an­do es­tas se trans­for­mam em gran­des ma­ga­zi­nes."

6. Dissertação be­lís­si­ma, co­e­ren­te, co­e­sa, com pouquís­si­mos pro­ble­mas gra­ma­ti­cais, que nem de lon­ge afe­tam o de­sen­vol­vi­men­to da ar­gu­men­ta­ção ou ti­ram a sua cri­a­ti­vi­da­de.

PRO­POS­TA UNI­CAMP 2016 TEX­TO 1

Vo­cê é um es­tu­dan­te uni­ver­si­tá­rio que par­ti­ci­pa­rá de um con­cur­so de re­se­nhas, pro­mo­vi­do pe­lo Cen­tro de Apoio ao Es­tu­dan­te (CAE), ór­gão que de­sen­vol­ve ati­vi­da­des cul­tu­rais em sua Fa­cul­da­de. Es­se con­cur­so tem o ob­je­ti­vo de es­ti­mu­lar a lei­tu­ra de obras li­te­rá­ri­as e am­pli­ar o ho­ri­zon­te cul­tu­ral dos es­tu­dan­tes. A re­se­nha se­rá li­da por uma co­mis­são jul­ga­do­ra que de­ve­rá se­le­ci­o­nar os dez me­lho­res tex­tos, a se­rem pu­bli­ca­dos. Vo­cê es­co­lheu re­se­nhar a fá­bu­la de La Fon­tai­ne trans­cri­ta a se­guir. Em seu tex­to, vo­cê de­ve­rá in­cluir:

a) uma sín­te­se da fá­bu­la, in­di­can­do os seus ele­men­tos cons­ti­tu­ti­vos;

b) a cons­tru­ção de uma si­tu­a­ção so­ci­al aná­lo­ga aos fa­tos nar­ra­dos, que en­vol­va um pro­ble­ma co­le­ti­vo;

c) um fe­cha­men­to, es­ta­be­le­cen­do re­la­ções com a te­má­ti­ca do tex­to ori­gi­nal.

Seu tex­to de­ve­rá ser es­cri­to em lin­gua­gem for­mal, de­ve­rá in­di­car o tí­tu­lo da obra e ser as­si­na­do com um pseudô­ni­mo. A De­li­be­ra­ção To­ma­da pe­los Ra­tos Ro­di­lar­do, ga­to vo­raz, apron­tou en­tre os ra­tos tal ma­tan­ça, que deu ca­bo de sua paz, de tan­tos que ma­ta­va e guar­da­va na pan­ça. Os pou­cos que so­bra­ram não se aven­tu­ra­vam a sair dos bu­ra­cos: mal se ali­men­ta­vam. Pa­ra eles, Ro­di­lar­do era mais que um ga­to: era o pró­prio Sa­tã, de fa­to. Um dia em que, pe­los te­lha­dos, foi o ga­lan­te na­mo­rar, apro­vei­tan­do a tré­gua, os ra­tos, as­sus­ta­dos, resolveram con­fa­bu­lar e dis­cu­tir um mo­do de so­lu­ci­o­nar es­se gra­ve pro­ble­ma. O de­ca­no, pru­den­te, de­fi­niu a ques­tão: sim­ples fal­ta de aviso, já que o ga­to che­ga­va, so­ler­te. Era ur­gen­te amar­rar-lhe ao pes­co­ço um gui­zo, con­cluiu o de­ca­no, ra­to de juí­zo. Acha­ram a ideia ex­ce­len­te, e aplau­di­ram seu au­tor. Res­ta­va, to­da­via, um pe­que­no de­ta­lhe a ser so­lu­ci­o­na­do: quem pren­de­ria o gui­zo – e qual se atre­ve­ria? Um se es­qui­vou, di­zen­do es­tar mui­to ocu­pa­do; Ou­tro ale­gou que an­da­va um tan­to des­trei­na­do em dar la­ços e nós. E a bela ideia te­ve tris­te fi­nal. Mui­ta as­sem­bleia, ao fim na­da de­ci­de – mes­mo sen­do de fra­des ou de ve­ne­rá­veis aba­des… De­li­be­rar, de­li­be­rar … con­se­lhei­ros, exis­tem vá­ri­os; mas qu­an­do é pa­ra exe­cu­tar, on­de es­ta­rão os vo­lun­tá­ri­os? Fá­bu­las de La Fon­tai­ne. Tra­du­ção de Mil­ton Ama­do e Eu­gê­nia Ama­do. Be­lo Ho­ri­zon­te:

Ita­ti­aia, 2003, p. 134-136.

