4. GLOBALIZAÇÃO E AS NO­VAS RE­LA­ÇÕES DE TRA­BA­LHO

Superguia Enem - Sociologia e Filosofia - - Sumário -

A globalização não é uma no­vi­da­de. Na me­di­da em que “ca­da globalização ca­rac­te­ri­za-se pe­la tec­no­lo­gia, pe­los mei­os de pro­du­ção usa­dos, não só pe­la cul­tu­ra ma­te­ri­al, mas tam­bém pe­la in­te­lec­tu­al, in­te­ra­gin­do uma com a ou­tra” (CHACON, 2002, p. 9).

O ter­mo “globalização” po­de ser ca­rac­te­ri­za­do por al­deia glo­bal, in­ter­li­ga­ção em re­de, in­ter­de­pen­dên­cia, di­mi­nui­ção dos es­pa­ços fí­si­cos (o mun­do es­tá me­nor), in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção do mun­do ca­pi­ta­lis­ta, cres­cen­te com­ple­xi­da­de ide­a­li­za­da pelo tec­ni­cis­mo, me­ca­ni­za­ção, con­se­quen­te de­su­ma­ni­za­ção. Mai­or cir­cu­la­ção de in­for­ma­ções, au­sên­cia de fron­tei­ras e surgimento de no­vas téc­ni­cas, as quais per­mi­tem um di­na­mis­mo da so­ci­e­da­de ja­mais vis­to. Se­gun­do Anthony Gid­dens, a globalização:

Tra­ta-se de um fenô­me­no so­ci­al com vas­tas im­pli­ca­ções. Não de­ve pen­sar-se na globalização ape­nas co­mo o de­sen­vol­vi­men­to de re­des mun­di­ais – sis­te­mas econô­mi­cos e so­ci­ais afas­ta­dos das nos­sas pre­o­cu­pa­ções in­di­vi­du­ais. É tam­bém um fenô­me­no lo­cal, que afe­ta a vi­da co­ti­di­a­na de to­dos nós (GID­DENS, 2007, p. 51).

As pró­pri­as cul­tu­ra e iden­ti­da­de na­ci­o­nais es­tão so­fren­do o re­fle­xo da no­va or­dem econô­mi­ca. Is­to per­mi­te ob­ser­var que o “su­jei­to glo­bal” já não tem um es­pa­ço res­tri­to de ação, mas, pelo con­trá­rio, ele age e re­ce­be a ação de ou­tros su­jei­tos co­mo ele, tam­bém glo­bais, ve­ri­fi­can­do-se que a in­te­ra­ção vai per­mi­tir um mai­or con­ta­to en­tre cul­tu­ras di­fe­ren­ci­a­das.

A apro­pri­a­ção cul­tu­ral, ho­je, não se res­trin­ge, por­tan­to, ao âm­bi­to lo­cal. Ela aden­tra a no­va or­dem que tem co­mo ca­rac­te­rís­ti­ca a com­ple­xi­da­de e ves­te uma no­va rou­pa­gem, is­to é, ad­qui­re uma pers­pec­ti­va tam­bém glo­bal e es­pa­lha-se pa­ra to­dos os can­tos do mun­do, en­tran­do em con­ta­to com di­ver­sos po­vos.

A globalização ori­en­ta-se no sen­ti­do de abar­car a in­fi­ni­da­de de acon­te­ci­men­tos pe­los quais o mun­do es­tá pas­san­do e pro­cu­ra com­pre­en­der a com­ple­xi­da­de cres­cen­te num mun­do em que as bar­rei­ras fron­tei­ri­ças fo­ram su­pe­ra­das e a pró­pria con­cep­ção de país já não tem a mes­ma im­por­tân­cia e sig­ni­fi­ca­do que ti­nha no pas­sa­do.

Os re­gi­o­na­lis­mos fo­ram su­pe­ra­dos e es­ta­be­le­ce­ram-se re­la­ções de in­ter­de­pen­dên­cia en­tre os paí­ses. Os avan­ços ci­en­tí­fi­cos e tec­no­ló­gi­cos di­mi­nuí­ram as dis­tân­ci­as e pos­si­bi­li­ta­ram uma mai­or fa­ci­li­da­de de con­ta­to en­tre os di­fe­ren­tes po­vos e cul­tu­ras, fa­vo­re­cen­do as re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais e in­di­vi­du­ais nu­ma pers­pec­ti­va glo­bal.

