7.2. “Es­ta­mos Con­de­na­dos a Ser Li­vres”

Superguia Enem - Sociologia e Filosofia - - Filosofia -

Sartre de­fen­deu a par­ti­ci­pa­ção ati­va dos in­te­lec­tu­ais na so­ci­e­da­de. Ele acre­di­ta­va que os in­te­lec­tu­ais têm de de­sem­pe­nhar um pa­pel ati­vo na so­ci­e­da­de. Nes­te sen­ti­do, Sartre apoi­ou, ao lon­go da vi­da, di­ver­sas cau­sas po­lí­ti­cas de es­quer­da.

Em ter­mos fi­lo­só­fi­cos, no ca­so hu­ma­no, a exis­tên­cia pre­ce­de a es­sên­cia, pois o ser hu­ma­no pri­mei­ro exis­te, de­pois se de­fi­ne, en­quan­to to­das as ou­tras coi­sas são o que são, sem se de­fi­nir. As­sim, te­o­ri­za Sartre, a exis­tên­cia é an­te­ri­or à es­sên­cia.

Sartre de­fen­de que o ho­mem é, sem­pre, li­vre e, por­tan­to, res­pon­sá­vel. O que é a li­ber­da­de o que sig­ni­fi­ca ser li­vre? Se ad­mi­tir­mos que a li­ber­da­de hu­ma­na se ca­rac­te­ri­za pe­la au­sên­cia de cons­tran­gi­men­tos in­te­ri­o­res e ex­te­ri­o­res da pes­soa, is­to equi­va­le a não acei­tar­mos os da­dos da ex­pe­ri­ên­cia e a ig­no­rar, de­li­be­ra­da­men­te, as con­di­ções bi­o­cul­tu­rais em que se ori­gi­na a ca­pa­ci­da­de de op­ção, ar­qui­te­tan­do, as­sim, uma te­o­ria ilu­só­ria e in­con­sis­ten­te, que abre as por­tas ao pu­ro in­de­ter­mi­nis­mo. Ten­do pre­sen­te a or­ga­ni­za­ção bi­op­si­cos­so­ci­al que es­tá pre­sen­te em ca­da pes­soa, é pos­sí­vel ex­pli­car a li­ber­da­de hu­ma­na co­mo re­sul­tan­te de um pro­ces­so cu­jas raí­zes bi­o­ló­gi­cas de­ter-

mi­nam a for­ma­ção de ope­ra­ções cog­ni­ti­vas que, por seu tur­no, de­sen­vol­vem as con­di­ções pa­ra o apa­re­ci­men­to de al­ter­na­ti­vas que a cons­ci­ên­cia – re­fle­xi­va e vo­lun­tá­ria – ex­pres­sa­rá sob a for­ma de com­por­ta­men­tos. Afir­mar a li­ber­da­de hu­ma­na ape­nas te­rá sen­ti­do ca­so se ad­mi­ta uma con­cep­ção de per­so­na­li­da­de em que se re­co­nhe­ça a in­ter­ven­ção es­tru­tu­ran­te das ma­tri­zes bi­o­ló­gi­ca, an­tro­po­ló­gi­ca e cul­tu­ral. As­sim, po­de con­ce­ber-se o ser hu­ma­no co­mo ca­paz de se au­to­de­ter­mi­nar, cons­ci­en­te de que não é um frag­men­to do Cos­mos, nem um ser ab­so­lu­ta­men­te in­de­ter­mi­na­do: no exer­cí­cio da au­to­de­ter­mi­na­ção, a von­ta­de hu­ma­na ma­ni­fes­ta-se co­mo uma pre­dis­po­si­ção pa­ra a es­co­lha de fins – es­tes se des­co­brem em li­ga­ção com os va­lo­res pre­vi­a­men­te ela­bo­ra­dos pe­la cons­ci­ên­cia que, a si mes­ma, se com­pro­me­te, as­su­min­do-se na de­ci­são de um pro­je­to de ação.

Se­gun­do Sartre, nós so­mos in­tei­ra­men­te res­pon­sá­veis por nos­sos atos, des­de que em sua ori­gem es­te­ja a au­ten­ti­ci­da­de e não a má-fé. O au­tor quer di­zer que, an­te uma de­ter­mi­na­da pes­soa, si­tu­a­ção ou vi­vên­cia, ca­da um de nós po­de es­co­lher en­tre du­as ou mais al­ter­na­ti­vas pos- sí­veis. Nós es­ta­mos, por­tan­to, con­de­na­dos à li­ber­da­de:

Não te­mos nem atrás de nós, nem di­an­te de nós, no do­mí­nio lu­mi­no­so dos va­lo­res, jus­ti­fi­ca­ções ou des­cul­pas. Es­ta­mos sós e sem des­cul­pas. É o que tra­du­zi­rei di­zen­do que o ho­mem es­tá con­de­na­do a ser li­vre. Con­de­na­do por­que não se cri­ou a si pró­prio; e, no en­tan­to, li­vre por­que, uma vez lan­ça­do ao mun­do, é res­pon­sá­vel por tu­do quan­to fi­zer (JE­AN-PAUL SARTRE, O Exis­ten­ci­a­lis­mo é Um Hu­ma­nis­mo).

Em Sartre, nos­sas es­co­lhas são di­re­ci­o­na­das por aqui­lo que nos apa­ren­ta ser o bem e, as­sim, ten­do cons­ci­ên­cia de si mes­mo, ca­da um de nós tem a ca­pa­ci­da­de de po­der de­ci­dir. Em ou­tras pa­la­vras, pa­ra o au­tor, o ho­mem é um ser que “pro­je­ta tor­nar-se Deus”. Sartre con­ce­be o ser hu­ma­no a par­tir do exer­cí­cio da li­ber­da­de, na me­di­da em que ca­da um de nós é li­vre pa­ra não que­rer ser li­vre. Não são Deus, a na­tu­re­za e a so­ci­e­da­de aqui­lo que de­fi­ne o que so­mos. Nós so­mos o que que­re­mos ser, nós so­mos o pro­du­to de nos­sas es­co­lhas. Pa­ra Sartre, os va­lo­res éti­co-mo­rais são o li­mi­te pa­ra nos­so exer­cí­cio da li­ber­da­de.

Fi­gu­ra 2 – Sartre no es­cri­tó­rio. No de­ta­lhe, al­gu­mas de su­as obras pu­bli­ca­das no Bra­sil.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.