Mi­cha­el Jack­son: in­ven­cí­vel

A vol­ta do Rei do Pop e os pro­ble­mas com a Sony

Tributo Edição Histórica Especial - Michael Jackson - - News - Tex­to: Ka­ri­na Alon­so/co­la­bo­ra­do­ra De­sign: Nathá­lia Oliveira/co­la­bo­ra­do­ra

Após fi­car seis anos sem lan­çar mú­si­cas iné­di­tas, as ex­pec­ta­ti­vas eram gran­des, o que re­sul­tou no mis­to de crí­ti­cas po­si­ti­vas e ne­ga­ti­vas so­bre o no­vo ál­bum. Mi­cha­el Jack­son acre­di­ta­va que, com o no­vo mi­lê­nio, sua car­rei­ra des­lan­cha­ria no­va­men­te che­gan­do a, quem sa­be, al­can­çar de no­vo o su­ces­so dos anos 80. Com mais tem­po pa­ra pro­du­zir, ele re­sol­veu apos­tar nas ba­la­das, que não fa­zi­am par­te de seus ál­buns des­de 1987. Des­sa vez, os te­mas va­ri­a­vam des­de sua pri­va­ci­da­de, seus fi­lhos e até so­bre o amor, des­sa vez, não mais ide­a­li­za­do.

O dis­co

In­vin­ci­ble, o dé­ci­mo ál­bum de es­tú­dio e o úl­ti­mo pe­la Epic Re­cords, pas­sou por qua­tro anos de pro­du­ção e cus­tou cer­ca de trin­ta mi­lhões de dó­la­res, con­si­de­ra­do o mais ca­ro da his­tó­ria. Das de­zes­seis mú­si­cas pre­sen­tes, qua­tor­ze fo­ram es­cri­tas ou co-es­cri­tas por Mi­cha­el.

Os dis­cos do can­tor têm a tra­di­ção de co­me­ça­rem com uma mú­si­ca mar­can­te, que cos­tu­ma se tor­nar hit. Un­bre­a­ka­ble era a es­co­lhi­da de Mi­cha­el pa­ra ser lan­ça­da co­mo o pri­mei­ro sin­gle e, se fi­zes­sem um vi­de­o­cli­pe, te­ria a di­re­ção de Ge­or­ge Lu­cas, co­nhe­ci­do di­re­tor de Star Wars. A mú­si­ca fa­la so­bre seus pro­ble­mas le­gais e que, após to­das as acu­sa­ções, ele es­ta­ria mais for­te. A fai­xa ain­da con­ta com a par­ti­ci­pa­ção pós­tu­ma do rap­per No­to­ri­ous B.I.G.

Até en­tão, Mi­cha­el nun­ca ha­via tra­ta­do so­bre amor de uma ma­nei­ra tão ex­plí­ci­ta e car­nal. Em He­art­bre­a­ker, o can­tor fa­la so­bre uma mu­lher que não o qu­er e tem co­mo pro­pó­si­to que­brar o co­ra­ção dos ho­mens, in­clu­si­ve o de­le. Ain­da fa­lan­do so­bre o mes­mo te­ma, a mú­si­ca que deu no­me ao dis­co, In­vin­ci­ble, fa­la so­bre uma mu­lher ina­tin­gí­vel, e Break of Dawn é ain­da mais ex­plí­ci­ta. He­a­ven Can Wait vol­ta um pou­co pa­ra a ide­a­li­za­ção amo­ro­sa, em que Mi­cha­el afir­ma se re­cu­sar a dei­xar a ama­da so­zi­nha e que o céu po­de es­pe­rar.

O pri­mei­ro sin­gle a ser lan­ça­do foi You Rock My World, após o áu­dio da mú­si­ca va­zar ile­gal­men­te pa­ra as emis­so­ras de rá­dio an­tes do lan­ça­men­to ofi­ci­al. Pa­ra a di­vul­ga­ção, a Sony uti­li­zou uma tec­no­lo­gia na pro­du­ção da mí­dia que im­pe­di­ria a có­pia da mú­si­ca, fa­zen­do com que o CD não con­se­guis­se ser re­pro­du­zi­do em dis­po­si­ti­vos de CD-ROM.

