10. PRIN­CI­PAIS MO­VI­MEN­TOS SO­CI­AIS NO BRA­SIL

Superguia Enem - Sociologia e Filosofia - - Sumário -

10.1. Mo­vi­men­to Es­tu­dan­til no Bra­sil (dé­ca­da de 1960)

A par­tir de 1964, o Bra­sil foi go­ver­na­do por uma di­ta­du­ra mi­li­tar. Nes­ta mes­ma épo­ca, mo­vi­men­tos es­tu­dan­tis se es­pa­lha­ram pelo mun­do, in­clu­si­ve na Eu­ro­pa. No en­tan­to, ca­da mo­vi­men­to ti­nha ob­je­ti­vo e lu­ta di­fe­ren­tes. No Bra­sil, o mo­vi­men­to es­tu­dan­til uni­ver­si­tá­rio tor­nou-se um fo­co de mo­bi­li­za­ção so­ci­al com ca­pa­ci­da­de de mo­bi­li­zar gran­de quan­ti­da­de de es­tu­dan­tes de­se­jo­sos de par­ti­ci­pa­rem da vi­da po­lí­ti­ca do país.

Os es­tu­dan­tes es­ta­vam li­ga­dos a or­ga­ni­za­ções re­pre­sen­ta­ti­vas uni­ver­si­tá­ri­as, tais co­mo: DCEs (Di­re­tó­ri­os Cen­trais de Es­tu­dan­tes); UEEs (Uniões Es­ta­du­ais de Es­tu­dan­tes) e UNE (União Na­ci­o­nal dos Es­tu­dan­tes). To­dos os pro­tes­tos e rei­vin­di­ca­ções es­tu­dan­tis aca­ba­ram por in­flu­en­ci­ar a di­re­ção da po­lí­ti­ca na­ci­o­nal do país. Os es­tu­dan­tes lu­ta­vam con­tra a fal­ta de li­ber­da­de e a opres­são im­pos­ta pe­la di­ta­du­ra mi­li­tar. Es­sas eram as mo­ti­va­ções po­lí­ti­cas dos jo­vens es­tu­dan­tes bra­si­lei­ros da épo­ca que bus­ca­vam o fim do go­ver­no mi­li­tar.

Os es­tu­dan­tes eram or­ga­ni­za­dos e, em sua mai­o­ria, ti­nham li­ga­ções par­ti­dá­ri­as e eram dis­si­den­tes do PCB, com ide­ais mar­xis­tas, e ten­ci­o­na­vam to­mar o po­der por meio de uma re­vo­lu­ção ar­ma­da. Po­rém, os mi­li­ta­res não ce­de­ram e im­pu­se­ram o Ato Ins­ti­tu­ci­o­nal nº 5 (AI-5), aca­ban­do com to­da e qual­quer li­ber­da­de de ex­pres­são e de ma­ni­fes­ta­ção dos es­tu­dan­tes. O re­sul­ta­do foi a ocor­rên­cia de inú­me­ras pri­sões, tor­tu­ras, mor­tes e de­sa­pa­re­ci­men­tos de mi­li­tan­tes.

A di­ta­du­ra atin­giu o pon­to má­xi­mo no pe­río­do de 1969 a 1973, al­tu­ra em que o mo­vi­men­to es­tu­dan­til foi to­tal­men­te de­sar­ti­cu­la­do e os seus lí­de­res e mi­li­tan­tes pas­sa­ram a fa­zer par­te de or­ga­ni­za­ções de lu­ta ar­ma­da, com o ob­je­ti­vo de der­ru­bar o go­ver­no.

Quan­do o ge­ne­ral Er­nes­to Gei­sel foi es­co­lhi­do pa­ra pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, o mo­vi­men­to es­tu­dan­til re­to­mou a sua for­ça. Es­ta fa­se foi mar­ca­da pe­la im­ple­men­ta­ção do pro­je­to que pre­via a re­de­mo­cra­ti­za­ção po­lí­ti­ca do Bra­sil. Es­te pro­ces­so de tran­si­ção da di­ta­du­ra pa­ra a de­mo­cra­cia foi len­to e gra­du­al, de mo­do que du­rou até o fim do go­ver­no mi­li­tar.

Du­ran­te es­se pe­río­do de tran­si­ção, não ocor­re­ram

re­pres­sões con­tra o mo­vi­men­to es­tu­dan­til, pois os mi­li­ta­res já ha­vi­am per­di­do o apoio po­pu­lar e pas­sa­ram a re­ce­ber crí­ti­cas da eli­te que os apoi­a­va.

