Wor­kin’ Day and Night

Mes­mo com pou­co tem­po, Mi­cha­el con­se­guiu con­ci­li­ar as fil­ma­gens de The Wiz, as gra­va­ções de Off The Wall e a tur­nê do The Jack­sons

Tributo Edição Histórica Especial - Michael Jackson - - News - Tex­to: Éri­ca Agui­ar/co­la­bo­ra­do­ra De­sign: Nathá­lia Oliveira/co­la­bo­ra­do­ra

Ocon­tra­to do Jack­son 5 com a Mo­town Re­cords ha­via se es­ten­di­do até 1976, mas em bus­ca de li­ber­da­de ar­tís­ti­ca, a banda as­si­nou com a Epic Re­cords e te­ve seu no­me al­te­ra­do pa­ra The Jack­sons (já que a an­ti­ga gra­va­do­ra pos­suía os di­rei­tos au­to­rais da banda). Em 1977, Mi­cha­el, apro­vei­tan­do seu su­ces­so, re­sol­veu se ar­ris­car na car­rei­ra de ator.

A má­gi­ca de The Wiz

A Mo­town Pro­duc­ti­ons ha­via aca­ba­do de com­prar os di­rei­tos pa­ra fil­mar The Wiz, um mu­si­cal da Bro­adway que era uma ver­são de O Má­gi­co de Oz com ato­res ne­gros. A pro­du­to­ra fez is­so por um úni­co mo­ti­vo: Di­a­na Ross. O pa­pel da can­to­ra co­mo Do­rothy já es­ta­va de­fi­ni­do e ela en­co­ra­jou Mi­cha­el Jack­son a fa­zer o tes­te pa­ra o fil­me.

Mi­cha­el en­tão se can­di­da­tou pa­ra o per­so­na­gem do Es­pan­ta­lho por­que, se­gun­do o que ele mes­mo es­cre­ve no li­vro Mo­onwalk, “sen­tia que era mui­to sal­ti­tan­te pa­ra in­ter­pre­tar o Ho­mem de La­ta e le­ve de­mais pa­ra ser o Leão”.

En­tão, em ju­lho de 1977, já com o pa­pel de Es­pan­ta­lho ga­ran­ti­do, ele se mu­dou pa­ra No­va York, acom­pa­nha­do por sua ir­mã La Toya, pa­ra ini­ci­ar os en­sai­os e as fil­ma­gens de The Wiz.

Eram gas­tas cin­co ho­ras pa­ra fa­zer a ma­qui­a­gem do per­so­na­gem do can­tor, com a prá­ti­ca con­tí­nua, o ma­qui­a­dor re­du­ziu o tem­po pa­ra qua­tro ho­ras. Es­se tra­ba­lho era fei­to por Stan Wins­ton, o ma­qui­a­dor prin­ci­pal do fil­me, que mais tar­de iria tra­ba­lhar com Mi­cha­el Jack­son no fil­me Ghosts.

O can­tor en­tão se trans­for­ma­va em um es­pan­ta­lho fei­to de li­xo vi­ven­do em uma No­va York de­ca­den­te.

O en­re­do se­gue o ro­tei­ro do fil­me ori­gi­nal de 1939 e ou­tros ar­tis­tas tam­bém es­tão pre­sen­tes: Ri­chard Pryor é o Má­gi­co, Nip­sey Russell é o Ho­mem de La­ta e Ted Ross é o Leão.

Ape­sar dis­so, uma das me­lho­res es­co­lhas pa­ra o elen­co foi o jo­vem Mi­cha­el Jack­son, que se de­di­ca­va mui­to pa­ra me­mo­ri­zar as fa­las do ro­tei­ro, os pas­sos de dan­ça (que apren­dia com fa­ci­li­da­de) e to­das as le­tras das mú­si­cas. Mes­mo com a sua ti­mi­dez, o can­tor mos­tra­va mui­to en­tu­si­as­mo nas gra­va­ções.

