Pe­tró­leo faz do Ca­na­dá no­vo vi­lão do cli­ma

País ex­trai pro­du­to de arei­as be­tu­mi­no­sas; ope­ra­ção tem ele­va­do cus­to am­bi­en­tal e ge­ra ten­são

Valor Econômico - - FRONT PAGE - Da­ni­e­la Chi­a­ret­ti

A van se­gue ve­loz pe­la ro­do­via 63, ru­mo ao nor­te. O as­fal­to per­fei­to da es­tra­da ca­na­den­se e a agen­da aper­ta­da ani­mam o mo­to­ris­ta, que ace­le­ra — até a ho­ra em que apa­re­ce o car­ro de po­lí­cia e man­da en­cos­tar. O guar­da se apro­xi­ma, avi­sa que o li­mi­te de ve­lo­ci­da­de foi ul­tra­pas­sa­do, pe­de do­cu­men­tos e se re­ti­ra. Mas quan­do re­tor­na, mi­nu­tos de­pois, que­bra o script ro­ti­nei­ro: “Vo­cê é do Gre­en­pe­a­ce, não é?”. Es­sa re­a­ção inu­si­ta­da mos­tra co­mo a po­lê­mi­ca e ren­tá­vel ex­plo­ra­ção das arei­as be­tu­mi­no­sas é um te­ma de­li­ca­do no Ca­na­dá.

O po­li­ci­al nem es­pe­ra pe­la con­fir­ma­ção, quer sa­ber o des­ti­no da tur­ma. “Va­mos fa­lar com uma an­ciã”, res­pon­de Alex Pa­ter­son, as­ses­sor de im­pren­sa do Gre­en­pe­a­ce ca­na­den­se, re­fe­rin­do-se ao en­con­tro com a lí­der in­dí­ge­na de uma co­mu­ni­da­de vi­zi­nha. “Quem?”, con­ti­nua o in­ter­ro­ga­tó­rio à bei­ra da es­tra­da. “Por­que vão fa­lar com ela?” Des­ta vez é o fo­tó­gra­fo Colin O’Con­nor que re­a­ge, com dis­cre­ta indignação: “Por quê? Por aca­so é ile­gal?” O po­li­ci­al diz que não, mas es­tá re­ti­cen­te, so­me de no­vo, con­sul­ta al­guém pe­lo ce­lu­lar e re­tor­na: “Ok, mas vou acom­pa­nhá-los.”

No nor­te de Al­ber­ta, a pro­vín­cia do Ca­na­dá que es­tá ga­nhan­do to­do ti­po de fa­ma por abri­gar o mai­or pro­je­to ener­gé­ti­co do mun­do, o que era pa­ra ser uma mul­ta por ex­ces­so de ve­lo­ci­da­de se trans­for­ma em um com­boio po­li­ci­al de três vi­a­tu­ras pa­ra es­col­tar três am­bi­en­ta­lis­tas, um fo­tó­gra­fo e uma jor­na­lis­ta. É des­te jei­to que en­tra­mos pe­las ru­e­las de Fort Mac­Kay, a pa­ca­ta co­mu­ni­da­de on­de vi­vem, se­gun­do a pla­ca de ma­dei­ra na en­tra­da, exa­tas 273 pes­so­as. Há al­guns trai­lers es­ta­ci­o­na­dos e play­grounds de plás­ti­co nos jar­dins. Ce­li­na Har­pe, de 70 anos, a lí­der da et­nia cree, ace­na da por­ta de uma ca­sa ver­de, na bei­ra do rio.

O in­ci­den­te de­mons­tra que em Wo­od Buf­fa­lo, o mai­or mu­ni­cí­pio ca­na­den­se, a ten­são es­tá no ar — as­sim co­mo o for­te chei­ro de ovo po­dre, uma ca­rac­te­rís­ti­ca da pre­sen­ça de áci­do sul­fí­dri­co. Am­bi­en­ta­lis­tas e in­dí­ge­nas es­tão em pé de guer­ra com o go­ver­no e em­pre­sas pe­tro­lí­fe­ras do mun­do to­do. Não há con­sen­so nem so­bre o no­me da con­fu­são. Os ver­des cha­mam a área de “Tar Sands” (arei­as de pi­che ou arei­as de al­ca­trão), al­go que soa ruim. Go­ver­no e em­pre­sas re­jei­tam es­sa de­no­mi­na­ção e ado­tam um ter­mo que jul­gam mais neu­tro e pro­mis­sor. “O no­me ade­qua­do é ‘Oil Sands’” diz por e-mail Ke­vin Stringer, di­re­tor­ge­ral do Pe­tro­leum Re­sour­ces Bran­ch, um bra­ço do Mi­nis­té­rio dos Re­cur­sos Na­tu­rais do Ca­na­dá.