Em 1977, os es­tu­dan­tes vol­ta­ram a sair às ru­as pa­ra pe­dir a de­mo­cra­cia e fo­ram re­gis­tra­das gran­des ma­ni­fes­ta­ções e pro­tes­tos. Aos pou­cos, as or­ga­ni­za­ções fo­ram re­cons­truí­das, mas, no fi­nal da dé­ca­da de 1970 e com o fim da di­ta­du­ra, o mo­vi­men­to es­tu­dan­til uni­ver­si­tá­rio per­deu for­ça e pres­tí­gio só re­to­man­do a po­si­ção de des­ta­que em 1992, co­mo os “Ca­ras Pin­ta­das”, na opo­si­ção e lu­ta pelo im­pe­a­ch­ment do en­tão pre­si­den­te Fernando Col­lor de Mel­lo. À es­ta par­te vol­ta­re­mos mais adi­an­te.

Di­ca de mi­nis­sé­rie: Anos Re­bel­des.

10.2. Mo­vi­men­to pe­las Di­re­tas Já (1983 – 1984)

O mo­vi­men­to co­nhe­ci­do por Di­re­tas Já foi um mar­co no pro­ces­so de re­de­mo­cra­ti­za­ção da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra. Foi um mo­vi­men­to ci­vil que con­tou com a par­ti­ci­pa­ção da po­pu­la­ção em ge­ral, rei­vin­di­can­do elei­ções di­re­tas pa­ra pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Até en­tão, to­dos os pre­si­den­tes eram es­co­lhi­dos por um Co­lé­gio Elei­to­ral e os ci­da­dãos não par­ti­ci­pa­vam di­re­ta­men­te na es­co­lha do pre­si­den­te do Bra­sil.

Em 1979, ocor­reu uma aber­tu­ra po­lí­ti­ca e o re­gi­me mi­li­tar de­vol­veu as li­ber­da­des de­mo­crá­ti­cas ao país. Du­ran­te a fa­se mais “du­ra” da di­ta­du­ra mi­li­tar, ha­via ape­nas dois partidos po­lí­ti­cos (ARE­NA e MDB), co­nhe­ci­do co­mo bi­par­ti­da­ris­mo, mas com o re­tor­no dos prin­cí­pi­os de­mo­crá­ti­cos, o Bra­sil pas­sou a ter vá­ri­os partidos po­lí­ti­cos (mul­ti­par­ti­da­ris­mo).

Em 1982, os vá­ri­os partidos po­lí­ti­cos dis­pu­ta­ram as elei­ções pa­ra os go­ver­nos es­ta­du­ais e pa­ra os car­gos do Po­der Le­gis­la­ti­vo. O no­vo qua­dro po­lí­ti­co bra­si­lei­ro per­mi­tiu aos de­pu­ta­dos de opo­si­ção da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos ar­ti­cu­la­rem uma lei pa­ra per­mi­tir a es­co­lha do su­ces­sor do en­tão pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Ba­tis­ta de Oli­vei­ra Fi­guei­re­do. Em 1983, o de­pu­ta­do do MDB Dan­te de Oli­vei­ra cri­ou um pro­je­to de lei que ins­ti­tuia elei­ções di­re­tas pa­ra pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Es­se pro­je­to de lei fi­cou co­nhe­ci­do por “Emen­da Dan­te de Oli­vei­ra”.

A men­ci­o­na­da emen­da te­ve gran­de re­per­cus­são en­tre os se­to­res mais po­li­ti­za­dos do Bra­sil, es­pe­ci­al­men­te nas ca­pi­tais e nas gran­des ci­da­des bra­si­lei­ras. Em pou­co tem­po os partidos MDB, PT e PDT pas­sa­ram a or­ga­ni­zar co­mí­ci­os em prol de elei­ções di­re­tas pa­ra pre­si­den­te. As ma­ni­fes­ta­ções re­per­cu­ti­ram pe­los mei­os de co­mu­ni­ca­ção e trans­for­ma­ram-se no mo­vi­men­to co­nhe­ci­do por “Di­re­tas Já”, uma das maiores ma­ni­fes­ta­ções po­pu­la­res que já ocor­re­ram no Bra­sil. Nos co­mí­ci­os es­ti­ve­ram pre­sen­tes im­por­tan­tes no­mes da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra, que fo­ram per­se­gui­dos du­ran­te a di­ta­du­ra mi­li­tar, bem co­mo ar­tis­tas, in­te­lec­tu­ais e mi­li­tan­tes de di­ver­sos mo­vi­men­tos so­ci­ais.

