Net­flix e Spo­tify ins­pi­ram no­vos em­pre­en­di­men­tos

Pla­ta­for­ma de con­teú­do via stre­a­ming ga­nha for­ça

Valor Econômico - - | ESPECIAL PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Dany­lo Mar­tins

Um cardápio far­to de fil­mes, se­ri­a­dos e mú­si­cas pa­ra ver e ou­vir quan­do e co­mo qui­ser. Com es­se in­gre­di­en­te, pla­ta­for­mas co­mo Net­flix e Spo­tify têm caí­do ca­da vez mais no gos­to das pes­so­as. A Net­flix já con­ta com mais de 80 mi­lhões de as­si­nan­tes no mundo to­do. A pro­du­ção de con­teú­do pró­prio é ou­tra apos­ta que ten­de a ge­rar bons fru­tos.

En­quan­to a Net­flix é co­nhe­ci­da por sé­ri­es ori­gi­nais co­mo “Oran­ge is the New Black” e “Hou­se of Cards”, o Spo­tify, de transmissão on-li­ne de mú­si­cas, anun­ci­ou, no iní­cio de maio, par­ce­ri­as pa­ra de­sen­vol­ver sé­ri­es em ví­deo com a mú­si­ca co­mo pa­no de fun­do. A em­pre­sa tem mais de 75 mi­lhões de usuá­ri­os, sen­do 30 mi­lhões de as­si­nan­tes pa­gos — a pla­ta­for­ma pos­sui ver­sões Free (gra­tui­ta) e Pre­mium (as­si­na­tu­ra men­sal).

A re­cei­ta pa­ra o su­ces­so des­se ti­po de ne­gó­cio in­clui o uso do big data, ou se­ja, a aná­li­se de gran­des quan­ti­da­des de da­dos so­bre o perfil de qu­em con­so­me o ser­vi­ço, ex­pli­ca Mar­ce­lo Na­ka­gawa, pro­fes­sor de em­pre­en­de­do­ris­mo do Ins­per. “O fa­to de ser ba­se­a­do em as­si­na­tu­ra re­duz dras­ti­ca­men­te o cus­to de aqui­si­ção de cli­en­tes pa­ra a em­pre­sa e traz co­mo­di­da­de ao as­si­nan­te, que não pre­ci­sa to­mar de­ci­sões de com­pra pe­ri­o­di­ca­men­te.” Mai­or mar­gem de lu­cro e van­ta­gem com­pe­ti­ti­va, diz, são ou­tros pon­tos a fa­vor.

No ar des­de o co­me­ço do ano pas­sa­do, a pla­ta­for­ma HSM Ex­pe­ri­en­ce al­me­ja ser uma es­pé­cie de “Spo­tify da ges­tão”, com ví­de­os, ar­ti­gos e li­vros so­bre te­mas co­mo em­pre­en­de­do­ris­mo, li­de­ran­ça e ino­va­ção, pro­du­zi­dos pe­la HSM ao lon­go de mais de 27 anos. “É um con­teú­do que não mor­re com o tem­po, afi­nal mui­tos con­cei­tos ain­da fa­zem sen­ti­do ho­je em dia”, diz Ale­xan­dre Braga, co­or­de­na­dor da pla­ta­for­ma. Pa­ra es­tru­tu­rar o sis­te­ma, di­vi­di­do em oi­to áre­as do co­nhe­ci­men­to, uma equi­pe as­sis­tiu a to­dos os ví­de­os de en­tre­vis­tas e pa­les­tras. “Mon­ta­mos tri­lhas com as­sun­tos mais es­pe­cí­fi­cos, for­ma­ta­dos nu­ma sequên­cia.”

A play­list ‘Em­pre­sa Fa­mi­li­ar’, por exem­plo, reú­ne con­teú­do so­bre ges­tão e su­ces­são de com­pa­nhi­as fa­mi­li­a­res, in­cluin­do te­mas co­mo a ad­mi­nis­tra­ção de con­fli­tos e o pa­pel dos con­se­lhei­ros in­de­pen­den­tes no ne­gó­cio.