Glos­sá­rio Aba­de: su­pe­ri­or de or­dem re­li­gi­o­sa que di­ri­ge uma aba­dia. Fra­de: in­di­ví­duo per­ten­cen­te a or­dem re­li­gi­o­sa cu­jos mem­bros se­guem uma re­gra de vi­da e vi­vem se­pa­ra­dos do mun­do se­cu­lar. De­ca­no: o mem­bro mais ve­lho ou mais an­ti­go de uma

clas­se, as­sem­bleia, cor­po­ra­ção, etc. Gui­zo: pe­que­na es­fe­ra de me­tal com bo­li­nhas em seu in­te­ri­or que, qu­an­do sa­cu­di­da, pro­duz um som ti­lin­tan­te. So­ler­te: en­ge­nho­so, es­per­to, sa­gaz, ar­di­lo­so, ar­gu­to, as­tu­ci­o­so.

TEX­TO 2

Vo­cê es­tá par­ti­ci­pan­do de um cur­so so­bre o li­vro O sen­ti­men­to de si: cor­po, emo­ção e cons­ci­ên­cia, de au­to­ria do neu­ro­ci­en­tis­ta An­tó­nio Da­má­sio. Uma das ava­li­a­ções do cur­so con­sis­te na pro­du­ção de um tex­to de di­vul­ga­ção ci­en­tí­fi­ca a ser pu­bli­ca­do em um blog do cur­so. O ob­je­ti­vo do seu tex­to se­rá o de di­vul­gar as idei­as do au­tor pa­ra um pú­bli­co mais am­plo, es­pe­ci­al­men­te pa­ra alu­nos do en­si­no mé­dio. Vo­cê de­ve­rá es­cre­ver o seu tex­to so­bre o te­ma da in­du­ção das emo­ções, ba­se­a­do no ex­cer­to abai­xo, in­cluin­do:

a) uma ex­pli­ca­ção so­bre in­du­to­res de emo­ção com exem­plos do pró­prio tex­to;

b) uma bre­ve nar­ra­ti­va que exem­pli­fi­que pro­ces­sos de in­du­ção de emo­ções; c) uma fi­na­li­za­ção ba­se­a­da no fe­cha­men­to do tex­to ori­gi­nal. Lem­bre-se de que o tex­to de di­vul­ga­ção ci­en­tí­fi­ca de­ve­rá ter um tí­tu­lo ade­qua­do aos con­teú­dos tra­ta­dos.

O in­du­zir das emo­ções As emo­ções acon­te­cem em dois ti­pos de cir­cuns­tân­ci­as. O pri­mei­ro ti­po de cir­cuns­tân­ci­as tem lu­gar qu­an­do o or­ga­nis­mo pro­ces­sa de­ter­mi­na­dos ob­je­tos ou si­tu­a­ções atra­vés de um dos seus dis­po­si­ti­vos sen­so­ri­ais, por exem­plo, qu­an­do o or­ga­nis­mo avis­ta um ros­to ou um lo­cal fa­mi­li­ar. O se­gun­do ti­po de cir­cuns­tân­ci­as tem lu­gar qu­an­do a men­te de um or­ga­nis­mo re­cor­da cer­tos ob­je­tos e si­tu­a­ções e os re­pre­sen­ta, co­mo ima­gens, no pro­ces­so do pen­sa­men­to, por exem­plo, a re­cor­da­ção do ros­to de uma ami­ga ou o fa­to de es­ta ter aca­ba­do de fa­le­cer.