A mú­si­ca ain­da ren­deu o pri­mei­ro vi­de­o­cli­pe do ál­bum, es­cri­to por Mi­cha­el Jack­son e Paul Hun­ter e fil­ma­do co­mo um pe­que­no fil­me, com 15 mi­nu­tos de du­ra­ção. No ví­deo, Mi­cha­el e o ator Chris Tuc­ker ten­tam con­quis­tar a mes­ma mu­lher, in­ter­pre­ta­da por Kishaya Du­dley, e a per­se­guem por uma bo­a­te.

O se­gun­do sin­gle do ál­bum, lan­ça­do na Eu­ro­pa, Ásia e Oce­a­nia, foi Cry, es­cri­ta por R. Kelly, que ain­da fez o bac­king vo­cal du­ran­te a gra­va­ção. Com cu­nho so­ci­al, a can­ção fa­la so­bre os pro­ble­mas do mun­do, co­mo gu­er­ra, de­pres­são e so­li­dão, e co­mo to­das as pes­so­as de­ve­ri­am tra­ba­lhar jun­tos pa­ra re­sol­vê-los.

Um vi­de­o­cli­pe de Cry tam­bém foi lan­ça­do, mas sem a par­ti­ci­pa­ção de Mi­cha­el Jack­son, por cau­sa dos pro­ble­mas que ele es­ta­va pas­san­do com a gra­va­do­ra. As fil­ma­gens, di­ri­gi­das por Nick Brandt, fo­ram fei­tas em vá­ri­os lu­ga­res, co­mo Squaw Val­ley, Ma­re Is­land Bridge, San Fran­cis­co e a Flo­res­ta Na­ci­o­nal de Redwo­od, com pes­so­as de mãos da­das, sim­bo­li­zan­do o es­pí­ri­to de união.

O te­ma amo­ro­so vol­ta em

But­ter­fli­es, em que o can­tor afir­ma que, qu­an­do pen­sa na ama­da, fi­ca com a sen­sa­ção de que tem bor­bo­le­tas no estô­ma­go. A au­to­ria da can­ção é de Marsha Am­bro­sius, da du­pla Flo­e­try, que fez o bac­king vo­cal na gra­va­ção, e do pro­du­tor mu­si­cal An­dre Har­ris. A mú­si­ca foi lan­ça­da dos Es­ta­dos Uni­dos co­mo o ter­cei­ro sin­gle do ál­bum.

Mi­cha­el ain­da compôs uma can­ção pa­ra os fi­lhos, cha­ma­da

Spe­e­ch­less, após brin­car com eles em seu ran­cho, Ne­ver­land. Além de ser uma de­cla­ra­ção de amor pa­ra eles, o can­tor tam­bém agra­de­ce a Deus por tê-los por per­to.

Em 2000 Watts, a gra­va­ção da voz de Mi­cha­el foi fei­ta com um efei­to mais gra­ve, pro­ces­sa­da por re­cur­sos tec­no­ló­gi­cos, dei­xan­do-a com­ple­ta­men­te dis­tor­ci­da. Com uma in­tro­du­ção fu­tu­ris­ta, apresenta uma ba­ti­da to­tal­men­te di­fe­ren­te do que tu­do o que já ha­via si­do pro­du­zi­do por ele.

A te­má­ti­ca amo­ro­sa é te­ma de ou­tras du­as can­ções do ál­bum. You Are My Li­fe fa­la so­bre um amor ho­nes­to, sin­ce­ro, além da so­li­dão que não faz mais par­te da vi­da de­le des­de que a ama­da apa­re­ceu. Já Don’t Walk Away de­mons­tra a amar­gu­ra do can­tor por não se en­cai­xar em lu­gar al­gum.

Em Privacy, Mi­cha­el cri­ti­ca o as­sé­dio da mí­dia, que não mos­tra­va quem ele re­al­men­te era e dis­tor­cia as his­tó­ri­as, sem res­pei­tá-lo. A mú­si­ca con­ta com a par­ti­ci­pa­ção do gui­tar­ris­ta Slash.

Ou­tra mú­si­ca de cu­nho so­ci­al pre­sen­te no ál­bum é The Lost Chil­dren, co­mo ho­me­na­gem às cri­an­ças de­sa­bri­ga­das da Áfri­ca. A can­ção é en­to­a­da co­mo um hi­no e tem for­te pre­sen­ça de ape­lo sen­ti­men­tal.

