1. MI­TO E RA­ZÃO

Superguia Enem - Sociologia e Filosofia - - Filosofia -

A cu­ri­o­si­da­de e o es­pan­to têm si­do, des­de sem­pre, du­as ca­rac­te­rís­ti­cas que ani­mam o ser hu­ma­no. En­quan­to es­pé­cie, nós sem­pre ti­ve­mos de­se­jo de sa­ber ou de co­nhe­cer de mo­do ca­da vez mais pro­dun­do. Sob o pon­to de vis­ta cro­no­ló­gi­co, o mi­to ( mithós) é an­te­ri­or à ra­zão ( lo­gos).

O mi­to de­ve ser ca­rac­te­ri­za­do a par­tir dos se­guin­tes as­pec­tos:

1º – Não há se­pa­ra­ção en­tre o su­jei­to e aqui­lo que ele co­nhe­ce (o ob­je­to). O sím­bo­lo, que na ra­zão é a re­fe­rên­cia uni­ver­sal à qual re­por­tam por ana­lo­gia ou di­fe­ren­ça os ob­je­tos re­ais, é vi­vi­do co­mo al­go que per­ten­ce ao su­jei­to.

2º – O co­nhe­ci­men­to não ul­tra­pas­sa o pla­no da in­tui­ção sen­sí­vel. Que­re­mos com is­to di­zer que es­te ti­po de co­nhe­ci­men­to con­sis­te na re­cep­ção de coi­sas, pes­so­as e vi­vên­ci­as, sem que a cons­ci­ên­cia as ela­bo­re ra­ci­o­nal­men­te. Não pro­ce­den­do ao cri­vo da aná­li­se crí­ti­ca é as­sim que afir­ma­mos ver, por exem­plo, o pôr-do-sol.

3º – A re­a­li­da­de é vi­vi­da de ma­nei­ra afe­ti­va. Os sen­ti­men­tos de­ter­mi­nam a aná­li­se da re­a­li­da­de, ou se­ja, tu­do quan­to exis­te é in­ter­pre­ta­do a par­tir do mo­do co­mo o su­jei­to sen­te.

O mi­to é um pen­sa­men­to que ope­ra por fi­gu­ras. Na An­ti­gui­da­de, o mi­to era re­ve­la­do aos ho­mens pelo po­e­ta rap­so­do. Ele era al­guém con­si­de­ra­do co­mo ín­ti­mo dos deu­ses que lhe con­ta­vam a his­tó­ria dos an­te­pas­sa­dos e das lu­tas já ha­vi­das. O po­e­ta rap­so­do ti­nha a con­fi­an­ça dos ou­vin­tes. Sua pa­la­vra era, por­tan­to, uma pa­la­vra sa­gra­da que, além de ser um re­po­si­tó­rio dos tem­pos, se cons­ti­tuía co­mo ver­bo re­ve­la­dor, um orá­cu­lo.

Sen­do uma ten­ta­ti­va de tor­nar com­pre­en­sí­vel o mun­do, o mi­to de­sem­pe­nha um pa­pel mo­ra­li­zan­te que pre­en­che o ima­gi­ná­rio coletivo. É uma ex­pli­ca­ção que en­glo­ba em si o con­jun­to de con­cep­ções do mun­do que de­ter­mi­na uma so­ci­e­da­de em que es­te ti­po de pen­sa­men­to se­ja o do­mi­nan­te.

Clau­de-Lé­vi Strauss es­ta­be­le­ce pon­tes de con­ti­nui­da­de en­tre o mi­to e a ra­zão, pro­cu­ran­do não cri­ar uma rup­tu­ra en­tre eles, ou mi­to, ou ra­zão. Ao es­cre­ver so­bre o que ca­rac­te­ri­za es­sa di­fe­ren­ça fun­da­men­tal de apro­xi­ma­ção ao mun­do e à vi­da, Strauss es­cla­re­ce que o mi­to não se tor­nou ca­du­co com o iní­cio da ra­zão, mas co­e­xis­te ain­da ho­je com ela:

É um ti­po de pen­sa­men­to fun­da­men­tal­men­te di­fe­ren­te do nos­so. Es­ta abor­da­gem à ques­tão con­cre­ti­za-se na obra de Lévy-Bruhl, que con­si­de­rou que a di­fe­ren­ça bá­si­ca en­tre o pen­sa­men­to “pri­mi­ti­vo” – po­nho sem­pre a pa­la­vra “pri­mi­ti­vo” en­tre as­pas – e o pen­sa­men­to mo­der­no re­si­de em que o pri­mei­ro é com­ple­ta­men­te de­ter­mi­na­do pe­las re­pre­sen­ta­ções mís­ti­cas emo­ci­o­nais. En­quan­to a con­cep­ção de Ma­li­nows­ki é uti­li­tá­ria, a de Lévy-Bruhl é uma con­cep­ção emo­ci­o­nal ou afe­ti­va. Ora, o que eu te­nho ten­ta­do mos­trar é que de fa­to o pen­sa­men­to dos po­vos sem es­cri­ta é (ou po­de ser, em mui­tas cir­cuns­tân­ci­as), por um la­do, um pen­sa­men­to de­sin­te­res­sa­do – e is­to re­pre­sen­ta uma di­fe­ren­ça re­la­ti­va­men­te a Ma­li­nows­ki – e, por ou­tro, um pen­sa­men­to in­te­lec­tu­al – o que é uma di­fe­ren­ça em re­la­ção a Lévy-Bruhl (CLAU­DE-LÉVY STRAUSS, Mi­to e Sig­ni­fi­ca­do).

No âm­bi­to da ra­zão, que his­to­ri­ca­men­te sur­ge na Gré­cia, com o apa­re­ci­men­to da fi­lo­so­fia, nós pas­sa­mos a dis­por de ou­tro ca­mi­nho de apro­xi­ma­ção ao re­al. A ra­zão, o lo­gos, é o dis­cur­so ra­ci­o­nal­men­te ar­ti­cu­la­do. A ori­gem da ra­zão é o mo­men­to em que os deu­ses co­me­çam a per­der o pa­pel de pro­ta­go­nis­tas co­mo ori­gem de to­das as coi­sas e os ho­mens co­me­çam a per­der o pro­ta­go­nis­mo co­mo ori­gem de to­das as coi­sas e, em con­tra­par­ti­da, os ho­mens co­me­çam a pro­cu­rar o sen­ti­do do mun­do e da vi­da na na­tu­re­za em que es­tão in­se­ri­dos.

A vi­da na pó­lis, ou Ci­da­de-Es­ta­do, his­to­ri­ca­men­te cri­a­da pe­la von­ta­de hu­ma­na e não pe­la in­ter­ven­ção di­vi­na, cri­ou exi­gên­ci­as que a ati­tu­de mí­ti­ca já não con­se­guia sa­tis­fa­zer. Ge­o­gra­fi­ca­men­te dis­per­sa (na Jô­nia, na Ásia Me­nor e no sul de Itá­lia), a Gré­cia era re­la­ti­va­men­te ho­mo­gê­nea sob o pon­to de vis­ta cul­tu­ral. Ela ti­nha uma lín­gua co­mum e for­mas de or­ga­ni­za­ção po­lí­ti­ca e cren­ças re­li­gi­o­sas se­me­lhan­tes. Na Ci­da­de-Es­ta­do, ca­da vez mais de­pen­den­te da par­ti­ci­pa­ção po­lí­ti­ca de seus ci­da­dãos, o fa­to de os co­mer­ci­an­tes não te­rem aces­so ao po­der po­lí­ti­co, do­mi­na­do pe­la aris­to­cra­cia, de­ter­mi­nou a cri­se do mi­to. Em Ate­nas, no sé­cu­lo IV a.C., ve­ri­fi­cou-se a am­pli­a­ção da par­ti­ci­pa­ção dos ci­da­dãos na vi­da pú­bli­ca da ci­da­de que, do­ra­van­te, já não se­ria um pri­vi­lé­gio ex­clu­si­vo dos aris­to­cra­tas e dos cam­po­ne­ses ri­cos. Foi, con­tu­do, no sé­cu­lo se­guin­te, que os te­tas – ou the­tes –, ou se­ja, os tra­ba­lha­do­res ma­nu­ais que vi­vi­am uni­ca­men­te do sa­lá­rio, pas­sa­ri­am a in­te­grar a vi­da po­lí­ti­ca.