É im­por­tan­te res­sal­tar que a ideia de cri­ar um mo­vi­men­to pa­ra pe­dir elei­ções di­re­tas pa­ra pre­si­den­te foi obra do en­tão se­na­dor Te­otô­nio Vi­le­la, lan­ça­da du­ran­te um pro­gra­ma da TV Ban­dei­ran­tes. As­sim, nas­ceu o mo­vi­men­to “Di­re­tas Já”. Em­bo­ra o mo­vi­men­to te­nha ga­nha­do fô­le­go nas ci­da­des gran­des, a ori­gem das ma­ni­fes­ta­ções se deu num mu­ni­cí­pio re­cém-eman­ci­pa­do no Es­ta­do de Per­nam­bu­co, cha­ma­do Abreu e Li­ma. Em 31 de mar­ço de 1983, ocor­reu nes­te mu­ni­cí­pio a pri­mei­ra ma­ni­fes­ta­ção pe­las “Di­re­tas Já”, or­ga­ni­za­da por mi­li­tan­tes do MDB. O acon­te­ci­men­to foi no­ti­ci­a­do pe­la te­le­vi­são e, em ju­nho do mes­mo ano, re­gis­tra­ram-se ma­ni­fes­ta­ções em Goi­â­nia e, em novembro, em Cu­ri­ti­ba.

Em 1984, apro­xi­ma­da­men­te 300 mil pes­so­as se reu­ni­ram na Pra­ça da Sé, em São Paulo, pa­ra pe­dir elei­ções di­rei­tas e, três me­ses de­pois, no Rio de Ja­nei­ro, um mi­lhão de pes­so­as es­ti­ve­ram reu­ni­das em tor­no do mes­mo ob­je­ti­vo. Pou­cas se­ma­nas mais tar­de, em tor­no de 1,7 mi­lhão de pes­so­as vol­ta­ram a se ma­ni­fes­tar em São Paulo.

Con­tu­do, mi­lhões de ma­ni­fes­tan­tes nas ru­as não foi su­fi­ci­en­te pa­ra fa­zer com que os de­pu­ta­dos fe­de­rais vo­tas­sem a fa­vor de elei­ções di­re­tas pa­ra pre­si­den­te. A mai­o­ria dos de­pu­ta­dos se abs­te­ve e a si­tu­a­ção de elei­ção in­di­re­ta pa­ra pre­si­den­te se man­te­ve. Mar­ca­da a pró­xi­ma elei­ção, pa­ra 1985, em uma ten­ta­ti­va de de­mons­trar uma apa­ren­te de­mo­cra­cia, os mi­li­ta­res per­mi­ti­ram que ci­da­dãos ci­vis se can­di­da­tas­sem.

Em 1985, Tan­cre­to Ne­ves (PMDB) foi elei­to pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca pelo Co­lé­gio Elei­to­ral e Jo­sé Sar­ney vi­ce­pre­si­den­te. Pou­co tem­po de­pois, Tan­cre­do Ne­ves ado­e­ceu e veio a fa­le­cer, ten­do Jo­sé Sar­ney as­su­mi­do a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. Em 1988, foi cri­a­da uma no­va Cons­ti­tui­ção, que ins­ti­tui o di­rei­to da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra es­co­lher o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca atra­vés do vo­to di­re­to.

A pres­são das ru­as foi fun­da­men­tal pa­ra o ple­no res­ta­be­le­ci­men­to das li­ber­da­des de­mo­crá­ti­cas no Bra­sil e a de­vo­lu­ção ao po­vo do di­rei­to de es­co­lher to­dos os seus governantes. A pri­mei­ra elei­ção di­re­ta pa­ra pre­si­den­te acon­te­ceu em 1989, e Fernando Col­lor de Mel­lo foi elei­to. O seu man­da­to du­rou de 1990 a 1992, quan­do so­freu o im­pe­a­ch­ment e per­deu os di­rei­tos po­lí­ti­cos por oi­to anos.

10.3. Mo­vi­men­to dos Ca­ras-Pin­ta­das (1992)

O mo­vi­men­to dos Ca­ras-Pin­ta­das foi um mo­vi­men­to es­tu­dan­til que ocor­reu em 1992, e pro­ta­go­ni­zou a lu­ta pelo im­pe­a­ch­ment do en­tão pre­si­den­te do Bra­sil, Fernando Col­lor de Mel­lo. O ob­je­ti­vo prin­ci­pal des­se mo­vi­men­to era a saí­da do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, após as de­nún­ci­as de cor­rup­ção e me­di­das econô­mi­cas im­po­pu­la­res que atin­gi­ram ne­ga­ti­va­men­te mi­lhões de bra­si­lei­ros.

O mo­vi­men­to con­tou com a ade­são de mi­lha­res de

es­tu­dan­tes de to­do o Bra­sil, que iam pa­ra o pro­tes­to com a ca­ra pin­ta­da de ver­de e ama­re­lo. As ma­ni­fes­ta­ções sur­gi­ram em mais um mo­men­to di­fí­cil da po­lí­ti­ca na­ci­o­nal. Re­cém-saí­do da di­ta­du­ra mi­li­tar, pe­la pri­mei­ra vez des­de 1960 o po­vo bra­si­lei­ro ha­via elei­to um pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca por vo­to di­re­to, e to­do o en­tu­si­as­mo e ex­pec­ta­ti­vas de “di­as me­lho­res” aca­ba­ram quan­do Fernando Col­lor de Mel­lo co­lo­cou em prá­ti­ca a sua po­lí­ti­ca e o seu es­ti­lo cor­rup­to de go­ver­nar.

