6. MOR­FO­LO­GIA

Superguia Enem - Química e Biologia - - Biologia -

Vi­mos co­mo foi pos­sí­vel es­tu­dar os se­res vi­vos e su­as ca­rac­te­rís­ti­cas, a re­la­ção des­tes com o meio am­bi­en­te e sua clas­si­fi­ca­ção. Ago­ra, ve­re­mos a mor­fo­lo­gia, o es­tu­do da for­ma dos se­res vi­vos, ou de par­te de­le. Ge­ral­men­te, o es­tu­do po­de ser di­vi­di­do em du­as par­tes: his­to­lo­gia (es­tu­dos dos te­ci­dos bi­o­ló­gi­cos, sua fun­ção, es­tru­tu­ra e for­ma­ção) e ana­to­mia (as di­fe­ren­tes vi­sões, ma­cros­có­pi­ca, mi­cros­có­pi­ca e do de­sen­vol­vi­men­to). O gru­po mi­cros­có­pi­co é di­vi­di­do em ci­to­lo­gia (es­tu­do da cé­lu­la) e his­to­lo­gia (es­tu­do dos te­ci­dos e de co­mo es­tes se or­ga­ni­zam pa­ra a for­ma­ção de ór­gãos). A ana­to­mia ma­cros­có­pi­ca se ocu­pa em es­tu­dar as es­tru­tu­ras ob­ser­vá­veis a olho nu. E a ana­to­mia do de­sen­vol­vi­men­to es­tu­da o de­sen­vol­vi­men­to do in­di­ví­duo a par­tir da fer­ti­li­za­ção até a for­ma adul­ta.

Co­mo se sa­be, o cor­po hu­ma­no é com­ple­xo e pre­ci­sa­ría­mos de um es­pa­ço mai­or do que to­da a ma­té­ria es­tu­da­da até aqui pa­ra co­brir o as­sun­to. Es­ta apos­ti­la é bas­tan­te re­su­mi­da, por­tan­to ve­re­mos his­to­lo­gia.

6.1. His­to­lo­gia

A jun­ção de du­as ou mais cé­lu­las com ca­rac­te­rís­ti­cas se­me­lhan­tes da­rá ori­gem aos te­ci­dos es­pe­ci­a­li­za­dos e a his­to­lo­gia é res­pon­sá­vel pe­lo es­tu­do des­tes te­ci­dos, di­vi­di­dos em: te­ci­do epi­te­li­al, te­ci­do con­jun­ti­vo, te­ci­do mus­cu­lar e te­ci­do ner­vo­so.

TE­CI­DO EPI­TE­LI­AL: são os te­ci­dos de re­ves­ti­men­to (epi­té­lio) e de se­cre­ção. Fi­cam mais ex­ter­nos e não san­gram quan­do fe­ri­dos. O epi­té­lio de re­ves­ti­men­to ou pro­te­tor apre­sen­ta cé­lu­las jus­ta­pos­tas de di­ver­sas for­mas (ci­lín­dri­cas, cú­bi­cas ou acha­ta­das), clas­si­fi­ca­das em sim­ples ou es­tra­ti­fi­ca­das. As fun­ções do epi­té­lio são de pro­te­ção,

ab­sor­ção e trans­por­te.

A pe­le con­sis­te no mai­or ór­gão do cor­po hu­ma­no, di­vi­di­do em três ca­ma­das: epi­der­me (avas­cu­la­res), der­me (vas­cu­la­res e com ter­mi­na­ções ner­vo­sas) e hi­po­der­me (te­ci­do adi­po­so sub­cu­tâ­neo).

O epi­té­lio glan­du­lar ou de se­cre­ção apre­sen­ta cé­lu­las es­pe­ci­a­li­za­das na pro­du­ção de se­cre­ção (glân­du­las exó­cri­nas, co­mo as su­do­rí­pa­ras e la­cri­mais) ou hormô­ni­os (glân­du­las en­dó­cri­nas, co­mo a hi­pó­fi­se, ti­reói­de e gô­na­das, res­pon­sá­veis pe­la li­be­ra­ção do hormô­nio di­re­to no san­gue). O pân­cre­as é uma glân­du­la mis­ta com fun­ção en­dó­cri­na, pro­du­zin­do glu­ca­gon e in­su­li­na, e fun­ção exó­cri­na, pro­du­zin­do su­co pan­creá­ti­co.

TE­CI­DO CON­JUN­TI­VO: te­ci­do bas­tan­te es­pe­ci­a­li­za­do com fun­ção de pre­en­cher, de­fen­der, nu­trir, sus­ten­tar, trans­por­tar, se­pa­rar, li­gar ór­gãos e ar­ma­ze­nar. Ve­ja­mos as di­vi­sões.

Te­ci­do con­jun­ti­vo pro­pri­a­men­te di­to (TCPD): é res­pon­sá­vel pe­lo pre­en­chi­men­to dos es­pa­ços en­tre os mús­cu­los, for­ma­ção da der­me e sus­ten­ta­ção de ou­tros te­ci­dos; di­vi­di­do em TCPD frou­xo e TCPD den­so.

Te­ci­do adi­po­so: es­tá lo­ca­li­za­do abai­xo da pe­le e nas mem­bra­nas que re­ves­tem os ór­gãos, ar­ma­ze­na gor­du­ra, amor­te­ce em ca­so de cho­ques e con­tro­la a tem­pe­ra­tu­ra.

