Os úl­ti­mos pas­sos de MJ

A des­pe­di­da an­tes da­que­le que se­ria o gran­de re­tor­no

Tributo Edição Histórica Especial - Michael Jackson - - News - Tex­to: Éri­ca Agui­ar/co­la­bo­ra­do­ra De­sign: Ja­mi­le Cury Gan­da­ra

Após os jul­ga­men­tos so­bre as de­nún­ci­as de abu­sos de me­no­res, em 2005, Mi­cha­el Jack­son per­deu o con­ta­to com seus par­cei­ros mu­si­cais (pro­du­to­res, mú­si­cos e com­po­si­to­res). Além dis­so, es­ta­va bas­tan­te en­di­vi­da­do (de­vi­do aos al­tos gas­tos com pro­ces­sos) e mui­to fra­co fi­si­ca­men­te, apa­re­cen­do mui­tas ve­zes em pú­bli­co sen­do em­pur­ra­do em uma ca­dei­ra de ro­das. Mes­mo nes­sas con­di­ções, Mi­cha­el ain­da so­nha­va com um re­tor­no es­pe­ta­cu­lar.

O acor­do com a AEG

Em 2007, en­tão mo­ran­do em

Las Ve­gas com seus fi­lhos, Mi­cha­el Jack­son re­ce­beu um con­vi­te da AEG, uma mul­ti­na­ci­o­nal ges­to­ra de di­ver­sas are­nas no mun­do (des­ti­na­das a es­por­tes e en­tre­te­ni­men­to), que es­ta­va pres­tes a inau­gu­rar a Are­na O2, em Lon­dres. A Are­na ti­nha ca­pa­ci­da­de pa­ra, apro­xi­ma­da­men­te, 20 mil es­pec­ta­do­res. Por con­ta dis­so, a em­pre­sa pre­ci­sa­va de um es­pe­tá­cu­lo que es­tre­as­se o lo­cal de ma­nei­ra mar­can­te e es­go­tas­se os in­gres­sos.

O CEO da AEG, Randy Phil­lips, co­nhe­cia Mi­cha­el des­de a dé­ca­da de 80 e is­so fez com que os dois pu­des­sem se en­con­trar mais fa­cil­men­te pa­ra tra­tar de ne­gó­ci­os. Em um en­con­tro no Ho­tel Bel-Air, em no­vem­bro de 2008, Phil­lips propôs a Mi­cha­el uma vol­ta aos pal­cos e o as­tro se in­te­res­sou. Jack­son que­ria qui­tar su­as dí­vi­das e vol­tar ao ce­ná­rio mu­si­cal, gra­van­do um no­vo ál­bum, fa­zen­do uma tur­nê e ti­nha até a ideia de es­tre­lar e di­ri­gir um fil­me. Após a reu­nião en­tre os dois, Phil­lips en­trou em con­ta­to com o do­no da AEG, Phil Ans­chutz, e afir­mou que o can­tor

es­ta­va pron­to pa­ra en­ca­rar uma tur­nê de re­tor­no.

Em fe­ve­rei­ro de 2009, após en­trar em acor­do com a AEG so­bre os shows que se­ri­am fei­tos na Are­na O2, Mi­cha­el Jack­son cha­mou seu par­cei­ros de tra­ba­lho com quem ha­via per­di­do o con­ta­to com o pas­sar do tem­po. Frank DiLeo vol­tou a ser o em­pre­sá­rio do can­tor e Tra­vis Pay­ne as­su­miu, mais uma vez, a fun­ção de co­reó­gra­fo. Mi­cha­el es­ta­va en­tu­si­as­ma­do pa­ra vol­tar aos pal­cos.

This Is It, a prin­cí­pio, se­ria uma sé­rie de dez con­cer­tos que tra­ria Mi­cha­el Jack­son de vol­ta a ati­vi­da­de, já que ele não se apre­sen­ta­va ao vi­vo des­de 2001. Po­rém, em mar­ço de 2009, no­vas apre­sen­ta­ções ti­ve­ram que ser anun­ci­a­das, de­vi­do ao gran­de nú­me­ro de pes­so­as (es­ti­ma-se mais de um mi­lhão) que se ins­cre­ve­ram pa­ra com­prar os in­gres­sos do show. Es­se nú­me­ro de pes­so­as se­ria ca­paz de lo­tar o lo­cal do es­pe­tá­cu­lo cin­quen­ta ve­zes.

