Ca­mi­nhos pe­ri­go­sos

A tur­bu­len­ta era Dan­ge­rous: do céu ao in­fer­no

Tributo Edição Histórica Especial - Michael Jackson - - News - Tex­to: David Cin­tra De­sign: Nathá­lia Oliveira/co­la­bo­ra­do­ra

De­pois de uma dé­ca­da bri­lhan­te, os anos 90 co­me­ça­ram de­sa­fi­a­do­res pa­ra Mi­cha­el Jack­son. A ques­tão era: se­ria pos­sí­vel man­ter-se no to­po? Con­se­gui­ria fa­zer ál­buns no ní­vel de Off The Wall, Th­ril­ler e Bad? A res­pos­ta de Mi­cha­el pa­ra to­das as per­gun­tas foi Dan­ge­rous. Pri­mei­ro, o ál­bum, lan­ça­do em no­vem­bro de 1991, e, a se­guir, a me­ga­tur­nê mun­di­al, ini­ci­a­da em ju­nho de 1992. Até a ter­cei­ra par­te do gi­ro, tu­do ia às mil ma­ra­vi­lhas. No en­tan­to, em 1993, ain­da com a tour em an­da­men­to, uma bom­ba aba­la­ria sua car­rei­ra e to­dos os de­mais as­pec­tos de sua vi­da da­li em di­an­te. Acu­sa­do de abu­sar se­xu­al­men­te de cri­an­ças, seu emo­ci­o­nal fi­cou em pe­da­ços e vá­ri­os shows ti­ve­ram de ser can­ce­la­dos. Dan­ge­rous ca­mi­nha­va fir­me em di­re­ção à que­bra de to­dos os re­cor­des an­te­ri­o­res e, de uma ho­ra pa­ra ou­tra, tu­do pa­re­cia ir por água abai­xo. As fe­ri­das da­que­les tem­pos se mos­tra­ri­am di­fí­ceis de cu­rar e por mui­to tem­po, acre­di­tou-se que o rei­na­do de Mi­cha­el Jack­son ti­ves­se che­ga­do ao fim. Mas, an­tes, va­mos à par­te bri­lhan­te...

Di­vór­cio be­né­fi­co

Uma das pri­mei­ras de­ci­sões de Mi­cha­el em re­la­ção ao su­ces­sor de Bad foi tro­car a pro­du­ção de mãos. Quincy Jo­nes, com quem tra­ba­lha­va des­de Off The Wall, fi­cou de fo­ra. Pa­ra seu lu­gar, foi es­ca­la­do Teddy Ri­ley, na épo­ca um no­me as­cen­den­te no uni­ver­so do rap. Jack­son es­ta­va con­ven­ci­do de que pre­ci­sa­va aden­trar mais fir­me­men­te nes­se ter­ri­tó­rio se qui­ses­se fa­lar a lin­gua­gem dos anos 90. Ri­ley era co­nhe­ci­do co­mo um ex­po­en­te do “New Jack Swing”, es­ti­lo que mes­cla­va as ba­ti­das for­tes do hip-hop com as me­lo­di­as da soul mu­sic. A pro­du­ção do ál­bum te­ria ain­da par­ti­ci­pa­ções de­ci­si­vas do en­ge­nhei­ro de som Bru­ce Swe­di­en e do pro­du­tor Bill Bot­trell, além do pró­prio Mi­cha­el. As­sim, na­da fi­ca­ria cen­tra­li­za­do. A apos­ta foi cer­tei­ra e Dan­ge­rous ra­pi­da­men­te se tor­nou um dos ál­buns mais ven­di­dos lo­go após seu lan­ça­men­to.

Bom co­me­ço

Black Or Whi­te foi a fai­xa es­co­lhi­da pa­ra ser o pri­mei­ro sin­gle de Dan­ge­rous. Com uma le­tra an­tir­ra­cis­ta, na ver­da­de, um desabafo de Mi­cha­el so­bre tu­do o que se fa­la­va so­bre seu “branqueamento” na épo­ca, can­ta­da em ci­ma de uma ba­ti­da dan­çan­te e um riff de gui­tar­ra de hard rock, tor­nou-se uma das can­ções mais co­nhe­ci­das do ar­tis­ta e seu sin­gle de mai­or su­ces­so des­de Bil­lie Je­an. Na se­ma­na de lan­ça­men­to en­trou na 35ª po­si­ção da Bill­bo­ard, na se­guin­te, já era ter­cei­ro e na ou­tra, pri­mei­ro. Des­de Get Back, dos Be­a­tles, ne­nhu­ma mú­si­ca che­ga­ra tão rá­pi­do ao to­po. O fenô­me­no re­pe­tiu-se em ou­tros 20 paí­ses, tor­nan­do-se o sin­gle de rock mais ven­di­do dos anos 90, em que pe­se o fenô­me­no grun­ge ter mu­da­do o pa­no­ra­ma da mú­si­ca na­que­la dé­ca­da.