Um fa­to que se tor­na ób­vio ao con­si­de­rar­mos as emo­ções é que cer­tas es­pé­ci­es de ob­je­tos ou acon­te­ci­men­tos ten­dem a es­tar mais sis­te­ma­ti­ca­men­te li­ga­das a de­ter­mi­na­do ti­po de emo­ção que a ou­tros. As clas­ses de es­tí­mu­los que pro­vo­cam ale­gria, me­do ou tris­te­za ten­dem a fa­zê-lo de for­ma con­sis­ten­te no mes­mo in­di­ví­duo e em in­di­ví­du­os que com­par­ti­lham os mes­mos an­te­ce­den­tes cul­tu­rais. Ape­sar de to­das as pos­sí­veis va­ri­a­ções na ex­pres­são de uma emo­ção, e ape­sar do fa­to de po­der­mos ter emo­ções mis­tas, exis­te uma cor­res­pon­dên­cia apro­xi­ma­da en­tre clas­ses de in­du­to­res de emo­ção e o re­sul­tan­te es­ta­do emo­ci­o­nal. Ao lon­go da evo­lu­ção, os or­ga­nis­mos ad­qui­ri­ram os mei­os pa­ra res­pon­der a de­ter­mi­na­dos es­tí­mu­los – so­bre­tu­do aos que são po­ten­ci­al­men­te úteis ou pe­ri­go­sos sob o pon­to de vis­ta da so­bre­vi­vên­cia – atra­vés de um con­jun­to de res­pos­tas a que cha­ma­mos emo­ção.

Tam­bém é im­por­tan­te no­tar que en­quan­to o me­ca­nis­mo bi­o­ló­gi­co das emo­ções é lar­ga­men­te pre­de­ter­mi­na­do, os in­du­to­res de emo­ção são ex­ter­nos e não fa­zem par­te des­se me­ca­nis­mo. Os es­tí­mu­los que cau­sam a emo­ção não se en­con­tram, de mo­do al­gum, con­fi­na­dos aos que aju­da­ram a for­mar nos­so cé­re­bro emo­ci­o­nal ao lon­go da evo­lu­ção e que po­dem in­du­zir emo­ção des­de os pri­mei­ros di­as de vi­da. À me­di­da que se de­sen­vol­vem e in­te­ra­gem, os or­ga­nis­mos ga­nham ex­pe­ri­ên­cia fac­tu­al e emo­ci­o­nal com di­ver­sos ob­je­tos e si­tu­a­ções do am­bi­en­te, ten­do as­sim uma opor­tu­ni­da­de de as­so­ci­ar mui­tos ob­je­tos e si­tu­a­ções que po­de­ri­am ter per­ma­ne­ci­do emo­ci­o­nal­men­te neu­tros, com os ob­je­tos e as si­tu­a­ções que cau­sam emo­ções na­tu­ral­men­te. A for­ma de apren­di­za­gem co­nhe­ci­da por con­di­ci­o­na­men­to é uma das ma­nei­ras de ob­ter es­ta as­so­ci­a­ção. Uma ca­sa pa­re­ci­da com a que o lei­tor vi­veu uma in­fân­cia fe­liz po­de fa­zê-lo sen­tir-se fe­liz, em­bo­ra na­da de es­pe­ci­al­men­te bom ain­da se te­nha pas­sa­do na ca­sa.

Do mes­mo mo­do, o ros­to de uma be­lís­si­ma des­co­nhe­ci­da, que se as­se­me­lha ao de uma pes­soa li­ga­da a um acon­te­ci­men­to ter­rí­vel, po­de cau­sar-lhe des­con­for­to ou ir­ri­ta­ção. Po­de até nun­ca che­gar a per­ce­ber por quê.

A con­sequên­cia de con­ce­der­mos um va­lor emo­ci­o­nal aos ob­je­tos que não es­ta­vam bi­o­lo­gi­ca­men­te des­ti­na­dos a re­ce­ber es­sa car­ga emo­ci­o­nal é tor­nar in­fi­ni­ta a lis­ta de es­tí­mu­los que, po­ten­ci­al­men­te, po­dem in­du­zir emo­ções. De uma for­ma ou de ou­tra, a mai­or par­te dos ob­je­tos e das si­tu­a­ções con­du­zem a al­gu­ma re­a­ção emo­ci­o­nal, em­bo­ra uns em mai­or es­ca­la que ou­tros. A re­a­ção emo­ci­o­nal po­de ser fra­ca ou for­te – e, fe­liz­men­te pa­ra nós, é fra­ca na mai­or par­te das ve­zes – mas mes­mo as­sim es­tá sem­pre pre­sen­te. A emo­ção e o Me­ca­nis­mo bi­o­ló­gi­co que lhe é sub­ja­cen­te são os com­pa­nhei­ros obri­ga­tó­ri­os do com­por­ta­men­to, cons­ci­en­te ou não. Um cer­to grau de emo­ção acom­pa­nha, for­ço­sa­men­te, o pen­sa­men­to so­bre nós mes­mos ou so­bre o que nos ro­deia.