Pa­ra a sor­te do pú­bli­co e da AEG, Mi­cha­el Jack­son ha­via as­si­na­do um con­tra­to de 31 shows e is­so pos­si­bi­li­tou que o nú­me­ro de apre­sen­ta­ções au­men­tas­se. O si­te mi­cha­el­jack­son­li­ve. com pas­sou en­tão a re­gis­trar 14 mil vi­si­tas por mi­nu­to, os or­ga­ni­za­do­res, des­sa ma­nei­ra, resolveram ofe­re­cer 50 apre­sen­ta­ções, que co­me­ça­ri­am em 13 de ju­lho de 2009 e ter­mi­na­ri­am em 6 de mar­ço de 2010.

“This is it !”

A AEG en­tão con­vi­dou o pú­bli­co e a im­pren­sa pa­ra uma co­le­ti­va so­bre a no­va tur­nê do can­tor. Em 5 de mar­ço de 2009, Mi­cha­el fez o anún­cio dos shows na Are­na O2, con­for­me in­for­ma­do por sua as­ses­so­ria. Du­as mil pes­so­as as­sis­ti­ram ao dis­cur­so de Mi­cha­el den­tro do lo­cal, en­quan­to na área ex­ter­na te­lões fo­ram ins­ta­la­dos.

O can­tor che­gou à Are­na com du­as ho­ras de atra­so e, já no pal­co im­pro­vi­sa­do, in­for­mou ao pú­bli­co que es­sas se­ri­am as úl­ti­mas apre­sen­ta­ções que ele fa­ria em Lon­dres. O as­tro mos­trou na sua fa­la que o show se­ria fei­to es­pe­ci­al­men­te pa­ra os fãs e que es­sa era sua úl­ti­ma tur­nê. O anún­cio, que du­rou um pou­co me­nos que qua­tro mi­nu­tos, sa­ci­ou a cu­ri­o­si­da­de de to­dos que es­pe­ra­vam an­si­o­sa­men­te.

O re­cor­de

Os in­gres­sos co­me­ça­ri­am a ser ven­di­dos em 13 de mar­ço de 2009 (sex­ta-fei­ra), con­for­me anun­ci­a­do pe­la as­ses­so­ria do can­tor. Po­rém, fãs fi­ze­ram fi­la des­de a noi­te de quar­ta­fei­ra pa­ra com­prar os in­gres­sos. Os 360 mil in­gres­sos co­lo­ca­dos em pré-ven­da es­go­ta­ram-se ain­da na quar­ta-fei­ra, em 18 ho­ras.

Na sex­ta, os 750 mil in­gres­sos pos­tos a ven­da pa­ra o pú­bli­co ge­ral (a par­tir das se­te da ma­nhã), es­go­ta­ram-se em cin­co ho­ras, al­çan­do o re­cor­de de ven­da mais rá­pi­da de in­gres­sos. As li­nhas te­lefô­ni­cas fi­ca­ram con­ges­ti­o­na­das, e o si­te pa­ra a com­pra de in­gres­sos al­can­çou 200 mil aces­sos.

20 mil in­gres­sos fo­ram ven­di­dos a ca­da ho­ra, 33 por mi­nu­to! Es­se pú­bli­co se­ria o mai­or a ver um ar­tis­ta em uma só ci­da­de. De­vi­do à pro­cu­ra ex­ces­si­va, al­guns in­gres­sos pas­sa­ram a ser lei­lo­a­dos (por pes­so­as fí­si­cas) na in­ter­net, por um pre­ço en­tre R$ 550 e R$ 32 mil, en­quan­to seu pre­ço nor­mal se­ria de R$ 160 a R$ 240.

En­sai­os

Além das idei­as de Mi­cha­el, Kenny Or­te­ga tam­bém aju­dou na pro­du­ção da co­re­o­gra­fia do show, co­mo ha­via fei­to em Dan­ge­rous e HIS­tory, e se tor­nou o di­re­tor da tur­nê de re­tor­no do Rei do Pop. O can­tor que­ria que o show fos­se mar­can­te e, pa­ra is­so, di­ver­sos efei­tos e cli­pes em 3D es­ta­vam sen­do pro­du­zi­dos pe­la equi­pe res­pon­sá­vel pe­lo show.

