Com vo­cês, The Jack­son 5!

A car­rei­ra pre­co­ce com os ir­mãos e o ca­ris­ma de Mi­cha­el

Tributo Edição Histórica Especial - Michael Jackson - - News - Tex­to: Ka­ri­na Alon­so/co­la­bo­ra­do­ra De­sign: Nathá­lia Oliveira/co­la­bo­ra­do­ra

Jo­seph, lí­der da fa­mí­lia Jack­son, tra­ba­lha­va mui­to em uma si­de­rúr­gi­ca pa­ra sus­ten­tar os no­ve fi­lhos, mas re­sol­veu apos­tar na mú­si­ca pa­ra mu­dar de vi­da. Na dé­ca­da de 50, Joe e seu ir­mão, Luther, for­ma­ram uma banda de R&B cha­ma­da The Fal­cons. Mas qu­an­do per­ce­beu que os fi­lhos tam­bém ti­nham ta­len­to, de­ci­diu mol­dá-los pa­ra o su­ces­so.

A li­ga­ção com a mú­si­ca não veio ape­nas pe­lo la­do do pai. A mãe, Kathe­ri­ne, to­ca­va cla­ri­ne­te e pi­a­no e in­tro­du­ziu as fi­lhas Mau­re­en e La Toya à mú­si­ca. En­quan­to o ma­ri­do es­ta­va fo­ra, tra­ba­lhan­do, ela dei­xa­va os fi­lhos to­ca­rem a gui­tar­ra de­le, es­con­di­dos. Era ine­vi­tá­vel que as cri­an­ças se­guis­sem car­rei­ra mu­si­cal.

No co­me­ço dos anos 60, Joe, co­mo gos­ta­va de ser cha­ma­do, or­ga­ni­zou a pri­mei­ra for­ma­ção da banda com os fi­lhos Jac­kie, Ti­to e Jer­mai­ne, além de dois vi­zi­nhos, Mil­ford Hi­te e Rey­naud Jo­nes. Al­guns anos de­pois, mais dois fi­lhos, Mi­cha­el e Mar­lon, en­tra­ram no gru­po, cha­ma­do The Jack­son Brothers Fi­ve. Mi­cha­el, en­tão com seis anos de ida­de, já mos­tra­va seu ta­len­to pa­ra can­tar e dan­çar, tan­to que pa­re­cia ser mais ve­lho do que re­al­men­te era.

A pri­mei­ra apre­sen­ta­ção do gru­po foi em 1965, no Glen Park, em São Fran­cis­co. A or­ga­ni­za­do­ra do even­to, Evelyn Le­ahy, deu a ideia de usa­rem o no­me The Jack­son 5 no lu­gar de The Jack­son Brothers Fi­ve. Dois me­ses de­pois, a banda ven­ce­ria o show de ta­len­tos no Gil­roy Sta­dium, na ci­da­de na­tal do gru­po, em Gary, In­di­a­na.

O pri­mei­ro lu­gar que re­ce­be­ram di­nhei­ro pa­ra to­car foi em uma bo­a­te em Gary, cha­ma­da Mr. Lucky’s. Por noi­te, ga­nha­vam oi­to dó­la­res e che­ga­vam a to­car os se­te di­as da se­ma­na. Qu­an­do o pú­bi­co gos­ta­va da apre­sen­ta­ção, jo­ga­va di­nhei­ro no pal­co, o que às ve­zes ga­ran­tia uma gor­je­ta mai­or do que o pa­ga­men­to nor­mal.

O ano de 1967 foi cheio de prêmios em shows de ta­len­to. O pri­mei­ro foi em uma com­pe­ti­ção re­a­li­za­da no Gary’s Me­mo­ri­al Au­di­to­rium, se­gui­do do Sun­day Night Ama­teur Talent, no Re­gal The­a­ter, em Chi­ca­go, on­de ven­ce­ram três ve­zes. No Re­gal The­a­ter’s Mul­ti­ple Win­ners Su­per Talent, jun­to com a pre­mi­a­ção, ti­ve­ram a hon­ra de se apre­sen­tar no mes­mo lu­gar que o mai­or gru­po de R&B da épo­ca, o Gladys Knight & The Pips.

Mas a apre­sen­ta­ção que os lan­çou pa­ra o su­ces­so foi no Apol­lo The­a­ter, no Har­lem, No­va York, na fi­nal da com­pe­ti­ção cha­ma­da Su­per Dogs. Os Jack­son 5 não só ven­ce­ram, co­mo tam­bém fo­ram con­vi­da­dos pa­ra vol­tar e se apre­sen­tar, des­sa vez em per­for­man­ces pa­gas.

