5. ESTRATIFICAÇÕES E HIERARQUIAS SO­CI­AIS

Superguia Enem - Sociologia e Filosofia - - Sumário -

A so­ci­o­lo­gia se uti­li­za do con­cei­to de es­tra­ti­fi­ca­ção so­ci­al pa­ra ex­pli­car que a so­ci­e­da­de es­tá di­vi­di­da em gru­pos de pes­so­as de acor­do com as con­di­ções so­ci­o­e­conô­mi­cas co­muns a to­dos os in­te­gran­tes de um mes­mo gru­po. Em to­da so­ci­e­da­de há hierarquias, as quais re­ve­lam as desigualdades so­ci­ais em ter­mos de ri­que­za, co­nhe­ci­men­to, pres­tí­gio e po­der. Se­gun­do Ferréol & Noreck:

Os ter­mos des­sa pro­ble­má­ti­ca já fo­ram cla­ra­men­te for­mu­la­dos por Je­an-Jac­ques Rous­se­au, que dis­tin­guia dois ti­pos de de­si­gual­da­de. Umas po­dem ser qua­li­fi­ca­das co­mo na­tu­rais (ida­de, for­ça fí­si­ca, ap­ti­dões di­ver­sas), ou­tras são mo­rais, po­lí­ti­cas ou, mais ge­ral­men­te, so­ci­ais. É pre­ci­so sem­pre ter em men­te que as desigualdades na­tu­rais tam­bém são ob­je­tos de in­ter­pre­ta­ção so­ci­al: ser po­de­ro­so, ser rico, ter pres­tí­gio, ser jo­vem ou ser ve­lho, ho­mem ou mu­lher não pos­sui o mes­mo sig­ni­fi­ca­do em to­das as so­ci­e­da­des, nem mes­mo em to­dos os gru­pos de uma da­da so­ci­e­da­de (FERRÉOL & NORECK, 2010, p. 89). Ve­ri­fi­ca-se a exis­tên­cia de vá­ri­os ti­pos de es­tra­ti­fi­ca­ção so­ci­al, de acor­do com ca­da ti­po de so­ci­e­da­de. Na cul­tu­ra oci­den­tal e ca­pi­ta­lis­ta, na qual es­ta­mos in­se­ri­dos, a es­tra­ti­fi­ca­ção ocor­re em três ca­ma­das: clas­se al­ta, clas­se mé­dia e clas­se bai­xa. Em­bo­ra es­te se­ja o mo­do de es­tra­ti­fi­ca­ção com o qual es­ta­mos fa­mi­li­a­ri­za­dos, há ou­tros ti­pos, por exem­plo, na Ín­dia, on­de a es­tra­ti­fi­ca­ção se dá atra­vés de pa­ren­tes­cos ou cas­tas.

Em re­la­ção a ques­tão da es­tra­ti­fi­ca­ção so­ci­al, Max We­ber cha­ma a aten­ção pa­ra a ques­tão do po­der. Pa­ra o au­tor, o mo­do de es­tru­tu­ra­ção das or­dens so­ci­ais in­flu­en­cia a dis­tri­bui­ção de po­der, se­ja ele econô­mi­co ou qual­quer ou­tro. Se­gun­do We­ber, a es­tru­tu­ra so­ci­al não es­tá or­ga­ni­za­da ape­nas ao ní­vel econô­mi­co, mas tam­bém ao ní­vel de po­der. A par­tir do pen­sa­men­to des­se so­ció­lo­go, tor­na-se cla­ro que o po­der que de­ter­mi­na a es­tra­ti­fi­ca­ção so­ci­al não é ape­nas aque­le ad­qui­ri­do atra­vés da ri­que­za, mas tam­bém por meio da hon­ra e do pres­tí­gio so­ci­al, oriun­dos do pró­prio po­der. De acor­do com We­ber:

A for­ma pe­la qual as hon­ras so­ci­ais são dis­tri­buí­das nu­ma co­mu­ni­da­de, en­tre gru­pos tí­pi­cos que par­ti­ci­pam nes­sa dis­tri­bui­ção, po­de ser cha­ma­da de “or­dem so­ci­al”. Ela e a or­dem econô­mi­ca es­tão, de­cer­to, re­la­ci­o­na­das da mes­ma for­ma com a “or­dem ju­rí­di­ca”. Não são, po­rém, idên­ti­cas. A or­dem so­ci­al é, pa­ra nós, sim­ples­men­te a for­ma pe­la

qual os bens e ser­vi­ços econô­mi­cos são dis­tri­buí­dos e usa­dos. A or­dem so­ci­al é, de­cer­to, con­di­ci­o­na­da em alto grau pe­la or­dem econô­mi­ca, e por sua vez in­flui ne­la (WE­BER,1974, p. 212).

Nes­te con­tex­to, a pro­pó­si­to do po­der, en­quan­to fa­tor de­ter­mi­nan­te na es­tra­ti­fi­ca­ção so­ci­al, po­de-se di­zer que a di­fe­ren­ci­a­ção de clas­se so­ci­al en­vol­ve pa­ra mais ou pa­ra me­nos po­der de­pen­den­do em qual es­ca­la so­ci­al es­tá clas­si­fi­ca­da. É pos­sí­vel ve­ri­fi­car­mos que na ba­se da pi­râ­mi­de so­ci­al bra­si­lei­ra, por exem­plo, en­con­tra-se o mai­or nú­me­ro de pes­so­as, as quais com­põem a ca­ma­da so­ci­al me­nos fa­vo­re­ci­da eco­no­mi­ca­men­te e, por­tan­to, é a clas­se so­ci­al que tem me­nor ca­pa­ci­da­de de in­fluên­cia no país.

Con­tu­do, quan­do fa­la­mos em es­tra­ti­fi­ca­ção so­ci­al, tor­na-se ne­ces­sá­rio ex­pli­car que, de­pen­den­do do ti­po de so­ci­e­da­de é pos­sí­vel ocor­rer mo­bi­li­da­de so­ci­al, ou se­ja, um in­di­ví­duo que se en­con­tra na clas­se C ou B po­de che­gar à clas­se A, se con­se­guir atin­gir os pa­drões econô­mi­cos ne­ces­sá­ri­os. Po­rém, o in­ver­so tam­bém po­de ocor­rer. Uma pes­soa que aca­ba por per­der os seus bens po­de­rá des­cer na es­ca­la so­ci­al e, de rico, pas­sar a po­bre.

A al­ter­nân­cia de clas­se so­ci­al, tí­pi­ca das so­ci­e­da­des ca­pi­ta­lis­tas, é cha­ma­da de mo­bi­li­da­de so­ci­al. Po­rém, há so­ci­e­da­des em que a mu­dan­ça de uma clas­se so­ci­al pa­ra ou­tra é im­pos­sí­vel de acon­te­cer, por exem­plo, nas so­ci­e­da­des de cas­tas e na so­ci­e­da­de es­ta­men­tal. Nes­tes dois ti­pos de so­ci­e­da­de, se o in­di­ví­duo nas­ce po­bre ele mor­re­rá po­bre e se nas­ce rico e pos­sui pri­vi­lé­gi­os, per­ma­ne­ce­rá as­sim até o fim de seus di­as. Ve­ja­mos co­mo fun­ci­o­nam as so­ci­e­da­des de cas­tas e a so­ci­e­da­de es­ta­men­tal:

a) Cas­tas

Quan­do fa­la­mos em cas­tas, de ime­di­a­to lem­bra­mos da Ín­dia. O sis­te­ma de cas­tas pos­sui di­rei­tos e de­ve­res e cor­res­pon­de a uma im­por­tan­te ins­ti­tui­ção do hin­duís­mo (fi­lo­so­fia re­li­gi­o­sa da Ín­dia). É ne­ces­sá­rio es­cla­re­cer que nem to­da cas­ta é hin­du, pois os mu­çul­ma­nos e os bu­dis­tas tam­bém pos­su­em cas­tas.