RE­DA­ÇÃO NO­TA 10 PA­RA A PRO­POS­TA 1:

A fá­bu­la “A De­li­be­ra­ção To­ma­da pe­los Ra­tos”, es­cri­ta por La Fon­tai­ne, apresenta uma si­tu­a­ção-pro­ble­ma de­sen­ca­de­a­da por um ga­to de no­me Ro­di­lar­do que caça inú­me­ros ra­tos, ma­tan­do-os e co­men­do-os. Os ra­tos, pre­o­cu­pa­dos com sua si­tu­a­ção, de­ci­dem se reu­nir pa­ra dis­cu­tir e en­con­trar al­gu­ma so­lu­ção. As­sim, con­clu­em que se hou­ves­se um si­nal pa­ra aler­tá-los da pre­sen­ça do fe­li­no, po­de­ri­am ter tem­po pa­ra se es­con­der e sal­var su­as vi­das, o que foi pro­pos­to pe­lo ra­to mais ve­lho e ex­pe­ri­en­te. Os de­mais con­cor­da­ram, in­clu­si­ve com a ideia de lhe pen­du­rar uma es­fe­ra de me­tal ba­ru­lhen­ta no pes­co­ço. Po­rém, ne­nhum dos ra­tos se com­pro­me­teu a fa­zê-lo, tor­nan­do a ideia in­fru­tí­fe­ra.

La Fon­tai­ne, com es­ta fá­bu­la, trans­mi­te a mo­ral de que, em­bo­ra se­ja im­por­tan­te de­li­be­rar so­bre os as­sun­tos, é im­pres­cin­dí­vel exe­cu­tá-los. Si­tu­a­ção se­me­lhan­te ocor­re qu­an­do uma co­mu­ni­da­de en­fren­ta pro­ble­mas com a se­gu­ran­ça pú­bli­ca. Em um de­ter­mi­na­do bair­ro com al­to ín­di­ce de vi­o­lên­cia, pou­co adi­an­ta las­ti­mar-se dos cri­mes ocor­ri­dos ou dis­cu­tir so­lu­ções em uma re­de so­ci­al. Ca­so es­te al­to ín­di­ce de vi­o­lên­cia ocor­ra em ra­zão da au­sên­cia de es­co­las ou ati­vi­da­des cul­tu­rais, es­sa co­mu­ni­da­de de­ve­rá se or­ga­ni­zar e le­var os fa­tos às au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes pa­ra que pro­vi­den­ci­em o ne­ces­sá­rio e, com a par­ti­ci­pa­ção de to­dos, se­ja re­sol­vi­do con­cre­ta­men­te o pro­ble­ma.

O re­ceio de even­tu­ais re­ta­li­a­ções po­de le­var es­sa co­mu­ni­da­de a ame­dron­tar-se, as­sim co­mo os ra­tos da fá­bu­la. Pa­ra co­lo­car o gui­zo no ga­to, ou se­ja, pa­ra efe­ti­var uma trans­for­ma­ção nes­se bair­ro, é pre­ci­so sair da to­ca, en­fren­tar a ques­tão e exi­gir os pró­pri­os di­rei­tos. No ca­so, um ser­vi­ço de se­gu­ran­ça e edu­ca­ção pres­ta­dos ade­qua­da­men­te pe­lo Es­ta­do.

E. A. COMENTÁRIO DE LUIZ CLÁU­DIO JUBILATO:

A pro­va da UNI­CAMP se ca­rac­te­ri­za por ser uma pro­va de “lei­tu­ra” e “es­cri­ta”, por­tan­to o item “cri­a­ti­vi­da­de” não es­tá em dis­cus­são.

O alu­no tem que ser ca­paz de ler o tex­to de apoio, en­ten­der a pro­pos­ta e se­guir as ins­tru­ções à ris­ca. O can­di­da­to cum­pre ca­da uma das ins­tru­ções: O pri­mei­ro pa­rá­gra­fo faz uma sín­te­se da fá­bu­la de La Fon­tai­ne em lin­gua­gem cul­ta. Não há gí­ri­as, pa­la­vre­a­do chu­lo, ou se­ja, na­da que com­pro­me­ta o tex­to.