Con­tra­to com a Ste­el­town Re­cords

Em 1967, o gru­po as­si­nou o pri­mei­ro con­tra­to com uma gra­va­do­ra e o pri­mei­ro su­ces­so re­gi­o­nal já veio no ano se­guin­te, com Big Boy. No ano se­guin­te, eles se apre­sen­ta­ram no co­mí­cio do en­tão can­di­da­to a pre­fei­to Ri­chard Har­cher, com ar­tis­tas co­mo Bobby Tay­lor e Di­a­na Ross & The Su­pre­mes. Fi­ze­ram tam­bém a pri­mei­ra apa­ri­ção na te­le­vi­são, no David Frost Show, em No­va York.

Era Mo­town

O ano de 1968 tam­bém ren­deu o con­tra­to com a gran­de Mo­town, gra­va­do­ra que foi res­pon­sá­vel por lan­çar ar­tis­tas co­mo Ste­vie Won­der, Mar­vin Gaye, Di­a­na Ross & The Su­pre­mes e os Temp­ta­ti­ons

no mer­ca­do. Ao lan­çar um no­vo pa­drão de mú­si­ca pop, a gra­va­do­ra aju­dou a der­ru­bar as bar­rei­ras en­tre a mú­si­ca bran­ca e a mú­si­ca ne­gra.

Tu­do co­me­çou qu­an­do os me­ni­nos abri­ram o show de Bobby Tay­lor and the Van­cou­vers, gran­de no­me do R&B na épo­ca. Bobby gos­tou tan­to de­les que os le­vou pa­ra De­troit, afim de ten­ta­rem um con­tra­to com a gra­va­do­ra. De­pois que o che­fe da Mo­town, Ber­ry Gordy, ou­viu a fi­ta do Jack­son

5, li­gou pa­ra Bobby e dis­se pa­ra as­si­nar ime­di­a­ta­men­te com o gru­po e os le­var pa­ra o es­tú­dio. Na­que­le mo­men­to foi da­do um pas­so de­ci­si­vo pa­ra que eles se tor­nas­sem uma banda co­nhe­ci­da mun­di­al­men­te.

O pri­mei­ro ál­bum do gru­po, cha­ma­do Di­a­na Ross Pre­sents The

Jack­son 5, saiu em 1969 e lo­go se tor­nou su­ces­so mun­di­al. Os sin­gles

I Want You Back e Who’s Lo­ving You

ven­de­ram dois mi­lhões de có­pi­as em seis se­ma­nas, sen­do que o pri­mei­ro al­can­çou o pri­mei­ro lu­gar nas pa­ra­das de su­ces­so. Ou­tro mar­co na car­rei­ra de­les foi a pri­mei­ra apa­ri­ção no pro­gra­ma de te­le­vi­são de Ed Sul­li­van, res­pon­sá­vel por di­vul­gar gran­des no­mes da mú­si­ca mun­di­al.

Em 1970, a “Jack­son­ma­nia” atin­giu o au­ge com I’ll Be The­re. O su­ces­so era tão gran­de que lo­go no pri­mei­ro show pa­tro­ci­na­do pe­la Mo­town, no Phi­la­delphia Ci­vic Cen­ter, o pú­bli­co foi de mais de 18 mil pes­so­as e um gru­po de ga­ro­tas in­va­diu o pal­co. Sua tur­nê de es­treia te­ve os in­gres­sos es­go­ta­dos. Foi tam­bém o pri­mei­ro gru­po a con­se­guir fi­car qua­tro ve­zes se­gui­das no nú­me­ro um das pa­ra­das de su­ces­so.

A pri­mei­ra in­di­ca­ção pa­ra o Grammy, co­mo me­lhor mú­si­ca pop, acon­te­ceu em 1971, com ABC.

Par­ti­ci­pa­ram tam­bém do es­pe­ci­al de te­le­vi­são de Di­a­na Ross, cha­ma­do Di­a­na!. O con­tra­to com a Mo­town pre­via ain­da a gra­va­ção de dis­cos so­lo, e o pri­mei­ro de Mi­cha­el foi Ben.