É pre­ci­so ter pre­sen­te que, em Ate­nas, não exis­tia o Es­ta­do: os ci­da­dãos in­ter­vi­nham di­re­ta­men­te nos as­sun­tos que lhes eram co­muns. Por ou­tro la­do, no sis­te­ma po­lí­ti­co ate­ni­en­se só os ho­mens adul­tos do se­xo mas­cu­li­no nas­ci­dos na ci­da­de de Ate­nas ti­nham o di­rei­to a ex­pres­sar su­as po­si­ções e, tam­bém, a pa­gar os im­pos­tos. A par­ti­ci­pa­ção na vi­da da Ci­da­de-Es­ta­do es­ta­va in­ter­di­ta­da aos que nas­ci­am nou­tras ci­da­des – os me­te­cos –, àque­les que não eram gre­gos pelo nas­ci­men­to – os bár­ba­ros – e, tam­bém, às mu­lhe­res – que vi­vi­am na par­te da ca­sa que lhes es­ta­va re­ser­va­da, o gi­ne­ceu. A elas, que vi­vi­am à cus­ta do ma­ri­do ou do pai, tam­bém era ve­da­do o uso do di­nhei­ro.

O fun­da­men­to da de­mo­cra­cia ate­ni­en­se con­sis­te no fa­to de a so­be­ra­nia re­si­dir na lei e não nos deu­ses ou em al­gum rei: ao con­trá­rio dos po­vos bár­ba­ros, o

po­vo de Ate­nas se or­gu­lha­va de não es­tar sub­me­ti­do a um rei. Ele é cons­ci­en­te do va­lor que tem a vi­da em so­ci­e­da­de, pois é ate­ni­en­se por­que é ci­da­dão e só é ci­da­dão na me­di­da em que par­ti­ci­pa na vi­da pú­bli­ca de sua ci­da­de. Aqui­lo que aca­ba­mos de afir­mar é mais re­le­van­te quan­do ve­ri­fi­ca­mos que os pró­pri­os es­par­ta­nos, ao en­vi­a­rem seus em­bai­xa­do­res à Pér­sia, de­cla­ra­ram: Não te­mos ou­tro se­nhor a não ser a lei.

A pó­lis re­ve­la a su­pre­ma­cia da pa­la­vra, do dis­cur­so e da ra­zão. A ra­zão sur­ge a par­tir da exi­gên­cia de os ci­da­dãos te­rem que enun­ci­ar os cri­té­ri­os re­le­van­tes e vá­li­dos pa­ra su­as es­co­lhas, as­sim co­mo as mo­ti­va­ções pa­ra as de­ci­sões co­le­ti­vas a se­rem ado­ta­das. Do­ra­van­te, a ati­tu­de ra­ci­o­nal se­rá identificada a par­tir dos as­pec­tos que pas­sa­mos a enun­ci­ar:

1º – Há se­pa­ra­ção en­tre o su­jei­to e aqui­lo que ele co­nhe­ce (o ob­je­to).

2º – O co­nhe­ci­men­to ul­tra­pas­sa o pla­no da in­tui­ção sen­sí­vel, ele­van­do-se a ní­veis de abs­tra­ção ca­da vez mais com­ple­xos.

3º – O sím­bo­lo re­pre­sen­ta ob­je­tos au­sen­tes.

A ra­zão é um ti­po de pen­sa­men­to que ope­ra por in­ter­mé­dio de con­cei­tos.

