8. CUL­TU­RA ver­sus IN­DÚS­TRIA CUL­TU­RAL

Superguia Enem - Sociologia e Filosofia - - Sumário -

Pa­ra dar uma res­pos­ta ci­en­tí­fi­ca aos vá­ri­os as­sun­tos exis­ten­tes na so­ci­e­da­de, com o ob­je­ti­vo de se en­con­trar a ver­da­de dos fa­tos, sur­giu a an­tro­po­lo­gia – área es­pe­cí­fi­ca das ci­ên­ci­as so­ci­ais. Por­tan­to, a an­tro­po­lo­gia pas­sou a de­di­car-se a ex­pli­car ci­en­ti­fi­ca­men­te as ma­ni­fes­ta­ções cul­tu­rais, ou se­ja, a cul­tu­ra. Pa­ra is­to, es­ta ci­ên­cia cri­ou o seu pró­prio mé­to­do em or­dem a tra­tar do fenô­me­no so­ci­o­cul­tu­ral.

A di­ver­si­da­de cul­tu­ral exis­ten­te no mun­do é imen­sa e, por es­se mo­ti­vo, des­de o prin­cí­pio, a an­tro­po­lo­gia di­re­ci­o­nou su­as pes­qui­sas pa­ra com­pre­en­der e ex­pli­car a di­fe­ren­ça em meio às di­ver­si­da­des. A par­tir des­se mo­men­to, a cul­tu­ra ad­qui­riu va­lor ci­en­tí­fi­co e des­de en­tão, ela pas­sou a ser fun­da­men­tal pa­ra com­pre­en­der as re­la­ções so­ci­ais pre­sen­tes em ca­da ti­po de po­vo.

A cul­tu­ra é um ele­men­to que dis­tin­gue o ser hu­ma­no de ou­tras es­pé­ci­es ani­mais, pois é so­men­te a nos­sa es­pé­cie aque­la que con­se­gue de­sen­vol­ver cul­tu­ra. Em ca­da so­ci­e­da­de, por mais an­ti­ga que se­ja, os ele­men­tos cul­tu­rais es­tão pre­sen­tes, na me­di­da em que to­do co­nhe­ci­men­to ad­qui­ri­do é pas­sa­do de ge­ra­ção em ge­ra­ção.

Nes­te con­tex­to, os ele­men­tos cul­tu­rais, tais co­mo os cos­tu­mes, as cren­ças, a re­li­gião, o es­por­te, as ci­ên­ci­as, as ar­tes, a arquitetura, a li­te­ra­tu­ra, os mi­tos, os va­lo­res éti­cos e mo­rais e a ma­nei­ra pró­pria de ser e de agir de um po­vo com­põem a sua cul­tu­ra. Nes­te sen­ti­do, é im­por­tan­te sa­li­en­tar­mos que a cul­tu­ra é pas­sa­da aos des­cen­den­tes co­mo me­mó­ria co­le­ti­va. Is­to sig­ni­fi­ca di­zer que a cul­tu­ra é um ele­men­to so­ci­al e se de­sen­vol­ve co­le­ti­va­men­te. Nós so­mos, por­tan­to, si­mul­ta­ne­a­men­te pro­du­tos e produtores de cul­tu­ra.

É em so­ci­e­da­de que o ser hu­ma­no, ao lon­go dos tem­pos, cria e re­cria os es­ti­los de vi­da e di­fe­ren­tes com­por­ta­men­tos. Is­to não im­pli­ca fa­zer juí­zos de va­lor e di­zer que uma cul­tu­ra é me­lhor do que a ou­tra, pois elas são ape­nas di­fe­ren­tes, já que a his­tó­ria hu­ma­na nun­ca foi e nun­ca se­rá igual. Ela es­tá li­ga­da ao pro­ces­so de trans­for­ma­ção so­ci­al e não ocor­re de mo­do igual e si­mul­tâ­neo em to­das as par­tes do pla­ne­ta. Ca­da so­ci­e­da­de tem a sua es­pe­ci­fi­ci­da­de cul­tu­ral, que foi cons­truí­da na his­tó­ria da sua co­le­ti­vi­da­de. To­da cul­tu­ra tem um mo­ti­vo pa­ra ser des­se ou da­que­le mo­do, ou se­ja, tem a sua his­tó­ria cons­truí­da ao lon­go do tem­po, du­ran­te o qual tam­bém ocor­re­ram trans­for­ma­ções sig­ni­fi­ca­ti­vas que in­flu­en­ci­a­ram a for­ma­ção cul­tu­ral dos po­vos.