Em se­tem­bro do mes­mo ano, os Jack­son 5 re­ce­be­ram co­men­das es­pe­ci­ais do Con­gres­so dos Es­ta­dos Uni­dos, por se­rem mo­de­los po­si­ti­vos pa­ra a ju­ven­tu­de da épo­ca. Em no­vem­bro, par­ti­ram pa­ra sua pri­mei­ra tur­nê in­ter­na­ci­o­nal, e lo­go ti­ve­ram a di­men­são do seu su­ces­so. Ao che­ga­rem ao ae­ro­por­to de He­ath­row,

na In­gla­ter­ra, fo­ram re­ce­bi­dos por uma mul­ti­dão de fãs. Lá tam­bém che­ga­ram a fa­zer um show pa­ra a rai­nha, além de que­bra­rem o re­cor­de de pú­bli­co no Li­ver­po­ol Em­pi­re The­ather, que an­tes per­ten­cia aos Be­a­tles.

Em 1973, os Jack­son 5 fi­ze­ram uma tur­nê pe­la Aus­trá­lia e al­can­ça­ram o fei­to de te­rem si­do os pri­mei­ros mú­si­cos ne­gros a fa­zer uma tur­nê na­ci­o­nal pe­lo país, além do re­cor­de de au­di­ên­cia de mais de dois mi­lhões de pes­so­as.

A mai­or par­te do re­per­tó­rio dos Jack­son 5 foi cri­a­do pe­lo trio de com­po­si­to­res da Mo­town, La­mont Do­zi­er e os ir­mãos Bri­an e Ed­die Hol­land, que es­cre­ve­ram tam­bém os mai­o­res su­ces­sos de Di­a­na Ross & The Su­pre­mes. No to­tal, fo­ram qua­tor­ze ál­buns gra­va­dos pe­lo se­lo e as ven­das de sin­gles e ál­buns, in­clu­si­ve co­le­tâ­ne­as, é cal­cu­la­da em cer­ca de cem mi­lhões de dis­cos em to­do o mun­do.

De The Jack­son 5 pa­ra The Jack­sons

Em 1975, Mi­cha­el e seus ir­mãos as­si­na­ram con­tra­to com a gra­va­do­ra Epic Re­cords. Qu­an­do a Mo­town des­co­briu que ha­vi­am as­si­na­do com ou­tra em­pre­sa, anu­lou o acor­do com a banda, fi­can­do com o no­me “The Jack­son 5” e o lo­go­ti­po do gru­po.

A saí­da da Mo­town foi cau­sa­da pe­la fal­ta de li­ber­da­de pa­ra com­por as pró­pri­as mú­si­cas. Mas Jer­mai­ne con­ti­nu­ou na an­ti­ga gra­va­do­ra, já que era ca­sa­do com Ha­zel, fi­lha de Ber­ry Gordy, fun­da­dor do se­lo, e se­guiu car­rei­ra so­lo. En­quan­to is­so, o gru­po en­cur­tou o no­me pa­ra “The Jack­sons” e, com a saí­da de Jer­mai­ne, Randy, o ca­çu­la da fa­mí­lia, as­su­miu seu lu­gar.

A mu­dan­ça não foi só de gra­va­do­ra. Nes­ta fa­se, lan­ça­ram três ál­buns (Des­tiny, Triumph e Vic­tory) apos­tan­do na dis­co mu­sic. To­dos fo­ram es­cri­tos e pro­du­zi­dos pe­lo gru­po, mos­tran­do mais au­to­no­mia e ma­tu­ri­da­de mu­si­cal. São des­sa épo­ca hits co­mo Sha­ke Your Body (Down To The Ground) e Can You Fe­el It?.

Na me­ta­de dos anos 80, Jer­mai­ne vol­ta pa­ra o gru­po pa­ra a tur­nê de Vic­tory. Dois cli­pes fo­ram lan­ça­dos, mas Mi­cha­el não apa­re­cia mais ne­les, pois já es­ta­va em car­rei­ra so­lo. O úl­ti­mo ál­bum do gru­po, 2300 Jack­son St. saiu em 1989, após cin­co anos sem pro­du­zi­rem na­da e sem a pre­sen­ça de Mi­cha­el e Randy. Com es­se ál­bum, os Jack­sons ter­mi­na­ram de cum­prir o con­tra­to com a Epic, que não foi re­no­va­do.

Pa­ra­le­la­men­te, Mi­cha­el Jack­son in­ves­tiu em sua car­rei­ra so­lo. Du­ran­te as apre­sen­ta­ções dos The Jack­son, Mi­cha­el sem­pre se des­ta­cou mais que os ou­tros e es­ta­va cla­ro que lo­go ele iria tri­lhar seu pró­prio ca­mi­nho.

