Mui­ta his­tó­ria pa­ra con­tar

O gi­gan­tis­mo e as polêmicas do ál­bum e da me­ga tur­nê HIS­tory

Tributo Edição Histórica Especial - Michael Jackson - - News - Tex­to: David Cin­tra De­sign: Nathá­lia Oliveira/co­la­bo­ra­do­ra

Qu­an­do HIS­tory: Past, Pre­sent and Fu­tu­re – Bo­ok I foi lan­ça­do, em 1995, Mi­cha­el Jack­son ten­ta­va se re­cu­pe­rar do des­gas­te cau­sa­do pe­las acu­sa­ções de abu­so se­xu­al. O ál­bum du­plo, com­pos­to por um dis­co de re­mi­xes de gran­des su­ces­sos (HIS­tory Be­gins) e ou­tro de ma­te­ri­al iné­di­to (HIS­tory Con­ti­nu­es) ain­da é con­si­de­ra­do o mais pes­so­al de to­da sua obra. Na ver­da­de, é um be­lo desabafo con­tra as in­jus­ti­ças que Mi­cha­el ha­via so­fri­do. O pre­jul­ga­men­to da mí­dia sen­sa­ci­o­na­lis­ta ha­via ar­ra­nha­do sua ima­gem e ele ne­ces­si­ta­va gri­tar con­tra is­so, co­mo o faz em Scre­am, can­ção em que faz par­ce­ria com a ir­mã Ja­net e foi o pri­mei­ro sin­gle do ál­bum. Em al­gu­mas le­tras, ele che­ga a ser qua­se ex­plí­ci­to, co­mo em D.S., na qual cria um per­so­na­gem fic­tí­cio cha­ma­do Dom Shel­don, que soa qua­se co­mo “Tom Sned­don”, o pro­mo­tor que con­du­ziu o pro­ces­so con­tra ele. Childho­od é au­to­bi­o­grá­fi­ca, so­bre a in­fân­cia per­di­da que ele “nun­ca co­nhe­ceu”, mas tam­bém um pe­di­do de com­pai­xão e a amor pe­las cri­an­ças (às quais o ál­bum é de­di­ca­do).

Em uma das pá­gi­nas, ele as­si­na a se­guin­te de­cla­ra­ção (em tra­du­ção li­vre): “Pa­ra ho­me­na­ge­ar as cri­an­ças do mun­do, eu me com­pro­me­to a man­ter a pro­mes­sa de aju­dar os do­en­tes e mo­ri­bun­dos, os solitários, sem ca­sa e fa­min­tos, com a cons­tru­ção de hos­pi­tais e or­fa­na­tos pa­ra cri­an­ças em to­dos os can­tos ca­ren­tes do mun­do”. Pro­vo­can­te, no mí­ni­mo.

Ho­je sa­be-se que as acu­sa­ções eram fal­sas, mas, por ter acei­ta­do um acor­do com a fa­mí­lia Chan­dler, ha­via mui­ta des­con­fi­an­ça con­tra o as­tro e ele sen­tia is­so, in­clu­si­ve com uma que­da de po­pu­la­ri­da­de que ja­mais ex­pe­ri­men­ta­ra an­tes. Pa­ra mui­tos crí­ti­cos, nas can­ções no­vas de HIS­tory, Mi­cha­el já não so­a­va com o mes­mo bri­lhan­tis­mo e ge­ni­a­li­da­de de ál­buns an­te­ri­o­res jus­ta­men­te por con­ta de sua pre­o­cu­pa­ção em mos­trar sua ino­cên­cia. Ou­tros viram um cul­to exa­ge­ra­do à per­so­na­li­da­de, um exer­cí­cio ex­tre­mo de au­to­pro­mo­ção, que es­ta­ria evi­den­ci­a­do nos de­poi­men­tos de Eli­za­beth Tay­lor, Jac­que­li­ne Ken­nedy Onas­sis e Ste­ven Spi­el­berg lo­go nas pri­mei­ras pá­gi­nas do en­car­te que acom­pa­nha o CD.