A cas­ta pos­sui uma con­fi­gu­ra­ção his­tó­ri­co-cul­tu­ral ca­rac­te­ri­za­da pe­la en­do­ga­mia (ca­sa­men­to ape­nas en­tre pes­so­as da mes­ma cas­ta), cu­jos cos­tu­mes e es­ti­los de vi­da são trans­mi­ti­dos he­re­di­ta­ri­a­men­te. Pa­ra es­te mo­do de or­ga­ni­za­ção so­ci­al, a pro­fis­são, o fa­tor econô­mi­co e o po­der não são su­fi­ci­en­tes, pois a tra­di­ção e a li­nha­gem são im­pres­cin­dí­veis. Tu­do es­tá li­ga­do a uma he­ran­ça tra­di­ci­o­nal fun­da­men­tal que é trans­mi­ti­da de ge­ra­ção pa­ra ge­ra­ção den­tro de uma cas­ta, sem que se­ja al­te­ra­do o sta­tus ou a po­si­ção so­ci­al dos mem­bros da cas­ta a que ca­da um per­ten­ce. A pes­soa nas­ce e mor­re na mes­ma po­si­ção so­ci­al, se­ja pa­ra me­lhor ou pa­ra pi­or, pois não há mo­bi­li­da­de so­ci­al.

b) Es­ta­men­to

As so­ci­e­da­des es­ta­men­tais são mais aber­tas do que as so­ci­e­da­des de cas­ta, mas são mais fe­cha­das se com­pa­ra- das com as so­ci­e­da­des de clas­se. Na so­ci­e­da­de es­ta­men­tal é pos­sí­vel uma pe­que­na mo­bi­li­da­de so­ci­al, mas não do mes­mo mo­do co­mo ocor­re na so­ci­e­da­de de clas­se.

Há al­gu­mas ca­te­go­ri­as só­ci­o­cul­tu­rais que são fun­da­men­tais nas so­ci­e­da­des es­ta­men­tais. As­sim co­mo as cas­tas, os es­ta­men­tos bus­cam va­lo­res pa­ra além de ques­tões econô­mi­cas e de po­der. A tra­di­ção, a li­nha­gem, a hon­ra, o pres­tí­gio e a vas­sa­la­gem são im­por­tan­tes pa­ra ori­en­tar e clas­si­fi­car os seus mem­bros.

Na so­ci­e­da­de es­ta­men­tal, os seus mem­bros es­tão di­vi­di­dos e sub­me­ti­dos a leis, obri­ga­ções e di­rei­tos, de acor­do com os bens, a hon­ra, o pres­tí­gio e o po­der que pos­su­em. As leis não são iguais pa­ra to­dos e há res­tri­ções quan­to ao re­la­ci­o­na­men­to so­ci­al. Um mo­de­lo des­se mo­do de vi­da é a so­ci­e­da­de feu­dal. Um exem­plo so­bre as res­tri­ções so­ci­ais é a proi­bi­ção de ca­sa­men­to en­tre se­nho­res e vas­sa­los.

c) Clas­se

Quan­do fa­la­mos de clas­se não a po­de­mos con­fun­dir com co­mu­ni­da­de, que se en­qua­dra em ou­tra ca­te­go­ria. A clas­se re­fe­re-se a um gru­po de pes­so­as, cu­jo sta­tus so­ci­al é pa­re­ci­do, ten­do iguais opor­tu­ni­da­des de vi­da. Al­guns cri­té­ri­os que de­fi­nem uma clas­se so­ci­al é o fa­tor econô­mi­co e tam­bém o ti­po de fa­mí­lia a que per­ten­ce (im­por­tân­cia so­ci­al e econô­mi­ca). Po­rém, na so­ci­e­da­de de clas­se, ao con­trá­rio da cas­ta, é pos­sí­vel o in­di­ví­duo mu­dar de sta­tus so­ci­al e, pelo seu es­for­ço e apro­vei­ta­men­to de opor­tu­ni­da­des, su­bir na es­ca­la so­ci­al, em­bo­ra a que­da tam­bém acon­te­ça.