Sín­dro­me de Pe­ter Pan

Mi­cha­el Jack­son co­me­çou mui­to ce­do no show bu­si­ness. Par­te de sua de­di­ca­ção pa­ra a mú­si­ca se deu pe­la al­ta co­bran­ça de seu pai, que o obri­ga­va a en­sai­ar até al­tas ho­ras da noi­te, mes­mo ele ten­do que acor­dar ce­do pa­ra ir pa­ra a es­co­la.

Em sua au­to­bi­o­gra­fia, in­ti­tu­la­da Mo­onwalk, Mi­cha­el afir­ma que mes­mo com to­da a pres­são exer­ci­da pe­lo pai e pe­la mí­dia, a es­co­lha pa­ra en­trar na car­rei­ra mu­si­cal foi de­le, até por­que ele cres­ceu nes­se am­bi­en­te. Mas não dei­xa de ad­mi­tir que foi um tra­ba­lho du­ro com um pre­ço al­to a pa­gar: a per­da da in­fân­cia.

Além das di­fi­cul­da­des com o pai, Mi­cha­el ain­da te­ve pro­ble­mas de cres­ci­men­to, uma cri­se se­ve­ra de ac­ne, do­en­ças de pe­le e uma bus­ca in­ces­san­te pe­la per­fei­ção, por meio de ci­rur­gi­as plás­ti­cas. To­dos eles in­flu­en­ci­a­ram no uso con­tí­nuo de re­mé­di­os, co­mo anal­gé­si­cos for­tes, pa­ra su­por­tar as do­res dos tra­ta­men­tos.

De­se­nho ani­ma­do

O su­ces­so e o ca­ris­ma dos ir­mãos Jack­son foi tão gran­de que até fo­ram trans­for­ma­dos em de­se­nho! Em me­a­dos dos anos 70, aos sá­ba­dos de ma­nhã, foi ao ar o Jack­son 5ive, pe­lo ca­nal nor­te ame­ri­ca­no ABC. Fo­ram apre­sen­ta­das du­as tem­po­ra­das, com o to­tal de vin­te e três epi­só­di­os. Com o gran­de su­ces­so de Mi­cha­el nos anos 80, a sé­rie foi re­e­xi­bi­da.

A pro­du­ção fi­cou por con­ta da Ran­kin/Bass Pro­duc­ti­ons. Es­se no­me cons­ta em es­pe­ci­ais de Na­tal co­nhe­ci­dos, co­mo Ru­dolph, a Re­na do Na­riz Ver­me­lho, e sé­ri­es ani­ma­das, co­mo Thun­derCats e Sil­verHawks.

A his­tó­ria era so­bre as aven­tu­ras dos ir­mãos, sem­pre com mui­ta mú­si­ca e dan­ça en­vol­vi­das.

Mi­cha­el tam­bém era o des­ta­que e sem­pre se en­vol­via em pro­ble­mas, tra­zen­do um ar cô­mi­co, com di­rei­to a ri­sa­das pré-gra­va­das, cha­ma­das claque, clás­si­cas no hu­mor nor­te ame­ri­ca­no.

As pre­sen­ças es­pe­ci­ais fi­ca­vam por con­ta do em­pre­sá­rio Ber­ry Gordy e a ami­ga da fa­mí­lia, Di­a­na

Ross. Imi­tan­do a vi­da re­al,

os ra­ti­nhos Ray e Char­les, além da co­bra de es­ti­ma­ção Ro­sie de Mi­cha­el tam­bém fo­ram trans­for­ma­dos em de­se­nho.

Os des­fe­chos dos epi­só­di­os eram fei­tos com uma apre­sen­ta­ção mu­si­cal, no es­ti­lo de vi­de­o­cli­pe e com vi­su­al psi­co­dé­li­co. As vo­zes dos can­to­res eram usa­das ape­nas na ho­ra das mú­si­cas, a du­bla­gem era fei­ta por ou­tros pro­fis­si­o­nais.

No Bra­sil, o de­se­nho foi exi­bi­do na dé­ca­da de 70 pe­la ex­tin­ta TV Tu­pi e, du­ran­te os anos 80 pe­la Re­de Man­che­te, atu­al Re­de TV!. Na du­bla­gem, fo­ram usa­das gí­ri­as tí­pi­cas dos anos 70, co­mo “bi­cho”, “ca­ran­go” e “ba­ra­to”.

Gladys Knight & The Pips

Ál­bum Di­a­na Ross Pre­sents The Jack­son 5

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.