Pro­fis­si­o­nais se unem pa­ra achar tra­ba­lho via Fa­ce­bo­ok

Na cri­se, cres­ce o nú­me­ro de gru­pos pa­ra tro­ca de opor­tu­ni­da­des

Valor Econômico - - | EM­PRE­SAS CAR­REI­RA - Maurício Oli­vei­ra

Em agos­to do ano pas­sa­do, a de­sig­ner Clau­di­ne Bailly, co­nhe­ci­da pe­lo ape­li­do Ku­ki, 48 anos, per­deu o em­pre­go — mais uma en­tre mi­lhões de ví­ti­mas da cri­se econô­mi­ca. Ao to­mar co­nhe­ci­men­to de que vá­ri­os ami­gos en­fren­ta­vam si­tu­a­ção se­me­lhan­te, ela te­ve a ideia de cri­ar um gru­po no Fa­ce­bo­ok pa­ra que to­dos pu­des­sem ofe­re­cer seus ser­vi­ços, for­man­do as­sim um ban­co de ta­len­tos à dis­po­si­ção de even­tu­ais con­tra­tan­tes pa­ra va­gas for­mais ou tra­ba­lhos fre­e­lan­cer. O nome escolhido pa­ra a co­mu­ni­da­de, Dots, ins­pi­ra­do num cé­le­bre dis­cur­so de Ste­ve Jobs, re­fe­ria-se à trans­for­ma­ção de pon­tos iso­la­dos em uma re­de for­te. “A mo­ti­va­ção ini­ci­al era que as pes­so­as não se sen­tis­sem so­zi­nhas em um mo­men­to de dificuldad­e”, diz Ku­ki.

O gru­po, que co­me­çou com 300 pes­so­as, já so­ma­va dois mil in­te­gran­tes ape­nas três di­as de­pois, mes­mo com a exi­gên­cia de que no­vas ade­sões só se­ri­am acei­tas a par­tir da in­di­ca­ção de um mem­bro. Às vés­pe­ras de com­ple­tar um ano, o Dots se apro­xi­ma da mar­ca de 30 mil par­ti­ci­pan­tes, das mais va­ri­a­das pro­fis­sões. Um dos atra­ti­vos é jus­ta­men­te a di­ver­si­da­de dos posts: bas­ta ex­por qu­al­quer ne­ces­si­da­de que al­guém apa­re­ce com a ha­bi­li­da­de de­se­ja­da ou in­di­ca qu­em a te­nha. Da mes­ma for­ma, a ofer­ta de ser­vi­ços e pro­du­tos é am­pla e sur­pre­en­den­te. “To­da ho­ra che­gam de­poi­men­tos con­tan­do co­mo o gru­po apro­xi­mou pes­so­as com ne­ces­si­da­des que se com­ple­men­ta­ram”, or­gu­lha-se a fun­da­do­ra.

Ku­ki tem se es­for­ça­do pa­ra pre­ser­var o fo­co das pos­ta­gens em ati­vi­da­des pro­fis­si­o­nais exer­ci­das in­di­vi­du­al­men­te ou por em­pre­sas pe­que­nas. Quan­do co­me­ça­ram a pi­po­car posts de ca­rá­ter fi­lan­tró­pi­co — gen­te pe­din­do aju­da ou ofe­re­cen­do tra­ba­lho não-re­mu­ne­ra­do —, ela cri­ou uma re­de pa­ra­le­la, o Dots Gu­ar­di­ans, pa­ra tra­tar des­ses te­mas. Ou­tra pre­mis­sa é que a co­mu­ni­ca­ção se­ja gen­til — gros­se­ri­as e dis­cus­sões são mo­ti­vos de ex­clu­são ime­di­a­ta — e, se pos­sí­vel, ca­lo­ro­sa. “Não se tra­ta de um lu­gar pa­ra sim­ples­men­te fa­zer anún­ci­os, de for­ma fria. O Dots é um gru­po de re­la­ci­o­na­men­to en­tre pes­so­as, não en­tre pro­du­tos”, diz. Pa­ra es­trei­tar os con­ta­tos es­ta­be­le­ci­dos vir­tu­al­men­te, ela pro­mo- ve en­con­tros men­sais en­tre os par­ti­ci­pan­tes, em São Pau­lo.

