Con­se­lhei­ro de Ciro de­fen­de des­va­lo­ri­za­ção do câm­bio

Ma­cro­e­co­no­mia pre­ci­sa ser ‘mais azei­ta­da’, diz Nel­son Mar­co­ni

Valor Econômico - - POLÍTICA - Es­te­vão Tai­ar

O dó­lar en­tre R$ 3,80 e R$ 4 es­ta­ria no pa­ta­mar ne­ces­sá­rio pa­ra a in­dús­tria na­ci­o­nal ter uma mar­gem de lu­cro se­me­lhan­te à do ex­te­ri­or e im­pul­si­o­nar o cres­ci­men­to do país. É o que diz o eco­no­mis­ta Nel­son Mar­co­ni, um dos prin­ci­pais for­mu­la­do­res do pro­gra­ma de go­ver­no de Ciro Gomes, pré-can­di­da­to do PDT à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. Co­or­de­na­dor do Fó­rum de Eco­no­mia da Fun­da­ção Ge­tu­lio Var­gas (FGV), ele de­fen­de que o Bra­sil ado­te uma po­lí­ti­ca de­sen­vol­vi­men­tis­ta, mas faz ques­tão de di­fe­ren­ciá-la da que foi im­plan­ta­da pe­la ex-pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff. Com um dis­cur­so pró­xi­mo da cen­tro-es­quer­da, diz que “é pre­ci­so res­pei­tar a efi­ci­ên­cia do mer­ca­do”, mas des­ta­ca a ne­ces­si­da­de de uma re­for­ma tri­bu­tá­ria “que ace­le­re a dis­tri­bui­ção de ren­da”.

“A po­lí­ti­ca ma­cro­e­conô­mi­ca pre­ci­sa ser mais azei­ta­da”, afir­ma. O pon­to cha­ve des­sa equa­ção, se­gun­do ele, são as con­tas pú­bli­cas. Um ajus­te fis­cal per­mi­ti­ria a que­da dos ju­ros e a tão al­me­ja­da des­va­lo­ri­za­ção do câm­bio. No cur­to pra­zo, es­se ajus­te fis­cal se­ria fei­to prin­ci­pal­men­te “pas­san­do um pen­te fi­no” nas des­pe­sas do go­ver­no e re­ven­do me­di­das co­mo a de­so­ne­ra­ção da fo­lha de pa­ga­men­to. “Mas ain­da não es­ti­ma­mos a eco­no­mia que po­de ser fei­ta”, ad­mi­te. Em um se­gun­do mo­men­to, a pró­pria que­da dos ju­ros tam­bém le­va­ria a um re­cuo dos gas­tos do go­ver­no. Be­ne­fí­ci­os de de­ter­mi­na­dos se­to­res do ser­vi­ço pú­bli­co tam­bém es­tão na mi­ra. Tu­do is­so, se­gun­do ele, co­lo­ca­ria o câm­bio no ní­vel al­me­ja­do. “Uma vez que ele che­gue a es­sa fai­xa, é pre­ci­so man­tê-lo lá, dan­do cer­ta pre­vi­si­bi­li­da­de ao ex­por­ta­dor e ao im­por­ta­dor”, afir­ma. O dó­lar en­tre R$ 3,80 e R$ 4 re­sul­ta­ria em al­ta de apro­xi­ma­da­men­te 1 pon­to per­cen­tu­al da in­fla­ção, nos cál­cu­los de­le. Mas es­sa al­ta po­de­ria ser com­ba­ti­da com a pró­pria po­lí­ti­ca fis­cal con­tra­ci­o­nis­ta e mai­or de­sin­de­xa­ção da eco­no­mia à in­fla­ção pas­sa­da, de acor­do com ele.

Pa­ra Mar­co­ni, ex-pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Key­ne­si­a­na Bra­si­lei­ra e dou­tor em eco­no­mia pe­la FGV, o prin­ci­pal er­ro de Dil­ma foi jus­ta­men­te ten­tar re­sol­ver “o binô­mio ju­ros al­tos-câm­bio va­lo­ri­za­do” em um mo­men­to de po­lí­ti­ca fis­cal ex­pan­si­o­nis­ta e em que os sa­lá­ri­os cres­ci­am aci­ma da pro­du­ti­vi­da­de - com­bi­na­ção pro­pí­cia pa­ra o au­men­to da in­fla­ção e que ge­rou um “de­se­qui­lí­brio ma­cro­e­conô­mi­co”. Mas tam­bém há ou­tra as crí­ti­cas à po­lí­ti­ca econô­mi­ca da ex-pre­si­den­te, co­mo o con­tro­le ar­ti­fi­ci­al de pre­ços e a pou­ca pre­o­cu­pa­ção com ex­por­ta­ções de pro­du­tos ma­nu­fa­tu­ra­dos.