Fo­ram gas­tos 20 mi­lhões de dó­la­res pa­ra a pro­du­ção de The Wiz, mas o fil­me não ob­te­ve su­ces­so e seus lu­cros não che­ga­ram a al­can­çar nem a mar­ca dos 16 mi­lhões de dó­la­res nos Es­ta­dos Uni­dos. Ape­sar dis­so, ele con­tou com du­as mú­si­cas can­ta­das por Mi­cha­el Jack­son: You Can’t Win e Ea­se On Down the Ro­ad, o du­e­to com Di­a­na Ross que ser­viu de sin­gle pa­ra di­vul­gar o fil­me em 1978.

En­con­tran­do Quincy

Du­ran­te as fil­ma­gens, Mi­cha­el ini­ci­ou sua ami­za­de com Quincy Jo­nes, su­per­vi­sor e pro­du­tor mu­si­cal do fil­me. Se­gun­do o pró­prio Quincy, Jack­son era mui­to de­di­ca­do, as­sis­tia ví­de­os pa­ra me­lho­rar os mo­vi­men­tos do seu per­so­na­gem e sa­bia a sequên­cia de fa­las de qua­se to­do o fil­me.

Na ver­da­de, Mi­cha­el Jack­son não co­nhe­ceu Quincy Jo­nes nas fil­ma­gens de The Wiz. Ele ha­via si­do apre­sen­ta­do ao pro­du­tor em Los An­ge­les qu­an­do ain­da ti­nha 12 anos, por Sammy Da­vis Jr., mas a ami­za­de de Mi­cha­el com seu fu­tu­ro pro­du­tor só nas­ceu nos bas­ti­do­res do fil­me.

Quincy, tam­bém co­nhe­ci­do co­mo Q ou Ma­go, era um mú­si­co de jazz, ar­ran­ja­dor e pro­du­tor mu­si­cal. Ele já ha­via tra­ba­lha­do com mú­si­cos co­mo Frank Si­na­tra, El­la Fitz­ge­rald, Du­ke El­ling­ton e

Mi­les Da­vis. Por con­ta do seu vas­to tra­ba­lho, Mi­cha­el pe­diu a Quincy que es­te lhe in­di­cas­se um pro­du­tor pa­ra o seu pri­mei­ro ál­bum so­lo.

Jack­son não que­ria que seu no­vo tra­ba­lho se pa­re­ces­se com Des­tiny, o 12º ál­bum do

The Jack­sons. Por is­so, que­ria um pro­du­tor des­vin­cu­la­do do es­ti­lo da banda que for­ma­va com os ir­mãos. Além dis­so, o es­co­lhi­do por Mi­cha­el tam­bém de­ve­ria ter um bom ou­vi­do pa­ra se­le­ci­o­nar o ma­te­ri­al a ser lan­ça­do, já que o can­tor não ti­nha tem­po su­fi­ci­en­te na sua agen­da pa­ra es­cre­ver can­ções pa­ra os dois la­dos do seu ál­bum so­lo.

Mi­cha­el en­tão pe­diu uma aju­da a Quincy pa­ra en­con­trar um no­vo pro­du­tor. Quincy co­me­çou a fa­lar so­bre as pes­so­as com quem Jack­son po­de­ria tra­ba­lhar, com quem te­ria pro­ble­mas, quem es­ta­va em ou­tro pro­je­to ou quem não apoi­a­ria o pro­je­to so­lo do jo­vem ar­tis­ta. Por con­ta de seu vas­to co­nhe­ci­men­to e por ter se ofe­re­ci­do ao car­go após al­guns mi­nu­tos de con­ver­sa, o pró­prio Quincy foi es­co­lhi­do. Co­me­ça­va ali uma par­ce­ria des­ti­na­da ao su­ces­so.

1, 2, 3...

As gra­va­ções de Off The Wall co­me­ça­ram, ofi­ci­al­men­te, em de­zem­bro de 1978, no es­tú­dio Al­len Zentz em Hollywo­od (on­de fo­ram fei­tos os vo­cais e as ba­ses rít­mi­cas de to­das as fai­xas). As sessões du­ra­ram até ju­nho de 1979 e fo­ram usa­dos ou­tros es­tú­di­os co­mo o Wes­tla­ke (on­de foi gra­va­da to­da a ins­tru­men­ta­ção do ál­bum), o Che­ro­kee (on­de as mi­xa­gens fo­ram fei­tas por Bru­ce Swe­di­en) e o A&M Re­cor­ding Stu­dio (on­de as fai­xas fo­ram edi­ta­das e se­le­ci­o­na­das por Jo­nes e Jack­son), to­dos em

Los An­ge­les.