Em Wha­te­ver Hap­pens, é pos­sí­vel per­ce­ber que Mi­cha­el Jack­son es­ta­va

pron­to pa­ra se aven­tu­rar em no­vos rit­mos. A mu­si­ca­li­da­de his­pâ­ni­ca é acen­tu­a­da com a par­ti­ci­pa­ção do gui­tar­ris­ta Car­los San­ta­na.

Pa­ra fe­char o ál­bum, Th­re­a­te­ned apresenta uma te­má­ti­ca de ter­ror. A mú­si­ca co­me­ça com uma par­ti­ci­pa­ção pós­tu­ma do can­tor Rod Ser­ling, fei­ta a par­tir de re­cor­tes di­gi­tais de fra­ses nar­ra­das por ele nos epi­só­di­os da sé­rie The Twi­light Zo­ne.

Re­per­cus­são

O lan­ça­men­to de In­vin­ci­ble

es­ta­va pre­vis­to pa­ra o dia 11 de se­tem­bro de 2001, mas, por cau­sa dos aten­ta­dos ao World Tra­de Cen­ter, foi adi­a­do pa­ra o fi­nal de ou­tu­bro. In­vin­ci­ble es­tre­ou co­mo o mais ven­di­do em tre­ze paí­ses, co­mo Es­ta­dos Uni­dos, In­gla­ter­ra e Fran­ça. Ape­sar da boa acei­ta­ção do pú­bli­co, ele é con­si­de­ra­do um fra­cas­so co­mer­ci­al, se com­pa­ra­do com os ou­tros dis­cos do can­tor.

Lo­go após o lan­ça­men­to do ál­bum, saiu o com­pac­to de You Rock My World,

por­que o sin­gle foi va­za­do ile­gal­men­te. Ape­sar dis­so, as ven­das fo­ram bo­as e ga­ran­ti­ram a vol­ta de Mi­cha­el pa­ra as rá­di­os. Nos Es­ta­dos Uni­dos, a mú­si­ca fi­cou na dé­ci­ma po­si­ção nas pa­ra­das de su­ces­so e na In­gla­ter­ra, fi­cou em se­gun­do lu­gar.

Na pri­mei­ra ação de ven­das, o dis­co es­te­ve dis­po­ní­vel com cin­co ca­pas di­fe­ren­tes, nas co­res pra­te­a­da, dou­ra­da, azul, ver­me­lho ou ver­de. Atu­al­men­te, é ven­di­da so­men­te a ver­são pra­te­a­da.

Pro­ble­mas com a Sony

O de­sen­ten­di­men­to com a gra­va­do­ra co­me­çou em 2000, qu­an­do Mi­cha­el de­ci­diu que que­ria ti­rar a li­cen­ça das gra­va­ções ori­gi­nais do ca­tá­lo­go de­le da Sony pa­ra fa­zer um lan­ça­men­to in­de­pen­den­te e não ter que di­vi­dir os lu­cros com ela. Po­rém, os ad­vo­ga­dos do can­tor en­con­tra­ram cláu­su­las no con­tra­to que im­pe­di­am a ma­no­bra.

Pa­ra evi­tar que a cri­se fi­cas­se ain­da mai­or, o can­tor e a Sony fe­cha­ram um acor­do em que ele po­de­ria sair da gra­va­do­ra após o lan­ça­men­to de In­vin­ci­ble e de um pa­co­te de co­le­tâ­ne­as de seus mai­o­res su­ces­sos.

Mas os pro­ble­mas se agra­va­ram qu­an­do You Rock My World te­ve que ser lan­ça­da co­mo sin­gle às pres­sas. Mi­cha­el que­ria que a pri­mei­ra fos­se Un­bre­a­ka­ble, mes­mo as­sim acei­tou gra­var o vi­de­o­cli­pe. Po­rém, de­pois se ne­gou a par­ti­ci­par das di­vul­ga­ções do ál­bum, can­ce­lan­do apa­ri­ções pro­mo­ci­o­nais e não gra­van­do os cli­pes dos com­pac­tos But­ter­fli­es e Cry.O úl­ti­mo, aliás, foi con­si­de­ra­do um fi­as­co co­mer­ci­al por não ter ima­gens do as­tro, e a di­vul­ga­ção do ál­bum foi in­ter­rom­pi­da de­pois do Na­tal do mes­mo ano.