Com cer­ca de 25 mil usuá­ri­os ati­vos, o ne­gó­cio tem co­mo fo­co tan­to con­su­mi­do­res fi­nais (mo­de­lo B2C) quan­to em­pre­sas (B2B). No ca­so do usuá­rio pes­soa fí­si­ca, as­sim co­mo no Net­flix, há uma de­gus­ta­ção do ser­vi­ço pe­lo pri­mei­ro mês — ca­so a as­si­na­tu­ra se­ja man­ti­da, o pre­ço pro­mo­ci­o­nal é de R$ 59,90 men­sais. “Pa­ra as em­pre­sas, o pro­je­to é mon­ta­do con­for­me as ne­ces­si­da­des e o cli­en­te tem aces­so a con­teú­dos ex­clu­si­vos e ho­me­pa­ge per­so­na­li­za­da. Há tam­bém uma fer­ra­men­ta que mos­tra aos pro­fis­si­o­nais de RH quais os as­sun­tos mais aces­sa­dos pe­los lí­de­res da com­pa­nhia”, afir­ma Braga. Se­gun­do o exe­cu­ti­vo, do to­tal de usuá­ri­os do ser­vi­ço, 80% são cor­po­ra­ti­vos. Na car­tei­ra de cli­en­tes es­tão no­mes de pe­so, co­mo Ama­zon, Ora­cle, PwC e TIM.

O ob­je­ti­vo é que a pla­ta­for­ma se­ja uma es­pé­cie de hub de con­teú­do pa­ra a co­mu­ni­da­de da HSM, co­mo cli­en­tes e lei­to­res da re­vis­ta “HSM Ma­na­ge­ment”. “A ex­pec­ta­ti­va é que, ain­da es­te mês, as pes­so­as pos­sam mon­tar as pró­pri­as tri­lhas de co­nhe­ci­men­to e com­par­ti­lhá-las com ou­tros usuá­ri­os da pla­ta­for­ma”, diz Braga. As no­vi­da­des in­clu­em, ain­da, lan­ça­men­to de um apli­ca­ti­vo nas ver­sões An­droid e iOS, as­sim co­mo pers­pec­ti­va de ex­pan­são do ne­gó­cio pa­ra paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na.

No ra­mo mu­si­cal, o Mu­sic Clan quer ser uma re­fe­rên­cia não ape­nas pa­ra pro­fis­si­o­nais, mas tam­bém pa­ra qu­em de­se­ja apren­der. “O ob­je­ti­vo é que a pes­soa se tor­ne um mú­si­co com­ple­to”, apon­ta Jo­na­tas Vas­con­ce­los, só­cio-fun­da­dor da pla­ta­for­ma, de­sen­vol­vi­da com o ami­go e só­cio Bru­no Custódio. Ao es­tru­tu­rar o ne­gó­cio, eles iden­ti­fi­ca­ram que há mui­to con­teú­do mu­si­cal no mer­ca­do, mas com pou­ca in­for­ma­ção téc­ni­ca. Além de um cur­so de gui­tar­ra e workshops so­bre gê­ne­ros es­pe­cí­fi­cos, co­mo jazz, o in­tui­to é ofe­re­cer se­mi­ná­ri­os a qu­em pre­ten­de se­guir car­rei­ra. “Ain­da exis­te a ideia de que tra­ba­lhar com mú­si­ca não é uma pro­fis­são. Por is­so, va­mos tra­zer de­poi­men­tos de mú­si­cos bem­su­ce­di­dos pa­ra con­tar as di­fi­cul­da­des e os de­sa­fi­os que en­fren­ta­ram em sua tra­je­tó­ria.” diz. Aber­ta ao pú­bli­co no fim do ano pas­sa­do, a pla­ta­for­ma pos­sui cer­ca de 150 as­si­nan­tes, a mai­o­ria com­pos­ta de lei­to­res da re­vis­ta “Gui­tar­lo­ad” — pu­bli­ca­ção di­gi­tal cri­a­da por Jo­na­tas, Bru­no e mais dois só­ci­os em 2010, com dis­tri­bui­ção gra­tui­ta. “A par­tir da ex­pe­ri­ên­cia com a re­vis­ta, re­de­se­nha­mos o mo­de­lo de ne­gó­ci­os pa­ra de­sen­vol­ver o Mu­sic Clan”, diz Jo­na­tas.

DI­VUL­GA­ÇÃO

Jo­na­tas e Bru­no: me­ta é ser re­fe­rên­cia pa­ra pro­fis­si­o­nais de mú­si­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.