Em pou­co tem­po, Quincy e Mi­cha­el di­mi­nuí­ram a lon­ga lis­ta de fai­xas que po­de­ri­am en­trar no no­vo ál­bum. Ao fi­nal, três mú­si­cas de Mi­cha­el (com­pos­tas na ca­sa da fa­mí­lia Jack­son em En­ci­no, Ca­li­fór­nia) fo­ram in­cluí­das: Don’t Stop ‘Til You Get Enough, Wor­kin’ Day and Night e Get On The Flo­or.

O no­vo ál­bum iria rein­ven­tar a mú­si­ca pop mo­der­na com uma mis­tu­ra per­fei­ta de dis­co mu­sic, funk, jazz, pop, soul e R&B.

Co­mo nas fil­ma­gens de The Wiz,

Jack­son era mui­to de­di­ca­do ao tra­ba­lho (até por­que o can­tor sa­bia que as ho­ras em um es­tú­dio eram mui­to ca­ras). Ele im­pres­si­o­na­va os ou­tros mú­si­cos por es­tar sem­pre pre­pa­ra­do pa­ra as sessões com as le­tras, as har­mo­ni­as e o tem­po me­mo­ri­za­dos. Por con­ta dis­so, os di­as de gra­va­ções eram mui­to bem apro­vei­ta­dos.

Mi­cha­el e Quincy en­con­tra­ram a mis­tu­ra cer­ta de sons e es­ti­los que des­ta­ca­ria o ta­len­to e as di­ver­sas ha­bi­li­da­des vo­cais de Jack­son. Por con­ta dis­so, além das can­ções com­pos­tas pe­lo can­tor, ou­tras fo­ram in­tro­du­zi­das pe­lo pro­du­tor Quincy Jo­nes e pe­lo com­po­si­tor Rod

Tem­per­ton. Rod de­sen­vol­veu uma “com­pe­ti­ção” ami­gá­vel com o jo­vem Mi­cha­el an­tes das gra­va­ções: um apre­sen­ta­va su­as idei­as e com­po­si­ções ao ou­tro e des­se mo­do, mui­tas me­lo­di­as e le­tras fo­ram fi­na­li­za­das.

De­vi­do a es­sa “brin­ca­dei­ra”, três con­tri­bui­ções de Tem­per­ton aca­ba­ram in­cluí­das no ál­bum: Rock With You, Off The Wall (que dá no­me ao dis­co) e Burn the Dis­co Out. A fai­xa Girl­fri­end

foi ofe­re­ci­da por Paul McCart­ney e Tom Bah­ler era o res­pon­sá­vel por

She’s Out of My Li­fe. It’s the Fal­ling In Lo­ve per­ten­cia a Ca­ro­le Bayer Sa­ger e David Fos­ter. Por fim, Ste­vie Won­der con­tri­buiu com I Can’t Help It.

Quincy, co­mo pro­du­tor, per­mi­tiu aos ar­ran­ja­do­res e mú­si­cos que ti­ves­sem um pou­co de li­ber­da­de nas com­po­si­ções. Greg Phil­lin­ga­nes, Pau­li­nho da Cos­ta, Randy Jack­son, Louis “Thun­der Thumbs” John­son, Wah Wah Wat­son, Mar­lo Hen­der­son, David Wil­li­ams, Lar­ry Carl­ton, Ge­or­ge Du­ke, Phil Up­chur­ch e Ri­chard He­ath fo­ram os es­co­lhi­dos pa­ra to­car e par­ti­ci­par da pro­du­ção do ál­bum.

Se­gun­do o pró­prio Mi­cha­el, fa­zer

Off The Wall foi um dos pe­río­dos mais di­fí­ceis de sua vi­da, ape­sar de ain­da des­fru­tar do su­ces­so pro­ve­ni­en­te da banda que for­ma­va com os ir­mãos. Ele pos­suía pou­cos ami­gos e se sen­tia so­li­tá­rio a mai­or par­te do tem­po, já que pre­ci­sa­va con­ci­li­ar a tur­nê com os ir­mãos e as gra­va­ções do seu dis­co so­lo. Com pou­co tem­po na agen­da, era di­fí­cil pa­ra o jo­vem can­tor se re­la­ci­o­nar com as pes­so­as, além do fa­to de que sua ti­mi­dez, des­de os tem­pos do Jack­son 5, con­ti­nu­a­va.