Por ou­tro la­do, pa­ra o pú­bli­co na­da dis­so pa­re­cia im­por­tar tan­to, pois HIS­tory não de­mo­rou a che­gar ao pri­mei­ro lu­gar na Bill­bo­ard e man­te­ve nú­me­ros pró­xi­mos aos de Bad e Dan­ge­rous qu­an­do fo­ram lan­ça­dos. Atu­al­men­te, cal­cu­la-se que te­nham si­do ven­di­das mais de 20 mi­lhões de có­pi­as de HIS­tory. A di­fe­ren­ça é que se tra­ta­va de um ál­bum du­plo. O se­gun­do sin­gle do ál­bum foi You’re Not Alo­ne, uma can­ção épi­ca em rit­mo len­to em que Mi­cha­el pa­re­ce can­tar do fun­do da al­ma e que en­trou di­re­to co­mo nú­me­ro um em vá­ri­os paí­ses, fei­to re­gis­tra­do no Guin­ness World Re­cords. É um dos mai­o­res su­ces­sos do rei. Ou se­ja, em­bo­ra a crí­ti­ca não te­nha si­do mui­to re­cep­ti­va à mai­o­ria das no­vas can­ções (al­gu­mas cla­ra­men­te um ata­que à im­pren­sa), Mi­cha­el mos­trou seu po­der de fo­go e lo­go es­sa fa­se se­ria vis­ta co­mo o “pri­mei­ro re­nas­ci­men­to” do as­tro.

Gi­gan­tis­mo

Em par­te, o su­ces­so de HIS­tory po­de ser cre­di­ta­do tam­bém aos al­tos in­ves­ti­men­tos em sua pro­mo­ção e di­vul­ga­ção, na qual te­ri­am si­do gas­tos pe­lo me­nos 30 mi­lhões de dó­la­res. Em uma das eta­pas, a Sony man­dou cons­truir no­ve es­tá­tu­as de Mi­cha­el, tal co­mo ele apa­re­ce na ca­pa do ál­bum, em tra­jes mi­li­ta­res, co­mo se es­ti­ves­se em gu­er­ra (e es­ta­va!). As es­tá­tu­as gi­gan­tes, de cer­ca de no­ve me­tros de al­tu­ra, fo­ram co­lo­ca­das es­tra­te­gi­ca­men­te em gran­des ci­da­des eu­ro­pei­as que re­ce­be­ri­am os shows de uma me­ga­tur­nê mun­di­al, re­a­li­za­da em du­as eta­pas, com 82 apre­sen­ta­ções em 58 ci­da­des de 35 paí­ses em cin­co con­ti­nen­tes. Com pú­bli­co es­ti­ma­do em 4,5 mi­lhões de pes­so­as, ba­teu o re­cor­de de Bad, mais uma vez com­pro­van­do a po­pu­la­ri­da­de do ído­lo, em que pe­se a ne­ga­ti­vi­da­de da mí­dia em re­la­ção ao ál­bum e à sua vi­da pri­va­da. Mais de 90% dos shows ti­ve­ram in­gres­sos es­go­ta­dos.

O vi­de­o­cli­pe de Scre­am tam­bém re­ce­beu aten­ção es­pe­ci­al, com gas­tos na ca­sa de se­te mi­lhões de dó­la­res e até ho­je é con­si­de­ra­do o mais ca­ro da his­tó­ria. Em va­lo­res atu­ais ul­tra­pas­sa­ria a ca­sa dos dez mi­lhões e re­pre­sen­ta mais que o tri­plo gas­to em Bad e se­te ve­zes o va­lor de Th­ril­ler!

A qua­li­da­de mu­si­cal de HIS­tory ja­mais de­ve ser des­pre­za­da, afi­nal “Jac­ko” reu­niu um ti­me e tan­to de pro­du­to­res e mú­si­cos, além de

co­la­bo­ra­do­res es­pe­ci­ais co­mo o jo­ga­dor de basquete Sha­quil­le O’Neill, o rap­per No­to­ri­ous B.I.G (fa­le­ci­do em 1997), o gru­po Boyz II Men e, de no­vo, o gui­tar­ris­ta Slash. No en­tan­to, a mai­o­ria dos crí­ti­cos mu­si­cais da épo­ca ti­nham res­sal­vas. Mui­tos acre­di­ta­vam até que se as 15 mú­si­cas iné­di­tas ti­ves­sem si­do lan­ça­das sem o apoio dos 15 me­ga­su­ces­sos re­mi­xa­dos do dis­co 1, tal­vez não pu­des­sem sus­ten­tar as bo­as ven­das. Mas Scre­am, They Don’t Ca­re About Us e You Are Not Alo­ne es­tão en­tre os mai­o­res hits de Mi­cha­el e, com cer­te­za, pou­cos ar­tis­tas no mun­do não se con­ten­ta­ri­am ape­nas com um de­les em seu cur­rí­cu­lo. Um ou­tro fa­tor bas­tan­te cri­ti­ca­do, es­te em re­la­ção à tur­nê, é que o can­tor te­ria du­bla­do a mai­or par­te das mú­si­cas nas apre­sen­ta­ções.