Elei­to a par­tir de um pro­gra­ma po­lí­ti­co que res­sal­ta­va o com­ba­te à hi­pe­rin­fla­ção, além da mo­ra­li­za­ção da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra atra­vés da “ca­ças aos ma­ra­jás” (cor­rup­tos), Fernando Col­lor de Mel­lo ga­nhou a con­fi­an­ça do po­vo bra­si­lei­ro e con­se­guiu ser elei­to, der­ro­tan­do o seu opo­si­tor prin­ci­pal, Luiz Inácio Lu­la da Sil­va.

Na ten­ta­ti­va do Pla­no Col­lor, co­mo fi­cou co­nhe­ci­do um con­jun­to de me­di­das econô­mi­cas pa­ra es­ta­bi­li­zar a in­fla­ção (que não deu cer­to), com a pou­pan­ça de mi­lha­res de bra­si­lei­ros con­fis­ca­da, o pâ­ni­co se es­pa­lhou pelo país jun­to ao des­con­ten­ta­men­to e re­vol­ta an­te as gra­ves de­nún­ci­as de cor­rup­ção, fei­tas por Pe­dro Col­lor, ir­mão do pre­si­den­te, e se­gui­das de no­vos es­cân­da­los que sur­gi­am qua­se que di­a­ri­a­men­te. Mui­tas pes­so­as im­por­tan­tes do go­ver­no es­ta­vam en­vol­vi­das em de­nún­ci­as gra­ves, in­clu­si­ve o te­sou­rei­ro da cam­pa­nha de Col­lor, Paulo Cé­sar Fa­ri­as, mais co­nhe­ci­do por PC Fa­ri­as. Es­te aca­bou por ser as­sas­si­na­do em cir­cuns­tân­ci­as que nun­ca fo­ram ple­na­men­te es­cla­re­ci­das.

Con­for­me au­men­ta­vam as de­nún­ci­as, a po­pu­la­ri­da­de de Fer­na­do Col­lor ia cain­do, até que em um pro­nun­ci­a­men­to à na­ção, Col­lor pe­diu pa­ra que a po­pu­la­ção saís­se às ru­as ves­tin­do uma pe­ça de rou­pa com as co­res que re­pre­sen­tam o Bra­sil. O re­sul­ta­do foi o in­ver­so. As pes­so­as, os “Ca­ras-Pin­ta­das”, saí­ram às ru­as ves­tin­do-se ou pin­tan­do-se de pre­to, em re­pú­dio ao pe­di­do de Col­lor.

O mo­vi­men­to to­mou as ru­as e a im­pren­sa o de­no­mi­nou de “Ca­ras-Pin­ta­das”. Os jo­vens es­tu­dan­tes, atra­vés de gran­des ma­ni­fes­ta­ções es­pa­lha­das pelo Bra­sil, de­mons­tra­ram o des­con­ten­ta­men­to com o go­ver­no Col­lor e a ação de­les foi de­ter­mi­nan­te pa­ra ver o ob­je­ti­vo prin­ci­pal cum­pri­do, is­to é, o im­pe­a­ch­ment do en­tão pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

Ho­je, há crí­ti­cas de que os “Ca­ras-Pin­ta­das” não eram es­tu­dan­tes tão po­li­ti­za­dos e não ti­nham po­si­ci­o­na­men­tos po­lí­ti­cos tão mar­can­tes quan­to aque­les da dé­ca­da de 1960. Po­rém, eles se trans­for­ma­ram em íco­nes de um mo­men­to em que o po­vo bra­si­lei­ro des­co­briu um no­vo mo­do de agir a par­tir da de­mo­cra­cia e con­se­guiu, sem o uso da for­ça, a de­po­si­ção de um di­ri­gen­te cor­rup­to.

10.4. Ma­ni­fes­ta­ções no Bra­sil, em 2013

No pri­mei­ro se­mes­tre de 2013, o Bra­sil vi­veu di­as mar­ca­dos por pro­tes­tos e des­con­ten­ta­men­tos da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra. Foi a mai­or ma­ni­fes­ta­ção po­pu­lar des­de aque­las que rei­vin­di­ca­ram o im­pe­a­ch­ment do pre­si­den­te Fernando Col­lor de Mel­lo, em 1992, e ti­ve­ram re­per­cur­são in­ter­na­ci­o­nal. Po­rém, as ma­ni­fes­ta­ções po­pu­la­res de 2013, pre­ci­sam ser en­ten­di­das de mo­do di­fe­ren­te das de­mais já co­nhe­ci­das.

