Res­pon­sa­bi­li­da­de afe­ti­va, sim!

En­ten­da o que é o ter­mo que vai man­tê-la lon­ge de ci­la­das amo­ro­sas

Todateen - - OI,@! -

“B pas­sa­va o dia con­ver­san­do men­sa­gens com o @, eles tro­ca­vam vá­ri­as con­ver­san­do

Po­rém, di­zia o quan­to gos­ta­va de­la... fo­fi­nhas e o boy sem­pre dis­se que era só que es­ta­va apai­xo­na­da, ele de­pois que B. de­mons­trou so­bre os si­nais que foi ela. Aí B. se per­gun­ta­va ami­za­de equem se en­ga­nou

Se iden­ti­fi­cou que a girl fez al­gu­ma con­fu­são?”. o con­ta­ti­nho da­va, afi­nal, se­rá bem co­muns! que ca­sos co­mo es­ses são co­ma his­tó­ria? Sai­ba

rt da es­pon sa­bi­li­da­de af ei­va

O ter­mo, que sur­giu nas re­des so­ci­ais, pa­re­ce al­go com­pli­ca­do, mas é bem sim­ples. Ter res­pon­sa­bi­li­da­de afe­ti­va é en­ca­rar os sen­ti­men­tos alhei­os de for­ma sin­ce­ra, com res­pei­to e em­pa­tia. O crush da B. é obri­ga­do a fi­car com ela? Cla­ro que não! Mas se ele não sen­tia na­da pe­la girl, pre­ci­sa­va dar tan­tos si­nais que mos­tra­vam que sim? Ele foi ir­res­pon­sá­vel afe­ti­va­men­te.

O lan­ce é bem sim­ples, migs: nin­guém pre­ci­sa gos­tar de nin­guém, mas não cus­ta na­da dei­xar cla­ro as su­as in­ten­ções.

Co­mo evi­tar cri­ar fal­sas ex­pec­ta­ti­vas?

É pos­sí­vel, sim, evi­tar que his­tó­ri­as co­mo a da B. acon­te­çam. Se o ro­lo de vo­cês não vai pa­ra fren­te, mas tam­bém não aca­ba, na dú­vi­da, va­le abrir o jo­go e con­ver­sar com o crush. Pen­se pe­lo la­do po­si­ti­vo: se ele não qui­ser na­da, vo­cê evi­ta per­der tem­po. De acor­do com Re­na­ta Cruz, co­a­ching es­pe­ci­a­lis­ta em de­sen­vol­vi­men­to pes­so­al, nes­ses ca­sos, é im­por­tan­te pe­gar a bi­ke e va­zar: “quan­do vo­cê per­ce­ber que uma si­tu­a­ção afe­ti­va não é le­gal, se afas­te. As­sim, vo­cê con­se­gue se res­guar­dar de uma si­tu­a­ção que a co­lo­ca­rá pa­ra bai­xo. Mais va­le sair ‘per­den­do’ e ga­nhar coi­sas gi­gan­tes­cas, co­mo, a sua paz de es­pí­ri­to e o en­ri­que­ci­men­to da in­te­li­gên­cia afe­ti­va”.

E quan­do eu não sou res­pon­sá­vel?

“A par­tir do mo­men­to em que vo­cê não pen­sa nos sen­ti­men­tos alhei­os, is­so é um si­nal evi­den­te de que não es­tá sen­do res­pon­sá­vel emo­ci­o­nal­men­te”, ex­pli­ca Re­na­ta Cruz. Quan­do es­ti­ver com um con­ta­ti­nho cons­tan­te, fa­lan­do to­dos os di­as pe­lo WhatsApp, bus­que não cri­ar fal­sas ilu­sões.

Pen­se sem­pre co­mo se sen­ti­ria no lu­gar de­le, migs! Vo­cê não pre­ci­sa, de for­ma al­gu­ma, fi­car com quem não a in­te­res­sa, mas, quem sa­be ao in­vés de man­dar in­can­sá­vel­men­te aque­le emo­ji de , que tal op­tar por um ? As pa­la­vras têm po­der!

Frei­re/co­la­bo­ra­do­ra • Tex­to: Ca­ro­li­na Ya­ma­za­to • De­sig­ner: Fer­nan­da Cruz, co­a­ching • Con­sul­to­ria: Re­na­ta hu­ma­nos es­pe­ci­a­lis­ta em re­la­ci­o­na­men­tos e de­sen­vol­vi­men­to pes­so­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.