Glo­bo­sat pre­pa­ra ca­nal 4K e com­pa­nhia de ví­de­os cur­tos

Ser­vi­ço pa­ra con­cor­rer com Net­flix tam­bém es­tá nos pla­nos

Valor Econômico - - | EMPRESAS TENDÊNCIAS&CONSUMO - João Luiz Ro­sa

Quan­do en­trou em fun­ci­o­na­men­to, em 1991, a Glo­bo­sat — uma das mai­o­res pro­gra­ma­do­ras de TV por as­si­na­tu­ra do país — era bem di­fe­ren­te do que é ho­je. Além de cri­ar con­teú­do, a com­pa­nhia ven­dia o ser­vi­ço e ins­ta­la­va os equi­pa­men­tos: no ca­so, as de­sa­jei­ta­das pa­ra­bó­li­cas ana­ló­gi­cas dos pri­mei­ros tem­pos. “Eram an­te­nas com 3,60 me­tros de di­â­me­tro, uma coi­sa que ca­bia em qual­quer do­mi­cí­lio bra­si­lei­ro bá­si­co”, brinca Al­ber­to Pe­ce­guei­ro, di­re­tor-ge­ral da Glo­bo­sat e um ex­pe­ri­en­te pro­fis­si­o­nal do se­tor. As ati­vi­da­des de dis­tri­bui­ção fo­ram aban­do­na­das em 1993, dei­xan­do a em­pre­sa con­cen­tra­da ex­clu­si­va­men­te em con­teú­do.

Ago­ra, pres­tes a co­me­mo­rar 25 anos, a com­pa­nhia pre­pa­ra uma sé­rie de ações que en­fa­ti­zam as mu­dan­ças de com­por­ta­men­to do es­pec­ta­dor na era di­gi­tal. As no­vi­da­des in­clu­em o lan­ça­men­to de um ca­nal em 4K, a cri­a­ção de uma em­pre­sa de ví­de­os cur­tos, a ado­ção de um no­vo sis­te­ma pa­ra exi­bir pu­bli­ci­da­de e a ofer­ta de um ser­vi­ço nos mol­des do Net­flix e

A Glo­bo­sat foi a pri­mei­ra pro­gra­ma­do­ra a lan­çar um ca­nal em HD no país, em 2007, quan­do a tec­no­lo­gia de al­ta de­fi­ni­ção era uma no­vi­da­de. O 4K re­pre­sen­ta uma qua­li­da­de de ima­gem qua­tro ve­zes su­pe­ri­or ao Full HD, o to­po des­se pa­drão. “Te­mos um ca­nal pron­to e es­ta­mos dis­cu­tin­do com as ope­ra­do­ras a con­ve­ni­ên­cia de lan­çá-lo”, diz Pe­ce­guei­ro.

No ecos­sis­te­ma da TV pa­ga, as ope­ra­do­ras são em­pre­sas co­mo Net e Sky, que dis­tri­bu­em os ca­nais das pro­gra­ma­do­ras.

Quan­do es­tre­ou, nos anos 90, a Glo­bo­sat ti­nha qua­tro ca­nais: GNT, Mul­tishow, Te­le­ci­ne e Top Sport (que mais tar­de se trans­for­mou no SportTV). Ho­je, eles são 32.

Lan­çar ca­nais é al­go que as pro­gra­ma­do­ras sem­pre qu­e­rem, mas a de­ci­são, diz Pe­ce­guei­ro, é das ope­ra­do­ras. Pri­mei­ro, é pre­ci­so en­con­trar frequên­ci­as dis­po­ní­veis pa­ra abri­gar o no­vo ca­nal, o que não é fá­cil. De­pois, é pre­ci­so sa­ber se há vi­a­bi­li­da­de co­mer­ci­al, ou se­ja, se os usuá­ri­os es­tão dis­pos­tos a pa­gar mais pe­la no­vi­da­de, o que é di­fi­cul­ta­do pe­la cri­se econô­mi­ca.

“Al­guns ca­nais que lan­ça­mos re­cen­te­men­te, fi­ze­mos sem cus­to pa­ra as ope­ra­do­ras, acre­di­tan­do que a pu­bli­ci­da­de fa­ria fren­te aos gas­tos”, afir­ma Pe­ce­guei­ro. É o ca­so dos 13 ca­nais adi­ci­o­nais que a Glo­bo­sat acres­cen­tou aos três SporTV re­gu­la­res na co­ber­tu­ra da Olim­pía­da. À pri­mei­ra vis­ta, foi um ato de lou­cu­ra, diz o exe­cu­ti­vo, mas ao fim dos jo­gos to­dos es­ta­vam sa­tis­fei­tos, de as­si­nan­tes a anun­ci­an­tes.

No ca­so do ca­nal 4K, a ideia é per­cor­rer o ca­mi­nho tra­ça­do pa­ra o HD, no­ve anos atrás: co­me­çar com uma pro­gra­ma­ção ge­né­ri­ca e, de­pois, cri­ar ca­nais seg­men­ta­dos, à me­di­da que mais gen­te ado­ta a tec­no­lo­gia. Os fa­bri­can­tes de TVs têm in­ves­ti­do for­te­men­te na ven­da dos apa­re­lhos 4K, que re­pre­sen­tam um seg­men­to sau­dá­vel em meio a um mer­ca­do em que­da. En­quan­to as ven­das de TVs de tela fi­na em ge­ral caí­ram 28% em vo­lu- me e 5,4% em re­cei­ta no pri­mei­ro tri­mes­tre, os mo­de­los 4K, que cus­tam mais, cres­ce­ram 167% em uni­da­des e 118% em fa­tu­ra­men­to. Is­so mes­mo con­si­de­ran­do que a ofer­ta de con­teú­do 4K ain­da é es­cas­sa.