Em 2013, o iní­cio dos pro­tes­tos sur­giu a par­tir de rei­vin­di­ca­ções pa­ra bai­xar o pre­ço das ta­ri­fas pú­bli­cas do trans­por­te, em São Paulo, atra­vés do Mo­vi­men­to Pas­se Li­vre (MPL). Em pou­co tem­po, as ma­ni­fes­ta­ções tor­na­ram-se enor­mes e se es­pa­lha­ram pelo país. Ca­da vez mais au­men­ta­va o nú­me­ro de ma­ni­fes­tan­tes, ten­do sur­gi­do no­vas rei­vin­di­ca­ções. Na ten­ta­ti­va de con­tro­lar as ma­ni­fes­ta­ções, a for­ça po­li­ci­al foi in­ten­si­fi­ca­da e, com is­to, mais pes­so­as fo­ram pa­ra as ru­as pa­ra ga­ran­tir a li­ber­da­de de ma­ni­fes­ta­ção, que é um di­rei­to de to­do ci­da­dão em qual­quer Es­ta­do de­mo­crá­ti­co.

Ao con­trá­rio de ou­tros mo­vi­men­tos, co­mo o mo­vi­men­to es­tu­dan­til da dé­ca­da de 1960, as “Di­re­tas Já” e os “Ca­ras-Pin­ta­das”, as ma­ni­fes­ta­ções de 2013 no Bra­sil ca­rac­te­ri­za­ram-se por se­rem inor­gâ­ni­cas e apar­ti­dá­ri­as. Is­to é, ocor­reu a par­ti­ci­pa­ção de vá­ri­os se­to­res da so­ci­e­da­de, o que mar­cou uma for­te he­te­ro­ge­nei­da­de so­ci­al e de cons­ci­ên­cia so­ci­al, po­lí­ti­ca e in­te­lec­tu­al, cu­jos ob­je­ti­vos eram di­ver­sos, e não ha­via ne­nhu­ma li­ga­ção com partidos po­lí­ti­cos, com os sin­di­ca­tos ou as cen­trais sin­di­cais, os quais fo­ram re­jei­ta­dos e hos­ti­li­za­dos pe­los ma­ni­fes­tan­tes. Ou­tra ca­ra­te­rís­ti­ca mar­can­te foi a au­sên­cia de li­de­ran­ças, con­for­me é cos­tu­me em ma­ni­fes­ta­ções e pro­tes­tos.

O sím­bo­lo das ma­ni­fes­ta­ções foi a más­ca­ra Anony­mous, tam­bém po­pu­lar em ou­tros pro­tes­tos ao re­dor do mun­do. No Bra­sil, ela po­pu­la­ri­zou-se pelo fil­me “V de Vin­gan­ça”. A más­ca­ra re­fe­re-se a um re­vo­lu­ci­o­ná­rio in­glês do sé­cu­lo XVII, Guy Faw­kes que, jun­ta­men­te com mais qua­tro re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os ca­tó­li­cos, foi con­de­na­do à mor­te após uma ten­ta­ti­va fra­cas­sa­da de pro­vo­car uma ex­plo­são no Par­la­men­to in­glês e to­mar o po­der. Qua­tro sé­cu­los de­pois, Guy Faw­kes foi trans­for­ma­do em per­so­na­gem de his­tó­ria em qua­dri­nho por Alan Mo­o­re que, ins­pi­ra­do na his­tó­ria do re­vo­lu­ci­o­ná­rio, cri­ou o per­so­na­gem “V”, um anar­quis­ta que lu­ta­va pa­ra der­ru­bar um par­ti­do fas­cis­ta que es­ta­va no con­tro­le do po­der na Grã Bre­ta­nha. A más­ca­ra foi cri­a­da pelo de­se­nhis­ta Da­vid Lloyd e se tor­nou po­pu­lar em 2006, atra­vés do fil­me.

As re­des so­ci­ais, co­mo o Facebook, fo­ram ins­tru­men­tos uti­li­za­dos pa­ra mo­bi­li­zar as pes­so­as e fa­zer de­nún­ci­as que iam da vi­o­lên­cia po­li­ci­al con­tra os ma­ni­fes­tan­tes aos di­ver­sos ob­je­ti­vos pre­ten­di­dos pe­la po­pu­la­ção à es­pe­ra de ser aten­di­da pelo go­ver­no. Di­fe­ren­te­men­te de ou­tros tem­pos, os partidos po­lí­ti­cos não to­ma­ram a di­re­ção das ma­ni­fes­ta­ções e não fo­ram con­si­de­ra­dos bem-vin­dos pe-

los ma­ni­fes­tan­tes, o que de­mons­trou o des­con­ten­ta­men­to do po­vo bra­si­lei­ro em re­la­ção aos partidos po­lí­ti­cos, sem ex­ces­são, e tam­bém em re­la­ção à po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra.