Os gru­pos de so­li­da­ri­e­da­de pro­fis­si­o­nal mul­ti­pli­cam-se nas re­des so­ci­ais com uma ca­rac­te­rís­ti­ca mar­can­te: a par­ti­ci­pa­ção pre­do­mi­nan­te­men­te fe­mi­ni­na. O In­di­que Uma Mi­na, cri­a­do por Juliana Ric­ci, 25 anos, é um fenô­me­no. Ao com­ple­tar um mês de exis­tên­cia, no iní­cio de ju­lho, con­ta­va com 43 mil mu­lhe­res as­so­ci­a­das e um vo­lu­me mé­dio de 700 no­vas ade­sões por dia.

“O rit­mo de cres­ci­men­to foi um sus­to e es­tou ten­tan­do me adap­tar”, con­ta a fun­da­do­ra, que há dois anos de­ci­diu dei­xar o Rio de Ja­nei­ro, on­de cur­sa­va a fa­cul­da­de de pro­du­ção cul­tu­ral, pa­ra mo­rar em Por­to Ale­gre, sus­ten­tan­do-se co­mo pro­fes­so­ra de in­glês pa­ra cri­an­ças. Li­ga­da à cau­sa fe­mi­nis­ta des­de que pas­sou um ano em in­ter­câm­bio na No­va Ze­lân­dia, pri­mei­ro país do mun­do a ter vo­to fe­mi­ni­no, ela de­se­ja­va fa­zer al­go pa­ra aju­dar as mu­lhe­res a en­con­trar es­pa­ço no mer­ca­do de tra­ba­lho.

O In­di­que Uma Mi­na se pro­põe a anun­ci­ar em pri­mei­ra mão va­gas de em­pre­go, não ne­ces­sa­ri­a­men­te re­ser­va­das a mu­lhe­res. “O im­por­tan­te é co­lo­cá-las na dis­pu­ta, fa­zen­do a in­for­ma­ção chegar rá­pi­do”, diz Juliana. Pro­fis­si­o­nais das mais di­ver­sas áre­as tam­bém po­dem anun­ci­ar seus ser­vi­ços em uma es­pé­cie de “pá­gi­nas ama­re­las” fe­mi­ni­na. Com o cres­ci­men­to ex­po­nen­ci­al do gru­po, a fun­da­do­ra con­vo­cou vo­lun­tá­ri­as pa­ra aju­dá-la na ad­mi­nis­tra­ção. Ca­da pe­di­do de in­gres­so é cui­da­do­sa­men­te che­ca­do, pa­ra com­pro­var que se tra­ta de uma mu­lher de ver­da­de. E ca­da post só é pu­bli­ca­do de­pois de pas­sar pe­lo cri­vo pré­vio da equi­pe, o que as­se­gu­ra a pre­ser­va­ção dos ob­je­ti­vos do gru­po.

O Co.Ma­dre, cri­a­do em 2012 pe­la jor­na­lis­ta Juliana Ma­riz, 42 anos, tam­bém li­da ex­clu­si­va­men­te com o pú­bli­co fe­mi­ni­no. De­pois do nascimento da pri­mei­ra fi­lha, Ma­ria Cla­ra, Juliana de­ci­diu tro­car um em­pre­go fi­xo pe­la con­di­ção de fre­e­lan­cer, com o ob­je­ti­vo de acom­pa­nhar mais de per­to o cres­ci­men­to da fi­lha. Quan­do a me­ni­na en­trou na es­co­li­nha, a jor­na­lis­ta pas­sou a con­vi­ver com ou­tras mães que en­fren­ta­vam di­le­mas re­la­ci­o­na­dos à ne­ces­si­da­de de con­ci­li­ar tra­ba­lho e ma­ter­ni­da­de. “Eram mu­lhe­res que que­ri­am con­ti­nu­ar sen­do pro­du­ti­vas, mas não con­se­gui­am se en­qua­drar nas exi­gên­ci­as da vi­da cor­po­ra­ti­va con­ven­ci­o­nal”, lem­bra.

Ho­je, o gru­po reú­ne 650 mães que com­par­ti­lham ex­pe­ri­ên­ci­as e opor­tu­ni­da­des de tra­ba­lho — e ca­da no­vo in­gres­so só é au­to­ri­za­do pe­la cri­a­do­ra após uma aná­li­se cui­da­do­sa do per­fil. “Eu não que­ro que o gru­po cres­ça de­mais e per­ca a sua ca­rac­te­rís­ti­ca prin­ci­pal, que é a sensação de pro­xi­mi­da­de e in­ti­mi­da­de. É is­so que nos dei­xa à von­ta­de pa­ra com­par­ti­lhar his­tó­ri­as e que faz des­per­tar in­te­res­se ver­da­dei­ro de umas pe­las ou­tras”, diz Juliana. Em bus­ca de re­mu­ne­ra­ção pa­ra o tem­po que de­di­ca ao Co.Ma­dre, ela co­me­çou a fa­zer pa­les­tras e or­ga­ni­zar even­tos que en­vol­vem as in­te­gran­tes do gru­po, a exem­plo de um ba­zar re­a­li­za­do no fi­nal do ano pas­sa­do.

