Uni­gel faz re­es­tru­tu­ra­ção e po­de tra­zer só­cio

Gru­po renegociou US$ 400 mi­lhões em dí­vi­das ban­cá­ri­as e con­tra­tou exe­cu­ti­vo pa­ra a pre­si­dên­cia

Valor Econômico - - | EMPRESAS INDÚSTRIA - Stel­la Fon­tes e Ivo Ri­bei­ro

O gru­po Uni­gel, se­gun­do mai­or do se­tor pe­troquí­mi­co no país, es­pe­ra ter con­tor­na­do o ba­que fi­nan­cei­ro que o afe­tou des­de a cri­se glo­bal de 2008/2009. Com uma dí­vi­da de US$ 450 mi­lhões, fru­to de in­ves­ti­men­tos de ex­pan­são e aqui­si­ções no Bra­sil e no Mé­xi­co, te­ve de pôr em mar­cha um pla­no de so­bre­vi­vên­cia.

Ao lon­go de 2014, o gru­po fez uma in­ten­sa ne­go­ci­a­ção, du­ran­te se­te me­ses, de cer­ca de US$ 400 mi­lhões de su­as dí­vi­das fi­nan­cei­ras, pro­fis­si­o­na­li­zou a ges­tão e ago­ra se pre­pa­ra pa­ra uma ca­pi­ta­li­za­ção. Es­se pro­ces­so po­de en­vol­ver a ven­da de ati­vos, a en­tra­da de um no­vo só­cio e até uma ofer­ta ini­ci­al de ações.

A fa­mí­lia Slezyn­ger, que é do­na de 100% do ne­gó­cio, já admite que po­de se des­fa­zer de uma fa­tia do ca­pi­tal. O ban­co Roths­child foi con­tra­ta­do pa­ra as­ses­so­rar nes­se pro­ces­so e to­das as opor­tu­ni­da­des se­rão ava­li­a­das.

Por ora, a úni­ca coi­sa cer­ta é que o mo­men­to não é pro­pí­cio pa­ra uma ofer­ta de ações e que par­ti­ci­pa­ções mi­no­ri­tá­ri­as em ne­gó­ci­os que não são es­tra­té­gi­cos são can­di­da­tas à ven­da.

“A em­pre­sa es­tá pre­pa­ra­da pa­ra uma ope­ra­ção de ca­pi­ta­li­za­ção. Es­sa é uma fa­se boa e que­re­mos man­tê-la, por­que a noi­va fi­ca mais bo­ni­ta”, dis­se ao Va­lor Reinaldo Krö­ger, que es­tá com­ple­tan­do seus pri­mei­ros 100 di­as à fren­te da Uni­gel, com car­ta bran­ca do con­tro­la­dor pa­ra im­ple­men­tar uma no­va ges­tão.

A che­ga­da de Krö­ger, que já ocu­pou cargos exe­cu­ti­vos e de su­pe­rin­ten­dên­cia em em­pre­sas co­mo Rho­dia e Vi­cu­nha Têx­til, veio na es­tei­ra da re­es­tru­tu­ra­ção da dí­vi­da do gru­po. A apre­sen­ta­ção de um pla­no de ne­gó­ci­os de cin­co a se­te anos e a saí­da da fa­mí­lia Slezyn­ger do dia a dia da Uni­gel te­ri­am si­do pré-con­di­ções pa­ra a as­si­na­tu­ra do acor­do com os ban­cos, apu­rou o Va­lor .

Por meio da con­tra­ta­ção de uma li­nha de pré-pa­ga­men­to à ex­por­ta­ção, o gru­po renegociou seu pas­si­vo fi­nan­cei­ro com um gru­po de oi­to ins­ti­tui­ções, 80% das quais com o San­tan­der, Bra­des­co, Itaú, Ban­co do Bra­sil e HSBC. “Is­so ti­rou a pres­são so­bre a com­pa­nhia”, ob­ser­vou Krö­ger.

Com a ope­ra­ção, sa­cra­men­ta­da em se­tem­bro do ano pas­sa­do com ca­rên­cia pa­ra pa­ga­men­to do prin­ci­pal até o fim de 2016, trans­fe­riu pa­ra o lon­go pra­zo o ven­ci­men­to de 82% de seus com­pro­mis­sos fi­nan­cei­ros. An­tes, cer­ca de 80% do en­di­vi­da­men­to ven­cia no cur­to pra­zo.

“A com­pa­nhia tra­ba­lha­va pa­ra pa­gar dí­vi­da. Ago­ra, sen­ta­mos no cai­xa e va­mos re­du­zir o en­di­vi­da­men­to e a ala­van­ca­gem”, afir­mou Krö­ger. Em de­zem­bro, a dí­vi­da lí­qui­da cor­res­pon­dia a 5 ve­zes o re­sul­ta­do an­tes de ju­ros, im­pos­tos, de­pre­ci­a­ção e amor­ti­za­ção (Ebit­da) em dó­lar. Até o fim do ano que vem, a me­ta é che­gar a 3 ve­zes e no­vos in­ves­ti­men­tos, res­sal­tou o exe­cu­ti­vo, so­men­te se­rão apro­va­dos se de­rem re­tor­no em seis me­ses.