A re­la­ção en­tre os fa­tos dis­cu­ti­dos den­tro da fá­bu­la (a dis­tân­cia en­tre a te­o­ria e a prá­ti­ca; en­tre a pro­po­si­ção e a exe­cu­ção) e fa­tos atu­ais es­tá ple­na­men­te con­tem­pla­da no se­gun­do pa­rá­gra­fo. A fá­bu­la co­lo­ca em ques­tão a te­se do ra­to de­ca­no de co­lo­car um gui­zo no ga­to Ro­di­lar­do, que ate­mo­ri­za­va a to­dos, po­rém, ela não en­con­tra eco, pois os ra­tos se es­qui­vam co­var­de­men­te pa­ra não te­rem que cum­prir su­as obri­ga­ções. De­nun­ci­am o fa­to, ex­põem seus me­dos, mas fo­gem na ho­ra em que têm que as­su­mir res­pon­sa­bi­li­da­des.

O can­di­da­to cap­ta per­fei­ta­men­te a ins­tru­ção, qu­an­do re­la­ci­o­na o fa­to de os bair­ros com al­to ín­di­ce de vi­o­lên­cia ne­ces­si­ta­rem da in­ter­ven­ção dos ci­da­dãos pa­ra di­mi­nuí-la, co­mo fá­bu­la. Con­clui ele, no ter­cei­ro pa­rá­gra­fo, os ci­da­dãos se omi­tem.

Co­mo to­da fá­bu­la traz a “mo­ral” da his­tó­ria, ele não se fur­ta de apre­sen­tá-la no fi­nal do seu tex­to.

O gê­ne­ro re­se­nha es­tá ple­na­men­te re­pre­sen­ta­do, pois há o re­su­mo, a re­la­ção de idei­as, a opi­nião nas en­tre­li­nhas e a “mo­ral” da his­tó­ria no fim. RE­DA­ÇÃO NO­TA 10 PA­RA A PRO­POS­TA 2: “In­du­to­res de emo­ção”: os ga­ti­lhos das sen­sa­ções Cons­tan­te­men­te em nos­sas vi­das, lu­ga­res, pes­so­as, ob­je­tos ou si­tu­a­ções são res­pon­sá­veis por nos cau­sar emo­ções di­ver­sas, às ve­zes po­si­ti­vas, às ve­zes não. Se­gun­do An­tó­nio Da­má­sio, as emo­ções são mei­os de res­pon­der a de­ter­mi­na­dos es­tí­mu­los, tais es­tí­mu­los são tra­ta­dos em seu li­vro “O sen­ti­men­to de si: cor­po, emo­ção e cons­ci­ên­cia” co­mo “in­du­to­res de emo­ção”.

Ima­gi­na­mos a se­guin­te si­tu­a­ção: ao lon­go de sua in­fân­cia vo­cê vi­veu em uma ca­sa on­de foi mui­to fe­liz. Anos mais tar­de, vo­cê se de­pa­ra com uma ca­sa ex­tre­ma­men­te pa­re­ci­da com aque­la em que pas­sou a in­fân­cia. Nes­se ins­tan­te, seu cé­re­bro pas­sa a as­so­ci­ar a ca­sa no­va com a ideia da fe­li­ci­da­de que vo­cê pre­sen­ci­ou ao lon­go da in­fân­cia, mes­mo que na­da de bom já te­nha acon­te­ci­do na no­va re­si­dên­cia. No nos­so exem­plo, a ca­sa se­ria o in­du­tor de emo­ção, pois sua lem­bran­ça ge­ra em vo­cê sen­sa­ções de fe­li­ci­da­de.

Su­po­nha­mos ago­ra que vo­cê foi atro­pe­la­do por uma mo­ça rui­va ao sair da es­co­la. Tem­pos de­pois, em uma fes­ta com os ami­gos, vo­cê vê uma jo­vem mui­to pa­re­ci­da com a mo­to­ris­ta que o atro­pe­lou. As­sim, mes­mo sem co­nhe­cer a jo­vem da fes­ta, vo­cê co­me­ça a se sen­tir des­con­for­tá­vel ou ir­ri­ta­do só de vê-la. Nes­se ca­so, o in­du­tor de emo­ção é a apa­rên­cia da mu­lher rui­va, que lhe re­me­te a uma si­tu­a­ção ter­rí­vel, cau­san­do-lhe ir­ri­ta­ção.