As mú­si­cas do dis­co

A fai­xa de aber­tu­ra do dis­co, Don’t Stop ‘Til You Get Enough, tor­nou-se um hit mun­di­al em pou­co tem­po. O de­sem­pe­nho vo­cal de Mi­cha­el era im­pe­cá­vel e mui­to di­fí­cil de ser re­pro­du­zi­do ao vi­vo, o que fez com que ele não in­ter­pre­tas­se a can­ção nas su­as tur­nês co­mo ar­tis­ta so­lo. Ape­sar dis­so, ele a apre­sen­tou, co­mo for­ma de pro­mo­ção do seu dis­co so­lo, na tur­nê do ál­bum Triumph, ain­da co­mo par­te dos The Jack­sons.

Don’t Stop ‘Til You Get Enough foi lan­ça­da co­mo sin­gle, nas rá­di­os, em ju­lho de 1979, um mês an­tes do lan­ça­men­to do ál­bum. O com­pac­to ven­deu dois mi­lhões de có­pi­as e mos­tra­va to­da a ma­tu­ri­da­de vo­cal do cres­ci­do “lit­tle Mi­cha­el”.

Rock With You, es­co­lhi­da co­mo a se­gun­da fai­xa do ál­bum, é uma es­pé­cie de R&B dan­çan­te, na qual o vo­cal ga­nha des­ta­que. A me­lo­dia era sim­ples e na­tu­ral, ou se­ja, uma mú­si­ca que cai­ria bem em qual­quer si­tu­a­ção. Rod Tem­per­ton ha­via es­cri­to a can­ção com um ar­ran­jo mais ani­ma­do, mas Quincy re­sol­veu su­a­vi­zá-lo e adi­ci­o­nou um sin­te­ti­za­dor. A mú­si­ca en­tão tor­nou-se um sin­gle de su­ces­so e era per­fei­ta pa­ra Mi­cha­el can­tar e dan­çar.

Wor­kin’ Day And Night traz o funk de vol­ta ao ál­bum com me­tais, bai­xo e uma ba­se ca­ti­van­te. Lo­go em se­gui­da, Get On The Flo­or vol­ta ao R&B e Off The Wall, com­pos­ta por Tem­per­ton, dá no­me ao ál­bum e des­ta­ca a per­cus­são do ca­ri­o­ca Pau­li­nho da Cos­ta.

Girl­fri­end mar­ca o co­me­ço da par­ce­ria en­tre Mi­cha­el e Paul. Mac­ca ha­via es­cri­to a can­ção ima­gi­nan­do Jack­son nos vo­cais. Ape­sar dis­so, a fai­xa aca­bou sen­do gra­va­da pe­los Wings, en­tran­do no dis­co Lon­don Town

de 1978. De­pois de um tem­po, ao se en­con­trar com Quincy Jo­nes, Paul McCart­ney ofe­re­ceu a mú­si­ca pa­ra que Mi­cha­el a co­lo­cas­se no em Off The Wall e ela se tor­nou o úl­ti­mo sin­gle de su­ces­so do ál­bum.

Após a can­ção de McCart­ney, en­tra She’s Out Of My Li­fe sur­gia, na qual, ao fi­nal da gra­va­ção, é pos­sí­vel ou­vir o cho­ro de Mi­cha­el Jack­son. O co­ver de Ste­vie Won­der, I Can’t Help It, en­tra na sequên­cia, com des­ta­que pa­ra os vo­cais de Mi­cha­el.

O dis­co se­gue com o du­e­to It’s The Fal­ling In Lo­ve, que per­ma­ne­ce en­tre o R&B e o pop, com a can­to­ra Pat­ti Aus­tin mos­tran­do a ca­pa­ci­da­de ge­ni­al que Mi­cha­el ti­nha em se rein­ven­tar e mes­clar di­ver­sos rit­mos em um mes­mo dis­co. A úl­ti­ma can­ção é Burn This Dis­co Out, com des­ta­que pa­ra a ba­te­ria (que di­ta o rit­mo da fai­xa), pa­ra a gui­tar­ra cheia de gro­o­ve e cla­ro, o vo­cal mar­can­te de Jack­son.

