O po­der de eter­ni­zar dois se­gun­dos

A ma­gia da mú­si­ca e da dan­ça de Mi­cha­el Jack­son

Tributo Edição Histórica Especial - Michael Jackson - - News - Tex­to: David Cin­tra De­sign: Ja­mi­le Cury Gan­da­ra

Ada­ta exa­ta da cri­a­ção da Mo­town é in­cer­ta. Sa­be-se ape­nas que foi em um dia de ja­nei­ro de 1959. Mes­mo as­sim, no dia 25 de mar­ço de 1983 foi fei­ta uma gran­de fes­ta pa­ra mar­car as co­me­mo­ra­ções dos 25 anos da mai­or gra­va­do­ra es­pe­ci­a­li­za­da em ar­tis­tas afro-ame­ri­ca­nos do mun­do. O even­to con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de mú­si­cos lan­ça­dos e con­sa­gra­dos pe­lo se­lo co­mo Ste­vie Won­der, Mar­vin Gaye, Li­o­nel Ri­chie e mui­tos ou­tros. Mas a gran­de atra­ção da noi­te era a reu­nião do Jack­son5. Os ir­mãos su­bi­ram ao pal­co, can­ta­ram e dan­ça­ram, dei­xan­do ex­ta­si­a­da uma pla­teia for­ma­da ex­clu­si­va­men­te por pes­so­as li­ga­das ao show­bu­si­ness. O gru­po dei­xou o pal­co e, a se­guir, Mi­cha­el Jack­son re­tor­nou pa­ra uma apre­sen­ta­ção so­lo. A pri­vi­le­gi­a­da pla­teia foi pre­sen­te­a­da com uma per­for­man­ce ir­re­to­cá­vel e que se tor­na­ria his­tó­ri­ca (em­bo­ra du­bla­da) de Bil­lie Je­an.

Na ver­da­de, a apre­sen­ta­ção aca­bou eter­ni­za­da por al­guns pou­cos mo­vi­men­tos que du­ra­ram ape­nas dois se­gun­dos. Em da­do mo­men­to, Mi­cha­el ca­mi­nhou pa­ra trás, mas pa­re­cia an­dar pa­ra fren­te, des­li­zan­do e de­sa­fi­an­do al­gu­mas leis da fí­si­ca. Mo­onwalk era o no­me do pas­so. Di­zem que já era co­nhe­ci­do nas ru­as e pe­ri­fe­ri­as de gran­des me­tró­po­les ame­ri­ca­nas. Ou­tros dan­ça­ri­nos já o ha­vi­am apre­sen­ta­do tam­bém, co­mo o sa­pa­te­a­dor Bill Bai­ley, em 1943. Ja­mes Brown o fa­zia há al­guns anos e La Toya Jack­son, ir­mã de Mi­cha­el, re­ve­lou que ele te­ria apren­di­do o pas­so com Jef­frey Da­ni­el, do trio Sha­la­mar, que cha­ma­va o mo­vi­men­to de backs­li­de. Ou se­ja, Mi­cha­el não cri­ou o mo­onwalk, mas o executou com tal per­fei­ção que no dia se­guin­te à exi­bi­ção de sua per­for­man­ce na te­vê, ocor­ri­da seis se­ma­nas de­pois da fil­ma­gem, ga­ro­tos o imi­ta­vam por to­do o país. Em pou­co tem­po, a fe­bre es­pa­lhou-se pe­lo mun­do e ho­je é, mui­to pro­va­vel­men­te, o pas­so de dan­ça mais po­pu­lar do pla­ne­ta.

Is­so é um pe­que­no exem­plo da di­men­são e a for­ça de Mi­cha­el Jack­son. No au­ge de sua car­rei­ra, po­dia con­ge­lar dois se­gun­dos no tem­po e tor­ná-los eter­nos. Fa­zia is­so tam­bém com acor­des mu­si­cais, ima­gens e seu pe­cu­li­ar es­ti­lo de se ves­tir. Um ar­tis­ta com­ple­to, que exi­gia de si mes­mo a per­fei­ção em tu­do o que fa­zia. Su­as com­po­si­ções eram ela­bo­ra­das em ca­da de­ta­lhe. No es­tú­dio, não se li­mi­ta­va a usar sua voz – o que já se­ria su­fi­ci­en­te pa­ra fa­zer gran­des tra­ba­lhos – mas acom­pa­nha­va to­do o pro­ces­so de gra­va­ção e só fi­ca­va sa­tis­fei­to de­pois de ca­da no­ta so­ar exa­ta­men­te co­mo ha­via ima­gi­na­do (um exem­plo: Bil­lie Je­an re­ce­beu cer­ca de 90 mi­xa­gens até che­gar “no pon­to”), o que lhe va­leu al­guns prêmios Grammy co­mo pro­du­tor. As co­re­o­gra­fi­as eram es­tu­da­das pas­so a pas­so, mo­vi­men­to a mo­vi­men­to e en­sai­a­das à exaus­tão, o que lhe trans­for­mou no mai­or show­man da mú­si­ca ame­ri­ca­na.

Is­so tu­do tal­vez ex­pli­que o porquê, após cin­co anos da mor­te do “ho­mem Mi­cha­el Jo­seph Jack­son”, a obra do “ar­tis­ta Mi­cha­el Jack­son” per­ma­ne­ça tão atu­al e en­can­ta­do­ra. Mas não há uma ex­pli­ca­ção exa­ta, pois Mi­cha­el não po­de ser en­ten­di­do à luz da ra­zão e sim do co­ra­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.