4.1. Tho­mas Hob­bes

4. ES­TA­DO DE NA­TU­RE­ZA, CON­TRA­TO SO­CI­AL E ES­TA­DO DE SO­CI­E­DA­DE EM THO­MAS HOB­BES, JOHN LOC­KE E JEANJACQUES ROUS­SE­AU

Superguia Enem - Sociologia e Filosofia - - Filosofia -

4.1.1. Vi­da

Tho­mas Hob­bes nas­ceu em 1588, na al­deia de West­port, na In­gla­ter­ra.

Seu pai era o vi­gá­rio, ten­do-se mu­da­do pa­ra Londres. Em 1610 ele em­pre­en­deu uma vi­a­gem a vá­ri­os paí­ses eu­ro­peus, ten­do vi­si­ta­do Fran­ça, Itá­lia e a Ale­ma­nha. De re­gres­so a In­gla­ter­ra, su­as re­la­ções com Fran­cis Ba­con re­for­ça­ram a li­nha de seu pró­prio pen­sa­men­to, afas­tan­do-

-o do aris­to­te­lis­mo e da es­co­lás­ti­ca, en­tão do­mi­nan­tes.

En­te 1631 e 1642, Hob­bes vol­tou a ser­vir a fa­mí­lia Ca­ven­dish, des­ta vez co­mo guar­dião do ter­cei­ro du­que de De­vonshi­re. Du­ran­te es­te pe­río­do, ele fez ou­tra vi­a­gem ao con­ti­nen­te, per­ma­ne­cen­do por lá en­tre 1634 e 1637. Ele co­nhe­ceu Ga­li­leu Ga­li­lei du­ran­te uma vi­a­gem a Itá­lia, em 1636.

Em Pa­ris, no ano de 1646, Hob­bes se tor­na pro­fes­sor de ma­te­má­ti­ca do prín­ci­pe de Ga­les, o futuro rei Carlos II, que tam­bém se en­con­tra­va exi­la­do em Pa­ris de­vi­do à Gu­er­ra Ci­vil in­gle­sa. Em 1651, dois anos após a de­ca­pi­ta­ção do Rei Carlos I, Hob­bes de­ci­de vol­tar a In­gla­ter­ra, com o fim da Gu­er­ra Ci­vil e o iní­cio da di­ta­du­ra de Cromwell. Nes­te ano, Hob­bes pu­bli­ca Le­vi­a­tã.

A pu­bli­ca­ção do De Cor­po­re, em 1665, deu ori­gam a uma po­lê­mi­ca com os prin­ci­pais mem­bros da So­ci­e­da­de Re­al, que cri­ti­ca­ram su­as con­tri­bui­ções pa­ra a ma­te­má­ti­ca, bem co­mo as po­si­ções ateís­tas sus­ten­ta­das por Hob­bes.

Hob­bes fa­le­ceu aos 91 anos, em 1679, na In­gla­ter­ra.

4.1.2. A Fi­lo­so­fia Co­mo Ação

Pa­ra Hob­bes, a fi­lo­so­fia tem de ter um fun­da­men­to prá­ti­co, tem de ser útil, e des­sa for­ma ele eli­mi­na a me­ta­fí­si­ca, em vir­tu­de de ela não ter in­te­res­se pa­ra a fi­lo­so­fia. A fi­lo­so­fia se in­te­res­sa pe­los cor­pos, a ex­pli­ca­ção das cau­sas des­ses cor­pos e as su­as pro­pri­e­da­des. A fi­lo­so­fia não tem de se pre­o­cu­par com a te­o­lo­gia ou com Deus, pois es­ses as­sun­tos são de in­te­res­se da fé e não da fi­lo­so­fia. Tam­pou­co não tra­ba­lha com a his­tó­ria, pois es­sa se fun­da­men­ta em in­dí­ci­os e pro­ba­bi­li­da­des.

