9. MO­VI­MEN­TOS SO­CI­AIS E CIDADANIA

Superguia Enem - Sociologia e Filosofia - - Sumário -

De­ve­mos de­fi­nir mo­vi­men­tos so­ci­ais co­mo uma or­ga­ni­za­ção co­le­ti­va, cu­ja ação vi­sa atin­gir o seu ob­je­ti­vo de con­quis­tas e de trans­for­ma­ções so­ci­ais atra­vés do em­ba­te po­lí­ti­co com os va­lo­res e a ide­o­lo­gia que de­fen­dem de­ter­mi­na­da so­ci­e­da­de e si­tu­a­ção es­pe­cí­fi­ca.

Atra­vés dos mo­vi­men­tos so­ci­ais é pos­sí­vel rei­vin­di­car mu­dan­ças so­ci­ais que vão ao en­con­tro das ne­ces­si­da­des de cer­tos gru­pos de in­di­ví­du­os ou clas­se so­ci­al, ou ain­da, de gru­pos for­ma­dos por mi­no­ri­as co­mo, por exem­plo: ho­mos­se­xu­ais, ne­gros, pros­ti­tu­tas, en­tre ou­tros.

Ao se tra­tar de re­vin­di­ca­ções e lu­tas po­lí­ti­cas tra­va­das pa­ra a de­fe­sa ou con­quis­ta de di­rei­tos e me­lho­res con­di­ções de vi­da de uma clas­se ou gru­po so­ci­al, não cabe fa­zer juí­zos de va­lor, is­to é, jul­gar. Nes­ta si­tu­a­ção, o que es­tá em ques­tão não é a opi­nião in­di­vi­du­al ou de gru­pos con­trá­ri­os à rei­vin­di­ca­ção fei­ta por de­ter­mi­na­do ti­po de mo­vi­men­to so­ci­al, mas o di­rei­to e o de­ver de to­do ci­da­dão de lu­tar por me­lho­res con­di­ções de vi­da e de dig­ni­da­de de pes­so­as que es­tão ex­cluí­das ou es­tão à mar­gem da so­ci­e­da­de. Nes­te sen­ti­do, os mo­vi­men­tos so­ci­ais exer­cem “pres­são” so­bre o Es­ta­do com o ob­je­ti­vo de ve­rem cum­pri­dos os an­sei­os do gru­po ou clas­se que re­pre­sen­tam.

É im­por­tan­te res­sal­tar que to­das as mu­dan­ças so­ci­ais al­can­ça­das pe­los mo­vi­men­tos so­ci­ais não se­ri­am pos­sí­veis in­di­vi­du­al­men­te, uma vez que um in­di­ví­duo so­zi­nho não tem for­ça su­fi­ci­en­te pa­ra pres­si­o­nar pa­ra que al­go se­ja al­te­ra­do pa­ra o bem de um gru­po so­ci­al. Di­fi­cil­men­te uma úni­ca pes­soa con­se­gui­ria al­te­rar uma lei, mas com a pres­são dos mo­vi­men­tos so­ci­ais, au­men­tam as pos­si­bi­li­da­des, pois eles con­se­guem mo­bi­li­zar uma quan­ti­da­de sig­ni­fi­ca­ti­va de pes­so­as de­mons­tran­do des­con­ten­ta­men­to com a si­tu­a­ção, e que es­tão or­ga­ni­za­das pa­ra pe­dir mu­dan­ças, ten­do jus­ti­fi­ca­ti­vas plau­sí­veis apre­sen­ta­das por de­ter­mi­na­do mo­vi­men­to so­ci­al.

Nos re­gi­mes de­mo­crá­ti­cos, a exis­tên­cia e a mo­bi­li­za­ção das pes­so­as atra­vés de mo­vi­men­tos so­ci­ais é le­gí­ti­ma. Ela faz par­te dos di­rei­tos de to­dos os ci­da­dãos rei­vin­di­ca­rem e lu­ta­rem por me­lho­res con­di­ções de vi­da e, mes­mo, pa­ra con­quis­ta­rem di­rei­tos que ain­da não es­tão ga­ran­ti­dos por lei. Os di­rei­tos só es­tão as­se­gu­ra­dos quan­do es­tão res­pal­da­dos por leis e, mui­tas ve­zes, é ne­ces­sá­ria a or­ga­ni­za­ção das pes­so­as em mo­vi­men­tos so­ci­ais pa­ra pres­si­o­nar o po­der cons­ti­tuí­do pa­ra que cer­tos di­rei­tos se­jam le­gal­men­te re­co­nhe­ci­dos e res­pei­ta­dos.

Em­bo­ra as leis ga­ran­tam de­ter­mi­na­dos di­rei­tos, na prá­ti­ca al­guns de­les pa­re­cem ine­xis­tes e, nes­ta si­tu­a­ção, a mo­bi­li­za­ção cons­ci­en­te dos ci­da­dãos se faz ne­ces­sá­ria pa­ra pres­si­o­nar a ins­tân­cia com­pe­ten­te do po­der público de mo­do a fa­zer va­ler na prá­ti­ca os di­rei­tos já le­gal­men­te cons­ti­tuí­dos.