A si­tu­a­ção da saú­de, da edu­ca­ção, da se­gu­ran­ça, do trans­por­te e tan­tas ou­tras ques­tões fo­ram de­nun­ci­a­das nas ru­as pe­los ma­ni­fes­tan­tes, ao mes­mo tem­po em que se co­brou do go­ver­no a to­ma­da de de­ci­são em tor­no de me­di­das ca­pa­zes de me­lho­rar a si­tu­a­ção do bra­si­lei­ros. Is­to na­da mais é do que dar uma cidadania le­gí­ti­ma ao po­vo bra­si­lei­ro e foi por is­so que os des­con­ten­ta­men­tos evo­luí­ram con­tra a or­ga­ni­za­ção do Mun­di­al de Fu­te­bol, em 2014, e das Olim­pía­das, em 2016. Es­tes são dois even­tos mui­to ca­ros, o que, se­gun­do as rei­vin­di­ca­ções dos ma­ni­fes­tan­tes, se­ria in­con­ce­bí­vel pa­ra um país co­mo o Bra­sil, que não con­se­gue pro­mo­ver po­lí­ti­cas pú­bli­cas bá­si­cas que aten­dam à sua po­pu­la­ção com dig­ni­da­de e res­pei­to.

As ma­ni­fes­ta­ções ti­ve­ram a apro­va­ção da mai­o­ria da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra e o go­ver­no sen­tiu-se pres­si­o­na­do, ten­do to­ma­do me­di­das pa­ra ten­tar aten­der às rei­vin­di­ca­ções dos ma­ni­fes­tan­tes. A Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal 37/2011 (PEC 37), por exem­plo, que im­pe­dia o Mi­nis­té­rio Público de in­ves­ti­gar os cri­mes, dei­xan­do as in­ves­ti­ga­ções a car­go so­men­te da po­lí­cia, fa­tor que, se­gun­do mui­tos gru­pos de ma­ni­fes­tan­tes, ge­ra­ria mais im­pu­ni­da­de, foi ar­qui­va­da de­vi­do aos pro­tes­tos, pois os de­pu­ta­dos sen­ti­ram a pres­são po­pu­lar nas ru­as, que tam­bém pe­dia o fim da cor­rup­ção. Nes­te con­tex­to, ou­tras rei­vin­di­ca­ções fo­ram aten­di­das, en­tre elas a re­vo­ga­ção de au­men­to das ta­ri­fas do trans­por­te público em vá­ri­as ci­da­des bra­si­lei­ras.

No âm­bi­to das ma­ni­fes­ta­ções que têm se es­pa­lha­do por di­ver­sos paí­ses do glo­bo ao lon­go dos úl­ti­mos anos, é im­por­tan­te di­fe­ren­ci­ar as­pec­tos exis­ten­tes en­tre elas. Há pes­so­as que com­pa­ram as ma­ni­fes­ta­ções ocor­ri­das no Bra­sil, em 2013, co­mo se­me­lhan­tes à “Pri­ma­ve­ra Ára­be”. É pre­ci­so ter bas­tan­te cui­da­do quan­to a es­ta com­pa­ra­ção. A “Pri­ma­ve­ra Ára­be” te­ve iní­cio na Tu­ní­sia, em de­zem­bro de 2010, e os pri­mei­ros pro­tes­tos tam­bém fo­ram de­no­mi­na­dos de “Re­vo­lu­ção de Jas­mim”. A re­vol­ta ocor­reu mo­ti­va­da pelo des­con­ten­ta­men­to da so­ci­e­da­de com o re­gi­me di­ta­to­ri­al pre­do­mi­nan­te no país e de­vi­do às con­di­ções de vi­da pre­cá­ri­as. O es­to­pim foi a imo­la­ção do jo­vem Moha­med Bou­a­zi­zi, um ven­de­dor de fru­tas que te­ve a sua mer­ca­do­ria con­fis­ca­da pe­la po­lí­cia. A re­vol­ta an­te a si­tu­a­ção le­vou o jo­vem a ate­ar fo­go no pró­prio cor­po.

Em ja­nei­ro de 2011, os pro­tes­tos se en­cer­ra­ram na Tu­ní­sia com a que­da do en­tão pre­si­den­te Zi­ne El Abi­di­ni Ben Ali, após 24 anos no po­der. Po­rém, os pro­tes­tos se es­pa­lha­ram por ou­tros paí­ses do Oriente Mé­dio e do Nor­te de Áfri­ca. Al­guns re­gi­mes di­ta­to­ri­ais ruí­ram, por exem­plo, na Lí­bia, on­de se deu o fim do go­ver­no de Mu­am­mar al-Gad­da­fi, que foi mor­to pe­los re­bel­des. No Egi­to, a re­vol­ta tam­bém foi de­no­mi­na­da de “Di­as de Fú­ria”, “Re­vo­lu­ção de Ló­tus” e “Re­vo­lu­ção do Ni­lo”. Es­tes pro­tes­tos mar­ca­ram o lon­go pe­río­do de Hos­ni Mu­ba­rak no po­der e, em 2011, fo­ram re­a­li­za­das elei­ções, nas quais Moham­mad Mor­si foi elei­to pre­si­den­te do Egi­to. Em 2013, Mor­si foi de­pos­to pe­las For­ças Ar­ma­das. Na Sí­ria, os pro­tes­tos evo­luí­ram pa­ra uma san­gren­ta gu­er­ra ci­vil que, na atu­a­li­da­de, tem cha­ma­do a aten­ção da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal pe­la vi­o­lên­cia, o gran­de nú­me­ro de re­fu­gi­a­dos e a ca­tás­tro­fe hu­ma­na.

