Hong Kong, um país, um sis­te­ma

Mi­li­o­ná­ri­os es­co­lhi­dos pe­la Chi­na fra­cas­sa­ram em ob­ter le­gi­ti­mi­da­de po­pu­lar. Por Min­xin Pei

Valor Econômico - - OPINIÃO - De Ser­gio Blum). (Tradução

O1o de ju­lho mar­cou o 20o ani­ver­sá­rio da de­vo­lu­ção, pe­lo Rei­no Uni­do, de Hong Kong pa­ra a Chi­na, nos ter­mos de um mo­de­lo de­no­mi­na­do “um país, dois sis­te­mas”. Mas uma ques­tão ine­vi­tá­vel ron­da as co­me­mo­ra­ções ofi­ci­ais: há re­al­men­te al­go pa­ra co­me­mo­rar?

Se ti­vés­se­mos per­gun­ta­do a Deng Xi­a­o­ping, o ar­qui­te­to do mo­de­lo “um país, dois sis­te­mas”, co­mo se­ria o 20o ani­ver­sá­rio da de­vo­lu­ção, ele po­de­ria ter di­to que os mo­ra­do­res de Hong Kong es­ta­ri­am brin­dan­do sua pros­pe­ri­da­de e li­ber­da­de. Os lí­de­res chi­ne­ses, por sua vez, es­ta­ri­am exi­bin­do es­sa vi­tri­ne pa­ra de­mons­trar sua cre­di­bi­li­da­de e ca­pa­ci­da­de de go­ver­no, fi­nal­men­te fa­zen­do ca­lar o co­ro de crí­ti­cos que du­vi­da­ram do Par­ti­do Co­mu­nis­ta Chi­nês (PCC) e da sin­ce­ri­da­de de su­as pro­mes­sas a Hong Kong.

Mas a re­a­li­da­de é mui­to di­fe­ren­te. Ho­je, ce­nas que te­ri­am si­do im­pen­sá­veis em Hong Kong em 1997— ma­ni­fes­ta­ções em mas­sa an­ti-Chi­na, elei­ção de ra­di­cais an­ti-PCC pa­ra a le­gis­la­tu­ra da ci­da­de, co­bran­ças ex­plí­ci­tas por independên­cia — tor­na­ram-se ro­ti­nei­ras.

Sim, for­ças econô­mi­cas po­de­ro­sas — co­mo a as­cen­são da Chi­na, glo­ba­li­za­ção, de­si­gual­da­de ele­va­da e a al­ta nos pre­ços dos imó­veis — im­pac­ta­ram Hong Kong a par­tir de 1997, pre­ju­di­can­do a com­pe­ti­ti­vi­da­de da ci­da­de e con­tri­buin­do pa­ra o des­con­ten­ta­men­to so­ci­al. Mas, em­bo­ra fa­to­res so­ci­o­e­conô­mi­cos ad­ver­sos te­nham exa­cer­ba­do a frus­tra­ção po­pu­lar, os pro­tes­tos em mas­sa são es­sen­ci­al­men­te po­lí­ti­cos, cen­tra­dos nos di­rei­tos do po­vo de Hong Kong.

Nes­se con­tex­to, pou­cos qua­li­fi­ca­ri­am o mo­de­lo “um país, dois sis­te­mas” co­mo um su­ces­so. Na ver­da­de, o mo­de­lo pro­va­vel­men­te es­ta­va fa­da­do ao in­su­ces­so des­de o iní­cio, de­vi­do a vá­ri­as fa­lhas fa­tais in­cor­po­ra­das a sua es­tru­tu­ra.

Pa­ra co­me­çar, os ter­mos que obri­ga­vam a Chi­na a res­pei­tar os di­rei­tos de­mo­crá­ti­cos do po­vo de Hong Kong eram de­li­be­ra­da­men­te va­gos. Até mes­mo a de­cla­ra­ção con­jun­ta acor­da­da pe­los bri­tâ­ni­co e chi­nês em 1984, que pre­pa­rou o ce­ná­rio pa­ra a de­vo­lu­ção em 1997, ofe­re­ceu uma pro­mes­sa um tan­to im­pre­ci­sa, se­gun­do a qu­al o exe­cu­ti­vo-chefe se­ria no­me­a­do pe­la Chi­na “com ba­se nos re­sul­ta­dos de elei­ções ou con­sul­tas a se­rem re­a­li­za­das lo­cal­men­te”.

Além dis­so, o úni­co par­ti­do com po­der pa­ra fa­zer cum­prir os ter­mos da de­cla­ra­ção con­jun­ta, pa­ra não men­ci­o­nar a mi­ni-cons­ti­tui­ção de Hong Kong, co­nhe­ci­da co­mo Lei Bá­si­ca, é o go­ver­no cen­tral em Pe­quim. Co­mo re­sul­ta­do, os lí­de­res chi­ne­ses po­dem, im­pu­ne­men­te, dei­xar de hon­rar o es­pí­ri­to ou mes­mo os ter­mos ex­plí­ci­tos de su­as pro­mes­sas. A atu­al ra­di­ca­li­za­ção dos ci­da­dãos de Hong Kong, em par­ti­cu­lar seus jo­vens, re­fle­te o de­se­jo de mu­dar is­so, e fa­zer com que a Chi­na pa­gue um pre­ço por re­nun­ci­ar à sua pro­mes­sa de “au­to­go­ver­no” [pa­ra Hong Kong] e por re­a­gir aos dis­si­den­tes com re­pres­são.