Te­ci­do car­ti­la­gi­no­so: apre­sen­ta gran­de quan­ti­da­de de co­lá­ge­no, sen­do res­pon­sá­vel pe­la for­ma­ção das ar­ti­cu­la­ções, pa­vi­lhão au­di­ti­vo ex­ter­no e discos ver­te­brais.

Te­ci­do ós­seo: é res­pon­sá­vel pe­la for­ma­ção do es­que­le­to, sua ri­gi­dez se de­ve ao acú­mu­lo de sais de cál­cio e mag­né­sio.

Te­ci­do san­guí­neo: é for­ma­do por três gru­pos. Plas­ma: subs­tân­cia in­tra­ce­lu­lar e lí­qui­da on­de se en­con­tram pro­teí­nas es­pe­ci­fi­cas (fi­bro­gê­nio, pro­tom­bi­na, al­bu­mi­na, glo­bu­li­na), sais mi­ne­rais, vi­ta­mi­nas, hormô­ni­os e cé­lu­las san­guí­ne­as. He­má­ci­as: são os eri­tró­ci­tos, po­pu­lar­men­te co­nhe­ci­dos co­mo gló­bu­los ver­me­lhos. O pig­men­to he­mo­glo­bi­na é res­pon­sá­vel pe­la co­lo­ra­ção aver­me­lha­da da cé­lu­la, con­tém fer­ro e atua no trans­por­te de oxi­gê­nio. Leu­có­ci­tos ou gló­bu­los bran­cos: atu­am na de­fe­sa do or­ga­nis­mo, pro­du­zin­do an­ti­cor­pos eo­si­nó­fi­los, aci­dó­fi­los e neu­tró­fi­los (que es­tão re­la­ci­o­na­dos às re­a­ções alér­gi­cas), lin­fó­ci­tos B e T (imu­ni­da­de), mo­nó­ci­tos e ma­cró­fa­gos (fa­go­ci­to­se de an­tí­ge­nos) e os ba­só­fi­los he­pa­ri­na (an­ti­co­a­gu­lan­te) e his­ta­mi­na (va­so­di­la­ta­do­ra).

Te­ci­do he­ma­to­poié­ti­co: a fun­ção des­te te­ci­do é a pro­du­ção do san­gue, di­vi­de-se em lin­fói­de (pre­sen­te nos gân­gli­os e pro­duz lin­fó­ci­tos) e mi­e­lói­de (en­con­tra­do no in­te­ri­or dos os­sos e pro­duz me­du­la ós­sea).

TE­CI­DO MUS­CU­LAR: res­pon­sá­vel pe­la mo­vi­men­ta­ção e sus­ten­ta­ção, é cons­ti­tuí­do por cé­lu­las alon­ga­das cha­ma­das fi­bras, que o tor­na mais efi­ci­en­te pa­ra con­tra­ção e alon­ga­men­to. Di­vi­de-se em três gru­pos. a) Te­ci­do mus­cu­lar li­so: de con­tra­ções in­vo­lun­tá­ri­as, en­con­tra­do no estô­ma­go, in­tes­ti­nos, úte­ro, be­xi­ga e va­sos san­guí­ne­os; tem úni­co nú­cleo. b) Te­ci­do mus­cu­lar es­tri­a­do es­que­lé­ti­co: a fun­ção des­te te­ci­do é unir os mús­cu­los e sus­ten­tar as vís­ce­ras do ab­do­me; pos­sui vá­ri­os nú­cle­os e a con­tra­ção é vo­lun­tá­ria; é en­con­tra­do sob a pe­le do ros­to por exem­plo. c) Te­ci­do mus­cu­lar es­tri­a­do car­día­co: ex­clu­si­vo do co­ra­ção, úni­co nú­cleo de con­tra­ções in­vo­lun­tá­ri­as.

TE­CI­DO NER­VO­SO: es­te te­ci­do é res­pon­sá­vel pe­la transmissão de es­tí­mu­los elé­tri­cos e quí­mi­cos. É en­vol­to pe­la mi­e­li­na – subs­tân­cia li­pí­di­ca, de cor ver­de re­lu­zen­te, pro­ve­ni­en­te de al­gu­mas cé­lu­las do hi­po­tá­la­mo. Os neurô­ni­os são as cé­lu­las es­pe­ci­a­li­za­das do te­ci­do ner­vo­so, res­pon­sá­vel pe­la con­du­ção do im­pul­so ner­vo­so. São for­ma­dos por cor­po celular (tam­bém co­nhe­ci­do co­mo so­ma, re­gião on­de es­tá o nú­cleo e a mai­o­ria das es­tru­tu­ras ci­to­plas­má­ti­cas), den­tri­tos (do gre­go den­dron, que sig­ni­fi­ca ár­vo­re, pro­lon­ga­men­tos ge­ral­men­te mui­to ra­mi­fi­ca­dos, res­pon­sá­veis pe­lo re­ce­bi­men­to dos si­nais) e axô­ni­os (do gre­go axo­on, que sig­ni­fi­ca ei­xo, e só pos­sui ra­mi­fi­ca­ções na ex­tre­mi­da­de. São res­pon­sá­veis por con­du­zir os si­nais). Os neurô­ni­os re­ce­bem o es­tí­mu­lo, trans­for­mam es­tes em im­pul­sos elé­tri­cos e co­man­dam su­as res­pos­tas atra­vés das si­nap­ses (im­pul­sos ner­vo­sos). O te­ci­do ner­vo­so for­ma o sis­te­ma ner­vo­so cen­tral (cérebro + me­du­la es­pi­nhal) e o sis­te­ma ner­vo­so pe­ri­fé­ri­co (ner­vos + gân­gli­os).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.