1.SO­CI­O­LO­GIA

Superguia Enem - Sociologia e Filosofia - - Sumário -

A so­ci­o­lo­gia se pre­o­cu­pa em es­tu­dar a so­ci­e­da­de a par­tir da ve­ri­fi­ca­ção da sua es­tru­tu­ra in­ter­na, co­mo as ca­ma­das so­ci­ais, os va­lo­res exis­ten­tes na so­ci­e­da­de, as ins­ti­tui­ções, as leis, os con­fli­tos e a co­o­pe­ra­ção pro­du­zi­da por meio das re­la­ções so­ci­ais. Ela é, pois, a ci­ên­cia do fa­to e do ato so­ci­al.

1.1. Bre­ve his­tó­ria da so­ci­o­lo­gia e os seus prin­ci­pais pre­cur­so­res

Des­de os sé­cu­los XVII e XVIII, al­guns fi­ló­so­fos ten­ta­ram cri­ar uma te­o­ria pa­ra ex­pli­car a so­ci­e­da­de e o ser so­ci­al. En­tre es­ses fi­ló­so­fos, po­de­mos des­ta­car os prin­ci­pais: Tho­mas Hob­bes, John Loc­ke, Mon­tes­qui­eu e Je­an-Jac­ques Rous­se­au. Tais pensadores de­sen­vol­ve­ram te­o­ri­as pa­ra ex­pli­car e es­cla­re­cer as su­as dú­vi­das so­bre o mun­do e a so­ci­e­da­de em que vi­vi­am. Des­se mo­do, eles con­tri­buí­ram pa­ra o surgimento da so­ci­o­lo­gia en­quan­to ci­ên­cia, bem co­mo pa­ra a com­pre­en­são do que é a so­ci­e­da­de.

Ve­ja­mos os prin­ci­pais ex­po­en­tes no pe­río­do que an­te­ce­deu o surgimento da so­ci­o­lo­gia.

1.2. Tho­mas Hob­bes (1588 – 1679)

Du­ran­te o seu per­cur­so in­te­lec­tu­al, Tho­mas Hob­bes man­te­ve con­ta­to com ci­en­tis­tas da sua épo­ca, fa­tor que in­flu­en­ci­ou o seu pen­sa­men­to fi­lo­só­fi­co e fez com que de­sen­vol­ves­se a pre­o­cu­pa­ção com pro­ble­mas so­ci­ais e po­lí­ti­cos. Ele ti­nha in­te­res­se pe­la ge­o­me­tria e por pen­sa­men­tos me­ca­ni­cis­tas, e es­se gos­to pe­la ci­ên­cia o le­vou a en­ten­der que as leis que re­gem o com­por­ta­men­to hu­ma­no são as mes­mas leis que go­ver­nam o Uni­ver­so. Se­gun­do Hob­bes, o ser hu­ma­no go­ver­na­do por es­sas leis en­con­tra-se em es­ta­do na­tu­ral: ele é an­tis­so­ci­al e as su­as ações são mo­ti­va­das por me­do ou de­se­jo.

De acor­do com Hob­bes, a pri­mei­ra lei na­tu­ral do ser hu­ma­no é a au­to­pre­ser­va­ção, o que le­va o in­di­ví­duo a se im­por aos de­mais em de­fe­sa pró­pria. Es­ta si­tu­a­ção ge­ra o con­fli­to cons­tan­te, pois ca­da in­di­ví­duo pro­cu­ra pre­ser­var-se an­te o ou­tro. Des­se mo­do, de acor­do com Hob­bes, sur­ge a gu­er­ra de to­dos con­tra to­dos, na qual o “ho­mem é o lo­bo do ho­mem”.

