3.4. Re­né Des­car­tes

Superguia Enem - Sociologia e Filosofia - - Filosofia -

3.4.1. Vi­da

Re­né Des­car­tes nas­ceu em La Haye, dis­tri­to de Tou­rai­ne, na Fran­ça, em 31 de mar­ço de 1596.

Je­an­ne Bro­chard, sua mãe, fa­le­ceu quan­do ele ain­da não ha­via com­ple­ta­do um ano. Aos oi­to, in­gres­sou no co­lé­gio je­suí­ta de La Flè­che, on­de per­ma­ne­ceu du­ran­te no­ve anos. Em 1616, ele se gra­du­ou em Di­rei­to pe­la Uni­ver­si­da­de de Poi­ti­ers. Dois anos mais tar­de, Des­car­tes se alis­tou no exér­ci­to ho­lan­dês do prín­ci­pe Mau­rí­cio de Nas­sau, com a in­ten­ção de se­guir a vi­da mi­li­tar. Um ano de­pois, ele in­gres­sou no exér­ci­to de Ma­xi­mi­li­a­no da Ba­vi­e­ra – Des­car­tes per­ma­ne­ceu na vi­da mi­li­tar en­tre 1618 e 1620. Ten­do as­sis­ti­do ao iní­cio da Gu­er­ra dos Trin­ta Anos, ele ob­ser­vou, en­tão, que os cos­tu­mes va­ri­am de po­vo pa­ra po­vo, o que in­va­li­da o co­nhe­ci­men­to ad­qui­ri­do a par­tir do há­bi­to. É a par­tir de en­tão que Des­car­tes vai ini­ci­ar o es­tu­do de si pró­prio, avan­çan­do pa­ra a cri­a­ção do mé­to­do ci­en­tí­fi­co.

Em 1619, o fran­cês vi­si­tou a Ale­ma­nha, a Polô­nia e a Di­na­mar­ca. Re­gres­sa­ria a Fran­ça em 1622, pas­san­do a vi­ver em Pa­ris.

Ten­do pla­ne­ja­do pu­bli­car o Tra­ta­do do Mun­do, Des­car­tes aban­do­nou o pro­je­to após a con­de­na­ção de Ga­li­leu Ga­li­lei, em 1633.

Em 1637, pu­bli­cou três tra­ta­dos ci­en­tí­fi­cos: A Dióp­tri­ca, Os Me­te­o­ros e A Ge­o­me­tria. Em 1641, foi reu­ni­da em vo­lu­me pró­prio, em Lei­den, na Ho­lan­da, sua obra mais co­nhe­ci­da, que ini­ci­al­men­te ha­via si­do da­da a co­nhe­cer nos ou­tros tra­ba­lhos pu­bli­ca­dos na­que­le ano. Nos re­fe­ri­mos a O Dis­cur­so do Mé­to­do, que é o pri­mei­ro li­vro de fi­lo­so­fia in­te­gral­men­te es­cri­to em fran­cês.

Qua­tro anos mais tar­de, em 1641, são pu­bli­ca­das as Me­di­ta­ções So­bre a Fi­lo­so­fia Pri­mei­ra.

Em 1643, o car­te­si­a­nis­mo é con­de­na­do pe­la Uni­ver­si­da­de de Utre­cht. Em 1949, Des­car­tes pu­bli­cou As Pai­xões da Al­ma.

Des­car­tes fa­le­ceu em Es­to­col­mo, em 11 de fe­ve­rei­ro de 1650.

3.4.2. Epis­te­mo­lo­gia

A obra em que Des­car­tes re­la­ci­o­na a di­men­são ob­je­ti­va com a di­men­são sub­je­ti­va da ex­pe­ri­ên­cia hu­ma­na é o Dis­cur­so do Mé­to­do. Ne­la, o mé­to­do diz res­pei­to à ideia de co­mo me­lhor con­du­zir a vi­da. Ten­do co­mo pon­to de par­ti­da a pes­qui­sa que le­vou a ca­bo acer­ca de um co­nhe­ci­men­to in­tei­ra­men­te con­fiá­vel, Des­car­tes che­gou à for­mu­la­ção do pen­so, lo­go exis­to ( co­gi­to, er­go sum):

Por de­se­jar ocu­par-me so­men­te com a pes­qui­sa da ver­da­de, pen­sei ser ne­ces­sá­rio (...) re­jei­tar co­mo ab­so­lu­ta­men­te fal­so tu­do aqui­lo em que pu­des­se ima­gi­nar a me­nor dú­vi­da, a fim de ver se, após is­so, não res­ta­ria al­go em meu cré­di­to que fos­se in­tei­ra­men­te con­fiá­vel (RE­NÉ DES­CAR­TES, Dis­cur­so do Mé­to­do).

