His­tÓ­ri­as de in­ter­cÂm­bio

ex­pe­ri­ên­cia Pa­ra vo­cê se ins­pi­rar nes­sa ba­ga­gem cheia de e me­mó­ri­as pra vi­da!

Todateen - - ACHOU! -

De­poi­men­tos e di­cas de quem já vi­veu es­sa ex­pe­ri­ên­cia.

Sa­ber so­bre as vi­vên­ci­as de ou­tras pes­so­as po­de aju­dá-la a criar co­ra­gem ou a, sim­ples­men­te, se or­ga­ni­zar pa­ra tu­do sair co­mo vo­cê de­se­ja. Por is­so, se li­ga nos re­la­tos co­lhi­dos com a aju­da do gru­po Talk Trip – Pa­po de In­ter­câm­bio e do Gru­po In­ter­câm­bio Glo­bal.

Com mí­mi­ca, sim!

Fui pa­ra Mi­chi­gan, nos Es­ta­dos Uni­dos, e fi­quei lá um ano. Co­mo nun­ca ti­nha es­tu­da­do in­glês an­tes, só sa­bia o que eu via nos fil­mes e sé­ri­es. En­tão, no iní­cio, meu in­glês era fra­co e eu ti­nha di­fi­cul­da­de em me co­mu­ni­car e ver­go­nha de fa­lar. Usei mui­ta mí­mi­ca com a mi­nha fa­mí­lia ame­ri­ca­na, eu apon­ta­va pa­ra o ob­je­to e eles me fa­la­vam co­mo era em in­glês. Le­vou qua­tro me­ses pa­ra eu me adap­tar e con­se­guir me co­mu­ni­car e fa­zer ami­za­des. Por is­so, sen­ti mui­ta fal­ta do Bra­sil e dos meus ami­gos. Ape­sar de ter mi­nha fa­mí­lia lá, me sen­ti mui­to so­zi­nha no co­me­ço. Os ame­ri­ca­nos são mui­to mais fe­cha­dos, mas sem­pre tem al­guém de bra­ços aber­tos. Fiz ami­za­des in­crí­veis, as quais pre­ten­do vi­si­tar um dia. Ape­sar das di­fi­cul­da­des, foi a mai­or ex­pe­ri­ên­cia da mi­nha vi­da e me fez cres­cer mui­to”, Sa­rah Be­er­li, 19 anos.

Na ter­ra do can­gu­ru

Quan­do de­ci­di vir pa­ra o ou­tro la­do do mun­do, ti­nha aca­ba­do de sair do en­si­no mé­dio e pas­sa­do em uma fa­cul­da­de fe­de­ral, mas ar­ris­quei e ou­via que es­ta­va jo­gan­do a opor­tu­ni­da­de da uni­ver­si­da­de fo­ra. E foi tu­do um apren­di­za­do aqui na Aus­trá­lia, apren­di a li­dar com as con­tas, a me or­ga­ni­zar, a ad­mi­nis­trar a sau­da­de. Aqui, eu tra­ba­lho co­mo au pair, que se­ria uma ba­bá que vi­ve com a fa­mí­lia e is­so aju­da mui­to no in­glês. Às ve­zes, me pe­go fa­lan­do por­tu­guês e in­glês na mes­ma fra­se, mas quan­do vo­cê se adap­ta à lín­gua, fi­ca mais na­tu­ral. Se eu pu­des­se, te­ria vin­do mais ce­do! Sua fa­mí­lia es­ta­rá sem­pre ao seu la­do e a vi­da é mui­to mais do que pas­sar na fa­cul­da­de, há um mun­do pe­la fren­te. Es­tou re­no­van­do meu vis­to pa­ra mais um ano e, mes­mo com a sau­da­de, sei que tu­do vai va­ler a pe­na”, Ca­mi­la Al­ves, 19 anos.

Apoio das du­as fa­mí­li­as

Eu fui pa­ra a Fló­ri­da, nos Es­ta­dos Uni­dos.