Em mar­ço, co­me­ça­ram os tes­tes pa­ra a es­co­lha de bai­la­ri­nos no Cen­ter

Sta­ging em Los An­ge­les. Mais de cin­co mil dan­ça­ri­nos se ins­cre­ve­ram e Or­te­ga e sua equi­pe di­mi­nuí­ram es­se nú­me­ro pa­ra se­te­cen­tos. Mi­cha­el e to­da a sua pro­du­ção que­ri­am en­con­trar os me­lho­res dan­ça­ri­nos do mun­do, e to­dos es­ta­vam fo­ca­dos nes­se ob­je­ti­vo.

Os tes­tes de­ci­si­vos acon­te­ce­ram no No­kia The­a­ter, em Hollywo­od. Jack­son par­ti­ci­pou des­sa eta­pa e aju­dou a es­co­lher os dan­ça­ri­nos. Qu­an­do no­ta­va um ta­len­to, o can­tor co­men­ta­va com o co­reó­gra­fo so­bre sua op­ção e as­sim, ao fi­nal de mar­ço, os en­sai­os diá­ri­os já pu­de­ram co­me­çar, pois uma gran­de equi­pe de mú­si­cos, téc­ni­cos e dan­ça­ri­nos ha­via si­do se­le­ci­o­na­da.

Os en­sai­os acon­te­ci­am to­dos os di­as e eram mar­ca­dos por lon­gas jor­na­das de tra­ba­lho. No co­me­ço, Jack­son só com­pa­re­cia al­gu­mas ve­zes. Pa­ra en­trar em for­ma pa­ra a tur­nê, Mi­cha­el con­tou com a aju­da de Lou Fer­rig­no (ator nor­te-ame­ri­ca­no, fa­mo­so in­tér­pre­te do In­crí­vel Hulk na sé­rie dos anos 70) pa­ra se exer­ci­tar e ga­nhar um pou­co de pe­so, já que, na épo­ca, pe­sa­va ape­nas 56kg. O can­tor se exer­ci­ta­va le­ve­men­te e fa­zia alon­ga­men­tos an­tes de ir pa­ra os en­sai­os, pois não que­ria cri­ar mús­cu­los.

Jack­son pre­fe­ria tra­ba­lhar em ca­sa e as pes­so­as que o cer­ca­vam co­me­ça­ram a fi­car ner­vo­sas por con­ta da sua ra­ra pre­sen­ça nos en­sai­os. Randy Phil­lips, con­for­me o pe­di­do de Mi­cha­el, con­tra­tou o mé­di­co Con­rad Mur­ray pa­ra acom­pa­nhar a saú­de do ar­tis­ta. O mé­di­co, pos­te­ri­or­men­te, me­di­ou uma reu­nião de Mi­cha­el com Or­te­ga, em que o di­re­tor da tur­nê dis­se pa­ra o as­tro com­pa­re­cer mais aos en­sai­os. E, a par­tir daí, Jack­son pas­sou a fre­quen­tar mais avi­da­men­te, es­tan­do to­tal­men­te pron­to pa­ra os shows nos úl­ti­mos dois ou três en­sai­os.

Mui­tas ve­zes, Mi­cha­el Jack­son se apro­fun­da­va tan­to no tra­ba­lho que che­ga­va a pas­sar vá­ri­as noi­tes sem dor­mir e até es­que­cia de se ali­men­tar. O can­tor compôs no­vas mú­si­cas e aper­fei­ço­ou seus pas­sos, pla­ne­jan­do ca­da de­ta­lhe do seu re­tor­no. Ele que­ria fa­zer tu­do com per­fei­ção e, nos úl­ti­mos me­ses de sua vi­da, se de­di­cou to­tal­men­te à tur­nê.

Úl­ti­mos pas­sos

No dia an­te­ri­or a sua mor­te, acon­te­ceu o en­saio ge­ral da tur­nê que con­tou com bai­la­ri­nos, mú­si­cos e as ima­gens do fil­me em 3D de Th­ril­ler e Smo­oth Cri­mi­nal, co­mo Mi­cha­el ha­via so­nha­do. Na­que­le dia, 24 de ju­nho de 2009, Jack­son par­ti­ci­pou de uma reu­nião com Phil­lips, Tim Leiwe­ke (pre­si­den­te da AEG), DiLeo (seu em­pre­sá­rio na épo­ca) e Ken Ehr­li­ch (pro­du­tor do Grammy). Após a reu­nião, ele fi­cou cer­ca de uma ho­ra re­vi­san­do os efei­tos 3D do show e en­sai­ou sua co­re­o­gra­fia por seis ho­ras no Sta­ples Cen­ter, em Los An­ge­les.

