No­vo rei­tor pre­vê re­cei­ta pró­pria na USP

Vahan Agopyan as­su­me o car­go em ja­nei­ro com de­sa­fio de con­ter dé­fi­cit da ins­ti­tui­ção, que vem des­de 2012

Valor Econômico - - ESPECIAL - Thais Car­ran­ça

O no­vo rei­tor da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP), Vahan Agopyan, as­su­me o car­go em 25 de ja­nei­ro de 2018 pa­ra um man­da­to de qua­tro anos em um mo­men­to de­sa­fi­a­dor pa­ra a ins­ti­tui­ção. A mai­or uni­ver­si­da­de pú­bli­ca bra­si­lei­ra acu­mu­la des­de 2012 su­ces­si­vos re­sul­ta­dos fi­nan­cei­ros ne­ga­ti­vos. O dé­fi­cit atin­giu R$ 1,08 bi­lhão em 2014, de­ven­do fi­car es­te ano abai­xo dos R$ 610,5 mi­lhões ini­ci­al­men­te pro­je­ta­dos, se­gun­do o Agopyan, atu­al­men­te vi­ce-rei­tor na ges­tão de Mar­co An­to­nio Za­go.

A sequên­cia de re­sul­ta­dos ne­ga­ti­vos con­su­miu as re­ser­vas da uni­ver­si­da­de, que so­ma­vam R$ 3,2 bi­lhões ao fim de 2012, de­ven­do ser re­du­zi­das a R$ 95,7 mi­lhões ao tér­mi­no des­te ano. Em 2018, di­an­te da pers­pec­ti­va de no­vo dé­fi­cit, exis­te a pos­si­bi­li­da­de de as re­ser­vas se­rem ze­ra­das, ad­mi­te o no­vo rei­tor. Agopyan se diz oti­mis­ta e es­pe­ra con­se­guir já no pró­xi­mo ano ob­ter re­cei­tas pró­pri­as que per­mi­tam à ins­ti­tui­ção co­brir o rom­bo e am­pli­ar as re­ser­vas. A me­ta é vol­tar ao azul em 2019.

Ou­tro de­sa­fio da no­va ges­tão se­rá vi­a­bi­li­zar a po­lí­ti­ca de co­tas so­ci­ais e ra­ci­ais, apro­va­da em ju­lho e que pas­sa a vi­go­rar pa­ra os que in­gres­sa­rem na uni­ver­si­da­de em 2018. Em meio ao ce­ná­rio de res­tri­ção or­ça­men­tá­ria, a USP pre­ten­de ini­ci­ar ne­go­ci­a­ções no ano que vem pa­ra que o Es­ta­do as­su­ma, a par­tir de 2019, os cus­tos das po­lí­ti­cas de apoio à per­ma­nên­cia es­tu­dan­til, co­mo sub­sí­di­os às des­pe­sas dos es­tu­dan­tes com mo­ra­dia, trans­por­te, li­vros e cre­che.

Pa­ra as des­pe­sas que con­ti­nu­a­rão sob res­pon­sa­bi­li­da­de da uni­ver­si­da­de, Agopyan pre­ten­de pro­mo­ver, ain­da no iní­cio de sua ges­tão, um de­ba­te vi­san­do “mai­or efi­ci­ên­cia” de gas­tos. “O res­tau­ran­te [uni­ver­si­tá­rio]. To­do mun­do pa­ga R$ 2”, exem­pli­fi­ca, acres­cen­tan­do que o pre­ço de­ve­ria le­var em con­ta a con­di­ção so­ci­al do es­tu­dan­te. “Is­so tem que ser dis­cu­ti­do.”

