5.1. Karl Marx

5. LU­TA DE CLAS­SES E ALI­E­NA­ÇÃO EM KARL MARX

Superguia Enem - Sociologia e Filosofia - - Filosofia -

5.1.1. Vi­da

Karl Hein­ri­ch Marx nas­ceu em Tri­er, na Prús­sia, em 5 de maio de 1818, sen­do o se­gun­do de no­ve fi­lhos. O pai, Hers­chel Marx, era ad­vo­ga­do e con­se­lhei­ro de jus­ti­ça, e a mãe, Hen­ri­et­te Pres­s­burg, uma ju­dia ho­lan­de­sa.

Ele ini­ci­ou os es­tu­dos de di­rei­to na Uni­ver­si­da­de de Bonn, em 1830. De­sin­te­res­sa­do do di­rei­to, ele se vol­tou pa­ra a fi­lo­so­fia, ten­do de­fen­di­do seu dou­to­ra­do, in­ti­tu­la­do A Di­fe­ren­ça da Fi­lo­so­fia da Na­tu­re­za em De­mó­cri­to e Epi­cu­ro, em 1841.

Re­da­tor-che­fe do jor­nal Ga­ze­ta Re­na­na, des­de 1842, co­nhe­ceu no mes­mo ano Fri­e­dri­ch En­gels (1820 – 1895). Após o en­cer­ra­men­to do jor­nal, em 1843, Marx se mu­dou pa­ra Pa­ris, on­de en­trou em con­ta­to com mo­vi­men­tos so­ci­a­lis­tas.

Marx foi ex­pul­so da Fran­ça em 1845, a pe­di­do do go­ver­no da Prús­sia. Emi­grou pa­ra a Bél­gi­ca, jun­ta­men­te com En­gels. Após pro­ble­mas econô­mi­cos, fi­xou re­si­dên­cia em Londres, em 1849.

Em 1864, Marx con­tri­bui de­ci­si­va­men­te pa­ra a cri­a­ção, em Londres, da As­so­ci­a­ção In­ter­na­ci­o­nal dos Tra­ba­lha­do­res, ou Pri­mei­ra In­ter­na­ci­o­nal. A or­ga­ni­za­ção pre­ten­dia unir so­ci­a­lis­tas, co­mu­nis­tas, gru­pos po­lí­ti­cos e sin­di­cais anar­quis­tas. Três anos mais tar­de, em 1867, é pu­bli­ca­do o pri­mei­ro dos vo­lu­mes da obra mais im­por­tan­te de Marx, O Ca­pi­tal – Crí­ti­ca da Eco­no­mia Po­lí­ti­ca.

Marx fa­le­ceu em Londres, 1883.

Marx de­di­cou gran­de par­te de sua obra à aná­li­se e crí­ti­ca da so­ci­e­da­de e eco­no­mia ca­pi­ta­lis­tas, ten­do pro­pos­to, co­mo al­ter­na­ti­va, o so­ci­a­lis­mo ci­en­tí­fi­co.

A fi­lo­so­fia mar­xis­ta, em boa me­di­da, é uma fi­lo­so­fia da prá­ti­ca ( pra­xis). O con­cei­to de prá­ti­ca pa­ra es­ta cor­ren­te fi­lo­só­fi­ca tem uma im­por­tân­cia fun­da­men­tal. Marx che­gou mes­mo a es­cre­ver:

Os fi­ló­so­fos não têm fei­to se­não in­ter­pre­tar o mun­do de di­fe­ren­tes ma­nei­ras; o que im­por­ta é trans­for­má-lo (MARX, Te­ses so­bre Feu­er­ba­ch, XI).

5.1.2. Lu­ta de clas­ses

Atu­al­men­te, de­ve­mos en­ten­der Marx a par­tir de sua com­pre­en­são, ex­ten­sa, dos co­nhe­ci­men­tos his­tó­ri­cos e dos fa­tos que ocor­re­ram du­ran­te sua vi­da. A for­mu­la­ção da te­o­ria econô­mi­ca da his­tó­ria obe­de­ceu às re­a­li­za­ções no cam­po da so­ci­o­lo­gia que lhe foi con­tem­po­râ­nea. É pre­ci­so, con­tu­do, sa­ber o que é que, nes­te cam­po, é ori­gi­nal de Marx e aqui­lo que cons­ti­tui o con­tri­bu­to efe­ti­vo de seus pre­de­ces­so­res ale­mães, in­gle­ses e fran­ce­ses.