O fi­nal do show foi de­fi­ni­do e o can­tor iria in­ter­pre­tar Earth Song, do ál­bum HIS­tory, uma das can­ções pre­di­le­tas de Jack­son. As pes­so­as que as­sis­ti­ram ao seu úl­ti­mo en­saio ti­ve­ram cer­te­za de que Mi­cha­el es­ta­va pron­to pa­ra vol­tar aos pal­cos em me­nos de vin­te di­as. Se­gun­do os pre­sen­tes, ele can­ta­va e dan­ça­va me­lhor do que to­dos os ar­tis­tas que o cer­ca­vam no pal­co.

Phil­lips acom­pa­nhou Mi­cha­el até o car­ro de­pois do en­saio, e Jack­son o abra­çou agra­de­cen­do a aju­da e afir­man­do que po­de­ria as­su­mir tu­do a par­tir da­que­le mo­men­to. O can­tor es­ta­va re­al­men­te se­gu­ro do que era ca­paz de fa­zer.

No dia se­guin­te, 25 de ju­nho, um pou­co de­pois do meio-dia, o mé­di­co que mo­ra­va com Mi­cha­el Jack­son, Con­rad Mur­ray, fez uma li­ga­ção de­ses­pe­ra­da pa­ra o ser­vi­ço de emer­gên­cia (911), pois não con­se­guia re­a­ni­mar o can­tor. Mi­cha­el en­tão foi le­va­do ao UCLA Me­di­cal Cen­ter, on­de, por mais de uma ho­ra, mé­di­cos apli­ca­ram um des­fi­bri­la­dor no pei­to do ar­tis­ta na ten­ta­ti­va de re­a­ni­má-lo, mas não con­se­gui­ram.

Mi­cha­el so­fria de insô­nia e Con­rad Mur­ray mi­nis­tra­va anes­té­si­cos pa­ra que ele pu­des­se dor­mir. Na tar­de do mes­mo dia, de­te­ti­ves fo­ram até a ca­sa do can­tor pa­ra re­co­lher uma gran­de quan­ti­da­de de me­di­ca­men­tos que ele pos­suía. Fo­ram en­con­tra­dos dois

gran­des sa­cos com me­di­ca­men­tos e vá­ri­os fras­cos de Di­pri­van, um anes­té­si­co uti­li­za­do an­tes de ci­rur­gi­as que pre­ci­sam de anes­te­sia ge­ral. Ape­sar dis­so, ain­da era pre­ci­so en­ten­der co­mo al­guém que ha­via dan­ça­do tan­tas ho­ras na noi­te an­te­ri­or e apa­ren­ta­va es­tar bem fi­si­ca­men­te, mor­reu tão de re­pen­te.

A po­lí­cia de Los An­ge­les co­me­çou a in­ves­ti­gar o ca­so e pre­ci­sa­va ques­ti­o­nar Mur­ray, que de­sa­pa­re­ceu de­pois que a mor­te de Mi­cha­el foi anun­ci­a­da na sa­la de emer­gên­cia. Se­gun­do o lau­do di­vul­ga­do à im­pren­sa, Jack­son mor­reu por con­ta da in­to­xi­ca­ção por uso ex­ces­si­vo de Pro­po­fol e Lo­ra­ze­pam, mais os efei­tos de me­di­ca­men­tos usa­dos pa­ra o con­tro­le da an­si­e­da­de e insô­nia do Rei do Pop.

Ape­sar das es­pe­cu­la­ções que sur­gi­ram, Con­rad Mur­ray foi pre­so por ho­mi­cí­dio cul­po­so, ain­da em 2009, por ter mi­nis­tra­do uma do­se letal de calmantes a Mi­cha­el Jack­son. Po­rém, ele cum­priu ape­nas dois dos qua­tro anos da pe­na to­tal, por con­ta de um cor­te da po­pu­la­ção car­ce­rá­ria na Ca­li­fór­nia. O mé­di­co en­trou com um re­cur­so (com o de­se­jo de “lim­par seu no­me”) e, em 16 de ja­nei­ro des­te ano, foi no­va­men­te con­si­de­ra­do cul­pa­do pe­la mor­te não-in­ten­ci­o­nal do can­tor.