Po­rém, to­das es­sas ino­va­ções acar­re­ta­ram con­sequên­ci­as mun­di­ais, uma vez que os pro­ble­mas se ge­ne­ra­li­zam e dei­xam de ser pro­ble­mas re­gi­o­nais. Con­fi­gu­ra-se uma no­va or­dem econô­mi­ca, so­ci­al e po­lí­ti­ca re­ple­ta de con­tra­di­ções e in­cer­te­zas, de mo­do que as pre­vi­sões já não são pos­sí­veis em re­la­ção ao futuro. Tu­do ca­mi­nha pa­ra uma in­te­gra­ção ca­da vez mai­or en­tre os po­vos e pa­ra uma “go­ver­na­ção” glo­bal. Tor­na-se, por­tan­to:

No­tó­rio que as es­tru­tu­ras e os mo­de­los po­lí­ti­cos exis­ten­tes não es­tão pre­pa­ra­dos pa­ra en­fren­tar um mun­do cheio de ris­cos, desigualdades e de­sa­fi­os que trans­cen­dem as fron­tei­ras dos paí­ses. Os go­ver­nos na­ci­o­nais ve­em-se in­ca­pa­zes de, so­zi­nhos, con­tro­la­rem o au­men­to de in­ci­dên­cia da AIDS, con­te­rem os efei­tos do aque­ci­men­to glo­bal, ou re­gu­la­rem os vo­lá­teis mer­ca­dos fi­nan­cei­ros (GID­DENS, 2007, p. 74). Tor­na-se evi­den­te que as for­mas glo­ba­li­zan­tes são de­ten­to­ras de in­fi­ni­tas com­ple­xi­da­des e in­de­ter­mi­na­ções. A pró­pria iden­ti­da­de in­di­vi­du­al pas­sa a ser trans­for­ma­da na me­di­da em que a tra­di­ção e os há­bi­tos do pas­sa­do já não cor­res­pon­dem à re­a­li­da­de que co­lo­ca os in­di­ví­du­os em con­ta­to com no­vas cul­tu­ras, fa­ci­li­ta­do pelo avan­ço tec­no­ló­gi­co, mas, ao mes­mo tem­po, as re­la­ções de tra­ba­lho tam­bém se al­te­ra­ram, tor­nan­do-se mais exi­gen­tes, in­de­ter­mi­na­das e in­se­gu­ras em re­la­ção à du­ra­bi­li­da­de do em­pre­go.

Ho­je, o mer­ca­do con­su­mi­dor é mais exi­gen­te e bus­ca qua­li­da­de e o me­nor pre­ço. Quan­do se fa­la em qua­li­da-

de, tra­ta-se de mão de obra es­pe­ci­a­li­za­da, o que se tor­na di­fí­cil pa­ra mui­tos paí­ses en­fren­ta­rem a con­cor­rên­cia, mes­mo aque­les que são con­si­de­ra­dos eco­no­mi­as emer­gen­tes, co­mo o Bra­sil.

A fal­ta de qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal nas eco­no­mi­as glo­ba­li­za­das di­fi­cul­ta ca­da vez mais a si­tu­a­ção de paí­ses que não con­se­guem acom­pa­nhar as de­man­das do mun­do glo­bal e en­fren­tar a con­cor­rên­cia, tam­bém glo­bal. Ho­je, as fron­tei­ras fí­si­cas são pra­ti­ca­men­te ine­xis­ten­tes e as mer­ca­do­ri­as são apá­tri­das, is­to é, não têm pá­tria ou na­ci­o­na­li­da­de, pois mui­tos pro­du­tos po­de ter par­te fa­bri­ca­da na Chi­na, ou­tra par­te no Bra­sil, ou­tra ain­da nos EUA ou em qual­quer ou­tro país.