E is­so não foi me­ro aca­so. Mi­cha­el e o pro­du­tor Bill Bot­trell ha­vi­am tra­ba­lha­do nes­sa mú­si­ca por cer­ca de

dois anos. Ou­tro fa­to que im­pul­si­o­nou tan­to as ven­das do sin­gle co­mo do ál­bum foi o vi­de­o­cli­pe de Black Or Whi­te, con­si­de­ra­do o mais po­lê­mi­co de to­da sua car­rei­ra. Com di­re­ção de John Lan­dis, o mes­mo de Th­ril­ler,e par­ti­ci­pa­ções de Ma­cau­lay Cul­kin e da ex-mo­de­lo, apre­sen­ta­do­ra de te­vê e atriz Ty­ra Banks, na épo­ca ain­da des­co­nhe­ci­da, o fil­me de dez mi­nu­tos es­tre­ou si­mul­ta­ne­a­men­te em 27 paí­ses. Es­ti­ma-se que meio bi­lhão de pes­so­as te­nham vis­to a es­treia, até ho­je con­si­de­ra­da a mai­or au­di­ên­cia pa­ra um vi­de­o­cli­pe.

Cu­ri­o­si­da­de

A gui­tar­ra mar­can­te de Black Or Whi­te, na gra­va­ção ori­gi­nal, foi to­ca­da pe­lo pro­du­tor Bill Bot­trell (in­tro­du­ção) e o mú­si­co de es­tú­dio Tim Pi­er­ce, que fez a par­te “he­avy me­tal”. Mui­tos cre­di­tam a Slash a gra­va­ção ori­gi­nal, por­que o gui­tar­ris­ta do Guns N’Ro­ses par­ti­ci­pou de vá­ri­os shows de Mi­cha­el Jack­son – aí, sim, dan­do sua con­tri­bui­ção – e apa­re­ce nas ce­nas ini­ci­ais do vi­de­o­cli­pe da can­ção.

Mi­cha­el & Ma­cauly

A par­ti­ci­pa­ção de Ma­cau­lay Cul­kin no ví­deo de Black Or Whi­te re­sul­tou da ami­za­de en­tre o ator e Mi­cha­el Jack­son, ini­ci­a­da por vol­ta de 1990. Na épo­ca, com dez anos de ida­de e fa­mo­so por seu pa­pel no fil­me Es­que­ce­ram de Mim, Ma­cau­lay foi con­vi­da­do por Mi­cha­el pa­ra co­nhe­cer o ran­cho Ne­ver­land e os dois tor­na­ram-se gran­des ami­gos. A ami­za­de, po­rém, foi vis­ta com des­con­fi­an­ça de­pois das de­nún­ci­as de abu­so se­xu­al so­fri­das por Mi­cha­el. Du­ran­te o jul­ga­men­to, anos de­pois, o pe­que­no ator foi cha­ma­do pa­ra de­por so­bre o com­por­ta­men­to do ami­go e ne­gou ter si­do mo­les­ta­do ou mes­mo qual­quer ati­tu­de que pu­des­se su­ge­rir re­la­ções se­xu­ais en­tre ele e Mi­cha­el. Ma­cau­lay dis­se, in­clu­si­ve, que com­par­ti­lhou a ca­ma com Mi­cha­el, mas tu­do na ba­se da ami­za­de, sem qual­quer ma­lí­cia. Ma­cau­lay é pa­dri­nho de Prin­ce e Pa­ris Jack­son, fi­lhos do can­tor.