Há tam­bém gru­pos vol­ta­dos a uma de­ter­mi­na­da área de atu­a­ção. O QI, abre­vi­a­ção de Qu­em In­di­ca, foi cri­a­do há qua­tro anos pe­lo re­da­tor pu­bli­ci­tá­rio Luís Ta­deu San­tos, 59 anos, de­pois que ele foi cor­ta­do da agên­cia em que tra­ba­lha­va ha­via 11 anos. A ideia era dis­se­mi­nar en­tre os mais che­ga­dos in­for­ma­ções so­bre va­gas de tra­ba­lho e ‘jobs’, mas os ami­gos fo­ram cha­man­do ami­gos, e lo­go o gru­po che­gou aos pri­mei­ros mil par­ti­ci­pan­tes. Uma das re­gras é usar o es­pa­ço ape­nas pa- ra di­vul­gar opor­tu­ni­da­des de tra­ba­lho, e não co­mo um fó­rum de dis­cus­sões so­bre o mer­ca­do. “Mui­tas ve­zes ti­ve que apa­gar men­sa­gens que não es­ta­vam de acor­do. Fui cha­ma­do de cen­sor, de di­ta­dor, mas ago­ra as pes­so­as já se acos­tu­ma­ram”, diz San­tos.

O QI já ul­tra­pas­sou a mar­ca de 35 mil in­te­gran­tes e con­ti­nua re­ce­ben­do uma mé­dia de 100 so­li- ci­ta­ções por dia. Cer­ca de dois ter­ços são re­cu­sa­dos, por não se­rem per­fis pú­bli­cos — pre­mis­sa do gru­po pa­ra acei­tar um no­vo integrante — ou por não fi­car evi­den­ci­a­do que a pes­soa atua na área de co­mu­ni­ca­ção. San­tos ain­da não en­con­trou uma for­ma de ser re­mu­ne­ra­do pe­lo tem­po que de­di­ca ao gru­po, mas se sen­te re­com­pen­sa­do pe­la cer­te­za de que já aju­dou mui­ta gen­te — mes­mo em um pe­río­do de cri­se, co­mo o atu­al, a mé­dia de anún­ci­os de va­gas se man­tém em 20 por dia. “Sou fre­e­lan­cer e, por on­de pas­so, sem­pre tem al­guém que me re­co­nhe­ce do QI. Mui­ta gen­te con­ta ter con­se­gui­do um em­pre­go gra­ças ao gru­po. Is­so é mui­to gra­ti­fi­can­te”, diz.

A ex­pe­ri­ên­cia de li­de­rar um gru­po pau­ta­do pe­la so­li­da­ri­e­da­de es­tá mu­dan­do a vi­da de Ku­ki Bailly. Gra­ças ao Dots, ela des­co­briu, ou re­des­co­briu, uma vo­ca­ção. “Des­de a ado­les­cên­cia eu apro­xi­mo pes­so­as que acre­di­to ter coi­sas em co­mum. É al­go na­tu­ral em mim”, diz. Fi­lha de um francês com uma chi­ne­sa cu­jas fa­mí­li­as re­co­me­ça­ram a vi­da no Bra­sil, ela es­tu­dou em es­co­las in­ter­na­ci­o­nais e pas­sou 15 anos tra­ba­lhan­do na Eu­ro­pa e na Ásia. Tu­do is­so a fez de­sen­vol­ver a ca­pa­ci­da­de de es­ta­be­le­cer co­ne­xões com pes­so­as das mais va­ri­a­das ori­gens e pro­fis­sões. Por con­ta do Dots, Ku­ki es­tá ini­ci­an­do uma no­va car­rei­ra, a de “netwe­a­ver” — ou “lí­der de re­de”. Já foi pro­cu­ra­da por em­pre­sas in­te­res­sa­das em seu know-how de co­mo cri­ar uma re­de e ad­mi­nis­trá-la, de­man­da cres­cen­te nos am­bi­en­tes cor­po­ra­ti­vos.

SIL­VIA ZAM­BO­NI/VA­LOR

Ao per­der o em­pre­go, Ku­ki Bailly cri­ou o gru­po Dots, que já reú­ne 30 mil pes­so­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.