Polêmicas

Uma das fai­xas mais to­ca­das e co­nhe­ci­das da car­rei­ra de Mi­cha­el, They Don’t Ca­re About Us, foi pivô das du­as mai­o­res polêmicas em tor­no de HIS­tory. Com uma le­tra agres­si­va, não se­ria de es­tra­nhar que al­guém pu­des­se se sen­tir ofen­di­do e, mal o ál­bum co­me­çou a cir­cu­lar, Mi­cha­el se­ria acu­sa­do de an­tis­se­mi­tis­mo por usar os ter­mos jew e ki­ke, nor­mal­men­te em­pre­ga­dos de ma­nei­ra pe­jo­ra­ti­va pa­ra fa­zer re­fe­rên­cia aos ju­deus. Ob­vi­a­men­te a can­ção foi mal in­ter­pre­ta­da e Mi­cha­el tra­tou de se de­fen­der em pú­bli­co, afir­man­do que a can­ção pre­ga­va exa­ta­men­te o con­trá­rio. De fa­to, They Don’t Ca­re About Us é um gri­to con­tra os pre­juí­zos so­ci­ais do pre­con­cei­to. Mes­mo as­sim, re­sol­veu ce­der e, em uma ope­ra­ção mi­li­o­ná­ria, man­dou re­co­lher to­das as có­pi­as do ál­bum que ain­da não ha­vi­am si­do ven­di­das, re­gra­vou a fai­xa com pa­la­vras di­fe­ren­tes (do me, no lu­gar de jew me e stri­ke me, ao in­vés de ki­ke me).

Mas foi só o co­me­ço. O vi­de­o­cli­pe cau­sa­ria ain­da mais re­bu­li­ço e aca­bou com du­as ver­sões. A mais fa­mo­sa foi gra­va­da no Bra­sil, após o po­lê­mi­co acor­do do di­re­tor Spi­ke Lee com os tra­fi­can­tes do Mor­ro Do­na Mar­ta pa­ra po­der fil­mar tran­qui­la­men­te na co­mu­ni­da­de. A po­lí­cia bra­si­lei­ra não gos­tou nem um pou­co, pois a ati­tu­de mos­tra­va o po­der dos tra­fi­can­tes e to­da sua ine­fi­ci­ên­cia pa­ra ofe­re­cer uma pro­te­ção ade­qua­da aos in­te­gran­tes da nu­me­ro­sa equi­pe e ao pró­prio Mi­cha­el. A ou­tra ver­são, que fi­ca­ria co­nhe­ci­da co­mo a “da pri­são”, te­ria si­do gra­va­da em um pre­sí­dio dos EUA e con­tém al­gu­mas ce­nas de vi­o­lên­ci­as além de mos­trar um Mi­cha­el fu­ri­o­so, que­bran­do coi­sas. A MTV nor­te-ame­ri­ca­na de­ci­diu ve­tá-lo, en­quan­to o ca­nal VH1 li­be­rou o ví­deo ape­nas em ho­rá­ri­os es­pe­ci­ais, após as 21h.

A que­da nas pis­tas de dan­ça

Em­bo­ra as ven­das de HIS­tory não te­nham si­do de­cep­ci­o­nan­tes, fren­te ao enor­me in­ves­ti­men­to re­a­li­za­do, os nú­me­ros não en­tu­si­as­ma­ram, o que le­vou Mi­cha­el a ten­tar apro­vei­tar um pou­co mais o ma­te­ri­al que ti­nha em

mãos e jul­ga­va ter po­ten­ci­al pa­ra uma res­pos­ta mais ca­lo­ro­sa do pú­bli­co. As­sim, re­mi­xou oi­to fai­xas de HIS­tory e gra­vou mais cin­co pa­ra com­por Blo­od On The Dan­ce Flo­or: His­tory In The Mix, ál­bum lan­ça­do em maio de 1997. No en­tan­to, a ideia mos­trou-se equi­vo­ca­da, uma vez que as no­vas mú­si­cas es­ta­vam lon­ge da ge­ni­a­li­da­de e do vi­gor do mai­or no­me da mú­si­ca pop dos anos 70 e 80. O ál­bum aca­bou se tor­nan­do seu pri­mei­ro gran­de fra­cas­so de ven­das: ja­mais ul­tra­pas­sou a 24ª po­si­ção na Bill­bo­ard e as fai­xas iné­di­tas fo­ram con­si­de­ra­das as mais fra­cas de to­da a car­rei­ra de Mi­cha­el. A pró­pria fai­xa que deu tí­tu­lo ao ál­bum soa co­mo uma re­lei­tu­ra po­bre de Jam e Scre­am.