Se­gun­do o fi­ló­so­fo, o úni­co meio pa­ra se li­vrar da gu­er­ra de to­dos con­tra to­dos e pa­ra se cons­truir uma so­ci­e­da­de é ca­da in­di­ví­duo re­nun­ci­ar a par­te de seus de­se­jos e es­ta­be­le­cer um acor­do mú­tuo. Es­te acor­do, pro­pos­to por Hob­bes, im­pli­ca que to­dos os in­di­ví­du­os re­nun­ci­em ao de­se­jo de ani­qui­la­ção do ou­tro e es­ta­be­le­çam um con­tra­to so­ci­al. As­sim, to­dos os di­rei­tos que o ser hu­ma­no pos­sui em es­ta­do de na­tu­re­za so­bre to­das as coi­sas são trans­fe­ri­dos em fa­vor de um so­be­ra­no com di­rei­tos ili­mi­ta­dos, que é um mo­nar­ca ab­so­lu­to, mas não de di­rei­to di­vi­no, pois a sua so­be­ra­nia re­si­de nos di­rei­tos trans­fe­ri­dos. So­men­te es­se mo­nar­ca po­de­rá fa­zer cum­prir o con­tra­to so­ci­al e ga­ran­tir a or­dem e a paz e, na me- di­da em que ele te­ria tam­bém o mo­no­pó­lio da vi­o­lên­cia, es­ta des­pa­re­ce­ria das re­la­ções en­tre os in­di­ví­du­os.

To­das as ques­tões aci­ma sus­ci­ta­das es­tão pre­sen­tes em Le­vi­a­tã (1651), obra prin­ci­pal de Tho­mas Hob­bes, na qual ele re­fle­te em tor­no das es­tru­tu­ras da so­ci­e­da­de e do go­ver­no le­gí­ti­mo. Tra­ta-se tam­bém da te­o­ria do con­tra­to so­ci­al. Nes­ta obra, Hob­bes vai de­fen­der o con­tra­to so­ci­al e o go­ver­no so­be­ra­no ab­so­lu­to co­mo meio de se es­ta­be­le­cer a or­dem e tor­nar o ser hu­ma­no mais so­ciá­vel a par­tir da re­nún­cia de to­dos os seus di­re­tos em es­ta­do de na­tu­re­za.

Pa­ra Hob­bes, a so­ci­e­da­de ci­vil é ne­ces­sá­ria, pois so­men­te a par­tir des­se pon­to o ser hu­ma­no pas­sa­rá a co­nhe­cer as leis e a jus­ti­ça, o que não acon­te­ce no es­ta­do de na­tu­re­za, no qual o in­di­ví­duo é gui­a­do pe­los de­se­jos e pai­xões, o que le­va ao con­fli­to per­ma­nen­te. Por­tan­to, em es­ta­do de na­tu­re­za na­da de bom po­de sur­gir, pois não há regras ou li­mi­tes, o con­trá­rio do que acon­te­ce quan­do é es­ta­be­le­ci­do um con­tra­to so­ci­al.

1.3. John Loc­ke (1632 – 1704)

Ou­tra im­por­tan­te con­tri­bui­ção pa­ra a cri­a­ção da so­ci­o­lo­gia foi da­da pelo fi­ló­so­fo em­pi­ris­ta John Loc­ke, que pos­tu­lou a ideia de que a bus­ca pelo co­nhe­ci­men­to de­ve­ria se dar atra­vés de ex­pe­ri­ên­ci­as e não por meio de de­du­ções ou es­pe­cu­la­ções. Is­to im­pli­ca que to­das as ex­pe­ri­ên­ci­as, se­gun­do o au­tor, de­ve­ri­am acon­te­cer com ba­se na ob­ser­va­ção do mun­do.

Pa­ra Loc­ke, ao nas­cer, a men­te do ser hu­ma­no é uma “fo­lha em bran­co” e so­men­te a par­tir das ex­pe­ri­ên­ci­as ob­ti­das ao lon­go da vi­da é que ele vai ad­qui­rir co­nhe­ci­men­tos e for­mar a per­so­na­li­da­de. Pa­ra o fi­ló­so­fo, to­dos os se­res hu­ma­nos são bons, iguais e li­vres des­de o nas­ci­men­to, o que im­pli­ca que a so­ci­e­da­de é a res­pon­sá­vel pe­la for­ma­ção do ser hu­ma­no.

Ao con­trá­rio de Tho­mas Hob­bes, pa­ra John Loc­ke, a so­be­ra­nia não es­tá no Es­ta­do, mas na po­pu­la­ção. Ele reconheceu a su­pre­ma­cia do Es­ta­do, mas di­zia que es­te de­ve­ria res­pei­tar as leis na­tu­rais e as leis ci­vis. O au­tor tam­bém de­fen­deu a se­pa­ra­ção do Es­ta­do e da Igre­ja, bem co­mo pre­gou a ideia da di­vi­são do po­der em três, mo­de­lo que co­nhe­ce­mos ho­je: Exe­cu­ti­vo, Le­gis­la­ti­vo e Ju­di­ciá­rio. Cabe res­sal­tar que, em­bo­ra John Loc­ke te­nha si­do um de­fen­sor da ideia de que to­dos os ho­mens são iguais, ele tam­bém de­fen­deu a es­cra­vi­dão pa­ra os ven­ci­dos de gu­er­ra.