Há um mês, na vés­pe­ra do en­con­tro en­tre o pri­mei­ro-mi­nis­tro ca­na­den­se, Stephen Har­per, e o pre­si­den­te dos EUA, Ba­rack Oba­ma, 25 ati­vis­tas do Gre­en­pe­a­ce en­tra­ram na mi­na Al­bi­an, da Shell, pa­ra­ram por vá­ri­as ho­ras a pro­du­ção e pen­du­ra­ram fai­xas gi­gan­tes: “Tar Sands: Cli­ma­te Cri­me”. É um cri­me cli­má­ti­co, além de cau­sar da­no a re­cur­sos na­tu­rais e à saú­de das pes­so­as, di­zem am­bi­en­ta­lis­tas.

Mas a tra­je­tó­ria da vi­zi­nha ci­da­de de Fort McMur­ray, mos­tra o ou­tro la­do da his­tó­ria. Se­ria só mais um lo­cal cai­pi­ra do nor­te ca­na­den­se não fos­se a ex­tra­ção do tal do “be­tu­me”. É evi­den­te que se tra­ta de um cen­tro su­pe­ra­que­ci­do. A po­pu­la­ção, de 66 mil ha­bi­tan­tes, do­brou em dez anos, e o pre­ço das ca­sas tri­pli­cou. Mo­to­ris­tas so­li­tá­ri­os di­ri­gem aque­les ji­pões enor­mes. No pe­que­no ae­ro­por­to, car­ta­zes fa­zem pro­pa­gan­da de em­pre­sas de pe­tró­leo. Tem mui­to tra­ba­lho na­que­le pe­da­ço do mun­do.

Por ali, en­ter­ra­do sob a be­la flo­res­ta bo­re­al, há um enor­me cam­po de arei­as pe­tro­lí­fe­ras. É uma mis­tu­ra de areia, ar­gi­la, água e um pe­tró­leo bru­to mui­to pe­sa­do co­nhe­ci­do por be­tu­me. O pro­ble­ma co­me­ça em co­mo ti­rar o be­tu­me do so­lo e co­mo se­pa­rá-lo do res­to — sem men­ci­o­nar que se tra­ta deum com­bus­tí­vel fós­sil dos mais su­jos.

Exis­tem dois mé­to­dos de ex­tra­ção, de­pen­den­do da pro­fun­di­da­de da ja­zi­da. Cer­ca de 20% dos cam­pos es­tão pró­xi­mos da su­per­fí­cie, e o be­tu­me é ex­traí­do­em­mi­ne­ra­ção aber­ta. É pre­ci­so ar­ran­car a flo­res­ta, re­me­xer a ter­ra, re­ti­rar água do rio e for­mar imen­sas la­go­as. No­ou­tro ca­so, o be­tu­me é re­ti­ra­do com o bom­be­a­men­to de mui­to va­por. A ex­tra­ção é ca­ra, exi­ge al­to con­su­mo de água e de ener­gia e o re­sul­ta­do fi­nal não é um pe­tró­leo de gran­de qua­li­da­de. Mas a ques­tão não é es­sa: as ja­zi­das de be­tu­me de Al­ber­ta são imen­sas.

A pri­mei­ra pe­tro­lei­ra a che­gar, nos anos 60, foi a ca­na­den­se Sin­cor. Uma dé­ca­da de­pois veio ou­tra ca­na­den­se, a Syn­cru­de. Por mui­tos anos a ope­ra­ção fi­cou nis­so, res­tri­ta a es­sas du­as. Era mui­to ca­ro se­pa­rar o óleo da areia. Mas o pre­ço do pe­tró­leo su­biu, a tec­no­lo­gia avan­çou e a ex­tra­ção do be­tu­me ex­plo­diu em Al­ber­ta. Em abril de 2008 ha­via 91 pro­je­tos ati­vos na re­gião. A pro­du­ção diá­ria atu­al é de 1,3 mi­lhão de bar­ris e de­ve sal­tar pa­ra 3,3 mi­lhões em 2025.