Nes­te con­tex­to, não é pos­sí­vel fa­zer uma com­pa­ra­ção com os pro­tes­tos que acon­te­ce­ram no Bra­sil. Tal­vez o uso das re­des so­ci­ais se­ja a úni­ca se­me­lhan­ça en­tre a “Pri­ma­ve­ra Ára­be” e os pro­tes­tos ocor­ri­dos no Bra­sil em 2013. Com re­la­ção aos pro­tes­tos da Es­pa­nha, Tur­quia, além do uso das mí­di­as so­ci­ais, ou­tro pon­to se­me­lhan­te é o fa­to de se­rem ma­ni­fes­ta­ções que não pos­suí­ram li­de­ran­ças cla­ras. Es­tes são os pon­tos co­muns en­tre os pro­tes­tos que têm ocor­ri­do atu­al­men­te. As mo­ti­va­ções pa­ra os pro­tes­tos são di­fe­ren­tes.

É im­por­tan­te lem­brar que os pro­tes­tos no Bra­sil não fo­ram mar­ca­dos por rei­vin­di­ca­ções por au­men­to de sa­lá­rio ou em­pre­go, mas pe­la exi­gên­cia por par­te do po­vo de que fos­sem im­plan­ta­das no­vas po­lí­ti­cas pú­bli­cas com ba­se na éti­ca e no com­ba­te à cor­rup­ção. Os ma­ni­fes­tan­tes são oriun­dos de di­fe­ren­tes clas­ses so­ci­ais, com pre­do­mi­nân­cia da clas­se mé­dia que de­se­ja vi­ver em um país di­fe­ren­te e mais jus­to e que, pa­ra is­to, ne­ces­si­ta que a cidadania se­ja de fa­to as­se­gu­ra­da e am­pli­a­da. Nes­te sen­ti­do, foi pos­sí­vel ob­ser­var uma mu­dan­ça de com­por­ta­men­to de uma par­te sig­ni­fi­ca­ti­va da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra, que se mos­trou de­se­jo­sa de no­vos di­rei­tos e de no­vas as­pi­ra­ções que não se re­du­zem a em­pre­gos e sa­lá­ri­os mas, tam­bém, a uma vi­da dig­na.

Di­ca de fil­me: V de Vin­gan­ça

Fi­gu­ra 5 – O ex-de­pu­ta­do fe­de­ral Ulys­ses Gui­ma­rães, o "Se­nhor Di­re­tas", de­fen­de no ple­ná­rio da Câ­ma­ra a re­de­mo­cra­ti­za­ção do Bra­sil. Ar­qui­vo/ABr.

10.5. Mo­vi­men­to dos Tra­ba­lha­do­res Ru­rais Sem Ter­ra (MST)

Ao lon­go da his­tó­ria do Bra­sil a ques­tão agrá­ria ca­rac­te­ri­zou-se pe­la de­si­gual­da­de na dis­tri­bui­ção das ter­ras. No sé­cu­lo XX, vá­ri­as pro­pos­tas de re­for­ma agrá­ria fo­ram pos­tas na me­sa pa­ra se­rem dis­cu­ti­das por mo­vi­men­tos e pelo go­ver­no, po­rém sem re­sul­ta­do efe­ti­vo. An­te a si­tu­a­ção in­jus­ta no cam­po, vá­ri­os mo­vi­men­tos an­te­ce­de­ram o MST na lu­ta pe­la re­for­ma agrá­ria. En­tre es­ses mo­vi­men­tos, des­ta­cam-se as Li­gas Cam­po­ne­sas e a Co­mis­são Pas­to­ral da Ter­ra (CPT).

Com a con­ti­nui­da­de da mes­ma es­tru­tu­ra fun­diá­ria no cam­po, em 1984, foi cri­a­do em Cas­ca­vel, Pa­ra­ná, o Mo­vi­men­to dos Tra­ba­lha­do­res Ru­rais Sem Ter­ra (MST). Cen­te­nas de tra­ba­lha­do­res ru­rais, en­tre eles pos­sei­ros, atin­gi­dos por bar­ra­gens, mi­gran­tes, me­ei­ros, par­cei­ros e pe­que­nos agri­cul­to­res de­ci­di­ram cri­ar um mo­vi­men­to autô­no­mo pa­ra lu­tar pe­la re­for­ma agrá­ria e por re­for­mas so­ci­ais no Bra­sil.