Nem a apos­ta em um vi­de­o­cli­pe épi­co, de Ghosts, com seus 35 mi­nu­tos e o tí­tu­lo de vi­de­o­cli­pe mais lon­go da his­tó­ria, com ro­tei­ro ela­bo­ra­do pe­lo es­cri­tor Stephen King, au­tor de obras que se tor­na­ram gran­des fil­mes de ter­ror co­mo Car­rie, a Es­tra­nha,O Ilu­mi­na­do e Ch­ris­ti­ne. Ha­ve­ria o Rei do Pop es­go­ta­do to­do seu ar­se­nal? A con­tur­ba­da vi­da pes­so­al de Mi­cha­el en­fim da­va si­nais de que po­de­ria aca­bar com sua in­crí­vel car­rei­ra ar­tís­ti­ca? Ao que tu­do in­di­ca­va, sim.

Ca­só­rio sur­pre­sa

A ami­za­de de Mi­cha­el Jack­son com Deb­bie Rowe co­me­çou no iní­cio dos anos 80, qu­an­do o as­tro pro­cu­rou tra­ta­men­to pa­ra vi­ti­li­go na clí­ni­ca der­ma­to­ló­gi­ca em que ela tra­ba­lha­va co­mo en­fer­mei­ra. So­lí­ci­ta e sem­pre a dis­po­si­ção pa­ra es­cla­re­cer as dú­vi­das de Mi­cha­el em re­la­ção ao tra­ta­men­to, não de­mo­rou pa­ra que se tor­nas­sem gran­des ami­gos. Mas a pro­xi­mi­da­de não in­cluía intimidades. Mes­mo as­sim, pa­ra sur­pre­sa de to­dos, dez me­ses após o fim de seu ca­sa­men­to com Li­sa Ma­rie, Mi­cha­el anun­ci­ou que se ca­sa­ria com Deb­bie, o que acon­te­ceu em 13 de no­vem­bro de 1996. Em fe­ve­rei­ro de 1997, nas­ce Prin­ce Mi­cha­el Jack­son I, que se­ria o pri­mei­ro fi­lho do ca­sal. No en­tan­to, não de­mo­rou pa­ra va­zar a in­for­ma­ção de que, na ver­da­de, Deb­bie ha­via fei­to in­se­mi­na­ção ar­ti­fi­ci­al. Ini­ci­al­men­te, a his­tó­ria é de que os dois ha­vi­am ten­ta­do fa­zer a cri­an­ça pe­las vi­as na­tu­rais, mas co­mo não con­se­guia en­gra­vi­dar con­cor­dou em fa­zer o pro­ce­di­men­to no Los An­ge­les Fer­ti­lity Ins­ti­tu­te. Anos de­pois, Rowe re­ve­la­ria que ela e Mi­cha­el ja­mais fi­ze­ram se­xo. O fa­to é que ela acei­tou ser a mãe dos fi­lhos de Mi­cha­el e ain­da ge­ra­ria ou­tra cri­an­ça: Pa­ris Mi­cha­el Kathe­ri­ne Jack­son, nas­ci­da em 3 de abril de 1998. Tec­ni­ca­men­te, Deb­bie foi ape­nas uma bar­ri­ga pa­ra ge­rar os fi­lhos de­se­ja­dos pe­lo as­tro, mas a ami­za­de en­tre os dois tal­vez se­ja mai­or do que qual­quer pre­con­cei­to que tal si­tu­a­ção pos­sa ge­rar e até do que o amor en­tre mui­tos ca­sais. Por ou­tro la­do, ela nun­ca se viu li­vre de acu­sa­ções de ter agi­do ape­nas por di­nhei­ro, al­go que sem­pre ne­gou. Ela sus­ten­ta que tu­do o que fez foi pe­la ami­za­de com Mi­cha­el e que os dois fir­ma­ram um acor­do pré­nup­ci­al, uma vez que, co­mo ela mes­mo ad­mi­tiu, não ti­nha a me­nor vo­ca­ção pa­ra a ma­ter­ni­da­de. As­sim, qu­an­do se di­vor­ci­a­ram a guar­da das cri­an­ças fi­cou in­tei­ra­men­te com Jack­son.

Ál­bum HIS­tory

Uma das es­tá­tu­as pa­ra pro­mo­ver o ál­bum HIS­tory

Ce­na do cli­pe Scre­am

Ce­na do cli­pe Ghosts

Ce­na do cli­pe They Don’t Ca­re About Us, ver­são “da pri­são”

Apre­sen­ta­ção no MTV Mu­sic Awards

Mi­cha­el e Deb­bie

Ál­bum Blo­od on The Dan­ce Flo­or

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.