Ao lon­go da evo­lu­ção his­tó­ri­ca, o ser hu­ma­no foi in­ter­vin­do ca­da vez mais na re­a­li­da­de na­tu­ral. Des­te mo­do, as ca­pa­ci­da­des cri­a­do­ras que se ma­ni­fes­tam na so­ci­e­da­de nos obri­gam a es­tar aten­tos às di­fe­ren­ças subs­tan­ci­ais que exis­tem en­tre o mun­do que os se­res hu­ma­nos cri­am e a re­a­li­da­de “na­tu­ral”. O re­al na­tu­ral vai se trans­for­man­do, pro­gres­si­va­men­te, em “re­al so­ci­al”. As­sim, nós de­ve­mos es­tar aten­tos à di­men­são his­tó­ri­ca, que é in­se­pa­rá­vel de ca­da ser hu­ma­no. Ou se­ja, na re­la­ção cog­ni­ti­va não en­con­tra­mos nem um su­jei­to, nem um ob­je­to ab­so­lu­tos. O su­jei­to que co­nhe­ce não es­tá pas­si­va­men­te aban­do­na­do ao que “lhe é da­do”; por ou­tro la­do, os con­teú­dos cog­ni­ti­vos não são o me­ro re­fle­xo de um re­al ab­so­lu­ta­men­te ob­je­ti­va­do, já que, ao lon­go da evo­lu­ção hu­ma­na o re­al foi se trans­for­man­do em re­al pro­gres­si­va­men­te so­ci­al, sen­do o fa­tor de­ter­mi­nan­te pa­ra es­sa trans­for­ma­ção o tra­ba­lho re­a­li­za­do pe­los se­res hu­ma­nos no âm­bi­to de uma de­ter­mi­na­da eta­pa da his­tó­ria.

O ho­ri­zon­te ôn­ti­co, que de­fi­ne e ca­rac­te­ri­za os ob­je­tos a que o co­nhe­ci­men­to hu­ma­no se re­por­ta é de­ter­mi­na­do, em par­te, pe­la in­ter­ven­ção atu­an­te do ser hu­ma­no. Com efei­to, é des­de os pla­nos do tem­po e do es­pa­ço, in­se­ri­do na his­tó­ria, por­tan­to, que o ser hu­ma­no atua, si­mul­ta­ne­a­men­te co­mo pro­du­to e pro­du­tor de ar­te­fa­tos, idei­as, si­tu­a­ções e vi­vên­ci­as. A re­la­ção do ser hu­ma­no com a na­tu­re­za não é, pois, es­ta­be­le­ci­da com “o da­do”: o ex­te­ri­or a mim é apre­en­di­do me­di­an­te um con­ta­to con­cre­to, pró­prio de qu­em não é pu­ro es­pí­ri­to. As­sim, de­ve ser re­jei­ta­da a pers­pec­ti­va de uma gno­si­o­lo­gia1 di­vi­na ou an­gé­li­ca que se tra­duz nu­ma in­ter­pre­ta­ção ide­a­lis­ta do co­nhe­ci­men­to e da re­a­li­da­de. Res­sal­ta­mos, por­tan­to, que é des­de o pla­no an­tro­po­ló­gi­co que de­ve­mos con­si­de­rar nos­sas ca­pa­ci­da­des de in­ter­ven­ção no mun­do na­tu­ral.

Atu­al­men­te, con­si­de­ra­mos co­mo vá­li­dos qua­tro ti­pos de co­nhe­ci­men­to:

1º – Co­nhe­ci­men­to sen­sí­vel: é o co­nhe­ci­men­to pu­ra­men­te sub­je­ti­vo, que não pre­ci­sa ser sub­me­ti­do ao cri­vo da me­di­a­ção pa­ra ser vá­li­do. No âm­bi­to do co­nhe­ci­men­to sen­sí­vel, ou sen­so co­mum, nós agi­mos em fun­ção do ób­vio e do na­tu­ral.

Quan­do nós opi­na­mos acer­ca de um de­ter­mi­na­do as­sun­to ou quan­do nos re­fe­ri­mos, por exem­plo, ao “pôr-do-sol”, nós es­ta­mos gui­an­do nos­sa atu­a­ção pelo co­nhe­ci­men­to pro­por­ci­o­na­do pe­la per­cep­ção. A re­a­li­da­de não é uni­ver­sal­men­te me­di­a­da e é, por­tan­to, con­si­de­ra­da em bru­to.