Os nú­me­ros da in­dús­tria são gi­gan­tes­cos. Em 25 anos, se­gun­do es­ti­ma­ti­va do Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa Ener­gé­ti­ca do Ca­na­dá, as arei­as be­tu­mi­no­sas po­dem agre­gar US$ 1,8 tri­lhão ao PIB do Ca­na­dá e cri­ar 456 mil em­pre­gos. Es­se pe­tró­leo do so­lo já tor­na o país o se­gun­do mai­or pro­du­tor do mun­do, per­den­do ape­nas pa­ra a Ará­bia Sau­di­ta. Des­de 2001, o país é o mai­or for­ne­ce­dor de pe­tró­leo aos EUA, des­ban­can­do os sau­di­tas. No si­te da Syn­cru­de há da­dos im­pres­si­o­nan­tes: os três de­pó­si­tos de pe­tró­leo de Al­ber­ta (Atha­bas­ca, Cold La­ke e Pe­a­ce Ri­ver) po­de­ri­am su­prir a ne­ces­si­da­de ener­gé­ti­ca do Ca­na­dá por 475 anos ou to­da a de­man­da mun­di­al por 15. O po­ten­ci­al po­de ser cin­co ve­zes mai­or que as re­ser­vas sau­di­tas. “As arei­as de pe­tró­leo são uma das pe­dras fun­da­men­tais da eco­no­mia de Al­ber­ta e do Ca­na­dá”, diz Don Thomp­son, pre­si­den­te da Oil Sands De­ve­lo­pers Group, en­ti­da­de que reú­ne as pe­tro­lei­ras.

Acon­te­ce que o ou­tro la­do des­ta mo­e­da é mui­to si­nis­tro. O Ca­na­dá es­tá na con­tra­mão de to­dos os es­for­ços in­ter­na­ci­o­nais de re­du­zir os ga­ses de efei­to-es­tu­fa e com­ba­ter o aque­ci­men­to glo­bal. O país as­si­nou o Pro­to­co­lo de Kyo­to, mas não só não cum­priu o cor­te que ha­via pro­me­ti­do fa­zer co­mo au­men­tou as su­as emis­sões. Se­gun­do o re­la­tó­rio “energy [r]evo­lu­ti­on”, do Gre­en­pe­a­ce-Ca­na­dá, as emis­sões de ga­ses-es­tu­fa do país eram 592 mi­lhões de to­ne­la­das em 1990 e vi­ra­ram 721 mi­lhões em 2006 — um au­men­to de 21,7% so­bre os ní­veis de 1990 e de 29,1% so­bre as me­tas do país em Kyo­to. “O Ca­na­dá é um fo­ra-da-lei in­ter­na­ci­o­nal” diz o jor­na­lis­ta ca­na­den­se An­drew Ni­ki­fo­ruk, au­tor do li­vro “ Tar Sands”. Se­gun­do ele, ca­da bar­ril de be­tu­me pro­duz três ve­zes mais ga­ses-es­tu­fa que um bar­ril de pe­tró­leo con­ven­ci­o­nal. “As ‘tar sands’ ex­pli­cam por­que o go­ver­no do Ca­na­dá gas­tou mais de US$ 6 bi­lhões em pro­gra­mas de mu­dan­ça cli­má­ti­ca nos úl­ti­mos 15 anos e não con­se­guiu cum­prir ne­nhu­ma me­ta”, diz ele.

Nas con­tas da ONG Glo­bal Fo­rest Wat­ch Ca­na­da, os mo­ra­do­res da pro­vín­cia de Al­ber­ta emi­ti­am 71 to­ne­la­das de CO2

equi­va­len­te (uma me­di­da pa­drão pa­ra os ga­ses-es­tu­fa) per ca­pi­ta em 2005, ou qua­tro ve­zes a emis­são do res­to dos ca­na­den­ses. As emis­sões per ca­pi­ta ali só perdem pa­ra as dos mo­ra­do­res do Qa­tar. A re­gião tem 10% da po­pu­la­ção do país e res­pon­de por 32% de su­as emis­sões.

