4.3. Je­an-Jac­ques Rous­se­au

Superguia Enem - Sociologia e Filosofia - - Filosofia -

4.3.1. Vi­da

Je­an-Jac­ques Rous­se­au nas­ceu em Ge­ne­bra, em 1712. Fi­lho de Isa­ac Rous­se­au, um re­lo­jo­ei­ro, e de Su­zan­ne Ber­nard, que fa­le­ceu no par­to de Je­an-Jac­ques. Aban­do­na­do pelo pai, aos 10 anos, Rous­se­au foi cri­a­do por uns ti­os, no seio do pro­tes­tan­tis­mo. Em 1728, fu­giu de Ge­ne­bra e após nu­me­ro­sas pe­ri­pé­ci­as en­con­trou abri­go em ca­sa de ma­da­me Loui­se de Wa­rens, de qu­em foi se­cre­tá­rio.

Em 1741, Rous­se­au se mu­dou pa­ra Pa­ris on­de, al­gum tem­po mais tar­de, co­me­çou a se re­la­ci­o­nar com os fi­ló­so­fos e, em par­ti­cu­lar, com De­nis Di­de­rot (1713 – 1784) e Éti­en­ne Bon­not de Con­dil­lac (1715 – 1780). Em 1750, quan­do da pu­bli­ca­ção de O Dis­cur­so so­bre as Ci­ên­ci­as e as Ar­tes, Pa­ris se ren­deu a seus pés.

Em 1745, Rous­se­au co­nhe­ceu Thérè­se Le­vas­seur (1721 – 1801), mu­lher sim­pló­ria, com qu­em vi­ria a ca­sar e de qu­em não se se­pa­rou até a mor­te. De Thérè­se, Rous­se­au te­ve cin­co fi­lhos, que fo­ram en­tre­gues a or­fa­na­tos, por­que ele acha­va que não po­de­ria criá-los por ser po­bre e do­en­te. Os re­mor­sos por tal pro­ce­di­men­to acom­pa­nha­ram Rous­se­au até à mor­te, ten­do ele pro­cu­ra­do in­ces­san­te­men­te en­con­trar jus­ti­fi­ca­ti­vas con­vin­cen­tes.

Mal vis­to na Fran­ça, Rous­se­au acei­tou, em 1765, a hos­pi­ta­li­da­de que Da­vid Hu­me lhe ofe­re­ce­ra na In­gla­ter­ra. Ele não tar­dou em se in­com­pa­ti­bi­li­zar com Hu­me, que acu­sou de cons­pi­rar jun­ta­men­te com seus ini­mi­gos. De re­gres­so a Pa­ris, Rous­se­au te­ve uma vi­da in­qui­e­ta e ator­men­ta­da. Foi aco­lhi­do, em Er­me­non­vil­le, pelo Marquês Re­né de Gi­rar­din, em cu­ja ca­sa fa­le­ceu em 1778.

4.3.2. O Re­gres­so à Na­tu­re­za

De acor­do com Rous­se­au, hou­ve três cir­cuns­tân­ci­as aci­den­tais que con­tri­buí­ram pa­ra aper­fei­ço­ar a ra­zão hu­ma­na e con­tri­buí­ram pa­ra ar­rui­nar a na­tu­re­za hu­ma­na ori­gi­nal. Es­sas cir­cuns­tân­ci­as são:

1ª – Es­ta­be­le­ci­men­to da pro­pri­e­da­de, em fun­ção da qual exis­tem ri­cos e po­bres.

2ª – Ins­ti­tui­ção da ma­gis­tra­tu­ra, a par­tir da qual exis­tem po­de­ro­sos e fra­cos.

3ª – Mu­dan­ça do po­der le­gí­ti­mo em po­der ar­bi­trá­rio, ten­do pas­sa­do a exis­tir pa­trões e es­cra­vos.