A in­ter­pre­ta­ção econô­mi­ca da his­tó­ria não sig­ni­fi­ca que to­dos os ho­mens se­jam, sob o pon­to de vis­ta cons­ci­en­te ou in­cons­ci­en­te, uni­ca­men­te mo­ti­va­dos pe­los in­te­res­ses econô­mi­cos. Por ou­tro la­do, é pre­ci­so su­bli­nhar que a ex­pli­ca­ção do pa­pel e dos me­ca­nis­mos não econô­mi­cos, as­sim co­mo a aná­li­se do mo­do co­mo a re­a­li­da­de so­ci­al e a psi­co­lo­gia in­di­vi­du­al atu­am, são ele­men­tos es­sen­ci­ais pa­ra a com­pre­en­são da te­o­ria econô­mi­ca da his­tó­ria. Marx de­fen­deu que as re­li­giões, a me­ta­fí­si­ca, as es­co­las de ar­tes, as idei­as éti­cas e os de­se­jos po­lí­ti­cos fos­sem, tam­bém eles, re­du­tí­veis aos mo­ti­vos econô­mi­cos, ou que não ti­ves­sem im­por­tân­cia pa­ra o pro­ces­so econô­mi­co. Ele só ten­tou des­co­brir as con­di­ções econô­mi­cas que for­mam as es­tru­tu­ras po­lí­ti­cas, so­ci­ais e men­tais de uma de­ter­mi­na­da épo­ca e que con­tri­bu­em pa­ra a as­cen­são e que­da des­sas mes­mas es­tru­tu­ras.

A te­o­ria econô­mi­ca da his­tó­ria de­ve ser ex­pli­ca­da a par­tir de du­as pro­po­si­ções:

1ª – As for­mas, ou es­tru­tu­ras, de pro­du­ção são os de­ter­mi­nan­tes fun­da­men­tais das es­tru­tu­ras so­ci­ais que cri­am as ações, as ati­tu­des e as ci­vi­li­za­ções;

2ª – As for­mas de pro­du­ção pos­su­em uma ló­gi­ca que lhes é ine­ren­te. Es­sas for­mas de pro­du­ção mu­dam de acor­do com as ne­ces­si­da­des que lhes são pró­pri­as, pro­du­zin­do, pelo tra­ba­lho, as for­mas que lhes su­ce­de­rão.

Marx de­fi­ne o ca­pi­ta­lis­mo atra­vés de uma ex­pli­ca­ção so­ci­o­ló­gi­ca, is­to é, pe­la ins­ti­tui­ção do con­tro­le dos mei­os de pro­du­ção. Es­ta te­o­ria econô­mi­ca – te­o­ria das clas­ses so­ci­ais – nos mos­tra que a in­for­ma­ção so­ci­o­ló­gi­ca es­tá con­ti­da nes­ta con­cep­ção, atra­vés de con­cei­tos co­mo clas­se, in­te­res­se de clas­se, com­por­ta­men­to de clas­se, tro­cas en­tre clas­ses, va­lo­res, lu­cros, sa­lá­ri­os. A te­o­ria das clas­ses so­ci­ais é a fer­ra­men­ta ana­lí­ti­ca que, pe­las li­ga­ções que pos­sui com a te­o­ria econô­mi­ca da his­tó­ria tor­na os fenô­me­nos so­ci­ais con­ver­gen­tes.

As obras de Marx es­tão re­ple­tas de ar­gu­men­tos com ori­gem na so­ci­o­lo­gia e na eco­no­mia. Ne­las, a ca­te­go­ria so­ci­o­ló­gi­ca clas­se pro­le­tá­ria e a ca­te­go­ria econô­mi­ca tra­ba­lho são con­gru­en­tes e, até, idên­ti­cas. Marx abran­ge to­dos os acon­te­ci­men­tos his­tó­ri­cos – mu­dan­ças le­gis­la­ti­vas, guer­ras, re­vo­lu­ções – e to­das as ins­ti­tui­ções so­ci­ais – pro­pri­e­da­de, re­la­ções con­tra­tu­ais, for­mas de go­ver­no – que os pensadores não mar­xis­tas cos­tu­mam tra­tar co­mo fa­to­res de per­tur­ba­ção ou co­mo in­for­ma­ção. Tais ele­men­tos no pen­sa­men­to não mar­xis­ta são ana­li­sa­dos uni­ca­men­te em seu mo­do de ope­rar e em su­as con­sequên­ci­as.

A so­ci­e­da­de, pa­ra Marx, pro­gre­di­ria por meio da evo­lu­ção ou por meio da re­vo­lu­ção? A evo­lu­ção é, pa­ra o au­tor, a mãe da re­vo­lu­ção. A re­vo­lu­ção sur­ge não so­men­te co­mo epí­lo­go, mas, so­bre­tu­do, após a reunião de um de­ter­mi­na­do con­jun­to de pre­mis­sas. É pre­ci­so ter pre­sen­te que a re­vo­lu­ção, em Marx, di­fe­re qua­se que com­ple­ta­men­te da­que­la que os bur­gue­ses ra­di­cais do seu tem­po pro­pu­nham, as­sim co­mo das pro­pos­tas re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as dos cons­pi­ra­do­res so­ci­a­lis­tas da épo­ca. Ela é uma re­vo­lu­ção a tem­po in­te­gral.