2º – Co­nhe­ci­men­to re­li­gi­o­so: é o ti­po de co­nhe­ci­men­to pro­por­ci­o­na­do pelo sa­gra­do for­mal­men­te ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­do, ou se­ja, as re­li­giões.

O ser hu­ma­no re­li­gi­o­so, que não se po­si­ci­o­na em rup­tu­ra com os ou­tros ti­pos de co­nhe­ci­men­to, re­co­nhe­ce a exis­tên­cia de um va­lor su­pre­mo ao qual tu­do se su­bor­di­na e sa­cri­fi­ca. Es­se va­lor su­pre­mo é, por sua na­tu­re­za pró­pria, de na­tu­re­za su­pra­ter­res­tre.

3º – Co­nhe­ci­men­to ci­en­tí­fi­co: es­te ti­po de co­nhe­ci­men­to se ca­rac­te­ri­za pe­la ten­ta­ti­va de, em ca­da uma das dis­ci­pli­nas em que se organiza, pro­cu­rar re­a­li­zar um es­for­ço de com­pre­en­são ten­den­ci­al­men­te ob­je­ti­vo e, por­tan­to, uni­ver­sal­men­te acei­to.

O co­nhe­ci­men­to ci­en­tí­fi­co é o con­jun­to de ver­da­des, prin­cí­pi­os, ou leis, ad­qui­ri­dos pelo im­pul­so da ci­ên­cia, con­si­de­ra­da em su­as re­a­li­za­ções sub­je­ti­vas, e que cons­ti­tui um to­do sis­te­má­ti­co.

No pen­sa­men­to ci­en­tí­fi­co são re­fe­rên­ci­as, co­mo au­to­res fun­da­men­tais, em sua ori­gem, Nicolau Co­pér­ni­co (1473 – 1543), Ga­li­leu Ga­li­lei (1564 – 1642) e Isa­ac New­ton (1643 – 1727).

As ci­ên­ci­as de­vem ser di­vi­di­das em dois gru­pos:

Ci­ên­ci­as ra­ci­o­nais, ou abs­tra­tas: nes­te ti­po de ci­ên­ci­as o seu ob­je­to ul­tra­pas­sa a ex­pe­ri­ên­cia sen­sí­vel e, por is­so, seu de­sen­vol­vi­men­to se efe­tua se­gun­do pro­ces­sos me­ra­men­te ra­ci­o­nais. A ma­te­má­ti­ca per­ten­ce a es­te gru­po de ci­ên­ci­as.

As con­clu­sões das ci­ên­ci­as ra­ci­o­nais são vá­li­das in­de­pen­den­te­men­te da ex­pe­ri­ên­cia, ape­sar de o seu pon­to de par­ti­da, tal co­mo qual­quer co­nhe­ci­men­to hu­ma­no, te­nha sem­pre um ca­rác­ter ex­pe­ri­men­tal.

Ci­ên­ci­as ex­pe­ri­men­tais, ou con­cre­tas: o ob­je­to das ci­ên­ci­as ex­pe­ri­men­tais es­tá ao ní­vel da ex­pe­ri­ên­cia sen­sí­vel e, por is­so, seu de­sen­vol­vi­men­to tem por ba­se a ob­ser­va­ção dos fa­tos da ex­pe­ri­ên­cia con­cre­ta. Per­ten­cem a es­te gru­po a fí­si­ca e as ci­ên­ci­as na­tu­rais.

4º – Co­nhe­ci­men­to fi­lo­só­fi­co: a fi­lo­so­fia é a bus­ca in­ces­san­te da ver­da­de e do sen­ti­do da vi­da pa­ra ca­da ser hu­ma­no que se de­di­que a es­te ti­po de re­fle­xão.

O co­nhe­ci­men­to fi­lo­só­fi­co é uma pes­qui­sa sub­je­ti­va, sub­me­ti­da a cri­té­ri­os si­mul­ta­ne­a­men­te exi­gen­tes e to­le­ran­tes do fi­ló­so­fo pa­ra con­si­go pró­prio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.