En­ge­nhei­ro ci­vil for­ma­do pe­la Es­co­la Po­li­téc­ni­ca da pró­pria USP, on­de tam­bém é pro­fes­sor ti­tu­lar, Agopyan pos­sui dou­to­ra­do pe­la King’s Col­le­ge, de Lon­dres. O no­vo rei­tor tem 65 anos e nas­ceu em Is­tam­bul, na Tur­quia, ten­do se na­tu­ra­li­za­do bra­si­lei­ro. Le­ci­o­na na USP des­de 1975. Foi pre­si­den­te do Con­se­lho Su­pe­ri­or do Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sas Ener­gé­ti­cas e Nu­cle­a­res (Ipen) e mem­bro do Con­se­lho Su­pe­ri­or da Fun­da­ção de Am­pa­ro à Pes­qui­sa do Es­ta­do de São Pau­lo (Fa­pesp).

A se­guir, os prin­ci­pais tre­chos da en­tre­vis­ta, da qual tam­bém par­ti­ci­pou o no­vo vi­ce-rei­tor, An­to­nio Car­los Her­nan­des.

Va­lor: Quais se­rão as pri­o­ri­da­des da sua ges­tão?

Vahan Agopyan: Man­ter a USP co­mo uma re­fe­rên­cia na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal, por­tan­to uma uni­ver­si­da­de de ex­ce­lên­cia. Pa­ra is­so, é pre­ci­so usar to­dos os ins­tru­men­tos dis­po­ní­veis: in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção, in­cen­ti­vo à in­ter­dis­ci­pli­na­ri­da­de, in­cen­ti­vo à ino­va­ção, ava­li­a­ção con­tí­nua. São to­dos ins­tru­men­tos que já exis­tem, mas que têm que ser man­ti­dos e ace­le­ra­dos. Além da ex­ce­lên­cia, nós te­mos que es­tar ca­da vez mais in­se­ri­dos na so­ci­e­da­de. E es­sa in­ser­ção não é ape­nas ins­ti­tu­ci­o­nal, es­ta­mos ima­gi­nan­do uma in­ser­ção to­tal. A in­ser­ção dos nos­sos alu­nos de gra­du­a­ção e pós-gra­du­a­ção pa­ra se­rem co­lo­ca­dos em con­ta­to com os pro­ble­mas que exis­tem na so­ci­e­da­de. A USP sen­do pro­a­ti­va e não re­a­ti­va, su­ge­rin­do po­lí­ti­cas pú­bli­cas, con­tri­buin­do pa­ra re­sol­ver os gran­des pro­ble­mas so­ci­ais. A ter­cei­ra par­te é sim­pli­fi­car os en­tra­ves bu­ro­crá­ti­cos pa­ra que pos­sa­mos trans­fe­rir mais ra­pi­da­men­te co­nhe­ci­men­to ao meio, se­ja atra­vés de con­vê­ni­os com em­pre­sas, con­vê­ni­os com or­ga­nis­mos pú­bli­cos, as­ses­so­ri­as, con­sul­to­ri­as, cur­sos de ex­ten­são, cur­sos de atu­a­li­za­ção, etc.

Va­lor: O se­nhor par­ti­ci­pou do pro­je­to USP do Fu­tu­ro, em par­ce­ria com a con­sul­to­ria McKin­sey. Es­se pro­je­to foi con­cluí­do? Qual foi o re­sul­ta­do?