Su­bin­do

A mi­li­o­ná­ria Dan­ge­rous

Tour co­me­çou no dia 27 de ju­nho de 1992, no es­tá­dio Olím­pi­co de Mu­ni­que, Ale­ma­nha. Um show de efei­tos es­pe­ci­ais que en­can­ta­va o pú­bli­co do pri­mei­ro ao úl­ti­mo mi­nu­to. O es­pe­tá­cu­lo in­cluía di­ver­sos tru­ques or­ques­tra­dos pe­lo má­gi­co e ilu­si­o­nis­ta David Cop­per­fi­eld (ve­ja em bit. ly/1iBgzIz). A pri­mei­ra par­te da tur­nê du­rou até 31 de de­zem­bro e con­tou com 45 apre­sen­ta­ções em 15 paí­ses eu­ro­peus e no Ja­pão.

No fi­nal de ja­nei­ro de 1993, par­te da es­tru­tu­ra de Dan­ge­rous foi apre­sen­ta­da pa­ra os EUA du­ran­te o in­ter­va­lo do 27º Su­per­bo­wl, a de­ci­são do cam­pe­o­na­to ame­ri­ca­no de fu­te­bol, dis­pu­ta­da en­tre os ti­mes do Buf­fa­lo Bills e do Dal­las Cow­boys, no Ro­se Bo­wl em Pa­sa­de­na. Em­bo­ra não te­nha si­do uma apre­sen­ta­ção pro­gra­ma­da co­mo par­te do gi­ro pro­pri­a­men­te di­to, aca­bou im­pul­si­o­nan­do ain­da mais as ven­das do ál­bum. Fo­ram ape­nas qua­tro mú­si­cas (Jam, Bil­lie Je­an, Black Or Whi­te e He­al The World), mas o su­fi­ci­en­te pa­ra mos­trar ao pú­bli­co de qua­se 100 mil pes­so­as que o Rei do

Pop es­ta­va em for­ma. Cu­ri­o­sa­men­te, es­sa aca­ba­ria se tor­nan­do a úni­ca apre­sen­ta­ção de Dan­ge­rous nos EUA.

Des­cen­do

Des­de qu­an­do in­gres­sou no show­bu­si­ness, aos cin­co anos de ida­de, Mi­cha­el tra­ça­ra uma li­nha as­cen­den­te na car­rei­ra. Ape­sar de

Bad não ter si­do acla­ma­do co­mo

Th­ril­ler, al­go to­tal­men­te com­pre­en­sí­vel,

Dan­ge­rous, em que pe­se os nú­me­ros po­si­ti­vos, foi o pri­mei­ro si­nal de que al­go não ia bem. Ape­sar de to­dos os shows te­rem in­gres­sos es­go­ta­dos, as coi­sas não fo­ram tão tran­qui­las co­mo pa­re­ce, pois a saú­de de Mi­cha­el já da­va si­nais de aler­ta. A pri­mei­ra par­te do gi­ro ti­nha 42 shows pro­gra­ma­dos, mas cin­co aca­ba­ram can­ce­la­dos. De­pois de des­can­sar por mais de dois me­ses, Mi­cha­el fe­chou a pri­mei­ra eta­pa com oi­to apre­sen­ta­ções no Tó­quio Do­me, to­das com in­gres­sos es­go­ta­dos me­ses an­tes.

Mas tu­do se com­pli­cou mes­mo em se­tem­bro de 1993, com a se­gun­da par­te da tur­nê mun­di­al em an­da­men­to, qu­an­do Mi­cha­el Jack­son foi acu­sa­do por Evan Chan­dler de ter mo­les­ta­do seu fi­lho Jor­die, en­tão com 13 anos de ida­de, e a po­lí­cia abriu uma in­ves­ti­ga­ção. A de­nún­cia se tor­nou pú­bli­ca e o as­tro foi à te­le­vi­são afir­mar sua ino­cên­cia. Mes­mo afir­man­do ter ape­nas uma re­la­ção de “ami­za­de cós­mi­ca” com Jor­die e de ja­mais tê-lo to­ca­do de ma­nei­ra sen­su­al, Mi­cha­el aca­bou fa­zen­do um acor­do mi­li­o­ná­rio com a fa­mí­lia Chan­dler e as acu­sa­ções fo­ram re­ti­ra­das. O pró­prio ga­ro­to se re­cu­sa­ra a de­por na po­lí­cia e ha­via mui­tas dú­vi­das so­bre o ca­so. An­tes mes­mo de fa­zer a de­nún­cia, o pai de Jor­die ha­via pro­cu­ra­do Mi­cha­el pro­pon­do que o can­tor fi­nan­ci­as­se a pro­du­ção de três fil­mes as­si­na­dos por ele – Evan so­nha­va em ser um as­tro de Hollywo­od. A úni­ca cer­te­za era de que a ima­gem de Jack­son já es­ta­va ir­re­me­di­a­vel­men­te ar­ra­nha­da e sua vi­da vi­ra­da do aves­so. A ter­cei­ra par­te da tur­nê Dan­ge­rous aca­ba­ria can­ce­la­da, abor­tan­do aque­la que ti­nha tu­do pa­ra ser a mais lu­cra­ti­va da his­tó­ria até en­tão.