Sem­pre ti­ve von­ta­de de fa­zer uma par­te do en­si­no mé­dio fo­ra, por is­so, no fi­nal de 2014, co­me­cei a pro­cu­rar so­bre e mos­trar meu in­te­res­se pa­ra os meus pais. Eles sem­pre apoi­a­ram a ideia, en­tão, es­sa par­te foi fá­cil, eles, in­clu­si­ve, iam co­mi­go nas agên­ci­as que fa­zi­am es­se ti­po de pro­gra­ma pa­ra co­nhe­cer os pla­nos de in­ter­câm­bio. Fi­quei com uma fa­mí­lia com­pos­ta pe­la mãe, uma fi­lha de 14 anos e ou­tra de 18. Is­so foi óti­mo por­que, na épo­ca, eu ti­nha 16; en­tão, es­tu­dá­va­mos na mes­ma es­co­la. A mai­o­ria das ami­za­des que fiz fo­ram fo­ra da es­co­la, por is­so, re­co­men­do que vo­cê par­ti­ci­pe de tu­do que pu­der. Os seis me­ses fo­ram de mui­tas ex­pe­ri­ên­ci­as e de­sa­fi­os. Des­de a cul­tu­ra to­tal­men­te di­fe­ren­te, até a lín­gua, que eu não sa­bia fa­lar di­rei­to, o fa­to de mo­rar com pes­so­as que eu nun­ca ti­nha vis­to e fi­car lon­ge da fa­mí­lia. Mas fi­co fe­liz e agra­de­ci­da por ter ti­do es­sa opor­tu­ni­da­de”, Julia Cor­rêa, 19 anos.

Tra­ba­lha­da no in­ter­câm­bio

Sou apai­xo­na­da por in­ter­câm­bi­os...

Já fui pa­ra São Pe­ters­bur­go, na Rús­sia; Fló­ri­da, nos Es­ta­dos Uni­dos; Kas­sel, na Alemanha; Bec­ke­nham, na In­gla­ter­ra e Van­cou­ver, no Ca­na­dá. E pos­so di­zer que ca­da ex­pe­ri­ên­cia é úni­ca! Não é al­go ba­ra­to, mas, quan­do com­pa­ra­do com vi­a­gens de tu­ris­mo con­ven­ci­o­nais, o cus­to é mui­to me­lhor. Se vo­cê fi­ca em ca­sa de fa­mí­lia, as re­fei­ções, ge­ral­men­te, já são in­clu­sas. As minhas ‘mães’, por exem­plo, co­zi­nha­vam ma­ra­vi­lho­sa­men­te. A es­co­lha do lu­gar de­pen­de do seu ob­je­ti­vo com o in­ter­câm­bio. Em ca­da uma das minhas ex­pe­ri­ên­ci­as, eu ti­ve um in­tui­to, co­mo aper­fei­ço­ar o ale­mão, co­nhe­cer a cul­tu­ra do país, sol­tar meu in­glês, apri­mo­rar o vo­ca­bu­lá­rio ou aper­fei­ço­ar al­gum hobby, co­mo foi o ca­so da vi­a­gem pa­ra Van­cou­ver, on­de fui es­tu­dar ci­ne­ma. O prin­ci­pal é não ide­a­li­zar seu in­ter­câm­bio, por­que ele vai ser bom, tu­do é ex­pe­ri­ên­cia e apren­di­za­do”, Ma­ria Eu­gê­nia Mi­tri, 19 anos.

To­da in­gle­sa!

Eu e meus pais co­me­ça­mos a pla­ne­jar a vi­a­gem uns se­te me­ses an­tes. Eu já fa­la­va há mui­to tem­po so­bre ir a Lon­dres por­que é o meu lu­gar pre­fe­ri­do do mun­do in­tei­ro e já ha­via ido an­tes quan­do era mais no­va. Pen­sa­mos no in­ter­câm­bio, pois se­ria uma for­ma de apren­der o in­glês de for­ma prá­ti­ca. Fui com mi­nha mãe e mi­nha ir­mã, eu e mi­nha mãe fi­ca­mos na ca­sa de um ami­go de­la e mi­nha ir­mã em uma ca­sa de fa­mí­lia. A mi­nha es­co­la fi­ca­va bem per­to de on­de eu mo­ra­va, eu es­tu­da­va de ma­nhã e du­ran­te a tar­de tí­nha­mos pro­gra­mas tu­rís­ti­cos com a es­co­la. No co­me­ço, era tu­do no­vo mas, de­pois, eu fui in­te­ra­gin­do e fiz mui­tas ami­za­des. Es­sa foi a me­lhor ex­pe­ri­ên­cia da mi­nha vi­da, sinto mui­ta sau­da­de e, com cer­te­za, fa­ria no­va­men­te”, Beatriz Ca­bral, 17 anos.

• Tex­to: Ga­bri­e­la Car­va­lho/ co­la­bo­ra­do­ra • De­sign: Fer­nan­da Ya­ma­za­to • Con­sul­to­ria: Talk Trip – Pa­po de In­ter­câm­bio e Gru­po In­ter­câm­bio Glo­bal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.