Agopyan: Es­se é um pro­je­to de con­sul­to­ria que nos­sos ex-alu­nos ofe­re­ce­ram à uni­ver­si­da­de. Aca­bou no co­me­ço do ano, com uma sé­rie de su­ges­tões, al­gu­mas pos­sí­veis, ou­tras di­fí­ceis de se­rem apli­ca­das. O pro­fes­sor Za­go [Mar­co An­to­nio Za­go, atu­al rei­tor] se­le­ci­o­nou al­gu­mas e já es­tão sen­do apli­ca­das. Va­lor: O sr. po­de dar exem­plos? Agopyan: Por exem­plo, a cri­a­ção de um “en­dow­ment” [fun­do pa­tri­mo­ni­al pa­ra ar­re­ca­da­ção de do­a­ções pri­va­das] da uni­ver­si­da­de. Nós te­mos “en­dow­ments” lo­ca­li­za­dos. Por exem­plo, a Po­li­téc­ni­ca tem um mui­to for­te, a Fa­cul­da­de de Eco­no­mia es­tá cri­an­do um, a Fa­cul­da­de de Di­rei­to es­tá cri­an­do ou­tro, e su­ge­riu-se cri­ar um “en­dow­ment” de to­da a uni­ver­si­da­de, que es­tá sen­do es­tu­da­do e de­sen­vol­vi­do por um gru­po de pro­fes­so­res. Va­lor: E is­so de­ve sair qu­an­do? Agopyan: Pro­va­vel­men­te no ano que vem. Mas “en­dow­ment” não é so­lu­ção de cur­to pra­zo, o da Po­li já tem qua­tro, cin­co anos e co­me­çou ago­ra a apre­sen­tar re­sul­ta­dos. “En­dow­ment” é coi­sa de 10, 15, 20 anos pa­ra ser con­so­li­da­do.

Va­lor: O go­ver­no fe­de­ral es­tu­da for­mas de au­men­tar a au­to­no­mia das uni­ver­si­da­des fe­de­rais na ar­re­ca­da­ção de re­cur­sos. Na USP, o que es­tá sen­do pen­sa­do pa­ra au­men­tar a ar­re­ca­da­ção pró­pria, pa­ra além do “en­dow­ment”?

Agopyan: As três uni­ver­si­da­des pau­lis­tas têm uma si­tu­a­ção sui ge­ne­ris: além de ter­mos au­to­no­mia aca­dê­mi­ca, des­de 1989 te­mos au­to­no­mia fi­nan­cei­ra e ad­mi­nis­tra­ti­va. Is­so faz a gran­de di­fe­ren­ça das uni­ver­si­da­des pú­bli­cas pau­lis­tas. Mes­mo qu­an­do co­me­te­mos al­gum er­ro, te­mos con­di­ção de cor­ri­gir os nos­sos er­ros. Is­so é um pon­to fun­da­men­tal. En­tão já te­mos cer­ta in­de­pen­dên­cia que não é ade­qua­da­men­te apro­vei­ta­da, tal­vez pe­la cul­tu­ra da uni­ver­si­da­de bra­si­lei­ra co­mo um to­do. En­tão es­sa mu­dan­ça de abor­da­gem das uni­ver­si­da­de fe­de­rais vai nos aju­dar. A cul­tu­ra do am­bi­en­te aca­dê­mi­co es­tá se mo­di­fi­can­do. No nos­so ca­so par­ti­cu­lar, a di­fi­cul­da­de fi­nan­cei­ra nos deu du­as im­por­tan­tes li­ções: pri­mei­ro, que te­mos que ter me­di­das mui­to con­cre­tas e efi­ci­en­tes pa­ra evi­tar a re­pe­ti­ção do de­se­qui­lí­brio fi­nan­cei­ro. A cri­a­ção de uma con­tro­la­do­ria in­de­pen­den­te e de me­tas cla­ras, que são os pa­râ­me­tro de sus­ten­ta­bi­li­da­de. A se­gun­da li­ção foi que pre­ci­sa­mos ter fon­tes ro­bus­tas, que não se­ja ape­nas a co­ta-par­te do ICMS que o Es­ta­do nos re­pas­sa. Va­lor: E quais são elas? Agopyan: Uma é o pró­prio “en­dow­ment”, que é de lon­go pra­zo. Ou­tra fon­te é ofe­re­cer­mos o nos­so co­nhe­ci­men­to pa­ra os di­ver­sos ór­gãos go­ver­na­men­tais e ser­mos re­mu­ne­ra­dos por is­so. Is­so tam­bém não é uma coi­sa de cur­to pra­zo.