Em 2002, Mi­cha­el re­sol­veu ex­pli­car os con­fli­tos com a Sony em uma en­tre­vis­ta co­le­ti­va. Se­gun­do o

can­tor, a gra­va­do­ra já ha­via ar­rui­na­do mu­si­cal­men­te ou­tros gran­des no­mes do ra­mo e que ele ha­via se tor­na­do um ar­tis­ta in­de­pen­den­te.

30 anos de car­rei­ra so­lo

Pa­ra co­me­mo­rar o ani­ver­sá­rio de car­rei­ra so­lo e pro­mo­ver In­vin­ci­ble, Mi­cha­el fez dois shows es­pe­ci­ais no Ma­di­son Squa­re Gar­den, em No­va york. As apre­sen­ta­ções con­ta­ram com as par­ti­ci­pa­ções de Brit­ney Spe­ars, Mya, Usher, ‘N Sync, Whit­ney Hous­ton, Slash e os ir­mãos do can­tor, que não se apre­sen­ta­vam jun­tos des­de a Vic­tory Tour, em 1984. Os in­gres­sos se es­go­ta­ram em ape­nas cin­co ho­ras.

Mi­cha­el não ha­via en­sai­a­do pa­ra o pri­mei­ro show e in­clu­si­ve dei­xou o pú­bli­co es­co­lher qual mú­si­ca ele can­ta­ria de­pois de Bil­lie Je­an. A pla­teia es­co­lheu You Rock My World, mas co­mo a banda não es­ta­va pre­pa­ra­da, apre­sen­ta­ram Black Or Whi­te.

Edi­ções es­pe­ci­ais

Com ape­nas 500 có­pi­as, A Tas­te of In­vin­ci­ble foi lan­ça­do an­tes de In­vin­ci­cle, com seis can­ções que se­ri­am sin­gles: Un­bre­a­ka­ble, He­a­ven Can Wait, Break Of Dawn, You Rock My World, But­ter­fli­es e Cry. Ho­je, es­ti­ma-se que a ra­ri­da­de cus­te em tor­no de 900 dó­la­res.

Na Ásia, pa­ra a di­vul­ga­ção do

CD, al­gu­mas re­vis­tas vi­nham com um pe­que­no fol­der que con­ti­nha in­for­ma­ções do lan­ça­men­to e so­bre a vol­ta do can­tor. No mes­mo ano, saiu

a edi­ção de lu­xo do ál­bum, cha­ma­do

In­vin­ci­ble: Best Vi­deo Mu­sic Edi­ti­on.O dis­co du­plo con­ti­nha de­zes­seis fai­xas e no­ve vi­de­o­cli­pes, e foi ven­di­do em có­pi­as li­mi­ta­das ape­nas na Co­réia e no Ja­pão.

Em ou­tu­bro de 2001, a Sony lan­çou um lo­te úni­co de vi­nil do sin­gle You Rock My World, com as ver­sões ori­gi­nal, a ca­pe­la e ins­tru­men­tal da mú­si­ca.

In­vin­ci­ble foi co­mer­ci­a­li­za­do tam­bém em uma em­ba­la­gem long­box, com as de­zes­seis can­ções ori­gi­nais e ven­di­do ape­nas com a ca­pa prata.

No ano se­guin­te, a gra­va­do­ra fez ou­tra edi­ção es­pe­ci­al pa­ra o mer­ca­do asiá­ti­co. Des­sa vez, foi um DVD pro­mo­ci­o­nal cha­ma­do Spe­ci­al Edi­ti­on: Mu­sic Vi­de­os, com dez cli­pes e um ví­deo iné­di­to de Un­bre­a­ka­ble, fei­to a par­tir de mon­ta­gens de per­for­man­ces ao vi­vo de Mi­cha­el.

En­car­te do CD com a de­di­ca­tó­ria

As edi­ções es­pe­ci­ais de In­vin­ci­ble

Mi­cha­el e Slash no MTV Vi­deo Mu­sic Awards (1995)

Ce­na do cli­pe You Rock My World

Ál­bum In­vi­ci­ble

Tre­cho do show dos 30 anos de car­rei­ra so­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.