Se­gun­do o MST, des­de a sua fun­da­ção, o “Mo­vi­men­to Sem Ter­ra se organiza em tor­no de três ob­je­ti­vos prin­ci­pais: lu­tar pe­la ter­ra; lu­tar por re­for­ma agrá­ria; lu­tar por uma so­ci­e­da­de mais jus­ta e fra­te­na” (MO­VI­MEN­TO DOS TRA­BA­LHA­DO­RES RU­RAIS SEM TER­RA, 2009 – tex­to di­gi­tal).

As ações do MST são ca­rac­te­ri­za­das pe­la ocu­pa­ção de ter­ras pú­bli­cas ou par­ti­cu­la­res, os la­ti­fún­di­os (gran­des ex­ten­sões de ter­ras) im­pro­du­ti­vos. Des­se mo­do, o mo­vi­men­to pre­ten­de pres­si­o­nar o go­ver­no a ne­go­ci­ar a con­ces­são da pos­se da ter­ra e a im­plan­ta­ção da re­for­ma agrá­ria.

Co­mo to­do mo­vi­men­to so­ci­al, o MST tem uma ide­o­lo­gia e uma cau­sa a ser de­fen­di­da e a ser con­quis­ta­da, que é a re­for­ma agrá­ria. Na lu­ta pe­los seus ob­je­ti­vos, o mo­vi­men­to aca­ba por en­trar em con­fli­to com os pro­pri­e­tá­ri­os de ter­ras e, por ve­zes, ocor­rem con­fron­tos en­tre os in­te­gran­tes do MST e po­li­ci­ais que ten­tam cum­prir a or­dem ju­di­ci­al de de­so­cu­pa­ção da ter­ra.

As ocu­pa­ções e os con­fli­tos ge­ra­dos a par­tir das ações do MST têm sus­ci­ta­do con­tes­ta­ções por par­te de clas­ses so­ci­ais di­fe­ren­tes, que ve­em na ocu­pa­ção de ter­ra um ato ile­gal que fe­re o di­rei­to de pro­pri­e­da­de. Po­rém, in­de­pen­den­te­men­te de juí­zo de va­lor, o fa­to é que o MST con­se­guiu cha­mar a aten­ção do Bra­sil pa­ra a ques­tão da re­for­ma agrá­ria, pon­to es­sen­ci­al a ser re­sol­vi­do no país pa­ra re­du­zir as desigualdades so­ci­ais que ain­da são mui­tas, in­clu­si­ve no cam­po.

Quan­do a ocu­pa­ção é con­si­de­ra­da le­gal, o go­ver­no faz a de­sa­pro­pri­a­ção pa­ra a dis­tri­bui­ção da ter­ra en­tre os tra­ba­lha­do­res ru­rais do mo­vi­men­to, po­rém o pro­ces­so pa­ra que eles te­nham a pos­se da ter­ra é de­mo­ra­do, pois sur­gem pro­ble­mas a se­rem su­pe­ra­dos após a con­quis­ta da ter­ra. Um obs­tá­cu­lo a ser su­pe­ra­do é o mo­do de or­ga­ni­za­ção da pro­du­ção agrí­co­la num la­ti­fún­dio di­vi­di­do em vá­ri­as pe­que­nas pro­pri­e­da­des, as­sim co­mo as con­di­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra que os pe­que­nos pro­pri­e­tá­ri­os pos­sam ti­rar o seu sus­ten­to do pe­da­ço de ter­ra que aca­ba­ram de ad­qui­rir.

Em al­gu­mas oca­siões, o mo­vi­men­to tem uti­li­za­do co­mo saí­da pa­ra su­pe­rar os pro­ble­mas a or­ga­ni­za­ção em co­o­pe­ra­ti­vas ou uma or­ga­ni­za­ção co­le­ti­va dos tra­ba­lha­do­res pa­ra que pos­sam ter mai­or pos­si­bi­li­da­de de co­lo­car os seus pro­du­tos no mer­ca­do. Mas nem sem­pre es­ta me­di­da é bem su­ce­di­da, pois os in­cen­ti­vos do go­ver­no ain­da são pou­cos e, an­te as di­fi­cul­da­des en­fren­ta­das, mui­tos pe­que­nos pro­pri­e­tá­ri­os aca­bam por ven­der as su­as pro­pri­e­da­des, o que ge­ra mui­tas crí­ti­cas da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra ao mo­vi­men­to.

Fi­gu­ra 4 – Más­ca­ra Anony­mous – que sim­bo­li­zou as ma­ni­fes­ta­çõesde rua no país (Bra­sil, 2013)

Fi­gu­ra 6 – Nas ru­as de Bra­sí­lia, di­an­te do Con­gres­so Na­ci­o­nal, o po­vo se ma­ni­fes­ta e exi­ge o res­ta­be­le­ci­men­to das elei­ções di­re­tas pa­ra pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.