Quan­do abor­da­mos a ques­tão dos mo­vi­men­tos so­ci­ais e de cidadania, es­tes dois pon­tos não es­tão dis­tan­tes um do ou­tro, na me­di­da em que a for­ma­ção de um mo­vi­men­to so­ci­al só é pos­sí­vel a par­tir da or­ga­ni­za­ção de ci­da­dãos cons­ci­en­tes de seus di­rei­tos e de­ve­res. Po­der vo­tar e ser vo­ta­do, fa­zer par­te de um mo­vi­men­to so­ci­al, de um par­ti­do po­lí­ti­co, sin­di­ca­tos, as­so­ci­a­ção de mo­ra­do­res e ou­tros ti­pos de mo­bi­li­za­ção so­ci­al é um di­rei­to do ci­da­dão, mas não é só is­so.

O exer­cí­cio da cidadania vai além do po­der de vo­tar ou de es­tar li­ga­do a um par­ti­do ou qual­quer ou­tro ti­po de or­ga­ni­za­ção so­ci­al. Cidadania é a par­ti­ci­pa­ção efe­ti­va na vi­da so­ci­al e po­lí­ti­ca de mo­do a ze­lar pelo pró­prio bem es­tar e tam­bém o da co­le­ti­vi­da­de. Is­to re­quer cons­ci­ên­cia crí­ti­ca de ci­da­dão ci­en­te não só de seus di­rei­tos, mas tam­bém das obri­ga­ções.

A cidadania en­vol­ve o res­pei­to às leis do país, dos mu­ni­cí­pi­os e tam­bém da co­mu­ni­da­de, po­rém o ci­da­dão cons­ci­en­te, en­quan­to mem­bro de uma co­le­ti­vi­da­de, tem o de­ver de ana­li­sar se as leis são in­jus­tas, o di­rei­to de pro­tes­tar e pe­dir por mu­dan­ças, mas não sim­ples­men­te des­res­pei­tá-las por­que, an­tes de mais na­da, ca­da pes­soa tem que cum­prir com as su­as obri­ga­ções e, nes­te ca­so es­pe­cí­fi­co, ela tem a obri­ga­ção de res­pei­tar as leis que fo­ram le­gi­ti­ma­das pe­la von­ta­de da mai­o­ria.

O com­pro­mis­so pa­ra com a cidadania é sé­rio e exi­ge a par­ti­ci­pa­ção cons­tan­te de ca­da ci­da­dão no co­ti­di­a­no so­ci­al e po­lí­ti­co. As­sim co­mo a de­mo­cra­cia, a cidadania nun­ca es­tá pron­ta e aca­ba­da, ela ne­ces­si­ta ser pra­ti­ca­da e é a par­tir da prá­ti­ca que se ve­ri­fi­cam as fa­lhas que têm que ser ajus­ta­das.

Pe­dir mu­dan­ças so­ci­ais em be­ne­fí­cio de um de­ter­mi­na­do gru­po ou clas­se so­ci­al é um di­rei­to do ci­da­dão, o qual tem que es­tar ci­en­te que de­ve res­pei­to e obe­di­ên­cia a um coletivo e não a um ou pou­co mais in­di­ví­du­os. Nes­te sen­ti­do, a li­ber­da­de e a de­pen­dên­cia an­dam la­do a la­do, pois há uma de­pen­dên­cia re­cí­pro­ca de mo­do que to­dos os ci­da­dãos ne­ces­si­tam uns dos ou­tros, pois vi­ve­mos em so­ci­e­da­de.

As ações de ca­da ci­da­dão, na so­ci­e­da­de, vão de­ter­mi­nar a sua con­di­ção de pes­soa li­vre ou não. Nes­te con­tex­to, en­vol­ve a ques­tão da res­pon­sa­bi­li­da­de que é um dos pi­la­res da cidadania. Quan­do o in­di­ví­duo tem cons­ci­ên­cia de si mes­mo e de sua li­ber­da­de, ele de­ve es­tar ci­en­te de que a sua ação vai pro­du­zir con­sequên­ci­as na so­ci­e­da­de e, por is­so, tem que ser res­pon­sá­vel pe­los seus atos. Ao rom­per com o sen­so de res­pon­sa­bi­li­da­de, o in­di­ví­duo co­lo­ca em ris­co a sua li­ber­da­de, que es­tá an­co­ra­da no cum­pri­men­to das obri­ga­ções de cidadania. A li­ber­da­de é um di­rei­to de to­do ci­da­dão, mas tam­bém é a con­sequên­cia do cum­pri­men­to dos de­ve­res em so­ci­e­da­de. Per­de­mos a li­ber­da­de quan­do rom­pe­mos de mo­do ir­res­pon­sá­vel com as regras e as leis ori­gi­ná­ri­as da co­le­ti­vi­da­de e pa­ra a co­le­ti­vi­da­de.

Por­tan­to, a cidadania en­vol­ve di­rei­tos e de­ve­res re­cí­pro­cos sem­pre na ex­pec­ta­ti­va de ga­ran­tir uma cer­ta or­dem so­ci­al ca­paz de per­mi­tir o de­sen­vol­vi­men­to sau­dá­vel de to­dos os ci­da­dãos, os quais não são me­ros es­pec­ta­do­res, mas ato­res que par­ti­ci­pam na so­ci­e­da­de e con­tri­bu­em pa­ra a cons­tru­ção da his­tó­ria co­le­ti­va.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.