A in­dús­tria do pe­tró­leo cor­re pa­ra de­sen­vol­ver a tec­no­lo­gia que se­ques­tra­rá car­bo­no, a cha­ma­da CCS, o que ali­vi­a­ria a emis­são. Al­ber­ta es­tá in­ves­tin­do US$ 2 bi­lhões nis­so. “Mas os pro­je­tos CCS não fi­ca­rão pron­tos em 2020, e a mu­dan­ça cli­má­ti­ca es­tá acon­te­cen­do ago­ra”, diz, cé­ti­ca, Emily Ro­chon, “cam­paig­ner” de cli­ma e ener­gia do Gre­en­pe­a­ce In­ter­na­ti­o­nal.

Há ou­tras pro­vá­veis con­sequên­ci­as da ex­tra­ção das arei­as be­tu­mi­no­sas que ar­re­pi­am am­bi­en­ta­lis­tas. Pe­ter Lee, di­re­tor da Glo­bal Fo­rest, diz que as re­ser­vas de gás na­tu­ral do Ca­na­dá só dão pa­ra a ex­tra­ção de 29% do be­tu­me. “Se­rão ne­ces­sá­ri­as 14 usi­nas nu­cle­a­res pa­ra subs­ti­tuir o gás”, es­ti­ma. “O Ca­na­dá se­rá o úni­co país do mun­do a usar ener­gia nu­cle­ar pa­ra pro­du­zir com­bus­tí­veis fós­seis” iro­ni­za Me­li­na La­bou­can-Mas­si­mo, a “Tar Sands cam­paig­ner” do Gre­en­pe­a­ce. “Es­ta ati­vi­da­de não é sus­ten­tá­vel pa­ra o ar, a água, a saú­de, o cli­ma, o di­rei­to dos po­vos in­dí­ge­nas” pros­se­gue. Se­gun­do ela, as in­dús­tri­as lan­çam no rio Atha­bas­ca 11 mi­lhões de li­tros de eflu­en­tes com mer­cú­rio, amô­nia, co­bre e ou­tros me­tais pe­sa­dos. Há ris­co de con­ta­mi­na­ção dos aquí­fe­ros. Pa­ra pro­du­zir um bar­ril de pe­tró­leo, usam três a qua­tro ve­zes a mes­ma quan­ti­da­de de água. “Afi­nal, que ti­po de le­ga­do es­ta­mos dei­xan­do às fu­tu­ras ge­ra­ções?” ques­ti­o­na.

Os de­pó­si­tos de be­tu­me se es­pa­lham por 140 mil km2,

uma área do ta­ma­nho da Fló­ri­da. Se­gun­do o Gre­en­pe­a­ce, o pro­je­to in­tei­ro me­xe­rá nu­ma área de flo­res­ta bo­re­al das di­men­sões da In­gla­ter­ra. Só se tem ideia da pro­por­ção do es­tra­go so­bre­vo­an­do a área. O hi­dro­a­vião decola, e os pri­mei­ros mi­nu­tos são de sur­pre­sa fren­te ao be­lo pa­no­ra­ma da flo­res­ta. Ali ain­da vi­vem ur­sos e al­ces. O gran­de Atha­bas­ca faz su­as cur­vas, pi­nhei­ros al­tos em ca­da mar­gem. A flo­res­ta abra­ça Fort McMur­ray. E, de re­pen­te, so­me.

Bas­ta o avião su­pe­rar os li­mi­tes de Fort McMur­ray pa­ra que as ár­vo­res de­sa­pa­re­çam de uma só vez. É uma ima­gem horripilante. O que se vê é um ce­ná­rio de “Mad Max”, só que não é fic­ção. O mun­do pa­re­ce ter per­di­do a cor, só há tons de cin­za e ne­gro, enor­mes la­gos es­cu­ros de águas pa­ra­das, can­tei­ros de obras e um fre­ne­si de ca­mi­nhões.