Em um even­tu­al go­ver­no de Ciro, qua­tro se­to­res in­dus­tri­ais se­ri­am do­nos de mai­or aten­ção, prin­ci­pal­men­te pe­lo im­pac­to que te­ri­am em ou­tros seg­men­tos e por sua ca­pa­ci­da­de de ino­va­ção tec­no­ló­gi­ca: óleo e gás, saú­de, agro­ne­gó­cio e de­fe­sa. Ain­da não es­tá exa­ta­men­te cla­ro qual se­ria o apoio do go­ver­no a es­ses se­to­res, mas ele não ne­ces­sa­ri­a­men­te se­ria fei­to por meio de sub­sí­di­os. “E eles te­rão que cum­prir me­tas, se­ja de pro­du­ção, se­ja de exportação”, afir­ma.

A po­lí­ti­ca in­dus­tri­al foi ou­tro dos er­ros de Dil­ma, se­gun­do ele. A ex-pre­si­den­te te­ria ten­ta­do tur­bi­nar o se­tor em um mo­men­to pos­te­ri­or ao de­se­qui­lí­brio ma­cro­e­conô­mi­co, cau­sa­do jus­ta­men­te pe­lo com­ba­te à com­bi­na­ção de ju­ros al­tos e câm­bio va­lo­ri­za­do. “Ela ten­tou usar a in­dús­tria pa­ra com­pen­sar es­se de­se­qui­lí­brio”, diz Mar­co­ni. Al­vo de crí­ti­cas pe­la atu­a­ção du­ran­te os go­ver­nos pe­tis­tas, o Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Eco- nô­mi­co e So­ci­al (BNDES) te­ria um pa­pel im­por­tan­te em um even­tu­al go­ver­no Ciro. “Não é por­que vo­cê er­rou lá atrás que não vai mais fa­zer po­lí­ti­ca pú­bli­ca. Se er­rou, cor­ri­ja”, diz.

Nes­ta fa­se ini­ci­al de ela­bo­ra­ção do pro­gra­ma, o eco­no­mis­ta de 52 anos tem dois par­cei­ros prin­ci­pais: Ro­ber­to Man­ga­bei­ra Un­ger, pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de de Har­vard (EUA) e ex-mi­nis­tro de As­sun­tos Es­tra­té­gi­cos dos go­ver­nos de Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va e de Dil­ma; e Mau­ro Be­ne­vi­des Fi­lho, se­cre­tá­rio de Fa­zen­da do Ceará, Es­ta­do on­de Ciro fez a sua car­rei­ra po­lí­ti­ca, co­mo de­pu­ta­do es­ta­du­al, fe­de­ral, pre­fei­to de For­ta­le­za e go­ver­na­dor.

O que o pré-can­di­da­to co­lo­cou em prá­ti­ca no pe­río­do em que co­man­dou o Ceará ser­ve, em al­guns as­pec­tos, co­mo exem­plo do que ele pre­ten­de im­plan­tar no Bra­sil, se­gun­do Mar­co­ni. “Em to­dos os anos em que ele foi go­ver­na­dor, o Es­ta­do re­gis­trou su­pe­rá­vit”, diz. Con­tas pú­bli­cas em dia, de acor­do com o eco­no­mis­ta, são es­sen­ci­ais pa­ra au­men­tar a pou­pan­ça do país e, con­se­quen­te­men­te, os in­ves­ti­men­tos.

Ape­sar da in­ten­ção de co­lo­car es­sas con­tas em or­dem, ain­da não há, da­do o ca­rá­ter ini­ci­al da ela­bo­ra­ção do pro­gra­ma, um de­se­nho mais cla­ro a res­pei­to de co­mo im­plan­tar es­se ajus­te. Al­gu­mas pro­pos­tas têm si­do tra­zi­das à me­sa, co­mo uma me­ta de pou­pan­ça pú­bli­ca (que in­clui as des­pe­sas com ju­ros, mas pre­ser­va os in­ves­ti­men­tos), a pró­pria ma­nu­ten­ção da me­ta de su­pe­rá­vit pri­má­rio, o es­ta­be­le­ci­men­to de um li­mi­te pa­ra a dí­vi­da pú­bli­ca em re­la­ção ao Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) e um te­to dos gas­tos que com­bi­ne in­fla­ção e cres­ci­men­to da po­pu­la­ção, por exem­plo. Qu­an­tas e quais des­sas pro­pos­tas po­dem ser efe­ti­va­men­te ado­ta­das ain­da es­tá lon­ge de ser de­fi­ni­do. O que é con­sen­so en­tre o gru­po “é que es­se te­to dos gas­tos é in­viá­vel do jei­to que es­tá”. “Mas uma coi­sa eu di­go: te­re­mos equi­lí­brio fis­cal”, ga­ran­te.

Além do trio prin­ci­pal, em­pre­sá­ri­os, aca­dê­mi­cos e in­te­gran­tes do mer­ca­do fi­nan­cei­ro têm par­ti­ci­pa­do dos en­con­tros com Ciro. Quan­do os gru­pos são gran­des, o ex-mi­nis­tro da Fa­zen­da, co­nhe­ci­do por su­as opi­niões for­tes, mais ou­ve do que fa­la. As reu­niões, an­tes re­a­li­za­das na ca­sa do pró­prio Mar­co­ni, em São Pau­lo, es­tão mais fre­quen­tes e têm ga­nhan­do mai­or sen­so de ur­gên­cia, à me­di­da que a cam­pa­nha se apro­xi­ma. Na se­ma­na pas­sa­da, por exem­plo, ele es­te­ve du­as ve­zes com Ciro em Bra­sí­lia. A en­tre­vis­ta ao Va­lor, na noi­te de sex­ta-fei­ra, te­ve que ser in­ter­rom­pi­da por mais de uma ho­ra pa­ra que o con­se­lhei­ro pu­des­se aten­der o pré-can­di­da­to.