A par­ce­ria de Quincy e Mi­cha­el ha­via da­do cer­to e o dis­co, lan­ça­do em 10 de agos­to de 1979, ven­deu 20 mi­lhões de có­pi­as, além de ser acla­ma­do pe­la crí­ti­ca. Rock With You

fi­cou qua­tro se­ma­nas no to­po das pa­ra­das nor­te-ame­ri­ca­nas e Jack­son ga­nhou um Grammy de “Me­lhor De­sem­pe­nho Vo­cal R&B Mas­cu­li­no” por Don’t Stop ‘Til You Get Enough. O dis­co fez su­ces­so na Eu­ro­pa, In­gla­ter­ra, Fran­ça e, prin­ci­pal­men­te no Ja­pão, on­de ven­deu cer­ca de 500 mil có­pi­as, de­vi­do tam­bém à gran­de pu­bli­ci­da­de.

No dia 29 de agos­to do mes­mo ano, Mi­cha­el Jack­son co­me­mo­rou seu ani­ver­sá­rio de 21 anos no Stu­dio 54, clu­be fa­mo­so nos anos 70 e con­si­de­ra­do co­mo a “mãe de to­das as dis­co­te­cas”. Nes­se mes­mo ano, Mi­cha­el re­sol­veu as­su­mir o con­tro­le to­tal de sua car­rei­ra e ter­mi­nou o con­tra­to pes­so­al de ges­tão que ti­nha

com o pai. Os dois dis­cor­da­vam quan­to ao ca­mi­nho a ser se­gui­do na mú­si­ca e pos­suíam idei­as di­fe­ren­tes pa­ra can­ções e tur­nês. Mi­cha­el não que­ria tra­ba­lhar pa­ra o pai, mas pa­ra ele pró­prio. Com o fim das gra­va­ções e a vi­da so­ci­al agi­ta­da, Mi­cha­el con­ti­nu­a­va a afir­mar que se sen­tia mais fe­liz e con­for­tá­vel ao se apre­sen­tar no pal­co do que nos re­la­ci­o­na­men­tos do dia a dia.

Cli­pes de su­ces­so

Uma das can­ções es­co­lhi­das pa­ra se tor­nar vi­de­o­cli­pe foi Don’t Stop ‘Til You Get Enough. Mi­cha­el Jack­son con­vi­dou Nick Sax­ton, que ha­via tra­ba­lha­do com o gru­po Mary Ja­ne Girls, pa­ra ser o pro­du­tor do cli­pe.

Ter­no anos 70, man­gas pu­xa­das até o co­to­ve­lo, o efei­to de tri­pli­ca­ção da ima­gem (de­vi­do ao uso do fun­do ver­de, o fa­mo­so ch­ro­ma key) e o sor­ri­so de Mi­cha­el mar­ca­ram o ví­deo. Além da sua es­pon­ta­nei­da­de pa­ra dan­çar, o que tor­na im­pos­sí­vel, ho­je, ou­vir a mú­si­ca e não se lem­brar das per­nas do can­tor des­li­zan­do de um la­do pa­ra o ou­tro em di­fe­ren­tes ce­ná­ri­os.

A pre­mi­e­re do cli­pe acon­te­ceu em ou­tu­bro de 1979, dois me­ses após o lan­ça­men­to de Off The Wall. O cli­pe foi exi­bi­do em pou­cas emis­so­ras, mas fez com que, pos­te­ri­or­men­te, mi­lha­res de có­pi­as do dis­co fos­sem ven­di­das.

Pa­ra di­vul­gar a fai­xa Rock With You, Mi­cha­el Jack­son gra­vou ou­tro vi­de­o­cli­pe (lan­ça­do em ja­nei­ro de 1980), des­sa vez com a di­re­ção de Bru­ce Gowers. O vi­su­al do can­tor e seu jei­to de dan­çar re­me­ti­am a era dis­co: sua rou­pa era cheia de glit­ter e lu­zes ver­des eram pro­je­ta­das no fun­do da ima­gem, cri­an­do di­fe­ren­tes for­mas e fa­zen­do re­fe­rên­cia ao psi­co­de­lis­mo.