5.1.3. A ali­e­na­ção

O con­cei­to de ide­o­lo­gia pro­pos­to por Marx es­tá mui­to mais pró­xi­mo do de Na­po­leão Bo­na­par­te (1769 – 1821) – de­tur­pa­ção das idei­as so­ci­ais ti­das por ne­ces­sá­ri­as – do que do con­cei­to ori­gi­nal, da­do a co­nhe­cer por An­toi­ne Des­tutt de Tracy (1754 – 1836), no li­vro Pro­je­to de Ele­men­tos de Ide­o­lo­gia, pu­bli­ca­do em 1801, se­gun­do o qual a ide­o­lo­gia se­ria, do­ra­van­te, des­de um en­ten­di­men­to sen­su­a­lis­ta, a ci­ên­cia das idei­as. Sob o pon­to de vis­ta ex­plí­ci­to, Marx e Fri­e­dri­ch En­gels não se pre­o­cu­pa­ram em dar uma de­fi­ni­ção pre­ci­sa do con­cei­to pelo que ele é, em sua obra, dos mais di­fí­ceis e obs­cu­ros.

Marx de­nun­ci­ou a mis­ti­fi­ca­ção ide­o­ló­gi­ca, as­so­ci­an­do-a à ali­e­na­ção que ele con­ce­be co­mo a se­pa­ra­ção en­tre o pen­sa­men­to e a re­a­li­da­de. A ali­e­na­ção é a se­pa­ra­ção do ho­mem do ser e a rup­tu­ra do ne­xo ori­gi­ná­rio

en­tre in­di­ví­duo e ver­da­de, o cor­te on­to­ló­gi­co e o aban­do­no da in­ter­pre­ta­ção. O ho­mem ali­e­na­do re­nun­cia à li­ber­da­de – ou é obri­ga­do a re­nun­ci­ar a ela – de mo­do que, se por um la­do se iden­ti­fi­ca com a si­tu­a­ção que es­tá vi­ven­do, por ou­tro la­do ele se re­duz a um me­ro pro­du­to his­tó­ri­co, subs­ti­tuin­do a li­ber­da­de pe­la “rei­fi­ca­ção”, sen­tin­do-se in­ca­paz de fa­zer de sua si­tu­a­ção uma aber­tu­ra ao ser e uma via de aces­so à ver­da­de, que é a es­sên­cia pro­fun­da da re­fle­xão.

A Ide­o­lo­gia Ale­mã – li­vro es­cri­to em par­ce­ria com En­gels, en­tre 1845 e 1846 e pu­bli­ca­do in­te­gral­men­te em 1932 – é uma apro­xi­ma­ção gros­sei­ra ao te­ma que nos ocu­pa. Em Marx, ide­o­lo­gia, à se­me­lhan­ça de ideia, tem um sig­ni­fi­ca­do ne­ga­ti­vo. Con­tu­do, o con­cei­to de ide­o­lo­gia, pa­ra Marx, es­tá re­la­ci­o­na­do com um con­jun­to de dou­tri­nas, de te­o­ri­as ou de idei­as pró­pri­os da bur­gue­sia ale­mã da pri­mei­ra me­ta­de do sé­cu­lo XIX. Aqui­lo que Marx re­cri­mi­na na ide­o­lo­gia não é uma cor­rup­ção ou um ví­cio mo­ral, se­quer é a au­sên­cia de co­nhe­ci­men­to, mas, sim, a de­for­ma­ção, a al­te­ra­ção, a ne­bu­lo­si­da­de, a de­pen­dên­cia da fan­ta­sia e o afas­ta­men­to que o co­nhe­ci­men­to po­de che­gar a ter em re­la­ção aos da­dos em­pí­ri­cos.

O lu­gar de nas­ci­men­to das ide­o­lo­gi­as é a so­ci­e­da­de. O co­nhe­ci­men­to e a cons­ci­ên­cia, se­gun­do Marx, não po­dem nas­cer de ma­nei­ra “pu­ra”, pois sur­gem im­preg­na­dos de ele­men­tos es­tra­nhos, so­ci­ais, in­cor­po­ra­dos na lin­gua­gem. Am­bas, lin­gua­gem e cons­ci­ên­cia, sur­gem da ne­ces­si­da­de dos cons­tran­gi­men­tos que bro­tam das tro­cas en­tre os ho­mens. Des­te mo­do, afir­ma Marx, são os ho­mens que os con­ver­tem em ilu­sões pró­pri­as de ca­da clas­se so­ci­al, ide­o­lo­gi­as, por­tan­to. O au­tor es­cre­ve que:

A mo­ral, a re­li­gião, a me­ta­fí­si­ca e qual­quer ou­tra ide­o­lo­gia e as for­mas de cons­ci­ên­cia que a elas cor­res­pon­dem (...) não têm sua pró­pria his­tó­ria nem seu pró­prio de­sen­vol­vi­men­to (...). Es­tas abs­tra­ções, por si, afas­ta­das da his­tó­ria re­al, não têm va­lor, só po­dem ser­vir pa­ra fa­ci­li­tar a or­de­na­ção do ma­te­ri­al his­tó­ri­co, pa­ra in­di­car a su­ces­são em sé­rie de seus di­fe­ren­tes ex­tra­tos” (MARX & EN­GELS, A Ide­o­lo­gia Ale­mã).

Uma vez que a di­vi­são do tra­ba­lho dá ori­gem às clas­ses so­ci­ais e es­tas, por seu tur­no, à dis­tri­bui­ção de­si­gual, tan­to quan­ti­ta­ti­va quan­to qua­li­ta­ti­va do tra­ba­lho e seus pro­du­tos, sur­ge:

A con­tra­di­ção en­tre o in­te­res­se do in­di­ví­duo con­cre­to ou de uma de­ter­mi­na­da fa­mí­lia e o in­te­res­se co­mum dos in­di­ví­du­os re­la­ci­o­na­dos en­tre si (MARX & EN­GELS, A Ide­o­lo­gia Ale­mã). Des­te mo­do, des­ta­ca Marx, as idei­as do­mi­nan­tes nu­ma de­ter­mi­na­da épo­ca são as idei­as da clas­se do­mi­nan­te. Ou se­ja,

A clas­se que exer­ce o po­der ma­te­ri­al do­mi­nan­te nu­ma so­ci­e­da­de é, ao mes­mo tem­po, seu po­der es­pi­ri­tu­al do­mi­nan­te. A clas­se que tem à sua dis­po­si­ção os mei­os de pro­du­ção ma­te­ri­al dispõe, ao mes­mo tem­po, dos mei­os de pro­du­ção es­pi­ri­tu­al, o que faz com que se lhe sub­me­tam, ao mes­mo tem­po, por ter­mo mé­dio, as idei­as de qu­em ca­re­ce dos mei­os ne­ces­sá­ri­os pa­ra pro­du­zir es­pi­ri­tu­al­men­te (MARX & EN­GELS, A Ide­o­lo­gia Ale­mã).

Pa­ra Marx, a clas­se do­mi­nan­te, que não faz a ide­o­lo­gia, obri­ga as ou­tras clas­ses a pro­du­zi­rem a ide­o­lo­gia, pa­re­cen­do que a dei­xa fa­zer. No en­tan­to, quan­do os re­sul­ta­dos não agra­dam à clas­se do­mi­nan­te, ela im­põe o mo­do co­mo se de­ve fa­zer a ide­o­lo­gia. O des­fa­sa­men­to en­tre a re­a­li­da­de e as idei­as não exis­te sem ma­lí­cia, pelo me­nos ob­je­ti­va, na me­di­da em que ele é um ins­tru­men­to de do­mi­na­ção que apre­sen­ta co­mo in­te­res­ses ge­rais aque­les que, na ver­da­de, são os in­te­res­ses pró­pri­os e es­pe­cí­fi­cos de uma de­ter­mi­na­da clas­se so­ci­al.

Quan­do sur­gem os in­te­res­ses con­tra­pos­tos já não é pos­sí­vel ca­mu­flar a in­ge­nui­da­de ide­o­ló­gi­ca. De acor­do com Marx, a bur­gue­sia ale­mã de me­a­dos do sé­cu­lo XIX é por­ta­do­ra de uma “ide­o­lo­gia be­a­ta e hi­pó­cri­ta”, com­por­tan­do-se co­mo o ju­deu an­te a lei: ele a en­ga­na sem­pre que po­de, em to­dos e em ca­da um dos ca­sos con­cre­tos, mas quer que os ou­tros se ate­nham a ela e a res­pei­tem.

Em Marx te­mos du­as for­mas de ide­o­lo­gia, que são sem­pre en­ca­ra­das de ma­nei­ra ne­ga­ti­va:

1ª – A for­ma in­gê­nua;

2ª – A for­ma de­ter­mi­na­da pe­la in­fluên­cia de in­te­res­ses, que par­ti­ci­pa em mai­or ou em me­nor grau da hi­po­cri­sia de­li­be­ra­da.

Fi­gu­ra 1 – A Li­ber­da­de Gui­an­do o Po­vo, de Eugè­ne De­la­croix

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.