Is­so po­de ser ex­pli­ca­do em par­te pe­lo pro­gra­ma que Ciro pre­ten­de im­plan­tar, dis­tan­te em mui­tos as­pec­tos do co­lo­ca­do em prá­ti­ca pe­lo pre­si­den­te Mi­chel Te­mer. A re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, por exem­plo, é di­fe­ren­te da­que­la que Te­mer ten­tou apro­var. Ao con­trá­rio do atu­al mo­de­lo de re­par­ti­ção, eles de­fen­dem a im­plan­ta­ção de um re­gi­me de ca­pi­ta­li­za­ção, em que o apo­sen­ta­do re­ce­be aqui­lo que foi pou­pa­do por ele du­ran­te os anos em que tra­ba­lhou, sem o pac­to en­tre as ge­ra­ções que ca­rac­te­ri­za a re­par­ti­ção. “Is­so tra­ria equi­lí­brio atu­a­ri­al”, diz Mar­co­ni. “Sem es­se equi­lí­brio, te­re­mos que fa­zer uma re­for­ma da Pre­vi­dên­cia atrás da ou­tra con­for­me a po­pu­la­ção for en­ve­lhe­cen­do, com to­das as di­fi­cul­da­des po­lí­ti­cas que is­so traz.” Ele re­co­nhe­ce, no en­tan­to, que a tro­ca de re­gi­mes não é sim­ples. Além dis­so, de­fen­de que a par­ce­la mais po­bre da po­pu­la­ção te­nha ga­ran­ti­da uma ren­da pa­ra o pe­río­do de apo­sen­ta­do­ria, in­de­pen­den­te­men­te da con­tri­bui­ção fei­ta ao lon­go da vi­da.

Ou­tra re­for­ma, a tri­bu­tá­ria, tam­bém vem sen­do dis­cu­ti­da pe­lo gru­po. Um au­men­to da car­ga, pe­lo me­nos por en­quan­to, não es­tá nos pla­nos. O mo­te cen­tral das pro­pos­tas é que a no­va es­tru­tu­ra se­ja pro­gres­si­va, além de one­rar “me­nos a pro­du­ção e mais as pes­so­as fí­si­cas”. A tri­bu­ta­ção so­bre lu­cros e di­vi­den­dos des­se úl­ti­mo gru­po, por exem­plo, es­tá no ra­dar. Mar­co­ni tam­bém elo­gia o mo­de­lo pro­pos­to pe­lo eco­no­mis­ta Ber­nard Appy, di­re­tor do Cen­tro de Ci­da­da­nia Fis­cal (CCiF), com quem con­ver­sou re­cen­te­men­te. A ideia é que im­pos­tos co­mo o Im­pos­to so­bre Cir­cu­la­ção de Mer­ca­do­res e Ser­vi­ços (ICMS), que Appy con­si­de­ra “mal de­se­nha­do”, per­cam es­pa­ço pa­ra um “bem de­se­nha­do” Im­pos­to so­bre Va­lor Agre­ga­da (IVA).

As­sun­tos co­mo a pri­va­ti­za­ção de em­pre­sas pú­bli­cas ain­da não fo­ram dis­cu­ti­dos em pro­fun­di­da­de. “Mas há de­cla­ra­ções do Ciro so­bre o as­sun­to”, afir­ma. O ex­go­ver­na­dor já dis­se pu­bli­ca­men­te ser con­tra as pri­va­ti­za­ções da Pe­tro­bras e da Ele­tro­bras. Por ou­tro la­do, é con­sen­so en­tre o gru­po que o Ban­co Cen­tral de­ve­ria ter co­mo ob­je­ti­vo ex­plí­ci­to um man­da­to du­plo, le­van­do em con­ta tan­to o com­ba­te à in­fla­ção quan­to o ní­vel de em­pre­go.

No even­to em que lan­çou sua pré-can­di­da­tu­ra, na se­ma­na pas­sa­da, Ciro tam­bém afir­mou que iria “in­di­car co­mo cri­a­re­mos al­guns mi­lhões de em­pre­gos a cur­to pra­zo via cons­tru­ção ci­vil”. Mas, se­gun­do Mar­co­ni, o gru­po ain­da não dis­cu­tiu ne­nhum pla­no mais con­cre­to.

AL­BER­TO RO­CHA/FO­LHA­PRESS — 20/9/2017

Mar­co­ni: “Uma vez que ele che­gue a es­sa fai­xa [en­tre R$ 3,80 e R$ 4], é pre­ci­so man­tê-lo lá, dan­do cer­ta pre­vi­si­bi­li­da­de ao ex­por­ta­dor e ao im­por­ta­dor”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.