A fi­lo­so­fia tem que es­tu­dar os cor­pos em ge­ral, co­mo os ob­je­tos ina­ni­ma­dos; os cor­pos dos ho­mens, que são ani­ma­dos; e os cor­pos ar­ti­fi­ci­ais, co­mo o Es­ta­do. Tu­do o que for es­pi­ri­tu­al ou não cor­pó­reo não é ob­je­to de es­tu­do da fi­lo­so­fia. Seus in­te­res­ses são idên­ti­cos aos da ci­ên­cia, na me­di­da em que am­bas pro­cu­ram au­men­tar o po­der dos ho­mens so­bre a na­tu­re­za.

Hob­bes acre­di­ta que a ra­zão não é uma pri­o­ri­da­de hu­ma­na, pois em cer­tos graus os ani­mais tam­bém a usam, co­mo quan­do con­se­guem de al­gum mo­do pre­ver os acon­te­ci­men­tos fu­tu­ros com ba­se em su­as ex­pe­ri­ên­ci­as pas­sa­das. O que acon­te­ce é que nos ho­mens es­sa pre­vi­são do futuro é mui­to su­pe­ri­or, pois con­se­guem cal­cu­lar e mo­di­fi­car o futuro com ba­se nos ex­pe­ri­men­tos pas­sa­dos.

A ra­zão hu­ma­na vai mui­to além e con­se­gue, atra­vés da ló­gi­ca, tor­nar mais com­ple­xo e pro­fun­do o nos­so pen­sa­men­to que de­ri­va e se fun­da­men­ta em si­nais que são os no­mes que da­mos aos pen­sa­men­tos ou acon­te­ci­men­tos pas­sa­dos. Es­se pro­ces­so tem por ob­je­ti­vo re­pas­sar aos ou­tros se­res hu­ma­nos nos­sas ex­pe­ri­ên­ci­as e pen­sa­men­tos de for­ma sis­te­ma­ti­za­da e ela­bo­ra­da. Ra­ci­o­ci­nar é cal­cu­lar no­mes e sen­ten­ças. Es­se cal­cu­lar po­de ser uma so­ma, sub­tra­ção, mul­ti­pli­ca­ção ou di­vi­são. Os cál­cu­los do nos­so ra­ci­o­cí­nio têm por ba­se os si­nais lin­guís­ti­cos que usa­mos pa­ra sig­ni­fi­car as nos­sas ex­pe­ri­ên­ci­as, que são re­ti­ra­das dos nos­sos sen­ti­dos, pois a ori­gem de to­dos os nos­sos pen­sa­men­tos es­tá nos sen­ti­dos, que se ba­sei­am nos ob­je­tos ex­ter­nos ao nos­so cor­po.

Em Hob­bes, a ci­ên­cia e a fi­lo­so­fia são en­ca­ra­das co­mo a bus­ca do co­nhe­ci­men­to da ori­gem das coi­sas. Des­te mo­do, de­ve­mos ex­cluir a te­o­lo­gia des­ses modos de co­nhe­ci­men­to, pois o ob­je­to de es­tu­do da te­o­lo­gia é Deus, e de Deus não po­de­mos des­co­brir a ori­gem.

A fi­lo­so­fia de Hob­bes é ain­da de­fi­ni­da co­mo cor­pó­rea e me­ca­ni­cis­ta. É cor­pó­rea por­que os cor­pos são ge­ra­dos e por is­so são os úni­cos so­bre os quais é pos­sí­vel ra­ci­o­ci­nar. É me­ca­ni­cis­ta por­que so­men­te um cor­po po­de so­frer uma ação. O pra­zer, a dor, o que­rer, o ódio e o amor tam­bém são mo­vi­men­tos. Em to­dos es­ses mo­vi­men­tos não exis­te um bem e um mal, pois am­bos são re­la­ti­vos se le­var­mos em con­ta que o bem é aqui­lo que bus­ca­mos e o mal aqui­lo do qual fu­gi­mos e que as pes­so­as bus­cam ou ten­tam se afas­tar de ma­nei­ra e de coi­sas di­fe­ren­tes.