Há mais um as­pec­to no es­que­ma “um país, dois sis­te­mas” que o pre­des­ti­nou ao in­su­ces­so: a de­li­be­ra­da de­ci­são chi­ne­sa de go­ver­nar Hong Kong por in­ter­mé­dio de uma “pa­ne­li­nha” de ca­pi­ta­lis­tas. Por mais irô­ni­co que pos­sa pa­re­cer, os de­no­mi­na­dos co­mu­nis­tas chi­ne­ses, apa­ren­te­men­te, con­fi­am mais nos mag­na­tas de Hong Kong do que em su­as mas­sas (tal­vez por­que com­prar os mi­li­o­ná­ri­os sai mui­to mais ba­ra­to).

Mas co­mo os mi­li­o­ná­ri­os são le­ais aos que, em Pe­quim, os apoi­am, e não às pes­so­as da ci­da­de que ad­mi­nis­tram, os ca­pi­ta­lis­tas de Hong Kong são maus po­lí­ti­cos. Sob o PCC, eles ob­ti­ve­ram po­der e pri­vi­lé­gi­os inal­can­çá­veis sob o do­mí­nio bri­tâ­ni­co. Mas is­so fez com que se tor­nas­sem in­sen­sí­veis a seu elei­to­ra­do, pois tor­na­ram-se ca­da vez mais ali­e­na­dos de sua cli­en­te­la. Co­mo re­sul­ta­do, os re­pre­sen­tan­tes da Chi­na fra­cas­sa­ram es­pe­ta­cu­lar­men­te na mis­são de as­se­gu­rar a le­gi­ti­mi­da­de po­pu­lar.

Con­si­de­re o des­ti­no dos exe­cu­ti­vos-che­fes de Hong Kong, es­co­lhi­dos a de­do pe­los go­ver­nan­tes chi­ne­ses pa­ra di­ri­gir a ci­da­de. O pri­mei­ro, Tung Chee-hwa, foi pres­si­o­na­do por um milhão de ma­ni­fes­tan­tes em 2003; em 2005, em meio a seu se­gun­do man­da­to, sua im­po­pu­la­ri­da­de sem­pre cres­cen­te o le­vou a re­nun­ci­ar. O su­ces­sor de Tung, Do­nald Tsang, com­ple­tou seus dois man­da­tos, mas ape­nas por pou­co não caiu, e foi pre­so por cor­rup­ção (jun­ta­men­te com seu nú­me­ro dois) após dei­xar o pos­to. Leung Chun-ying, que veio em se­gui­da, foi um de­sas­tre que os go­ver­nan­tes da Chi­na ti­ve­ram que de­mi­tir após ape­nas um man­da­to.

Sim, a abor­da­gem “um país, dois sis­te­mas” não foi um de­sas­tre to­tal. Da­do o enor­me fos­so cul­tu­ral, econô­mi­co e ins­ti­tu­ci­o­nal que exis­te en­tre Hong Kong e o con­ti­nen­te, as coi­sas po­de­ri­am ter si­do mui­to pi­o­res. Mas is­so não o tor­na um mo­de­lo sus­ten­tá­vel. Na ver­da­de, ele tal­vez já es­ti­ves­se mor­to.

No fun­do, os lí­de­res chi­ne­ses sem­pre ten­de­ram a um mo­de­lo “um país, um sis­te­ma” pa­ra Hong Kong. Deng pen­sou que tal tran­si­ção le­va­ria 50 anos, mas seus su­ces­so­res ne­ces­si­ta­ram ape­nas 20, e eles se­quer per­ce­be­ram in­tei­ra­men­te o que es­ta­va acon­te­cen­do. Quais­quer que se­jam as po­lí­ti­cas que as au­to­ri­da­des chi­ne­sas ve­nham a pra­ti­car em Hong Kong en­tre ago­ra e 2047, o ob­je­ti­vo se­rá tor­nar o pre­sen­te —par­ti­cu­lar­men­te a au­sên­cia de di­rei­tos po­lí­ti­cos — mais e mais as­se­me­lha­do ao futuro.

Um as­pec­to no es­que­ma o pre­des­ti­nou ao in­su­ces­so: a de­li­be­ra­da de­ci­são chi­ne­sa de go­ver­nar Hong Kong por in­ter­mé­dio de ‘pa­ne­li­nha’ de ca­pi­ta­lis­tas. Os de­no­mi­na­dos co­mu­nis­tas chi­ne­ses con­fi­am mais nos mag­na­tas do que nas mas­sas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.