Rous­se­au pre­ten­de que se re­co­nhe­çam as con­di­ções a par­tir das quais o in­di­ví­duo, a fa­mí­lia e a so­ci­e­da­de pos­sam re­gres­sar à sua con­di­ção na­tu­ral, sain­do da de­gra­da­ção ar­ti­fi­ci­al em que caí­ram. Pa­ra o au­tor, a or­dem so­ci­al, que não é uma or­dem na­tu­ral, nas­ce quan­do os in­di­ví­du­os já não se sen­tem ca­pa­zes de ven­cer as for­ças que se opõem à con­ser­va­ção de­les pró­pri­os. As­sim, é pre­ci­so en­con­trar uma for­ma de as­so­ci­a­ção que se­ja ca­paz de de­fen­der e de pro­te­ger com to­da a for­ça a pes­soa e os bens de ca­da as­so­ci­a­do. Es­se ti­po de união per­mi­ti­rá que ca­da um, uni­do com to­dos, não obe­de­ça se­não a ele pró­prio, per­ma­ne­cen­do, con­tu­do, tão li­vre co­mo era no iní­cio da hu­ma­ni­da­de. Rous­se­au as­si­na­la, em O Con­tra­to So­ci­al:

Os ho­mens, im­pos­si­bi­li­ta­dos de sub­sis­ti­rem por seus pró­pri­os mei­os no es­ta­do de na­tu­re­za, is­to é, co­mo sim­ples in­di­ví­du­os, en­tre si con­tra­tam uma trans­for­ma­ção na ma­nei­ra de vi­ver, unin­do-se nu­ma “for­ma de as­so­ci­a­ção que ga­ran­ta e pro­te­ja a pes­soa e os bens de ca­da as­so­ci­a­do com to­da a for­ça co­mum, e pe­la qual ca­da um, unin­do-se a to­dos, só obe­de­ceu con­tu­do a si mes­mo, per­ma­ne­cen­do as­sim tão li­vre quan­to an­tes (JE­AN-JAC­QUES ROUS­SE­AU, O Con­tra­to So­ci­al).

É no con­tra­to, ou pac­to, que o pro­ble­ma da de­vo­lu­ção do ho­mem à na­tu­re­za se re­sol­ve, em Rous­se­au. O con­tra­to rous­se­a­ni­a­no es­tá na ba­se da so­ci­e­da­de po­lí­ti­ca. Su­as ca­rac­te­rís­ti­cas são:

a) Ali­e­na­ção to­tal dos di­rei­tos de ca­da as­so­ci­a­do (mem­bro da so­ci­e­da­de) a fa­vor da co­mu­ni­da­de.

b) Ca­da as­so­ci­a­do re­ce­be, em tro­ca, a no­va qua­li­da­de de mem­bro, ou par­te in­di­vi­sí­vel do to­do.

Rous­se­au de­fen­de que é a par­tir do es­ta­be­le­ci­men­to do con­tra­to so­ci­al que se ve­ri­fi­ca o nas­ci­men­to de um cor­po mo­ral e coletivo, com­pos­to por tan­tos mem­bros quan­tos vo­tos tem a As­sem­bleia. Es­te é um cor­po que tem sua uni­da­de, seu eu co­mum, sua vi­da e sua von­ta­de pró­pria. Des­te mo­do, as­si­na­la Rous­se­au, a pas­sa­gem do es­ta­do na­tu­ral ao es­ta­do ci­vil não se­rá uma de­ca­dên­cia do ho­mem se o es­ta­do ci­vil for, tal co­mo ele de­ve ser, a con­ti­nu­a­ção e o aper­fei­ço­a­men­to do es­ta­do na­tu­ral.

A von­ta­de pró­pria do cor­po so­ci­al é a von­ta­de ge­ral que, no en­tan­to, não é a so­ma das von­ta­des par­ti­cu­la­res, mas a von­ta­de que ten­de sem­pre pa­ra o bem ge­ral e que, por is­so, não po­de se en­ga­nar. O go­ver­no, pa­ra Rous­se­au, é o in­ter­me­diá­rio en­tre os sú­di­tos e o cor­po po­lí­ti­co, sen­do a ele que se de­ve a exe­cu­ção da li­ber­da­de, ci­vil e po­lí­ti­ca:

Os de­po­si­tá­ri­os do Po­der Exe­cu­ti­vo não são os se­nho­res do po­vo, mas seus ofi­ci­ais, que ele po­de no­me­ar ou des­ti­tuir quan­do lhe aprou­ver. Não lhes cabe con­tra­tar, mas obe­de­cer e, in­cum­bin­do-se das fun­ções que o Es­ta­do lhes im­põe, na­da mais fa­zem do que cum­prir com seus de­ve­res de ci­da­dãos, sem te­rem, de for­ma al­gu­ma, o di­rei­to de dis­cu­tir as con­di­ções (JE­AN-JAC­QUES ROUS­SE­AU, O Con­tra­to So­ci­al).

Na obra Emí­lio ou Da Edu­ca­ção, um en­saio pe­da­gó­gi­co em for­ma de ro­man­ce, Rous­se­au expôs as con­di­ções e o sig­ni­fi­ca­do do re­tor­no à na­tu­re­za, no que diz res­pei­to ao in­di­ví­duo. Nes­se li­vro, tu­do de­pen­de da edu­ca­ção: é ne­ces­sá­rio subs­ti­tuir a edu­ca­ção tra­di­ci­o­nal, que opri­me e des­trói a na­tu­re­za pri­mi­ti­va, por uma edu­ca­ção que te­nha, co­mo úni­co fim a con­ser­va­ção e o es­for­ço da­que­la na­tu­re­za. Emí­lio é a his­tó­ria de um ga­ro­to edu­ca­do pa­ra es­se fim.

A obra do edu­ca­dor de­ve ser, pelo me­nos num pri­mei­ro mo­men­to, ne­ga­ti­va. O edu­ca­dor não de­ve en­si­nar nem a vir­tu­de, nem a ver­da­de, de­ven­do, con­tu­do, pro­te­ger o co­ra­ção do edu­can­do do ví­cio e a men­te do er­ro. A ação do edu­ca­dor de­ve ser di­ri­gi­da no sen­ti­do de fa­zer com que o de­sen­vol­vi­men­to fí­si­co e es­pi­ri­tu­al da cri­an­ça se fa­ça de um mo­do es­pon­tâ­neo, e que ca­da no­va aquisição de co­nhe­ci­men­to se­ja um mo­men­to cri­a­ti­vo.

O im­pul­so de apren­der, is­to é, a ca­pa­ci­da­de de trans­for­mar os da­dos sen­sí­veis em co­nhe­ci­men­tos in­te­lec­tu­ais de­ve vir da na­tu­re­za. O cri­té­rio que de­ve ori­en­tar Emí­lio na es­co­lha dos co­nhe­ci­men­tos a ad­qui­rir é, pois, a uti­li­da­de. Emí­lio, pro­põe Rous­se­au, se­rá con­du­zi­do a amar os ou­tros pelo amor pró­prio que, des­de que não se­ja des­vi­a­do ou exa­ge­ra­do, é a fon­te de to­dos os sen­ti­men­tos be­né­vo­los.

Quan­do, na ado­les­cên­cia de Emí­lio, as pai­xões co­me­ça­rem a des­per­tar é con­ve­ni­en­te dei­xar que elas se de­sen­vol­vam com o ob­je­ti­vo de te­rem a pos­si­bi­li­da­de de se equi­li­bra­rem um pou­co. Des­te mo­do, em Emí­lio, não se­rá o ho­mem qu­em po­rá or­dem nas pai­xões, mas se­rá a pró­pria na­tu­re­za que te­rá a opor­tu­ni­da­de de mo­de­lar sua obra. Es­cre­ve Rous­se­au:

Em Rous­se­au, a edu­ca­ção é o re­sul­ta­do de uma li­ber­da­de bem ori­en­ta­da. Quan­do, no fi­nal de Emí­lio, o jo­vem se ena­mo­ra de So­fia, o pre­cep­tor im­põe a seu edu­can­do uma lon­ga vi­a­gem e, por­tan­to, a se­pa­ra­ção de­la no sen­ti­do de en­si­nar o jo­vem a apren­der a do­mi­nar su­as pai­xões.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.