Va­lor: Par­te des­se de­sar­ran­jo fi­nan­cei­ro não po­de ser cre­di­ta­do jus­ta­men­te a es­sa si­tu­a­ção sui ge­ne­ris a qual o sr. se re­fe­riu? Co­mo re­sul­ta­do da au­to­no­mia fi­nan­cei­ra, a pre­vi­dên­cia dos pro­fes­so­res pas­sou pa­ra den­tro das des­pe­sas cor­ren­tes da uni­ver­si­da­de. Is­so tam­bém não foi um fa­tor des­se de­sar­ran­jo?

Agopyan: O de­se­qui­lí­brio fi­nan­cei­ro é uma so­ma­tó­ria de três fa­to­res. O pri­mei­ro fa­tor é o cres­ci­men­to da uni­ver­si­da­de. Nós au­men­ta­mos o nú­me­ro de alu­nos e de ati­vi­da­des. E por que is­so acon­te­ceu? Por uma ra­zão mui­to sim­ples: o ICMS em va­lo­res re­ais du­pli­cou na dé­ca­da pas­sa­da. En­tão os rei­to­res ti­nham du­as op­ções: ou au­men­ta­vam as ati­vi­da­des da uni­ver­si­da­de ou en­tão re­du­zia-se a co­ta-par­te. Por exem­plo, na USP, pas­sa­mos de 7 mil pa­ra 11 mil alu­nos de en­tra­da. Com is­so, au­men­tou a des­pe­sa fi­xa: mais pro­fes­so­res, mais fun­ci­o­ná­ri­os, mais gas­tos com per­ma­nên­cia es­tu­dan­til. O se­gun­do fa­tor foi o des­con­tro­le da apli­ca­ção do pla­no de car­rei­ra dos fun­ci­o­ná­ri­os. Um ter­cei­ro fa­tor é que, de me­a­dos de 2014 até ju­lho des­te ano, o ICMS de­cres­ceu. Es­sa so­ma­tó­ria de fa­to­res cri­ou uma con­di­ção mui­to pe­ri­go­sa pa­ra a USP, nós per­de­mos nos­so con­tro­le fi­nan­cei­ro. Es­se ris­co pas­sou. Nós es­ta­mos nos úl­ti­mos qua­tro me­ses nu­ma si­tu­a­ção mui­to mais con­tro­la­da, po­rém es­ta­mos re­du­zin­do nos­sas re­ser­vas.

Va­lor: Hou­ve su­ces­si­vos anos de dé­fi­cit e re­ser­vas sen­do con­su­mi­das. Nos pró­xi­mos qua­tro anos, há a pers­pec­ti­va de a USP vol­tar ao azul?

Agopyan: Es­te ano, fe­liz­men­te, va­mos ter um dé­fi­cit me­nor do que o pre­vis­to, em 2018 va­mos tra­ba­lhar com um pe­que­no dé­fi­cit, e a par­tir de 2019 vai ter que en­trar no azul.

Va­lor: Es­sa pers­pec­ti­va de vol­ta ao azul em 2019 se­rá por con­ta do retorno da ar­re­ca­da­ção de ICMS?

Agopyan: Da ar­re­ca­da­ção e da con­sequên­cia do PIDV [Pro­gra­ma de In­cen­ti­vo à De­mis­são Vo­lun­tá­ria]. Es­pe­ra­mos já no meio do ano que vem es­tar no azul.

Va­lor: E as re­ser­vas ho­je es­tão em que ní­vel?

Agopyan: Es­ta­mos ima­gi­nan­do vi­rar o ano em cer­ca de R$ 100 mi­lhões, o que é mui­to pou­co pa­ra uma ins­ti­tui­ção do ta­ma­nho da USP.

Va­lor: Mas en­tão, se con­ti­nu­ar do jei­to que as coi­sas es­tão, a re­ser­va ze­ra no ano que vem? Agopyan: Tem o ris­co de ze­rar. Va­lor: No ano que vem, se o dé­fi­cit ain­da su­pe­rar a re­ser­va, qual se­rá a so­lu­ção?

