É po­der que cha­ma!

Conheça La­ris­sa Pa­du­la, fo­tó­gra­fa que ven­ce a pa­ra­li­sia ce­re­bral di­a­ri­a­men­te!

Todateen - - RESPONDE AÍ - • Tex­to e edi­ção: Ma­bi Za­not­ti/co­la­bo­ra­do­ra • En­tre­vis­ta: Nathaly Pascoal/ co­la­bo­ra­do­ra • De­sign: Pé­ro­la Stein

Não su­bes­ti­me o po­der des­sa girl! La­ris­sa Pa­du­la nas­ceu com pa­ra­li­sia ce­re­bral, mas is­so não a fez pa­rar. De­vi­do a uma com­pli­ca­ção no par­to, La­ri tem al­gu­mas ne­ces­si­da­des es­pe­ci­ais. Mas, por sorte, sem­pre es­te­ve ro­de­a­da de pes­so­as in­crí­veis que a amam! La­ri con­se­guiu li­dar com o pre­con­cei­to, “as cri­an­ças pas­sa­vam ao meu la­do e pu­xa­vam o an­da­dor, me cha­ma­vam de tar­ta­ru­ga... Mas eu nem lem­bro, ig­no­ra­va to­tal­men­te”. Mas is­so não quer di­zer que a girl sem­pre te­nha se acei­ta­do do jei­ti­nho que é. La­ri con­ta que no iní­cio da ado­les­cên­cia, não cur­tia se mos­trar nas re­des so­ci­ais usan­do a ca­dei­ra de ro­das. En­tão, ela pos­ta­va ape­nas fotos de ros­to e ten­ta­va se es­con­der. Até que um dia, La­ri to­mou co­ra­gem e sol­tou um cli­que bapho! Re­sul­ta­do? Cen­te­nas de cur­ti­das e co­men­tá­ri­os, “até mes­mo de al­guns crushes”, con­ta ela.

Amor pe­la lei­tu­ra

La­ri Pa­du­la é vi­ci­a­da em li­vros de ro­man­ce, re­al ofi­ci­al! Ela ado­ra os li­vros fí­si­cos, por cau­sa do chei­ri­nho e tex­tu­ra das fo­lhas. Es­se amor a fez co­nhe­cer a Beth Re­e­kles, au­to­ra de A Bar­ra­ca do Bei­jo. “Nos­sa, foi má­gi­co! Po­der ouvir de­la mes­ma que o su­ces­so não mu­dou ela em na­da, que con­ti­nua fa­zen­do ma­ra­to­na de séries e usan­do pi­ja­mas aos fi­nais de se­ma­na... Não tem pre­ço!”.

Fa­cul­da­de e mo­rar so­zi­nha, ro­la?

A fa­ci­li­da­de com a co­mu­ni­ca­ção aju­dou a La­ri se de­ci­dir pe­lo cur­so de jor­na­lis­mo. Mas as di­fi­cul­da­des a fi­ze­ram se de­cep­ci­o­nar com a es­co­lha. “Te­ve pro­fes­sor exi­gin­do que eu fos­se pa­ra fo­ra da ci­da­de so­zi­nha fo­to­gra­far”. Sem aju­da de nin­guém, La­ri con­ta que foi di­fí­cil li­dar. “Foi mui­ta fal­ta de pro­fis­si­o­na­lis­mo e em­pa­tia da pro­fes­so­ra, me obri­gan­do a es­que­cer da de­fi­ci­ên­cia na ho­ra do tra­ba­lho!”. La­ri Pa­du­la não te­ve me­do e mo­rou so­zi­nha no cam­pus da fa­cul pa­ra po­der es­tu­dar. “Po­der sen­tir o tran­co de ser só vo­cê, sua ca­ma, a ca­dei­ra e as mu­le­tas... Che­ga a ser inex­pli­cá­vel a sen­sa­ção!”.

Fa­la, La­ri!

Se vo­cê tam­bém é de­fi­ci­en­te... “Não abai­xe a ca­be­ça pra nin­guém! Se vo­cê se sen­tir atin­gi­da de al­gu­ma for­ma, dei­xe bem cla­ro que não gos­tou e que a ofen­deu. Não fi­que ca­la­da, mos­tre que não é por­que usa­mos ca­dei­ras ou al­gum apa­re­lho, que so­mos di­fe­ren­tes ou in­fe­ri­o­res”. Um recado pa­ra quem não é... “As pes­so­as vêm me abra­çar e mal en­cos­tam em mim achan­do que sou feita de cris­tal. Eu gos­to de con­ta­to, abra­ço de ur­so, da­que­les que qua­se ma­tam a gen­te de fal­ta de ar! Não achem que não pos­so fa­zer al­go por ser de­fi­ci­en­te... Meu amor, eu sou fo­tó­gra­fa! Acha mes­mo que eu não pos­so fa­zer is­so?”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.