A pes­qui­sa so­bre o mo­do de ar­ti­cu­lar a vi­da in­te­ri­or, a vi­da ex­te­ri­or e a re­a­li­da­de ob­je­ti­va é fei­ta pelo au­tor a par­tir de sua ex­pe­ri­ên­cia pes­so­al, fa­zen­do uso da dú­vi­da me­tó­di­ca, ou se­ja, uma dú­vi­da ori­en­ta­da por um mé­to­do ri­go­ro­so. Ao lon­go des­se per­cur­so, Des­car­tes nos con­ta as eta­pas de sua for­ma­ção in­te­lec­tu­al, nar­ra as de­si­lu­sões que te­ve em re­la­ção às le­tras e de­cla­ra, fi­nal­men­te, a su­pe­ri­o­ri­da­de da ma­te­má­ti­ca.

Ao lon­go das seis par­tes em Dis­cur­so do Mé­to­do, Des­car­tes de­mons­tra o per­cur­so que se­guiu até che­gar a um ra­ci­o­cí­nio ci­en­tí­fi­co, apoi­an­do-se em fun­da­men­tos ir­re­fu­tá­veis:

1ª par­te – Des­car­tes des­cre­ve sua for­ma­ção edu­ca­ci­o­nal, cri­ti­can­do o mé­to­do uti­li­za­do em mui­tas das dis­ci­pli­nas que te­ve, en­quan­to alu­no. Ele faz con­si­de­ra­ções em re­la­ção às ci­ên­ci­as.

Ape­lan­do à ex­pe­ri­ên­cia ad­qui­ri­da em vi­a­gens, Des­car­tes, re­cor­re à ex­pe­ri­ên­cia que lhe pro­por­ci­o­na­ram,

con­si­de­ra os di­fe­ren­tes cos­tu­mes que co­nhe­ceu, du­vi­dan­do as­sim das cer­te­zas trans­mi­ti­das por uma edu­ca­ção tra­di­ci­o­na­lis­ta e rí­gi­da.

Des­car­tes de­se­ja, des­se mo­do, se­guir sua men­te pa­ra evi­tar as in­fluên­ci­as de­for­ma­do­ras que a so­ci­e­da­de trans­mi­te.

2ª par­te – As regras do mé­to­do, que Des­car­tes re­cu­pe­ra das Regras pa­ra a Di­re­ção do Es­pí­ri­to, obra in­com­ple­ta com­pos­ta por vin­te e uma regras, são sin­te­ti­za­das em qua­tro no Dis­cur­so do Mé­to­do. Es­sas regras são:

a) Aná­li­se: o pro­ble­ma em aná­li­se de­ve ser de­com­pos­to em par­tes mais sim­ples, per­mi­tin­do a re­la­ção e a com­pa­ra­ção en­tre elas. É pre­ci­so di­vi­dir as par­tes de que se com­põe um to­do até che­gar ao ele­men­to sim­ples.

b) Sín­te­se: aqui­lo que foi di­vi­di­do é re­com­pos­to se­gun­do uma or­dem que vai do sim­ples pa­ra o com­ple­xo.

c) Enu­me­ra­ção: é pre­ci­so ve­ri­fi­car se a or­de­na­ção do sim­ples pa­ra o com­ple­xo não omi­tiu ne­nhu­ma eta­pa. A au­sên­cia de um úni­co ele­men­to com­pro­me­te­ria os re­sul­ta­dos da in­ves­ti­ga­ção.

d) Evi­dên­cia: é atra­vés des­ta ope­ra­ção que po­de­mos sa­ber se a de­com­po­si­ção, le­va­da a ca­bo pe­la aná­li­se, con­se­guiu atin­gir o ele­men­to mais sim­ples. A evi­dên­cia ope­ra por meio das idei­as cla­ras e dis­tin­tas, da­das pe­la in­tui­ção.