A in­ter­net, em es­pe­ci­al as re­des so­ci­ais, é ou­tro al­vo da Glo­bo­sat. O pla­no é lan­çar, ain­da es­te ano, uma em­pre­sa de­di­ca­da a ví­de­os cur­tos, que pos­sam ser vis­tos sem es­for­ço na tela do smartpho­ne, por exem­plo. A mí­dia tra­di­ci­o­nal es­tá se es­for­çan­do pa­ra en­ten­der a web, diz Pe­ce­guei­ro, mas os pro­ta­go­nis­tas do mun­do co­nec­ta­do, co­mo os “you­tu­bers”, tam­bém es­tão mi­gran­do pa­ra ou­tros mei­os, co­mo li­vros, ci­ne­ma e TV.

Mes­mo an­tes de ser lan­ça­da, a no­va em­pre­sa já atu­ou na mais re­cen­te en­tre­ga do Prê­mio Mul­tishow, no mês pas­sa­do, no Rio. Ao lon­go da ce­rimô­nia, uma equi­pe ali­men­tou as prin­ci­pais re­des so­ci­ais com in­for­ma­ções e ví­de­os ao vi­vo. Du­ran­te qua­tro ho­ras, o prê­mio fi­cou nos “tren­ding to­pics” — a lis­ta dos as­sun­tos mais co­men­ta­dos — do Twit­ter, com 10 mi­lhões de pos­ta­gens. O nú­me­ro de vi­su­a­li­za­ções no You­Tu­be che­gou a 1,5 mi­lhão.

O mer­ca­do de TV pa­ga es­tá em re­tra­ção no Bra­sil. O se­tor en­cer­rou agos­to com 18,9 mi­lhões de as­si­nan­tes, se­gun­do da­dos da Agên­cia Na­ci­o­nal de Te­le­co­mu­ni­ca­ções (Ana­tel). Is­so equi­va­le a 27,78% dos do­mi­cí­li­os bra­si­lei­ros. Um ano an­tes, o to­tal era de 19,6 mi­lhões, ou 29,5% dos do­mi­cí­li­os. “Em dois anos, hou­ve 5% de que­da, mas per­to de ou­tros se­to­res po­de-se di­zer que cres­ce­mos”, diz Pe­ce­guei­ro.

Par­te da re­du­ção tem si­do atri­buí­da à con­cor­rên­cia de ser­vi­ços de vídeo sob de­man­da, prin­ci­pal­men­te o Net­flix. O di­re­tor-ge­ral da Glo­bo­sat dis­cor­da. “Dois ter­ços da ba­se do Net­flix tam­bém têm TV pa­ga. Um não subs­ti­tui o ou­tro”. O prin­ci­pal mo­ti­vo, diz ele, é ou­tro — a cha­ma­da des­co­ne­xão vo­lun­tá­ria. São as­si­nan­tes que não con­se­gui­ram mais pa­gar e, por is­so, ti­ve­ram o si­nal cor­ta­do. Em­bo­ra ne­ga­ti­va, a si­tu­a­ção cria uma de­man­da re­pri­mi­da que po­de dar im­pul­so aos ne­gó­ci­os quan­do o qu­a­dro econô­mi­co me­lho­rar.

A Glo­bo­sat tem pla­nos pa­ra cri­ar um ser­vi­ço pa­ra con­cor­rer mais di­re­ta­men­te com o Net­flix. O ca­nal, com a mar­ca Te­le­ci­ne, não exi­gi­ria o pa­ga­men­to de um pa­co­te, co­mo ocor­re ho­je com os de­mais ca­nais da re­de Te­le­ci­ne, uma joint ven­tu­re da pro­gra­ma­do­ra com os es­tú­di­os MGM, Pa­ra­mount, Fox e Uni­ver­sal. O lan­ça­men­to es­tá pre­vis­to pa­ra 2017.

O pri­mei­ro mo­vi­men­to da Glo­bo­sat em ser­vi­ços pa­ra se ver TV em qual­quer lu­gar — ta­blets, ce­lu­la­res etc — foi em 2011, com o Muu. Em 2014, o no­me foi mu­da­do pa­ra Glo­bo­sat Play. Em agos­to des­te ano, o ser­vi­ço, que é gra­tui­to pa­ra as­si­nan­tes, ba­teu seu re­cor­de de au­di­ên­cia, com 12 mi­lhões de ho­ras as­sis­ti­das de pro­gra­ma­ção. Pa­ra mar­car o ani­ver­sá­rio de 25 anos, en­tra no ar, ho­je, um ca­nal co­me­mo­ra­ti­vo no apli­ca­ti­vo.

O vídeo mó­vel e sob de­man­da tem fun­ci­o­na­do co­mo uma adi­ção ao for­ma­to li­ne­ar de ver TV e não po­de ser des­pre­za­do, diz Pe­ce­guei­ro. “Quem não aten­tar pa­ra is­so, vai fi­car ob­so­le­to.”

LEO PINHEIRO/VA­LOR

Al­ber­to Pe­ce­guei­ro, di­re­tor-ge­ral da Glo­bo­sat: de­man­da re­pri­mi­da de usuá­ri­os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.