Exem­plo: uma pes­soa po­bre po­de vir a ser ri­ca do mes­mo mo­do que um rico po­de fi­car po­bre. Por­tan­to, ve­ri­fi­ca-se a exis­tên­cia de mo­bi­li­da­de so­ci­al. Tam­bém não exis­te uma tra­di­ção ou lei que im­pe­çam o ca­sa­men­to en­tre pes­so­as de clas­ses so­ci­ais di­fe­ren­tes.

Na so­ci­e­da­de de clas­se nem to­das as pes­so­as vi­vem do mes­mo mo­do ou dis­põem do mes­mo ní­vel de qua­li­da­de de vi­da ou de opor­tu­ni­da­des. A clas­se bai­xa pos­sui po­der aqui­si­ti­vo mui­to bai­xo e, com sa­cri­fí­cio, ten­ta su­prir as su­as ne­ces­si­da­des bá­si­cas de ali­men­ta­ção, saú­de, ves­tuá­rio. Não é in­co­mum as pes­so­as de clas­se bai­xa te­rem que abrir mão do la­zer e do en­tre­te­ni­men­to. O aces­so à cul­tu­ra é res­tri­to e aca­bam por con­su­mir uma es­pé­cie de pseu­do­cul­tu­ra, prin­ci­pal­men­te atra­vés de pro­gra­mas de te­le­vi­são com pou­ca qua­li­da­de em ter­mos cul­tu­rais.

Os em­pre­gos des­ti­na­dos à clas­se bai­xa, que tam­bém são hi­e­rar­qui­za­dos, são mal pa­gos, o que di­fi­cul­ta, pa­ra mui­tas fa­mí­li­as de bai­xa ren­da, man­ter os fi­lhos na es­co­la ou su­bir na es­ca­la so­ci­al. Des­se mo­do, nu­ma mes­ma fa­mí­lia a si­tu­a­ção de po­bre­za po­de­rá se re­pe­tir. Ao per­ten­cer a uma clas­se com­pos­ta em sua mai­o­ria por pes­so­as com bai­xa es­co­la­ri­da­de, sem qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal e, por es­tes mo­ti­vos, com sa­lá­ri­os bai­xos, é di­fí­cil al­te­rar o sta­tus so­ci­al pa­ra me­lhor, pois um dos me­ca­nis­mos pa­ra a as­cen­são so­ci­al é a ins­tru­ção es­co­lar.

A clas­se mé­dia tem um pa­drão de vi­da bom, dig­no e con­se­gue su­prir as su­as ne­ces­si­da­des bá­si­cas, des­fru­tar de la­zer e ter aces­so à cul­tu­ra. Com uma si­tu­a­ção econô­mi­ca boa, es­ta clas­se con­se­gue dar aos fi­lhos uma boa edu­ca­ção e for­ma­ção uni­ver­si­tá­ria, o que pos­si­bi­li­ta ter mão de obra qua­li­fi­ca­da e, con­se­quen­te­men­te, mai­or in­ser­ção no mer­ca­do de tra­ba­lho e sa­lá­ri­os me­lho­res.

Com um pa­drão de vi­da me­lhor e ge­ral­men­te com qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal, a clas­se mé­dia pos­sui maiores opor­tu­ni­da­des de al­te­rar o seu sta­tus so­ci­al pa­ra me­lhor, pois dispõe de me­lho­res con­di­ções e opor­tu­ni­da­des no mer­ca­do de tra­ba­lho, no sen­ti­do de au­men­tar a sua re­mu­ne­ra­ção sa­la­ri­al e ca­da vez mais o seu grau de ins­tru­ção até che­gar a um bom ní­vel de es­pe­ci­a­li­za­ção.

A clas­se al­ta não pos­sui di­fi­cul­da­des pa­ra su­prir as su­as ne­ces­si­da­des bá­si­cas e pos­sui con­di­ções de des­fru­tar de to­do ti­po de la­zer e de cul­tu­ra. É uma clas­se for­ma­da por gran­des em­pre­sá­ri­os e in­dus­tri­ais ou, ain­da, por mem­bros de fa­mí­li­as tra­di­ci­o­nais e ri­cas. Es­ta clas­se es­tá no to­po da pi­râ­mi­de so­ci­al e for­ma a eli­te econô­mi­ca do país a que per­ten­ce.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.