Agopyan: Va­mos ter que to­mar ou­tras me­di­das. Com cus­teio, cor­tar cus­tos. Mas es­ta­mos ima­gi­nan­do que va­mos con­se­guir al­guns re­cur­sos ex­tra­or­ça­men­tá­ri­os já no ano que vem, com es­sas po­lí­ti­cas que pre­ten­de­mos apli­car. En­tão, se vo­cê qui­ser uma vi­são oti­mis­ta, nós va­mos ter­mi­nar 2018 com re­ser­vas mai­o­res do que em 2017.

Va­lor: Nu­ma en­tre­vis­ta re­cen­te, o sr. fa­lou que a in­ten­ção é ter o Hos­pi­tal Uni­ver­si­tá­rio fun­ci­o­nan­do ade­qua­da­men­te, mas sem que a USP ar­que com os cus­tos. O que o sr. es­tá pen­san­do co­mo mo­de­lo?

Agopyan: O mo­de­lo que exis­te são os hos­pi­tais das Clí­ni­cas, da­qui e de Ri­bei­rão Pre­to. Nes­ses hos­pi­tais, nós te­mos to­do o con­tro­le aca­dê­mi­co e o go­ver­no, atra­vés da Se­cre­ta­ria de Saú­de, faz a ges­tão da saú­de. Pro­fes­so­res, pes­qui­sa­do­res e fun­ci­o­ná­ri­os dos la­bo­ra­tó­ri­os são nos­sos. Os de­mais fun­ci­o­ná­ri­os são da Se­cre­ta­ria de Saú­de. Aqui no HU [Hos­pi­tal Uni­ver­si­tá­rio] a coi­sa não dá pa­ra ser tão ra­di­cal. Pri­mei­ro, por­que te­mos nos­sos fun­ci­o­ná­ri­os, que vão con­ti­nu­ar a ser nos­sos fun­ci­o­ná­ri­os. O que qu­e­re­mos é que as des­pe­sas adi­ci­o­nais que es­ta­mos ten­do, as se­cre­ta­ri­as, não so­men­te do Es­ta­do, mas tam­bém do mu­ni­cí­pio, co­me­cem a se res­pon­sa­bi­li­zar. Não va­mos nos li­vrar do cus­to do HU, is­so não exis­te. O que nós qu­e­re­mos é não au­men­tar a des­pe­sa com o HU.

Va­lor: O mo­de­lo de ges­tão por or­ga­ni­za­ção so­ci­al (OS) é uma so­lu­ção pa­ra o HU?

Agopyan: Pe­la uni­ver­si­da­de não. Pa­ra a uni­ver­si­da­de, é im­por­tan­te o Es­ta­do e o mu­ni­cí­pio as­su­mi­rem es­sa ta­re­fa. Nós, co­mo uni­ver­si­da­de, não es­ta­mos pen­san­do em con­tra­tar uma OS, mas qu­e­re­mos que al­guém nos aju­de a se res­pon­sa­bi­li­zar pe­la ges­tão do hos­pi­tal.

Va­lor: De­pois dos pro­gra­mas de de­mis­são vo­lun­tá­ri­as e dos ou­tros cor­tes de des­pe­sas que já fo­ram fei­tos, ain­da vi­rão no­vos cor­tes de cus­tos pe­la fren­te, ou es­sa fa­se foi en­cer­ra­da?

Agopyan: Nós en­cer­ra­mos e não vai ter mais de­mis­são vo­lun­tá­ria. Ti­ve­mos cor­te de 20% dos nos­sos fun­ci­o­ná­ri­os. Ago­ra va­mos apoi­ar o trei­na­men­to dos fun­ci­o­ná­ri­os que con­ti­nu­am na USP, in­cen­ti­var a mo­bi­li­da­de pa­ra áre­as em que pos­sam ser me­lhor apro­vei­ta­dos, in­cen­ti­var a mo­der­ni­za­ção e oti­mi­za­ção dos tra­ba­lhos ad­mi­nis­tra­ti­vos, pa­ra que mais fun­ci­o­ná­ri­os pos­sam fi­car na ati­vi­da­de-fim.