Ca­sa­men­to re­al

Mi­cha­el Jack­son e Li­sa Ma­rie Presley cru­za­ram ca­mi­nhos pe­la pri­mei­ra vez em 1974. Ain­da com seis anos de ida­de, a fi­lha do rei do Rock era fã do Jack­son 5 e o pai a le­vou pa­ra ver um show dos ga­ro­tos. De­pois dis­so, vol­ta­ri­am a se en­con­trar em 1993 e, pa­ra sur­pre­sa de to­dos, lo­go es­ta­ri­am ca­sa­dos. Mais sur­pre­en­den­te ain­da era o fa­to de que Li­sa ha­via se di­vor­ci­a­do há ape­nas 20 di­as do mú­si­co Danny Ke­ough, com o qual ti­ve­ra dois fi­lhos: Danielle Ri­ley, en­tão com cin­co anos, e Ben­ja­min Storm, nascido na­que­le ano. Ime­di­a­ta­men­te sur­gi­ram bo­a­tos de que o ca­sa­men­to era ape­nas de fa­cha­da, em uma ten­ta­ti­va de­ses­pe­ra­da de Mi­cha­el pa­ra lim­par a sua ima­gem, al­go que am­bos sem­pre ne­ga­ram.

As des­con­fi­an­ças eram ba­se­a­das nas afi­ni­da­des pe­lo es­ti­lo de vi­da que ti­ve­ram na in­fân­cia, afas­ta­dos da “vi­da nor­mal” e mui­to pró­xi­mos de to­das as ar­ma­di­lhas da fa­ma. Pa­ra ela, Mi­cha­el ser­vi­ria ain­da co­mo re­fe­rên­cia mu­si­cal, uma vez que ela se sen­tia in­se­gu­ra quan­to a seu ta­len­to, de­vi­do ao me­do das com­pa­ra­ções com o pai. Pa­ra ele, na fa­se mais agu­da do es­cân­da­lo cau­sa­do pe­las acu­sa­ções de Evan Chan­dler, Li­sa se­ria um por­to se­gu­ro emo­ci­o­nal, al­guém com quem po­de­ria se iso­lar dos pro­ble­mas emo­ci­o­nais, ju­rí­di­cos e fí­si­cos que co­me­ça­vam a in­ter­fe­rir em sua car­rei­ra.

No en­tan­to, pu­bli­ca­men­te o ca­sal jus­ti­fi­ca­va a ce­rimô­nia se­cre­ta, re­a­li­za­da no dia 26 de maio de 1994, na Re­pú­bli­ca Do­mi­ni­ca­na, co­mo uma ma­nei­ra de pre­ser­va­rem a pri­va­ci­da­de. Até mes­mo fa­mi­li­a­res só sou­be­ram da união via im­pren­sa, di­as de­pois de con­su­ma­da. Da mes­ma ma­nei­ra, em ja­nei­ro de 1996, anun­ci­a­ram o di­vór­cio.

Tem­pes­ta­de e cal­ma­ria

Li­sa ain­da se ca­sa­ria com o ator Ni­co­las Ca­ge, em 2002, do qual tam­bém se se­pa­ra­ria três me­ses de­pois. Por fim, em 2006, ela che­gou ao quar­to ca­sa­men­to, des­ta vez, com o mú­si­co Mi­cha­el Lockwo­od, com quem te­ve as gê­me­as Har­per e Fin­ley, em 2009. O ca­sal se­gue uni­do e ele é o gui­tar­ris­ta do ál­bum Storm & Gra­ce, lan­ça­do por Li­sa em 2012.

Ál­bum Dan­ge­rous

Mi­cha­el e Ma­cauly, jun­tos, no cli­pe de Black Or Whi­te

Mi­cha­el Jack­son e Li­sa Ma­rie Presley

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.