Mes­mo não exis­tin­do um bem e um mal co­mo va­lor ab­so­lu­to, Hob­bes ad­mi­te que exis­ta um pri­mei­ro bem que pre­ce­de mui­tos ou­tros. Es­se bem é a con­ser­va­ção da vi­da, e o con­trá­rio des­se pri­mei­ro bem é a mor­te.

Le­van­do seus prin­cí­pi­os pa­ra a aná­li­se po­lí­ti­ca e so­ci­al, Hob­bes dis­cor­da da po­si­ção aris­to­té­li­ca que diz que o ho­mem é um ani­mal po­lí­ti­co. Hob­bes acre­di­ta que ca­da ho­mem é di­fe­ren­te do ou­tro e que a vi­da so­ci­al é de­fi­ni­da pelo egoís­mo des­sa di­fe­ren­ça e pe­la con­ven­ção da con­vi­vên­cia em gru­po. O es­ta­do em que es­ses in­di­ví­du­os vi­vem não é al­go na­tu­ral, mas ar­ti­fi­ci­al, cri­a­do por es­ses in­di­ví­du­os pa­ra al­can­çar da me­lhor for­ma seus ob­je­ti­vos egoís­tas.

Em Le­vi­a­tã, a prin­ci­pal obra de Hob­bes, le­mos que, na­tu­ral­men­te, os ho­mens, de­vi­do ao seu egoís­mo, vi­ve­ri­am em gu­er­ra de to­dos con­tra to­dos, ca­da um ten­den­do a de­fen­der os seus pró­pri­os in­te­res­ses. Con­for­me pa­la­vras de Hob­bes, em es­ta­do na­tu­ral o “ho­mem é o lo­bo do ho­mem”. Nes­se es­ta­do o ho­mem fi­ca­ria pre­ju­di­ca­do em seus in­te­res­ses egoís­tas, na me­di­da em que, a qual­quer mo­men­to, po­de­ria per­der o seu pri­mei­ro bem que é a vi­da. Con­tu­do, is­so não sig­ni­fi­ca que a hu­ma­ni­da­de ten­da pa­ra o ex­ter­mí­nio.

Con­si­de­ran­do que o po­der po­lí­ti­co não tem ori­gem em Deus, mas, sim, na na­tu­re­za, Hob­bes de­fen­de que o ho­mem, usan­do o ins­tin­to e a ra­zão ten­ta fu­gir da si­tu­a­ção pre­cá­ria em que se en­con­tra no es­ta­do na­tu­ral pa­ra afas­tar o me­do e, as­sim, ga­ran­tir a au­to­pre­ser­va­ção. Nes­te sen­ti­do, os ho­mens fa­zem en­tre si um pac­to so­ci­al e de­le­gam a um úni­co ho­mem ou a uma as­sem­bleia o di­rei­to de re­pre­sen­tá-los. Es­se úni­co ho­mem é o rei e ele de­tém to­dos os po­de­res.

Em tor­no des­se rei ou da as­sem­bleia é for­ma­do o Es-

ta­do, que Hob­bes cha­ma de Le­vi­a­tã. Es­se Es­ta­do de­fen­de­rá os ho­mens das agres­sões es­tran­gei­ras e das agres­sões de­les con­tra eles mes­mos. É pre­ci­so ter­mos pre­sen­te que o Es­ta­do é ocu­pa­do não por um ho­mem ou vá­ri­os ho­mens, na qua­li­da­de de in­di­ví­du­os na­tu­rais, mas por representantes de uma von­ta­de úni­ca, con­so­li­da­da pelo pac­to es­ta­be­le­ci­do en­tre to­dos. Des­te mo­do, as­si­na­la Hob­bes, o Es­ta­do es­tá aci­ma dos in­di­ví­du­os, na me­di­da em que é uma cri­a­ção de­les e, em si­mul­tâ­neo, é uma re­pre­sen­ta­ção sua. O Es­ta­do, pa­ra Hob­bes, é o fim do es­ta­do na­tu­ral e é, tam­bém, a inau­gu­ra­ção da so­ci­e­da­de ci­vil.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.