Va­lor: Qual é o ní­vel de com­pro­me­ti­men­to do or­ça­men­to com pes­so­al que o sr. con­si­de­ra sau­dá­vel? Agopyan: His­to­ri­ca­men­te é 85%. Va­lor: É pos­sí­vel vol­tar a es­se ní­vel? Agopyan: Sim, sem dú­vi­da. Já di­mi­nuí­mos bas­tan­te. Nos úl­ti­mos me­ses es­ta­mos em 90%, mas [no acu­mu­la­do] em 12 me­ses ain­da es­ta­mos em 98%.

Va­lor: E pa­ra vol­tar a es­se ní­vel sau­dá­vel de 85%, a so­lu­ção é cres­cer o bo­lo?

Agopyan: Cres­cer o bo­lo e to­mar cui­da­do pa­ra, cres­cen­do o bo­lo, não co­me­çar a au­men­tar as des­pe­sas. Te­mos que man­ter um con­tro­le fi­nan­cei­ro mui­to ri­go­ro­so. For­mal­men­te te­mos um pra­zo até 2022 pa­ra equi­li­brar as fi­nan­ças. Mas ob­vi­a­men­te nós não qu­e­re­mos fi­car nu­ma si­tu­a­ção de um con­tro­le ri­go­ro­so de­mais. Qu­e­re­mos re­to­mar os in­ves­ti­men­tos, as con­tra­ta­ções. Con­tra­ta­mos es­te ano 150 pro­fes­so­res e o or­ça­men­to de­ve pre­ver um nú­me­ro pe­que­no de con­tra­ta­ções no ano que vem tam­bém.

Va­lor: A USP vem so­fren­do uma de­ban­da­da de pro­fes­so­res por es­sa si­tu­a­ção de res­tri­ção or­ça­men­tá­ria em uni­da­des co­mo a FEA, por exem­plo. Há pers­pec­ti­va de re­ver­são des­sa si­tu­a­ção?

Agopyan: Pri­mei­ro, a FEA [Fa­cul­da­de de Eco­no­mia e Ad­mi­nis­tra­ção] tem qua­se 150 do­cen­tes e, que eu sai­ba, dois saí­ram. São nú­me­ros nor­mais. Mas lo­gi­ca­men­te me pre­o­cu­pa, e te­mos que in­cen­ti­var nos­sos do­cen­tes a per­ma­ne­ce­rem aqui. O que já pro­pu­se­mos na nos­sa cam­pa­nha, e va­mos efe­ti­var já no pri­mei­ro se­mes­tre do ano que vem, é um ti­po de in­cen­ti­vo de atra­ção e re­ten­ção dos jo­vens do­cen­tes. Por exem­plo, um apoio pe­cu­niá­rio a es­ses jo­vens pa­ra vi­a­gens in­ter­na­ci­o­nais, ou pa­ra com­prar ma­te­ri­al pa­ra seu la­bo­ra­tó­rio. Es­sas coi­sas pe­que­nas, que de­mons­tram que qu­e­re­mos que ele con­ti­nue na nos­sa uni­ver­si­da­de. Va­lor: Mas is­so não é o bá­si­co? Agopyan: Não. Ir pa­ra o ex­te­ri­or em ge­ral é fei­to atra­vés das agên­ci­as de fo­men­to.

An­to­nio Car­los Her­nan­des: A USP já te­ve no pas­sa­do uma li­nha de fi­nan­ci­a­men­to es­pe­cí­fi­co pa­ra par­ti­ci­pa­ção em con­gres­sos ci­en­tí­fi­cos. Is­so aca­bou. A pro­pos­ta é pro­pi­ci­ar aos jo­vens do­cen­tes uma li­nha de fi­nan­ci­a­men­to es­pe­cí­fi­co.