Ho­me­na­gens

Na ma­nhã de 7 de ju­lho de 2009, acon­te­ceu o ve­ló­rio em Fo­rest Lawn Me­mo­ri­al Park, em Hollywo­od Hills, so­men­te pa­ra os fa­mi­li­a­res e ami­gos ín­ti­mos. Lo­go em se­gui­da, o cor­po do Rei do Pop foi le­va­do ao Sta­ples Cen­ter, lo­cal on­de ti­nha en­sai­a­do seu This Is It, pa­ra um ato pú­bli­co em ho­me­na­gem a Mi­cha­el Jack­son.

Mais de 17 mil pes­so­as acom­pa­nha­ram o tri­bu­to, já que en­tra­das gra­tui­tas fo­ram dis­tri­buí­das atra­vés de um sor­teio via in­ter­net, e es­ti­ma-se que até dois bi­lhões de pes­so­as te­nham as­sis­ti­do à trans­mis­são do fu­ne­ral de Mi­cha­el, fei­ta por di­ver­sas emis­so­ras de TV. O tri­bu­to con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de ar­tis­tas co­mo Ma­ri­ah Ca­rey, John Mayer, Li­o­nel Ri­chie, Usher, Ste­vie Won­der e do Pas­tor Lu­ci­ous Smith (ami­go da fa­mí­lia).

As pes­so­as que es­ta­vam den­tro do gi­ná­sio re­ce­be­ram pá­gi­nas de fo­to­gra­fi­as e de­poi­men­tos dos ir­mãos de Mi­cha­el e de ou­tros ami­gos. Co­ro­as de flo­res es­ta­vam ali­nha­das em tor­no do pal­co e os ir­mãos de Jack­son car­re­ga­ram seu cai­xão dou­ra­do, usan­do uma só lu­va bran­ca, em ho­me­na­gem ao can­tor, mos­tran­do o quan­to ele era es­pe­ci­al pa­ra to­dos.

O que o pú­bli­co não viu

Ha­via três fon­tes di­fe­ren­tes fil­man­do os en­sai­os de This Is It: a que Mi­cha­el con­tra­tou pes­so­al­men­te, a de tes­te pa­ra os te­lões e uma que se­ria par­te do ma­king of do DVD que tra­ria o show ao vi­vo. Por con­ta des­se acer­vo, a pro­du­to­ra re­sol­veu lan­çar as ima­gens gra­va­das em for­ma de do­cu­men­tá­rio com as ce­nas dos en­sai­os que acon­te­ce­ram no Sta­ples Cen­ter, em Los An­ge­les.

A prin­cí­pio, o lon­ga-me­tra­gem só fi­ca­ria em exi­bi­ção por du­as se­ma­nas, mas de­vi­do à gran­de pro­cu­ra do pú­bli­co, o pe­río­do nos ci­ne­mas foi es­ten­di­do pa­ra qua­tro se­ma­nas. A es­treia mun­di­al ocor­reu no dia 28 de ou­tu­bro de 2009, mas os in­gres­sos já es­ta­vam sen­do ven­di­dos des­de 27 de se­tem­bro. A Sony, que ha­via gas­ta­do 60 mi­lhões de dó­la­res nas com­pras das gra­va­ções e na pro­du­ção, ar­re­ca­dou em ape­nas cin­co di­as 100 mi­lhões nas bi­lhe­te­ri­as mun­di­ais.

This Is It, o do­cu­men­tá­rio, traz mui­tos efei­tos, de­poi­men­tos de dan­ça­ri­nos que eram fãs do Rei do Pop e as mú­si­cas: Wan­na Be Star­tin’ So­methin’, Jam, The Drill, They Don’t Ca­re About Us, Hu­man Na­tu­re, Smo­oth Cri­mi­nal, The Way You Ma­ke Me Fe­el,

me­dleys do Jack­son 5 co­mo I Want You Back, The Lo­ve You Sa­ve e I’ll Be The­re.

Ou­tras can­ções in­se­ri­das fo­ram: Sha­ke Your Body (Down to the Ground), I Just Can’t Stop Lo­ving You, Th­ril­ler (com um ví­deo em 3D), Be­at It, Black or Whi­te, Earth Song, Bil­lie Je­an e Man In The Mir­ror. This Is It e He­al The World es­tão pre­sen­tes nos cré­di­tos.

Os en­sai­os de Smo­oth Cri­mi­nal

Mi­cha­el Jack­son es­ta­va ani­ma­do com a no­va tur­nê

Ál­bum This Is It

Mi­cha­el Jack­son nos en­sai­os de This Is It

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.