Don Thomp­son, da as­so­ci­a­ção das in­dús­tri­as, diz que já foi re­cons­ti­tuí­da uma “área gran­de”, mas que “as ár­vo­res da flo­res­ta le­vam 80 anos pa­ra cres­cer, e as que plan­ta­mos ain­da pa­re­cem gra­ma. É pre­ci­so lem­brar que es­ta in­dús­tria só tem 40 anos de ida­de”. Po­de até ser, mas o que se vê ho­je é de­so­la­dor. A ati­vis­ta ca­na­den­se Mau­de Bar­low, fa­mo­sa no mun­do to­do pe­la lu­ta pe­la água, cha­ma as mi­nas de Al­ber­ta de “Mor­dor”. Pa­ra quem não leu o li­vro e não viu o fil­me, Mor­dor é o cen­tro som­brio do Mal no mun­do ima­gi­ná­rio de Tol­ki­en em “O Se­nhor dos Anéis”.

“Tí­nha­mos água lim­pa e pei­xes, era uma vi­da boa”, diz Ce­li­na Har­pe, a lí­der cree, que vi­ve com o ma­ri­do, Edward, nu­ma ca­sa sim­ples em Fort McKay. “Is­to foi há 30 anos. Ago­ra o ve­ne­no das la­go­as es­tá in­do pa­ra o rio.” Ela é in­ter­rom­pi­da pe­lo te­le­fo­ne­ma de um vi­zi­nho, que quer sa­ber por­que a po­lí­cia es­tá es­ta­ci­o­na­da ali em fren­te. Ce­li­na não se in­ti­mi­da. De um ar­má­rio jun­to à TV, ti­ra fo­tos do tem­po em que Edward cur­tia pe­le de cas­to­res no abri­go de ma­dei­ra que ele mes­mo cons­truiu. Lem­bra do dia em que as cri­an­ças da es­co­la se sen­ti­ram mal e ti­ve­ram que ser so­cor­ri­das por am­bu­lân­ci­as. “Foi amô­nia que va­zou, mas nun­ca nos ex­pli­ca­ram na­da nem pe­di­ram des­cul­pa.” O chei­ro de ovo po­dre, emis­são da in­dús­tria, não dá tré­gua.

No ae­ro­por­to de Fort McMur­ray, uma lo­ja ven­de um su­ve­nir cu­ri­o­so: um su­por­te de ma­dei­ra com ci­lin­dros de acrí­li­co de con­teú­do du­vi­do­so, va­ri­an­do do ama­re­lo ao ne­gro. Vem com le­gen­da: areia, en­xo­fre, pe­tró­leo cru, be­tu­me. Mui­ta gen­te em Al­ber­ta têm or­gu­lho da in­dús­tria do pe­tró­leo, do tra­ba­lho e ri­que­za ela que ge­ra. “A gen­te não quer que as pes­so­as fi­quem de­sem­pre­ga­das. Mas te­mos que ba­ta­lhar por em­pre­gos ver­des e pen­sar em co­mo se­rá a vi­da dos nos­sos fi­lhos”, diz a bió­lo­ga Lu­a­na Adá­rio, 23 anos, vo­lun­tá­ria do Gre­en­pe­a­ce em Ma­naus e que par­ti­ci­pou de uma ação da ONG nas ins­ta­la­ções da Shell, em Al­ber­ta. Ro­land Wo­odward, lí­der cree em An­zac, vi­ve à bei­ra do la­go Gre­goi­re. Ali, o ar não chei­ra mal, mas ele des­con­fia da água. “Quan­do era cri­an­ça as pes­so­as mor­ri­am de ve­lhi­ce, de aci­den­te ou ‘ma­ta­das’. Ago­ra só se mor­re de cân­cer. Até jo­vens mor­rem de cân­cer. É es­tra­nho.”

FO­TOS COLIN O’CON­NOR/GRE­EN­PE­A­CE

An­tes e de­pois: nos ar­re­do­res de Fort McMur­ray, a be­la vi­são da flo­res­ta bo­re­al e de aflu­en­tes do rio Atha­bas­ca de­sa­pa­re­ce su­bi­ta­men­te e é subs­ti­tuí­da pe­lo ce­ná­rio som­brio das mi­nas de ex­tra­ção de be­tu­me, on­de não so­brou uma úni­ca ár­vo­re

Es­pan­ta­lhos no la­go: ideia é evi­tar dra­mas co­mo o dos 500 pa­tos que pou­sa­ram nas la­go­as da Syn­cru­de em 2008; só dois so­bre­vi­ve­ram ao óleo e às to­xi­nas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.