Va­lor: Hou­ve a apro­va­ção re­cen­te de co­tas so­ci­ais e ra­ci­ais na USP. De on­de vi­rão os re­cur­sos pa­ra ga­ran­tir a per­ma­nên­cia des­sa no­va le­va de es­tu­dan­tes?

Her­nan­des: Pa­ra 2018, já es­tá pre­vis­to no or­ça­men­to, que de­ve ir pa­ra o Con­se­lho Uni­ver­si­tá­rio em de­zem­bro. Pa­ra 2019 e 2020, va­mos pas­sar por uma ação jun­to ao go­ver­no do Es­ta­do pa­ra cap­tar re­cur­sos pa­ra aten­der à me­ta de 50% [de va­gas re­ser­va­das em 2021]. O pro­ces­so é es­ca­lo­na­do, de ma­nei­ra que há tem­po pa­ra ne­go­ci­a­ção de apor­te de re­cur­sos ex­tras pa­ra fi­nan­ci­a­men­to es­pe­cí­fi­co da per­ma­nên­cia es­tu­dan­til.

Va­lor: Já há um le­van­ta­men­to de qual se­rá a or­dem de re­cur­sos ne­ces­sá­ri­os?

Her­nan­des: Pa­ra 2018, a uni­ver­si­da­de vai con­ti­nu­ar a in­ves­tir mais de R$ 200 mi­lhões no pro­gra­ma de per­ma­nên­cia.

Agopyan: A USP é a uni­ver­si­da­de pú­bli­ca que per ca­pi­ta in­ves­te mais em per­ma­nên­cia. Es­se va­lor equi­va­le a R$ 4 mil por ano por alu­no. A pre­o­cu­pa­ção que te­mos é que es­se in­ves­ti­men­to tal­vez não es­te­ja sen­do fei­to de uma ma­nei­ra oti­mi­za­da e efi­ci­en­te. Te­mos mui­tos in­ves­ti­men­tos que são in­dis­tin­tos pa­ra to­dos os alu­nos, que não le­vam em con­ta a con­di­ção so­ci­al do es­tu­dan­te, to­do mun­do se be­ne­fi­cia. Va­lor: Quais, por exem­plo? Agopyan: O res­tau­ran­te. To­do mun­do pa­ga R$ 2.

Va­lor: O sr. acre­di­ta que o pre­ço de­ve­ria le­var em con­ta a si­tu­a­ção so­ci­al do alu­no?

Agopyan: Is­so tem que ser dis­cu­ti­do com os alu­nos, por­que es­ta­mos in­ves­tin­do re­cur­sos subs­tan­ci­ais, o cus­to da per­ma­nên­cia é mais do que um hos­pi­tal uni­ver­si­tá­rio. No co­me­ço do ano que vem va­mos ter que fa­zer uma dis­cus­são mui­to pe­sa­da com nos­so re­pre­sen­tan­tes dis­cen­tes e ver co­mo po­de­mos ser mais efi­ci­en­tes com is­so.

A uni­ver­si­da­des pú­bli­cas de São Pau­lo têm des­de 1989 au­to­no­mia fi­nan­cei­ra e ad­mi­nis­tra­ti­va; is­so faz a gran­de di­fe­ren­ça” Não vai ter mais de­mis­são vo­lun­tá­ria. Cor­ta­mos 20% do pes­so­al. Ago­ra va­mos trei­nar os fun­ci­o­ná­ri­os”

SILVIA ZAMBONI/VA­LOR

Vahan Agopyan: “For­mal­men­te te­mos pra­zo até 2022 pa­ra equi­li­brar as fi­nan­ças, mas ob­vi­a­men­te nós não qu­e­re­mos um con­tro­le ri­go­ro­so de­mais”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.