3ª par­te – Apre­sen­ta­ção dos fun­da­men­tos de uma mo­ral pro­vi­só­ria, de acor­do com qua­tro regras:

a) Obe­de­cer às leis e cos­tu­mes do país, man­ter a re­li­gião que foi en­si­na­da e se­guir a opi­nião das pes­so­as mais sen­sa­tas.

b) De­ve ser o mais fir­me pos­sí­vel em su­as ações, evi­tan­do va­ci­la­ções e ver­da­des du­vi­do­sas.

c) De­ve pro­cu­rar sem­pre a vi­tó­ria so­bre si mes­mo, trans­for­man­do os de­se­jos que não po­dem ser re­a­li­za­dos, em vez de ten­tar mu­dar a or­dem do mun­do.

d) De­ve vi­ver cul­ti­van­do a ra­zão e avan­çar no co­nhe­ci­men­to da ver­da­de.

4ª par­te – Des­car­tes es­ta­be­le­ce o nú­cleo me­ta­fí­si­co do Dis­cur­so do Mé­to­do, ao anun­ci­ar as ba­ses de um sis­te­ma de co­nhe­ci­men­to con­fiá­vel.

O au­tor, ao afir­mar Eu pen­so, lo­go eu exis­to é uma afir­ma­ção me­ta­fí­si­ca. Ne­la, Des­car­tes afir­ma que o co­nhe­ci­men­to da pró­pria exis­tên­cia de­ve ser o pas­so mais fir­me pa­ra o co­nhe­ci­men­to de to­das as ou­tras coi­sas. Ao afir­mar Eu pen­so, lo­go eu exis­to, sob o pon­to de vis­ta ló­gi­co, Des­car­tes su­bli­nha o fa­to de o su­jei­to re­co­nhe­cer ser im­pos­sí­vel pen­sar sem exis­tir, pelo que o pen­sa­men­to pres­su­põe a exis­tên­cia. O pen­sa­men­to de Des­car­tes é cons­truí­do por um en­ca­de­a­men­to de idei­as cla­ras e dis­tin­tas, que par­tem do co­gi­to, ali­cer­ce me­ta­fí­si­co que per­mi­te eli­mi­nar to­da a dú­vi­da.

5ª par­te – Des­car­tes ela­bo­ra su­as con­cep­ções so­bre fí­si­ca e cos­mo­lo­gia, so­bre a du­a­li­da­de, ou in­de­pen­dên­cia, en­tre o cor­po e a al­ma.

6ª par­te – Des­car­tes re­ve­la sua con­cor­dân­cia com as te­ses de Ga­li­leu Ga­li­lei. Ele dis­cu­te o pa­pel da ci­ên­cia, os mo­ti­vos que o le­va­ram a es­cre­ver e so­bre a uti­li­da­de do Dis­cur­so do Mé­to­do pa­ra os ou­tros. O au­tor apre­sen­ta, tam­bém, ex­cer­tos do seu tra­ta­do so­bre fí­si­ca: a dióp­tri­ca, os me­te­o­ros e a ge­o­me­tria.

3.4.3. Me­ta­fí­si­ca

Des­car­tes en­ca­rou com des­con­fi­an­ça a he­ran­ça fi­lo­só­fi­ca que che­gou até ele. Me­to­do­lo­gi­ca­men­te, Des­car­tes con­si­de­rou co­mo fal­so tu­do aqui­lo que se lhe apre­sen­tas­se co­mo du­vi­do­so ou até pro­vá­vel. Pa­ra o au­tor, so­men­te um ali­cer­ce in­des­tru­tí­vel à dú­vi­da sus­ci­ta­da pe­la ra­zão po­de­ria ser o pon­to de par­ti­da pa­ra o co­nhe­ci­men­to. É es­te o pon­to de par­ti­da pa­ra o mé­to­do car­te­si­a­no, que se mo­ve en­tre o co­nhe­ci­men­to e a tra­di­ção, ti­dos por du­vi­do­sos.

As Me­di­ta­ções Me­ta­fí­si­cas tam­bém tra­du­zi­das co­mo Me­di­ta­ções so­bre a Fi­lo­so­fia Pri­mei­ra, da­das a co­nhe­cer em 1641, é a obra de Des­car­tes em que se de­mons­tra a exis­tên­cia de Deus e a dis­tin­ção re­al en­tre a men­te e o cor­po.

O li­vro é com­pos­to por seis me­di­ta­ções, nas quais Des­car­tes põe em dú­vi­da to­da cren­ça que não se­ja ab­so­lu­ta­men­te cer­ta, re­al, fac­tí­vel. A par­tir daí ele pro­cu­ra es­ta­be­le­cer o que é pos­sí­vel sa­ber com exa­ti­dão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.