S.O.S. Bai­xi­nhas

Es­cla­re­ce­mos vá­ri­as dú­vi­das so­bre cres­ci­men­to na ado­les­cên­cia

Todateen - - ACHOU! -

Agen­te sa­be que a ado­les­cên­cia é o pe­río­do em que nos­so cor­po mais se trans­for­ma e se de­sen­vol­ve, e is­so po­de tra­zer mui­tas dú­vi­das. En­tre elas, a de quan­to ain­da va­mos cres­cer e nos de­sen­vol­ver, se nos­so cor­po ain­da vai mu­dar mui­to... Vem con­fe­rir as res­pos­tas!

Pa­ra­mos de cres­cer de­pois da pri­mei­ra mens­tru­a­ção?”

Não, mi­ga. An­tes da pri­mei­ra mens­tru­a­ção vir, já es­ta­mos em pro­ces­so de cres­ci­men­to e ele vai con­ti­nu­ar mes­mo de­pois de­la, po­rém, de for­ma mais len­ta. “Mui­tos fa­to­res in­flu­en­ci­am o cres­ci­men­to, e is­so ba­si­ca­men­te de­pen­de de ge­né­ti­ca, so­no, di­e­ta, exer­cí­cio, gê­ne­ro e fa­se da vi­da”, ex­pli­ca o mé­di­co. En­tão, não, vo­cê não vai pa­rar de cres­cer na me­nar­ca, ela só vai tor­nar seu es­ti­rão um pou­co mais len­to.

Acho que sou mui­to bai­xi­nha pa­ra a mi­nha ida­de”

Pa­ra sa­ber se vo­cê es­tá re­al­men­te abai­xo da al­tu­ra da sua ida­de, é in­te­res­san­te ob­ser­var o ta­ma­nho das su­as ami­gas que têm a mes­ma ida­de que vo­cê. Po­rém, lem­bre-se: fa­to­res ge­né­ti­cos tam­bém in­flu­en­ci­am. Po­cu­re um pe­di­a­tra ou en­do­cri­no­lo­gis­ta. Es­se pro­fis­si­o­nal vai ava­liá-la e in­di­car exa­mes ade­qua­dos pa­ra en­ten­der me­lhor seu cres­ci­men­to.

En­tão, pos­so com­pa­rar meu cor­po com o das mi­nhas ami­gas?”

Ape­sar da al­tu­ra das me­ni­nas que tam­bém têm sua ida­de ser um bom pa­drão de com­pa­ra­ção pa­ra sa­ber se vo­cê es­tá mui­to abai­xo da mé­dia, não é le­gal com­pa­rar o seu cor­po com o de nin­guém em ne­nhu­ma fa­se da vi­da, mi­ga. “Ca­da me­ni­na tem seu de­sen­vol­vi­men­to de for­ma in­di­vi­du­al”, res­sal­ta o mé­di­co. Não fi­que com­pa­ran­do o ta­ma­nho dos pei­tos, do bum­bum, pe­so... Is­so po­de fa­zer com que vo­cê se sin­ta mal por não ser igual a de­ter­mi­na­da me­ni­na que vo­cê acha bo­ni­ta, e não tem mo­ti­vo pa­ra que se sin­ta as­sim. A com­pa­ra­ção da al­tu­ra só ser­ve pa­ra fa­zer uma mé­dia su­per­fi­ci­al do ta­ma­nho das pes­so­as da sua ida­de em re­la­ção ao seu. Por­tan­to, não se com­pa­re com ou­tras ga­ro­tas e lem­bre-se que to­das têm cor­pos di­fe­ren­tes com de rit­mos de cres­ci­men­to di­fe­ren­tes, ok?

• Tex­to: Rhai­da Ba­via/ co­la­bo­ra­do­ra • De­sign: Fer­nan­da Ya­ma­za­to Con­sul­to­ria: Re­na­to Zil­li, en­do­cri­no­lo­gis­ta do Hos­pi­tal Sí­rio Li­ba­nês

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.