Se­tor de sor­ve­tes ten­ta re­cu­pe­rar mer­ca­do

Al­ta nos pre­ços de in­su­mos e re­tra­ção do con­su­mo le­va­ram o fa­tu­ra­men­to a cair pe­la me­ta­de

Valor Econômico - - | ESPECIAL PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Da­ni­e­la Ro­cha

Após atra­ves­sar a pi­or re­ces­são do país, o se­tor de sor­ve­tes re­tro­ce­deu ao pa­ta­mar de oi­to anos atrás. Em 2014, a in­dús­tria ti­nha atin­gi­do seu me­lhor de­sem­pe­nho his­tó­ri­co, com a ven­da de mais de 1,3 bi­lhão de li­tros e um fa­tu­ra­men­to su­pe­ri­or a R$ 23 bi­lhões. Mas em 2015 e 2016, hou­ve acen­tu­a­do de­crés­ci­mo, as ven­das so­ma­ram so­men­te R$ 12 bi­lhões ao ano. No ano passado, o con­su­mo foi de cer­ca de 1 bi­lhão de li­tros. “Nes­se pe­río­do, fal­tou di­nhei­ro pa­ra con­su­mo, as pessoas aca­ba­ram cor­tan­do mui­ta coisa, não ape­nas os sor­ve­tes”, afir­ma Edu­ar­do Weis­berg, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra das In­dús­tri­as e do Se­tor de Sor­ve­tes (Abis). Se­gun­do ele, ou­tros pro­ble­mas que im­pac­ta­ram a cadeia pro­du­ti­va fo­ram os au­men­tos dos pre­ços dos in­su­mos e da ener­gia elé­tri­ca.

A Abis ainda não fi­na­li­zou o balanço re­fe­ren­te a 2017, po­rém, as pro­je­ções da en­ti­da­de in­di­cam um re­sul­ta­do de ven­das es­tá­vel. “De­ve­re­mos fe­char o ano em­pa­tan­do com 2016 ou com le­ve aumento no fa­tu­ra­men­to”, co­men­ta Weis­berg.

Pa­ra 2018, a Abis avalia que em um ce­ná­rio de in­fla­ção sob con­tro­le, ju­ros me­no­res e com o Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) cres­cen­do per­to de 3%, o se­tor de sor­ve­tes ten­de a en­trar em uma tra­je­tó­ria de re­to­ma­da, ainda que tí­mi­da em um pri­mei­ro mo­men­to.

A prin­ci­pal rei­vin­di­ca­ção do se­tor é a re­vi­são de sua ma­triz de im­pos­tos. Atu­al­men­te, a tri­bu­ta­ção mé­dia do sor­ve­te é de 43,3%, o que dei­xa o pro­du­to no to­po en­tre os ali­men­tos. “So­bre o sor­ve­te in­ci­dem to­dos os ti­pos de im­pos­tos, in­clu­si­ve o IPI (Im­pos­to so­bre Pro­du­tos In­dus­tri­a­li­za­dos), o gran­de vi­lão, que é apli­ca­do nos mes­mos mol­des dos pro­du­tos não essenciais”, afir­ma Achi­les Au­gus­tus Ca­val­lo, con­sul­tor ju­rí­di­co da Abis.

Em 2016, em meio à tur­bu­lên­cia econô­mi­ca, o go­ver­no pu­bli­cou o de­cre­to 8.656, que au­men­tou o IPI do sor­ve­te jun­to com ci­gar­ros e fu­mo pi­ca­do, re­sul­tan­do em uma alí­quo­ta de 5% so­bre os pre­ços fi­nais. Além dis­so, con­for­me o es­pe­ci­a­lis­ta, o se­tor é obri­ga­do a an­te­ci­par o ICMS das ope­ra­ções fu­tu­ras, con­si­de­ran­do uma ele­va­da mar­gem hi­po­té­ti­ca de lu­cro de 70%. Es­sa re­gra di­fi­cul­ta a pos­si­bi­li­da­de de in­ves­ti­men­tos e li­mi­ta o ca­pi­tal de gi­ro. “Es­se mo­de­lo tri­bu­tá­rio tem efei­to de­vas­ta­dor”, diz Ca­val­lo.

De acor­do com ele, os sor­ve­tes de­ve­ri­am ter a mes­ma tri­bu­ta­ção do lei­te, de 27,6%. Pa­ra is­so, a Abis de­fen­de a re­du­ção a ze­ro do PIS, Co­fins e IPI, o que con­tri­bui­ria pa­ra for­ta­le­ci­men­to do se­tor e ba­ra­te­a­men­to dos pro­du­tos nos pon­tos de ven­das. “O sor­ve­te é um ali­men­to que traz enor­mes be­ne­fí­ci­os por con­ter lei­te e fru­tas na sua for­mu­la­ção”, res­sal­ta.

O con­sul­tor Achi­les Ca­val­lo des­ta­ca ainda que o se­tor é de al­to po­ten­ci­al pa­ra em­pre­en­de­do­ris­mo, e é com­pos­to por 90% de mi­cro e pe­que­nas em­pre­sas e 10% de mé­di­as e gran­des.

