Chi­ne­sa as­su­me área de nió­bio e fos­fa­to da An­glo

Valor Econômico - - | EMPRESAS INDÚSTRIA - Com­mo­di­ti­es Re­na­to Ros­tás

A Chi­na Molyb­de­num Com­pany (CMOC), que as­su­miu ofi­ci­al­men­te a par­tir de sá­ba­do o co­man­do das ope­ra­ções de nió­bio e fos­fa­tos da An­glo Ame­ri­can no Bra­sil, pre­ten­de man­ter to­da a es­tru­tu­ra do ne­gó­cio por en­quan­to, mas es­pe­ra re­du­zir seus cus­tos prin­ci­pal­men­te sim­pli­fi­can­do as ope­ra­ções. A em­pre­sa pa­gou US$ 1,7 bi­lhão na aqui­si­ção, ne­go­ci­a­da em abril.

Pa­ra Mar­cos Stel­zer, di­re­tor-ge­ren­te do no­vo ne­gó­cio e que já tra­ba­lha­va há 25 anos na an­ti­ga con­tro­la­do­ra, o mer­ca­do de nió­bio pa­re­ce guar­dar uma re­cu­pe­ra­ção mais sig­ni­fi­ca­ti­va no mé­dio e lon­go pra­zos, mas o de fos­fa­tos se­gue cres­cen­do no Bra­sil por con­ta da de­man­da do agro­ne­gó­cio.

Em en­tre­vis­ta ao Valor PRO, ser­vi­ço de in­for­ma­ções em tem­po re­al do Valor , o exe­cu­ti­vo afir­mou que as atu­ais di­fi­cul­da­des pa­ra o nió­bio são re­fle­xo da cri­se na si­de­rur­gia glo­bal, que en­fren­ta um ex­ces­so de ca­pa­ci­da­de em cer­ca de 750 mi­lhões de to­ne­la­das. O me­tal é uti­li­za­do em li­gas es­pe­ci­ais de aço, prin­ci­pal­men­te de al­ta re­sis­tên­cia, que é des­ti­na­do a fa­bri­can­tes de tu­bos e au­to­mó­veis, por exem­plo.

“Acre­di­ta­mos nos fun­da­men­tos do nió­bio, prin­ci­pal­men­te por con­ta da es­tru­tu­ra da in­dús­tria e do po­ten­ci­al de ala­van­ca­gem da de­man­da”, dis­se Stel­zer. “No cur­to pra­zo a si­tu­a­ção é um pou­co mais com­pli­ca­da, mas acre­di­ta­mos em re­cu­pe­ra­ção no mé­dio e no lon­go pra­zo.”

O Bra­sil é o país que mais pro­duz o me­tal no mun­do, com a mai­or par­te nas mãos da Com­pa- nhia Bra­si­lei­ra de Me­ta­lur­gia e Mi­ne­ra­ção (CBMM). A pro­du­ção da lí­der che­ga a apro­xi­ma­da­men­te 100 mil to­ne­la­das anu­ais. A An­glo Ame­ri­can pro­du­zia 1,2 mil to­ne­la­das no país, ape­nas pa­ra ex­por­ta­ção. Des­se to­tal, cer­ca de 30% era des­ti­na­do à Chi­na.

No ca­so dos fos­fa­tos, o ma­te­ri­al é ven­di­do a mis­tu­ra­do­res de fer­ti­li­zan­tes — 100% no mer­ca­do in­ter­no —, com cli­en­tes co­mo Mo­saic e Ya­ra. Nes­se ca­so, Stel­zer pre­vê que a de­man­da bra­si­lei­ra cres­ça de 3% a 4% em 2016 e con­ti­nue su­bin­do nos pró­xi­mos anos por con­ta do bom mo­men­to re­la­ti­vo da agri­cul­tu­ra na­ci­o­nal, prin­ci­pal­men­te.

“Pa­ra is­so, es­ta­mos mui­to bem lo­ca­li­za­dos no Cen­tro-Oes­te, com de­pó­si­tos de al­tís­si­ma qua­li­da­de e gran­de vi­da útil”, lem­brou o exe­cu­ti­vo. A pro­du­ção é de 358 mil to­ne­la­das de con­cen­tra­do, 73,6 mil to­ne­la­das de áci­do fos­fó­ri­co, 285,9 mil to­ne­la­das de fer­ti­li­zan­tes e 41,5 mil to­ne­la­das de fos­fa­to bi­cál­ci­co (DCP).

A An­glo Ame­ri­can de­ci­diu se des­fa­zer do ne­gó­cio de­pois do fim do cha­ma­do “su­per­ci­clo” das com­mo­di­ti­es, que le­vou a mi­ne­ra­do­ra a um al­to en­di­vi­da­men­to em meio a pers­pec­ti­vas pi­o­res de ge­ra­ção de cai­xa. Além de nió­bio e fos­fa­tos, o gru­po es­tu­da a po­ten­ci­al ven­da do Mi­nas-Rio, pro­je­to de mi­né­rio de fer­ro lo­ca­li­za­do em Mi­nas Ge­rais.

A dí­vi­da lí­qui­da da mi­ne­ra­do­ra che­gou a atin­gir US$ 12,9 bi­lhões no fim de 2015 e já foi re­du­zi­da pa­ra US$ 11,7 bi­lhões, se­gun­do a con­ta­bi­li­za­ção de ju­nho des­te ano. Dos US$ 1,7 bi­lhão de­sem­bol­sa­dos pe­la CMOC, a An­glo vai re­ce­ber US$ 1,5 bi­lhão lí­qui­dos, que irão in­tei­ra­men­te pa­ra a re­du­ção des­sa dí­vi­da.

Pa­ra a com­pra­do­ra, o ne­gó­cio de nió­bio apre­sen­ta si­ner­gi­as im­por­tan­tes às ope­ra­ções que já pos­sui de mo­lib­dê­nio e tungs­tê­nio, na Chi­na. Com a aqui­si­ção, o gru­po se tor­na o se­gun­do mai­or for­ne­ce­dor de fos­fa­tos no Bra­sil e tam­bém o se­gun­do no ran­king das mai­o­res pro­du­to­ras de nió­bio do mun­do.

A ope­ra­ção fi­ca sob o co­man­do da CMOC In­ter­na­ti­o­nal, bra­ço de ne­gó­ci­os do gru­po fo­ra do país­na­tal. O no­me da com­pa­nhia se­rá CMOC In­ter­na­ti­o­nal Bra­sil e o exe­cu­ti­vo res­pon­de­rá di­re­ta­men­te ao pre­si­den­te da área in­ter­na­ci­o­nal, Ka­li­das Madhav­ped­di. Além des­ses ati­vos no Bra­sil, a CMOC In­ter­na­ti­o­nal pos­sui 80% de um pro­je­to de co­bre na Aus­trá­lia.

“A CMOC é uma em­pre­sa que bus­ca a in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção e es­tá apro­vei­tan­do a al­ta li­qui­dez na Chi­na”, ex­pli­cou Stel­zer. “Os in­ves­ti­men­tos que ela es­tá fa­zen­do ser­vem pa­ra di­ver­si­fi­car sua atu­a­ção em ou­tras com­mo­di­ti­es. O que in­te­res­sa não é ga­ran­tir pa­ra o país a pro­du­ção lo­cal das ma­té­ri­as-pri­mas. Te­re­mos au­to­no­mia em re­la­ção a is­so.”

DI­VUL­GA­ÇÃO

Stel­zer, di­re­tor-ge­ren­te: mer­ca­do de nió­bio de­ve me­lho­rar no mé­dio pra­zo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.