Com efei­tos si­mi­la­res ao cli­pe de Rock With You, o ví­deo de She’s Out Of My Li­fe tra­zia Mi­cha­el Jack­son can­tan­do sen­ta­do em um ban­co com ilu­mi­na­ção ao fun­do. O cli­pe mos­tra­va a sen­si­bi­li­da­de de Mi­cha­el e se­gun­do ele mes­mo, o cho­ro du­ran­te a gra­va­ção foi com­ple­ta­men­te ver­da­dei­ro.

Fo­to da ca­pa

A ca­pa ofi­ci­al de Off The Wall tra­zia Mi­cha­el com um gran­de sor­ri­so, ves­tin­do um smo­king (ideia de seu em­pre­sá­rio na épo­ca, Ron Weis­ner) e usan­do mei­as bran­cas (su­ges­tão de Jack­son) que se tor­na­ram a mar­ca do can­tor. O ob­je­ti­vo era mos­trar o ar­tis­ta co­mo um adul­to, ma­du­ro e so­fis­ti­ca­do, cri­an­do uma ima­gem do can­tor pa­ra a car­rei­ra so­lo que se ini­ci­a­va.

Ste­ve Har­vey foi o fo­tó­gra­fo res­pon­sá­vel por re­tra­tar Mi­cha­el Jack­son na sua fa­mo­sa po­se de dan­ça. Já Mi­ke Sa­lis­bury, de­sig­ner e es­tra­te­gis­ta de mar­ke­ting, deu um to­que es­pe­ci­al a fo­to, apli­can­do um efei­to em su­as mei­as bran­cas, mos­tran­do que a ma­gia da dan­ça de Mi­cha­el co­me­ça­va nos pés.

Em ou­tra edi­ção do dis­co, a par­te uti­li­za­da da fo­to­gra­fia foi o tor­so de Mi­cha­el Jack­son. Mas pa­ra a di­vul­ga­ção do sin­gle Don’t Stop ‘Til You Get Enough, no­vas ca­pas fo­ram lan­ça­das. Ape­sar dis­so, as ver­sões das can­ções no vi­nil con­ti­nu­a­ram as mes­mas, ain­da com a pre­sen­ça de I Can’t Help It no la­do B.

Após o lan­ça­men­to de Th­ril­ler, a ca­pa do ál­bum Off The Wall foi al­te­ra­da nos Es­ta­dos Uni­dos. Ao in­vés de mos­trar o ros­to do can­tor com uma pa­re­de de ti­jo­los vermelhos ao fun­do, a ca­pa pas­sou a mos­trar so­men­te os pés de­le (com as mei­as bran­cas em des­ta­que) e a mes­ma pa­re­de ao fun­do. Es­sa ima­gem se tor­nou a ca­pa ofi­ci­al do dis­co em 2001, de­vi­do ao lan­ça­men­to da edi­ção es­pe­ci­al do ál­bum.

Pri­mei­ras ci­rur­gi­as

Em 1979, du­ran­te um en­saio (ain­da no gru­po de seus ir­mãos), Mi­cha­el le­vou um tom­bo en­quan­to exe­cu­ta­va um pas­so. Por con­ta des­se acidente, ele qu­e­brou o na­riz e foi obri­ga­do a ope­rá-lo, mas a sua pri­mei­ra ri­no­plas­tia não deu cer­to. Mi­cha­el re­cla­ma­va de pro­ble­mas res­pi­ra­tó­ri­os que afe­ta­vam o seu can­to, prin­ci­pal­men­te, qu­an­do pre­ci­sa­va al­can­çar as no­tas mais al­tas.

De­vi­do a es­se pro­ble­ma, ele foi sub­me­ti­do a uma se­gun­da ri­no­plas­tia. Des­sa vez, fei­ta pe­lo Dr. Ste­ven Ho­ef­flin, que se­ria o res­pon­sá­vel pe­las ope­ra­ções se­guin­tes do ar­tis­ta. As pri­mei­ras mu­dan­ças po­dem ser vis­tas na ca­pa do Off The Wall.

Mi­cha­el Jack­son e Quincy Jo­nes

Car­taz de The Wiz

Ál­bum Off the Wall

Se­gun­da ca­pa de Off the Wall

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.