No ano pas­sa­do, a re­cei­ta ope­ra­ci­o­nal lí­qui­da do gru­po to­ta­li- zou R$ 2,88 bi­lhões, fren­te a R$ 2,52 bi­lhões em 2013, mas o pre­juí­zo lí­qui­do foi qua­se três ve­zes mai­or — de R$ 148,8 mi­lhões. O au­men­to das des­pe­sas fi­nan­cei­ras e de ou­tras des­pe­sas ope­ra­ci­o­nais con­tri­buí­ram pa­ra es­se re­sul­ta­do. Nes­te ano, o re­sul­ta­do me­lho­rou bas­tan­te.

Além de com­ple­tar o pro­ces­so de pro­fis­si­o­na­li­za­ção da ges­tão, nes­te o fo­co é a re­du­ção de cus­tos. Krö­ger con­ta que, ao che­gar na Uni­gel, pas­sou a bus­car com lu­pa gor­du­ras na es­tru­tu­ra do gru­po que pos­sam ser cor­ta­das, o que pas­sou até pe­la re­ne­go­ci­a­ção do con­tra­to de lo­ca­ção do es­cri­tó­rio do gru­po em São Pau­lo.

Es­ses es­for­ços, com­bi­na­dos ao mo­men­to fa­vo­rá­vel vi­vi­do pe­la in­dus­tria pe­troquí­mi­ca glo­bal, es­pe­ci­al­men­te no se­gun­do tri­mes­tre, di­an­te da for­te des­va­lo­ri­za­ção dos pre­ços do pe­tró­leo — fon­te pri­mor­di­al da ma­té­ri­a­pri­ma do se­tor —, e do câm­bio fa­vo­rá­vel às ex­por­ta­ções, per­mi­ti­ram à Uni­gel re­gis­trar lu­cro lí­qui­do nos seis pri­mei­ros me­ses des­te ano, de R$ 11,5 mi­lhões.

O gru­po ini­ci­ou 2014 com mais de R$ 1,56 bi­lhão em obri­ga­ções fi­nan­cei­ras com ven­ci­men­to no cur­to pra­zo e um pre­juí­zo lí­qui­do de R$ 50,8 mi­lhões do ano an­te­ri­or, quan­do con­tra­tou a Es­tá­ter pa­ra en­con­trar uma so­lu­ção pa­ra a cri­se fi­nan­cei­ra. Por vá­ri­os mo­ti­vos, es­se ca­mi­nho não avan­çou.

Na­que­la épo­ca, ga­nha­ram for­ça os ru­mo­res de que o gru­po fun­da­do por Hen­ri Slezyn­ger es­ta­ria à ven­da. O em­pre­sá­rio, que as­su­miu a pre­si­dên­cia do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção com a che­ga­da do no­vo exe­cu­ti­vo, ga­ran­tiu ao Va­lor que es­sa ideia não exis­tiu, mas admite que uma fa­tia de seu ca­pi­tal ou de­ter­mi­na­dos ati­vos que não são con­si­de­ra­dos es­tra­té­gi­cos pa­ra Uni­gel po­dem pas­sar pa­ra as mãos de ter­cei­ros.

Em 2010, já com o in­tui­to de se con­cen­trar em su­as prin­ci­pais áre­as de ne­gó­cio — ho­je são qua­tro: acrí­li­cos, em­ba­la­gens, es­ti­rê­ni­cos e fer­ti­li­zan­tes —, a Uni­gel se des­fez de sua par­ti­ci­pa­ção na La­ta­pack, pro­du­to­ra de la­tas de alu­mí­nio pa­ra a in­dús­tri­as de be­bi­das.

Tam­bém com a fa­mí­lia Ma­ri­a­ni co­mo só­cia, o gru­po de­tém 24% da En­ge­pack, de gar­ra­fas PET, e é do­no de 100% da Po­lo Films, fa­bri­can­te gaú­cha de fil­mes de po­li­pro­pi­le­no. “As du­as al­ter­na­ti­vas es­tão sen­do ana­li­sa­das, mas não há pres­são de ven­da”, con­tou Slezyn­ger.

Co­mo par­te do pro­ces­so de pro­fis­si­o­na­li­za­ção, a Uni­gel con­ta ho­je com dois con­se­lhos. Pa­ra o con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção, pre­si­di­do por Hen­ri, fo­ram tra­zi­dos no­mes de pe­so do se­tor in­dus­tri­al: Fran­klin Fe­der, ex-pre­si­den­te da Al­coa no Bra­sil; Pedro Wongtschowski, ex-pre­si­den­te da Ul­tra­par e atu­al con­se­lhei­ro; e Ri­car­do Weiss, ex-An­glo Ame­ri­can e ex-Co­o­per­su­car. O fi­lho Marc Slezyn­ger, que era vi­ce­pre­si­den­te do gru­po, tam­bém foi pa­ra o con­se­lhei­ro.

Um se­gun­do con­se­lho, vol­ta­do pa­ra a fa­mí­lia, reú­ne o pa­tri­ar­ca, Marc e ou­tros três fi­lhos do em­pre­sá­rio. A con­sul­to­ria KPMG foi con­tra­ta­da pa­ra as­ses­so­rar a es­tru­tu­ra­ção dos dois con­se­lhos.

CLAU­DIO BELLI/VA­LOR

Reinaldo Krö­ger, que es­tá há 100 di­as à fren­te da di­re­to­ria exe­cu­ti­va da Uni­gel: mis­são de im­ple­men­tar uma ges­tão en­xu­ta, re­du­zir cus­tos e am­pli­ar a re­cei­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.