A hu­ma­ni­da­de já pas­sou por mui­tas trans­for­ma­ções que fo­ram de­ter­mi­nan­tes pa­ra a sua cons­tru­ção cul­tu­ral. Al­guns acon­te­ci­men­tos mar­can­tes de­vem ser en­ten­di­dos co­mo aque­les que in­flu­en­ci­a­ram na for­ma­ção cul­tu­ral dos di­fe­ren­tes po­vos, tais co­mo a co­lo­ni­za­ção dos sé­cu­los XV e XVI, a Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al, a Re­vo­lu­ção Ci­en­tí­fi­ca e Tec­no­ló­gi­ca de nos­so tem­po. To­dos es­tes acon­te­ci­men­tos trans­for­ma­ram o mo­do de vi­da dos po­vos e in­tro­du­zi­ram mu­dan­ças na so­ci­e­da­de e na cul­tu­ra de ca­da um de­les.

É im­por­tan­te en­ten­der­mos a cul­tu­ra co­mo al­go não es­tá­ti­co, pron­to e aca­ba­do. A in­fluên­cia que os acon­te­ci­men­tos in­tro­du­zem na vi­da cul­tu­ral das so­ci­e­da­des es­tá re­la­ci­o­na­da, co­mo já foi di­to, com os gran­des acon­te­ci­men­tos ocor­ri­dos em de­ter­mi­na­da épo­ca e que ti­nham ob­je­ti­vos a ser al­can­ça­dos. Na mai­o­ria das ve­zes, es­ses ob­je­ti­vos só se re­a­li­za­ram atra­vés da in­ter­ven­ção e in­fluên­cia na vi­da em so­ci­e­da­de.

Com o surgimento da so­ci­e­da­de ca­pi­ta­lis­ta con­tem­po­râ­nea, a cul­tu­ra foi trans­for­ma­da em pro­du­to a ser co­mer­ci­a­li­za­do. Es­ta si­tu­a­ção foi ve­ri­fi­ca­da e de­nun­ci­a­da por dois fi­ló­so­fos e so­ció­lo­gos ale­mães, The­o­dor Ador­no (1903 – 1969) e Max Horkhei­mer (1895 – 1973). Es­tes dois pensadores clas­si­fi­ca­ram de in­dús­tria cul­tu­ral a si­tu­a­ção da Ar­te na so­ci­e­da­de ca­pi­ta­lis­ta in­dus­tri­al.

Ador­no e Horkhei­mer, pensadores da Es­co­la de Frank­furt, de­fen­de­ram a ideia de que, no ca­pi­ta­lis­mo, a obra de ar­te ha­via per­di­do a au­to­no­mia e o sen­ti­do crí­ti­co. Ou se­ja, “a ar­te pe­la ar­te” dei­xou de exis­tir, pois ela per­deu a li­ber­da­de de se ex­pres­sar ape­nas en­quan­to ar­te pa­ra trans­for­mar-se em um pro­du­to a aten­der ao gos­to do cli­en­te. Nes­te sen­ti­do, a ar­te dei­xou de ser crí­ti­ca pa­ra aten­der à de­man­da do mer­ca­do, àqui­lo que o fre­guês pro­cu­ra sem ne­nhum cri­té­rio ou gos­to cul­tu­ral.

Ao trans­for­mar uma obra de ar­te ou uma ma­ni­fes­ta­ção cul­tu­ral num pro­du­to a ser ven­di­do, cri­ou-se a in­dús­tria cul­tu­ral. Ne­la, em­pre­sas e mí­di­as ven­dem o con­teú­do ar­tís­ti­co ou cul­tu­ral co­mo se es­ti­ves­sem ven­den­do ba­ta­tas, sa­pa­tos ou qual­quer ou­tro pro­du­to, pois o ob­je­ti­vo a atin­gir é, me­ra­men­te, a ob­ten­ção do lu­cro.

Tu­do o que a in­dús­tria cul­tu­ral pro­duz tem em vis-

ta o lu­cro. Is­to não é um ca­so iso­la­do atu­al­men­te, mas cons­tan­te em nos­sa so­ci­e­da­de. A in­dús­tria cul­tu­ral tem co­mo es­tra­té­gia pa­ra a ob­ten­ção do lu­cro a cri­a­ção de um mo­de­lo pa­drão de cul­tu­ra pré-es­ta­be­le­ci­do, de mo­do a con­quis­tar o in­te­res­se dos in­di­ví­du­os, sem que ha­ja cri­té­ri­os crí­ti­cos por par­te da mas­sa. Des­te mo­do, tor­na-se fá­cil con­tro­lar a so­ci­e­da­de, cu­jo pa­drão de gos­to es­tá de acor­do com aqui­lo que a mí­dia ven­de e diz que é bom. Não há, por par­te dos in­di­ví­du­os, cri­té­ri­os de se­le­ção e au­to­no­mia de pen­sa­men­to ou de ação, is­to é, pas­sam a con­su­mir de­ter­mi­na­do pro­du­to por­que o viu pu­bli­ci­ta­do na TV ou por­que es­tá na mo­da.