1.4. Char­les-Louis De Se­con­dat – Ba­rão de Mon­tes­qui­eu (1689 – 1755)

O fi­ló­so­fo fran­cês Mon­tes­qui­eu de­di­cou par­te dos seus es­tu­dos pa­ra com­pre­en­der a so­ci­e­da­de. Fas­ci­na­do pe­las ci­ên­ci­as fí­si­cas e na­tu­rais e pe­las leis que re­gi­am o mun­do fí­si­co, Mon­tes­qui­eu de­fen­deu a ideia de que a re­a­li­da­de so­ci­al tam­bém de­ve­ria ser re­gi­da por leis. A par­tir de en­tão, ele dei­xou a ma­gis­tra­tu­ra e pas­sou a de­di­car-se a des­ven­dar as leis so­ci­ais. Em sua obra prin­ci­pal, O Es­pí­ri­to das Leis, uma te­o­ria po­lí­ti­ca, ele ana­li­sa os fa­tos hu­ma­nos a par­tir da in­ter­pre­ta­ção do mun­do

his­tó­ri­co, po­lí­ti­co e so­ci­al. Pa­ra Mon­tes­qui­eu, a li­ber­da­de po­lí­ti­ca é li­mi­ta­da pe­la mo­de­ra­ção de po­der e os sis­te­mas po­lí­ti­cos (de­mo­crá­ti­cos e aris­to­crá­ti­cos) são li­vres so­men­te quan­do res­pei­tam e não abu­sam do po­der. O “po­der tem que fre­ar o po­der”. O fi­ló­so­fo es­ta­be­le­ce as con­di­ções pa­ra que ha­ja a li­ber­da­de po­lí­ti­ca e o ser hu­ma­no é li­vre por­que é go­ver­na­do por leis, as quais ori­en­tam a vi­da em so­ci­e­da­de.

1.5. Je­an-Jac­ques Rous­se­au (1712 – 1778)

Ou­tro des­ta­ca­do pen­sa­dor, na fa­se pre­li­mi­nar da so­ci­o­lo­gia, é Je­an-Jac­ques Rous­se­au. As­sim co­mo Tho­mas Hob­bes, Rous­se­au vai abor­dar a ques­tão do con­tra­to so­ci­al, mas de ma­nei­ra opos­ta.

Se­gun­do Rous­se­au, o ho­mem nas­ce bom e é a so­ci­e­da­de que o cor­rom­pe. A par­tir des­sa con­cep­ção, Rous­se­au cri­ou a te­o­ria do “bom sel­va­gem”. Em sua obra O Con­tra­to So­ci­al, ele de­fen­de a ideia de que é na so­ci­e­da­de que o ho­mem se tor­na mau e vi­o­len­to e, a par­tir do surgimento da pro­pri­e­da­de pri­va­da, ori­gi­na-se a de­si­gual­da­de en­tre as pes­so­as, pois umas usur­pa­ram as ou­tras.

A ori­gem da pro­pri­e­da­de pri­va­da es­tá li­ga­da à for­ma­ção da so­ci­e­da­de ci­vil, na qual sur­gem as pre­o­cu­pa­ções que não fa­zem par­te do es­ta­do na­tu­ral e on­de se ori­gi­nam as desigualdades. Re­nun­ci­ar ao es­ta­do de na­tu­re­za, pa­ra Rous­se­au, é per­der a li­ber­da­de na­tu­ral e, an­te tal si­tu­a­ção, ele pro­põe o con­tra­to so­ci­al co­mo meio de per­mi­tir ao ser hu­ma­no ter li­ber­da­de ci­vil. O con­tra­to so­ci­al, pa­ra Rous­se­au, se­ria uma pac­to em que ca­da pes­soa re­nun­ci­a­ria às von­ta­des e de­se­jos pes­so­ais pa­ra que hou­ves­se igual­da­de en­tre to­dos. Nes­te mo­de­lo de con­tra­to, a so­be­ra­nia não es­ta­ria no Es­ta­do ou no rei, mas no po­vo e, ao ser so­be­ra­no, es­te mes­mo po­vo se­ria li­vre.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.