Com a in­ten­sa me­ca­ni­za­ção da pro­du­ção no mun­do glo­ba­li­za­do as re­la­ções tra­ba­lhis­tas tam­bém pas­sa­ram por mu­dan­ças. Ocor­reu uma gran­de fle­xi­bi­li­za­ção das leis tra­ba­lhis­tas, o que en­vol­ve mui­tas si­tu­a­ções, en­tre elas o des­res­pei­to aos di­rei­tos do tra­ba­lha­dor. An­te as ne­ces­si­da­des do mer­ca­do glo­bal, sur­gi­ram no­vas for­mas de con­tra­ta­ção que pre­ca­ri­za­ram as re­la­ções de tra­ba­lho, ten­do-se per­di­do a fun­ção so­ci­al. Nes­te sen­ti­do, o tra­ba­lha­dor per­de di­rei­tos e ga­ran­ti­as ao mes­mo tem­po em que ne­ces­si­ta es­tar sem­pre se atu­a­li­zan­do pa­ra ten­tar ga­ran­tir um lu­gar no mer­ca­do de tra­ba­lho, pois nos tem­pos atu­ais, mar­ca­do pe­la globalização, o co­nhe­ci­men­to tor­na-se ul­tra­pas­sa­do mui­to ra­pi­da­men­te. Con­se­quen­te­men­te, é ne­ces­sá­rio atu­a­li­za­ção cons­tan­te.

No tra­ba­lho ter­cei­ri­za­do, o tra­ba­lha­dor não pos­sui vín­cu­lo em­pre­ga­tí­cio com a em­pre­sa, pois é con­tra­ta­do por tem­po de­ter­mi­na­do pa­ra exe­cu­tar de­ter­mi­na­da tarefa, o que pro­vo­ca gran­de ro­ta­ti­vi­da­de nos pos­tos de tra­ba­lho, sa­lá­ri­os bai­xos, ine­xis­tên­cia de leis tra­ba­lhis­tas e de igual­da­de de di­rei­tos.

Mui­tos pro­ble­mas apre­sen­ta­dos ho­je, co­mo a ter­cei­ri­za­ção do tra­ba­lho, pa­re­cem não ser lo­ca­li­za­dos, mas pre­sen­tes no mun­do in­tei­ro, em­bo­ra pos­sam ser mais evi­den­tes em de­ter­mi­na­das re­giões do pla­ne­ta, mo­ti­va­dos, por exem­plo, pe­la po­bre­za e pelo sub­de­sen­vol­vi­men­to, o qual tam­bém tem ser­vi­do ao mer­ca­do atu­al co­mo mão de obra ba­ra­ta e ex­plo­ra­ção da po­pu­la­ção lo­cal.

Mui­to se tem de­ba­ti­do so­bre a ex­plo­ra­ção exer­ci­da so­bre o mun­do sub­de­sen­vol­vi­do co­mo con­sequên­cia da globalização. Nes­te ca­so, va­le a pe­na ver e ana­li­sar a ques­tão de mo­do mais am­plo, pois ela en­vol­ve pes­so­as. É de co­nhe­ci­men­to de to­dos que as em­pre­sas trans­na­ci­o­nais se des­lo­cam pa­ra as re­giões sub­de­sen­vol­vi­das em bus­ca de lu­cro mai­or a par­tir de be­ne­fí­ci­os re­ce­bi­dos por go­ver­nos lo­cais e da exis­tên­cia de mão de obra ba­ra­ta, mas cabe pen­sar tam­bém na po­pu­la­ção de on­de é ori­gi­ná­ria a em­pre­sa.

É na bus­ca do lu­cro fá­cil que em­pre­sas se des­lo­cam de seus paí­ses de ori­gem dei­xan­do pa­ra trás cen­te­nas de de­sem­pre­ga­dos. Res­pon­den­do à or­dem do mo­men­to, a ati­tu­de e a ação de tais em­pre­sas, quer em re­la­ção aos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to, quer em re­la­ção ao seu país de ori­gem, ado­tam uma po­si­ção que não le­va em con­ta a ques­tão so­ci­al e hu­ma­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.