UNHAS + que top !

As dicas necessárias pa­ra vo­ce ter ma­os de prin­ce­sa

Todateen - - ACHOU! -

Fei­tas por vo­cê

Fa­zer as unhas em ca­sa é mais fá­cil do que ima­gi­na! O ide­al é se­guir um tu­to­ri­al sim­ples: li­xar a fai­xa bran­ca da unha de ma­nei­ra re­gu­lar, em­pur­rar as cu­tí­cu­las com uma es­pá­tu­la e ti­rar, com um ali­ca­te apro­pri­a­do, o ex­ces­so de pe­le que le­van­tar. Pa­ra fi­na­li­zar, é só apli­car a ba­se e o es­mal­te. Mas é pre­ci­so ter al­guns cui­da­dos, já que “re­ti­rar as cu­tí­cu­las de for­ma exa­ge­ra­da tam­bém po­de ma­chu­car e ge­rar in­fla­ma­ções, que pre­ju­di­cam as pró­pri­as unhas”, ex­pli­ca o der­ma­to­lo­gis­ta Caio La­mu­ni­er, der­ma­to­lo­gis­ta da So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Der­ma­to­lo­gia (SBD). O se­gre­do é não ti­rar além do ne­ces­sá­rio, ok?

Vo­cê quer cor, @?

Na ho­ra de es­co­lher o es­mal­te, o que va­le é a cri­a­ti­vi­da­de! E não ro­la dei­xar a unha des­cas­can­do. “O es­mal­te em si não pre­ju­di­ca a unha, mas dei­xá-lo des­cas­can­do a res­se­ca. O ide­al é re­ti­rá-lo aos pri­mei­ros si­nais de des­ca­ma­ção e dei­xar a unha sem es­mal­te por, pe­lo me­nos, três di­as, pa­ra que ha­ja um tem­po de res­pi­ro”, de­fen­de Caio.

Que­bran­do to­das

Vo­cê não vê a ho­ra de ter unhas com­pri­das, mas elas sem­pre aca­bam que­bran­do? É pa­ra fi­car aler­ta, mi­ga! “O ide­al é pro­cu­rar au­xí­lio mé­di­co pa­ra fa­zer exa­mes, já que do­en­ças da ti­reói­de, ane­mi­as, do­en­ças do fígado e do rim po­dem ser a cau­sa. Se na­da dis­so for iden­ti­fi­ca­do, há me­di­ca­ções que ace­le­ram o cres­ci­men­to das unhas, di­mi­nuin­do os sin­to­mas”, ex­pli­ca o es­pe­ci­a­lis­ta.

Xi, ama­re­lou!

To­da girl já en­fren­tou um pro­ble­mi­nha re­la­ci­o­na­do à co­lo­ra­ção da sua unha. Se es­se for o ca­so, e se ela es­tá ama­re­la­da, pres­te aten­ção nos sin­to­mas que o der­ma­to­lo­gis­ta ex­pli­ca: “Quan­do as unhas es­tão opa­cas e ama­re­la­das, a cau­sa mais co­mum é o ex­ces­so de ma­ni­pu­la­ção, ou se­ja, dê um tem­po à sua unha! Evi­te es­mal­tes e a hi­dra­te bem. Po­rém, al­gu­mas do­en­ças po­dem es­tar as­so­ci­a­das a unhas ama­re­la­das. Fi­que aten­ta!”. Na dú­vi­da, pro­cu­re um mé­di­co, mi­ga!

Mão na bo­ca

Ro­er as unhas é um há­bi­to pa­ra ris­car da lis­ti­nha! De acor­do com o den­tis­ta Carlos Fe­li­pe Bo­na­ci­na, ape­sar de es­sa ati­tu­de es­tar re­la­ci­o­na­da a mo­men­tos de es­tres­se e an­si­e­da­de, ela po­de in­flu­en­ci­ar na saú­de bu­cal. “As bac­té­ri­as pre­sen­tes na mão e na unha são trans­mi­ti­das pa­ra a bo­ca e, além dis­so, o ris­co de des­gas­te dos den­tes e de fra­tu­ra aumenta”. Se vo­cê quer pa­rar com es­sa ma­nia, aqui vão as dicas: “Exis­tem vá­ri­as téc­ni­cas pa­ra aca­bar com o há­bi­to e elas va­ri­am des­de es­mal­tes ini­bi­do­res a te­ra­pi­as cog­ni­ti­vas com­por­ta­men­tais. Fa­ça uma pla­ni­lha de mo­ti­va­ção e ano­te os di­as em que vo­cê con­se­guiu fi­car sem ro­er a unha! Só to­me cui­da­do pa­ra não subs­ti­tuir es­se há­bi­to por ou­tro”, fi­na­li­za Carlos Fe­li­pe.

Can­ti­nhos do­lo­ro­sos

Uma das mai­o­res quei­xas em re­la­ção às unhas são os can­tos en­cra­va­dos. Vo­cê po­de de­sen­cra­var com a aju­da de um ali­ca­te de cu­tí­cu­la ou unha, mas de­pen­den­do do ca­so, é ne­ces­sá­rio ir até uma po­dó­lo­ga, que a aju­da­rá com o pro­ces­so. De acor­do com Caio, “unhas en­cra­va­das são uma quei­xa co­mum. Is­so po­de acon­te­cer por uma ten­dên­cia pes­so­al (for­ma­to da unha) ou por uma cau­sa ex­ter­na à unha, por exem­plo, em jo­ga­do­res de fu­te­bol ou em pes­so­as que retiram as cu­tí­cu­las em ex­ces­so”. En­tão, se con­tro­le e na­da de fi­car cu­tu­can­do de­mais, hein!

• Tex­to: Ca­ro­li­na Frei­re/ co­la­bo­ra­do­ra • De­sign: Fer­nan­da Ya­ma­za­to • Con­sul­to­ria: Caio La­mu­ni­er de Abreu Ca­mar­go, der­ma­to­lo­gis­ta, e Carlos Fe­li­pe Bo­na­ci­na, odon­to­pe­di­a­tra • Fo­to: Shut­ters­tock Ima­ges

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.