A te­le­vi­são é um dos gran­des exem­plos de in­dús­tria cul­tu­ral. Em­bo­ra se­ja um im­por­tan­te veí­cu­lo de co­mu­ni­ca­ção de mas­sa, com co­ber­tu­ra ex­cep­ci­o­nal, ela dispõe de pro­gra­ma­ção e ho­rá­ri­os va­ri­a­dos pa­ra le­var até ao público ima­gens e con­teú­dos que não são ques­ti­o­na­dos pe­los ex­pec­ta­do­res, pois um de seus ob­je­ti­vos se­ria o de ali­e­nar o in­di­ví­duo. Uma pes­soa ali­e­na­da não ques­ti­o­na nem per­gun­ta o porquê das coi­sas ou de de­ter­mi­na­dos acon­te­ci­men­tos, ape­nas acei­ta e, mui­tas ve­zes, pro­cu­ra imi­tar a si­tu­a­ção apre­sen­ta­da co­mo al­go bo­ni­to e ne­ces­sá­rio pa­ra es­tar na “mo­da”.

A in­dús­tria cul­tu­ral, se­gun­do Ador­no e Horkhei­mer, tem co­mo ob­je­ti­vo prin­ci­pal mol­dar to­da a pro­du­ção ar­tís­ti­ca e cul­tu­ral pa­ra trans­for­má-las num pa­drão co­mer­ci­al fa­cil­men­te re­pro­du­zi­do e ven­dá­vel. Não tem a in­ten­ção de pro­mo­ver o co­nhe­ci­men­to, pois co­nhe­cer sig­ni­fi­ca ques­ti­o­nar, per­gun­tar so­bre as coi­sas e bus­car res­pos­tas plau­sí­veis. Is­to é tu­do o que a in­dús­tria cul­tu­ral não quer, pois co­lo­ca­ria sua vi­a­bi­li­da­de econô­mi­ca em ris­co.

A ali­e­na­ção de uma so­ci­e­da­de é a ga­ran­tia da exis­tên­cia da in­dús­tria cul­tu­ral. Ela in­tro­duz nos in­di­ví­du­os ca­da vez mais a ne­ces­si­da­de de consumo an­te ca­da no­vo pro­du­to que apa­re­ce e que, às ve­zes, não tem uti­li­da­de, mas dá a ideia de que usar de­ter­mi­na­do ob­je­to ou mo­de­lo vai tor­nar a pes­soa im­por­tan­te, sob o pon­to de vis­ta so­ci­al. Um exem­plo da­qui­lo que aca­ba­mos de afir­mar são os apa­re­lhos ce­lu­la­res, que al­gu­mas pes­so­as pos­su­em sem nem sa­ber o porquê, ou ain­da, pa­gam um va­lor além das su­as pos­ses pa­ra ob­ter um equi­pa­men­to com apli­ca­ti­vos que não são ne­ces­sá­ri­os no seu co­ti­di­a­no. En­quan­to is­to acon­te­ce, o co­nhe­ci­men­to fi­ca res­tri­to à eli­te.

O co­nhe­ci­men­to não al­can­ça a mai­o­ria da po­pu­la­ção, pois es­ta foi ab­sor­vi­da pe­la cul­tu­ra in­dus­tri­al, ou de mas­sa, e vi­ve de acor­do com o mo­de­lo es­ta­be­le­ci­do por uma eli­te que lu­cra ca­da vez mais com uma pseu­do­cul­tu­ra (fal­sa cul­tu­ra).

Com o surgimento de uma no­va clas­se mé­dia, a ar­te e a cul­tu­ra se adap­ta­ram pa­ra aten­der um gran­de público. A pro­du­ção em mas­sa é des­ti­na­da a um público an­si­o­so pa­ra con­su­mir aqui­lo que a mí­dia, por exem­plo, diz que é cor­re­to, bom e be­lo.

Fi­gu­ra 3 – Bra­sil é po­bre (Da­ta­fo­lha)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.