Nos úl­ti­mos anos, fo­ram gran­des as di­fi­cul­da­des en­fren­ta­das. Embora não tenha ainda um le­van­ta­men­to, o pre­si­den­te da Abis reconhece que di­ver­sas mar­cas de­sa­pa­re­ce­ram, em­pre­sas en­cer­ra­ram ati­vi­da­des e fran­qui­as fe­cha­ram. As com­pa­nhi­as que re­sis­ti­ram ado­ta­ram uma sé­rie de ini­ci­a­ti­vas co­mo me­lho­ria nos processos, re­du­ção de custos, no­vos ca­nais de ven­das e, prin­ci­pal­men­te, apos­ta­ram em ino­va­ções. As li­nhas de sor­ve­tes pre­mium, com mai­or valor agre­ga­do, tam­bém se mos­tra­ram mais re­si­li­en­tes.

Com se­de em São Paulo e em operação des­de a dé­ca­da de 90, a re­de Fred­dis­si­mo Ge­la­te­ria, es­pe­ci­a­li­za­da em sor­ve­te ar­te­sa­nal ita­li­a­no, in­ves­tiu no de­sen­vol­vi­men­to de no­vos pro­du­tos pa­ra su­pe­rar a re­ces­são, en­tre eles, o ge­la­to no pa­li­to. “Apos­ta­mos em um pro­du­to so­fis­ti­ca­do com pre­ço justo”, diz Jo­se Di­niz, di­re­tor co­mer­ci­al.

O pi­co­lé cus­ta, em mé­dia, R$ 7. Em re­la­ção ao ge­la­to tra­di­ci­o­nal, o pre­ço fi­cou es­ta­bi­li­za­do nos úl­ti­mos anos no pa­ta­mar mé­dio de R$ 11 por 100 gra­mas. “A si­tu­a­ção do mer­ca­do ainda não é boa, mas sen­ti­mos que a que­da foi es­tan­ca­da. A fa­se mais di­fí­cil já pas­sou”, co­men­ta Di­niz.

De 2014 até mar­ço des­te ano, dez fran­qui­as da re­de fe­cha­ram as por­tas. Per­ma­ne­ce­ram aber­tas 18 uni­da­des es­pa­lha­das por São Paulo, Ma­to Gros­so, Bahia e Bra­sí­lia. No ano passado, o fa­tu­ra­men­to caiu 32%. Este ano, a ex­pec­ta­ti­va é de que­da de 20%. Con­tu­do, re­cen­te­men­te, os shop­pings re­ne­go­ci­a­ram alu­guéis, o que be­ne­fi­ci­ou a ren­ta­bi­li­da­de de di­ver­sas lo­jas. Pa­ra 2018, a mar­ca pre­ten­de atu­ar no segmento de re­fei­ções co­le­ti­vas (ca­te­ring) e dis­tri­buir pro­du­tos em ou­tros pon­tos.

Cri­a­da em 2012, a mar­ca Cu­or­di­cre­ma, que tam­bém atua no ni­cho de ge­la­to ita­li­a­no, man­te­ve os pre­ços fi­xos pa­ra o con­su­mi­dor en­tre 2015 e 2017. “Pas­sa­mos a ofe­re­cer uma ex­pe­ri­ên­cia de con­su­mo mais com­ple­ta pa­ra os nos­sos cli­en­tes. Além do ge­la­to, que é o carro-chefe, as lo­jas con­tam com milk-sha­kes, bo­los, tor­tas e até ca­fé”, afir­ma Lo­ren­zo Bar­ba­ti, di­re­tor e só­cio da Cu­or­di­cre­ma. A ex­pan­são que es­ta­va em mar­cha len­ta, foi re­to­ma­da este ano, com a abertura de dez uni­da­des. Ho­je, a re­de con­ta com 20 lo­jas no Es­ta­do de São Paulo. Con­si­de­ran­do a ba­se de lo­jas já exis­ten­tes em 2016, o fa­tu­ra­men­to de­ve­rá avan­çar 12% este ano. “Em 2017, con­se­gui­mos au­men­tar um pou­co os pre­ços e os vo­lu­mes”, ex­pli­ca Bar­ba­ti.

Mais re­cen­te no mer­ca­do, aberta em 2014, a Co­o­kie’n ice, empresa que ven­de san­duí­che de sor­ve­te, uma re­cei­ta tí­pi­ca da Ca­li­fór­nia (EUA), te­ve que al­te­rar sua es­tra­té­gia de ex­pan­são. “De­ci­di­mos ofe­re­cer mo­de­los en­xu­tos de ne­gó­ci­os, ou se­ja, qui­os­ques, trai­lers e bi­ci­cle­tas, que exigem me­no­res in­ves­ti­men­tos”, ex­pli­ca Gi­o­va­ni Ge­or­get­ti, um dos só­ci­os.

A mar­ca con­ta com 5 uni­da­des, na ca­pi­tal e in­te­ri­or de São Paulo. A Co­o­kie’n ice de­ve­rá che­gar ao fi­nal des­te ano com um fa­tu­ra­men­to de R$ 1,5 mi­lhão, aci­ma dos R$ 850 mil de 2016. “Con­se­gui­mos avan­çar com a nos­sa di­fe­ren­ci­a­ção de pro­du­to”, con­clui Ge­or­get­ti.

DI­VUL­GA­ÇÃO

Ge­an Chu, da Los Pa­le­te­ros: 600 pon­tos de ven­da em pa­da­ri­as e mer­ca­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.