Na­tu­ral­men­te, exis­te uma gama de in­du­to­res, mas o há­bi­to de con­ce­der um va­lor afe­ti­vo a se­res ina­ni­ma­dos, co­mo ob­je­tos, au­men­ta in­fi­ni­ta­men­te o nú­me­ro de es­ti­mu­lan­tes. Fe­liz­men­te, a res­pos­ta a tais es­tí­mu­los é, qua­se sem­pre, fra­ca, em­bo­ra as emo­ções es­te­jam sem­pre pre­sen­tes. Por­tan­to, co­mo há, to­da vez, uma li­ga­ção en­tre o in­du­tor e a emo­ção sub­se­quen­te, um cer­to grau de sen­sa­ção es­tá in­ti­ma­men­te as­so­ci­a­do ao que pen­sa­mos so­bre nós ou so­bre o mun­do ao nos­so re­dor. COMENTÁRIO LUIZ CLÁU­DIO JUBILATO:

1. O au­tor fez uma cla­ra lei­tu­ra do tex­to fon­te, es­cri­to por An­tó­nio Da­má­sio, o que fi­ca cla­ro na in­tro­du­ção e na con­clu­são do seu tex­to.

No pri­mei­ro pa­rá­gra­fo, ele se apro­pria de uma afir­ma­ti­va do au­tor tex­to fon­te, qu­an­do es­cre­ve: "Cons­tan­te­men­te em nos­sas vi­das, lu­ga­res, pes­so­as, ob­je­tos ou si­tu­a­ções são res­pon­sá­veis por nos cau­sar emo­ções di­ver­sas, às ve­zes po­si­ti­vas, às ve­zes não."

Na con­clu­são, apro­pria-se de ou­tra ideia ex­pres­sa pe­lo au­tor do tex­to fon­te: "Na­tu­ral­men­te, exis­te uma gama de in­du­to­res, mas o há­bi­to de con­ce­der um va­lor afe­ti­vo a se­res ina­ni­ma­dos, co­mo ob­je­tos, au­men­ta in­fi­ni­ta­men­te o nú­me­ro de es­ti­mu­lan­tes."

2. Ele cum­pre ca­da uma das ins­tru­ções, de­mons­tran­do cla­re­za de ra­ci­o­cí­nio, pa­rá­gra­fos co­e­sos e vo­ca­bu­lá­rio con­di­zen­te com o que lhe foi so­li­ci­ta­do.

a) a nar­ra­ti­va de um fa­to ex­traí­do do tex­to de An­tó­nio Da­má­sio li­ga­do a um am­bi­en­te es­tá cla­ra­men­te pre­sen­te no se­gun­do pa­rá­gra­fo.

b) a nar­ra­ti­va de um fa­to ex­traí­do do tex­to de An­tó­nio Da­má­sio li­ga­do a uma pes­soa es­tá cla­ra­men­te pre­sen­te no ter­cei­ro pa­rá­gra­fo.

c) em am­bas as nar­ra­ti­vas, são evi­den­tes os in­du­to­res de emo­ção, res­pec­ti­va­men­te o es­pa­ço e a pes­soa.

3. A con­clu­são é ab­so­lu­ta­men­te per­ti­nen­te, se le­var­mos em con­ta a ins­tru­ção da le­tra C: Por­tan­to, co­mo há, to­da vez, uma li­ga­ção en­tre o in­du­tor e a emo­ção sub­se­quen­te, um cer­to grau de sen­sa­ção es­tá in­ti­ma­men­te as­so­ci­a­do ao que pen­sa­mos so­bre nós ou so­bre o mun­do ao nos­so re­dor.

4. O tí­tu­lo, bas­tan­te cri­a­ti­vo, es­tá ple­na­men­te iden­ti­fi­ca­do com o tex­to.

5. São per­cep­tí­veis as mar­cas do gê­ne­ro ar­ti­go ci­en­tí­fi­co.

◊◊◊

Con­sul­to­ria: Luiz Cláu­dio Jubilato, pro­fes­sor de lín­gua por­tu­gue­sa, es­pe­ci­a­lis­ta em ves­ti­bu­la­res e di­re­tor do Cri­ar Re­da­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.