Le­van­ta e vai!

Todateen - - DE CORAÇÃO ABERTO -

Não con­si­go es­que­cer uma pes­soa do meu pas­sa­do, mes­mo sa­ben­do aí pra mim” que ele não es­tá nem da @ pra (não trou­xe­mos o no­me pre­ser­vá-la, tá?)

Mui­tas pes­so­as cru­zam nos­so ca­mi­nho to­dos os di­as e, de cer­ta for­ma, al­gu­mas aca­bam se apro­xi­man­do mais e fa­zen­do par­te da nos­sa his­tÓ­ria.

Olá, pes­so­as! O te­ma des­se mês é so­bre quem já pas­sou por nos­sa vi­da, mas ho­je não es­tá mais pró­xi­ma. Co­mo li­dar com is­so? Mui­tas ve­zes, de­ci­di­mos nos ma­chu­car com coi­sas ex­ter­nas, que aca­bam acon­te­cen­do e es­tão fo­ra do nos­so con­tro­le, in­cluin­do não ter­mos mais a pro­xi­mi­da­de que já ti­ve­mos com al­guém. Mas o fa­to de uma pes­soa não es­tar mais pre­sen­te ao seu la­do ou na sua ro­ti­na, não in­va­li­da o qu­an­to vo­cês já se gos­ta­ram de al­gu­ma for­ma e já apren­de­ram mui­to um com o ou­tro. Por es­se mo­ti­vo po­de­mos sen­tir mui­ta gra­ti­dão.

Es­co­lha sen­tir gra­ti­dão in­de­pen­den­te do que vo­cê ti­nha vi­vi­do e apren­di­do com aque­le re­la­ci­o­na­men­to. As re­la­ções sem­pre tra­zem apren­di­za­dos. Vo­cê nun­ca é o mes­mo de­pois de um re­la­ci­o­na­men­to, in­de­pen­den­te­men­te de qu­al ti­po se­ja. Afi­nal, foi es­se re­la­ci­o­na­men­to que fez vo­cê mu­dar, se co­nhe­cer um pou­co mais e olhar pa­ra coi­sas den­tro de vo­cê que a fi­ze­ram ama­du­re­cer de al­gu­ma for­ma.

E faz par­te des­se ama­du­re­ci­men­to acei­tar que as pes­so­as são li­vres. Olhar pa­ra o pas­sa­do, se não for pa­ra agra­de­cer, só vai fa­zer mal, e vo­cê não vai con­se­guir se en­tre­gar pa­ra o seu pre­sen­te e des­co­brir o que ele gu­ar­da pra vo­cê!

Pe­gue le­ve com vo­cê e man­te­nha-se pró­xi­ma (o) de quem vo­cê gos­ta e de quem gos­ta de vo­cê. De res­to, con­fie na vi­da que ela vai se en­car­re­gar de co­lo­cá-la sem­pre on­de pre­ci­sa es­tar pa­ra apren­der al­go no­vo. Is­so vai aju­dar a fi­car mais per­to de quem vo­cê é, a se co­nhe­cer e, nes­sa tro­ca, po­de ter cer­te­za: vo­cê nun­ca es­tá so­zi­nho.

Ca­mi­nha­mos to­dos jun­tos no mes­mo ca­mi­nho. Por mais que pa­re­ça es­tar­mos se­pa­ra­dos, nós es­ta­mos co­nec­ta­dos! Co­mo eu sem­pre di­go: nós com­par­ti­lha­mos o mes­mo céu. Vo­cê nun­ca es­tá só.

Ah... E não se pre­o­cu­pe so­bre quem vai es­tar ao seu la­do. Na­da é por aca­so.

Um bei­jo. Te amo in­fi­ni­to!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.