Uma boa pro­pos­ta no Bra­sil de Ge­ni

Valor Econômico - - BRASIL - Da­ni­e­la Chi­a­ret­ti

Há uma se­ma­na, uma sa­la do Se­na­do, em Bra­sí­lia, abri­gou uma dis­cus­são fun­da­men­tal so­bre pre­ser­va­ção flo­res­tal e pro­du­ção agro­pe­cuá­ria. Es­cu­ta­ram-se nú­me­ros e es­tra­té­gi­as de co­mo o Bra­sil pode am­pli­ar sua pro­du­ção agrí­co­la e da pe­cuá­ria sem der­ru­bar mais ne­nhu­ma ár­vo­re. Não era pa­pi­nho. Co­mo um des­do­bra­men­to da cam­pa­nha pe­lo des­ma­ta­men­to ze­ro que exis­te há al­guns anos e ama­du­re­ce len­ta­men­te, saiu uma pro­pos­ta ino­va­do­ra: a ideia de uma mo­ra­tó­ria do des­ma­te em to­dos os bi­o­mas bra­si­lei­ros até 2030.

A pro­pos­ta de uma po­lí­ti­ca pú­bli­ca que com­ba­ta a der­ru­ba­da de qual­quer ár­vo­re da Amazô­nia, do Cer­ra­do ou da Ca­a­tin­ga nos pró­xi­mos 12 anos veio do en­ge­nhei­ro flo­res­tal Tas­so Aze­ve­do, que co­or­de­na o sis­te­ma que es­ti­ma as emis­sões de ga­ses-es­tu­fa da eco­no­mia bra­si­lei­ra (co­nhe­ci­do por Se­eg) e di­ri­giu o Ser­vi­ço Flo­res­tal Bra­si­lei­ro. Se­gun­do ele, quan­do não se pode mais avan­çar flo­res­ta aden­tro, usa-se melhor a área que se tem. Ou se­ja, a mo­ra­tó­ria ge­ral ba­se­a­da em uma res­tri­ção, es­ti­mu­la­ria o au­men­to de pro­du­ti­vi­da­de da agro­pe­cuá­ria e sal­va­ria a bi­o­di­ver­si­da­de. Tu­do ao mes­mo tem­po ago­ra.

Tas­so fa­lou na au­di­ên­cia con­vo­ca­da pe­lo se­na­dor João Ca­pi­be­ri­be (PSB-AP) so­bre a pro­pos­ta de uma lei que pro­mo­va o des­ma­ta­men­to ze­ro no país — em ou­tras pa­la­vras, ne­nhu­ma ár­vo­re a me­nos, mes­mo que a le­gis­la­ção bra­si­lei­ra atu­al per­mi­ta a re­ti­ra­da de es­pé­ci­es na­ti­vas en­tre 20% a 80% da pro­pri­e­da­de ru­ral, de­pen­den­do em que bi­o­ma es­tá. A ideia, lan­ça­da em 2012 e que te­ve o Gre­en­pe­a­ce co­mo pro­ta­go­nis­ta, vem ga­nhan­do for­ça de­va­gar. Tor­nou-se uma pro­pos­ta de lei de ini­ci­a­ti­va po­pu­lar com mais de 1,4 mi­lhão de as­si­na­tu­ras e que des­de 2015 tran­si­ta no Con­gres­so. Proí­be o cor­te de flo­res­tas na­ti­vas e ve­ta no­vas li­cen­ças pa­ra des­ma­tar — à ex­ce­ção do des­ma­ta­men­to ne­ces­sá­rio em pe­que­nas obras e pa­ra um pe­río­do de adap­ta­ção dos agri­cul­to­res fa­mi­li­a­res.

A mo­ra­tó­ria se­ria uma po­lí­ti­ca pú­bli­ca an­co­ra­da na lei, pa­ra si­na­li­zar pa­ra on­de se quer ir com o des­ma­ta­men­to ze­ro. Vi­go­ra­ria até 2030 com mo­ni­to­ra­men­to anu­al dos im­pac­tos na agro­pe­cuá­ria e na ve­ge­ta­ção na­ti­va. “O ce­ná­rio que ima­gi­no é de bru­tal cres­ci­men­to da pro­du­ti­vi­da­de das áre­as de agro­pe­cuá­ria no Bra­sil”, dis­se Tas­so. “Não pre­ci­sa­mos mais des­ma­tar. E re­du­ção de des­ma­ta­men­to e ganhos de pro­du­ti­vi­da­de são ir­mãos si­a­me­ses, um acom­pa­nha o ou­tro.” Ci­tou o que acon­te­ceu no Es­ta­do de São Paulo, de 2000 a 2016, pa­ra com­pro­var sua te­se. A lei da Ma­ta Atlân­ti­ca, de 2006, tor­nou de­fi­ni­ti­va a proi­bi­ção no ter­ri­tó­rio pau­lis­ta de não se avan­çar flo­res­ta aden­tro. No pe­río­do, a área de agro­pe­cuá­ria foi re­du­zi­da em um mi­lhão de hec­ta­res, mas a de flo­res­tas na­ti­vas e re­flo­res­ta­das, au­men­tou. A pro­du­ção agrí­co­la cres­ceu 50% nos 16 anos, e o des­ma­ta­men­to, es­tan­cou.

A au­di­ên­cia no Se­na­do foi uma au­la de Amazô­nia, de idei­as de de­sen­vol­vi­men­to, de ino­va­ção e de bom-sen­so. Em 2016, cer­ca de 60% do ter­ri­tó­rio bra­si­lei­ro era co­ber­to por flo­res­tas, 6% por ou­tro ti­po de ve­ge­ta­ção na­tu­ral e 32% pe­la agro­pe­cuá­ria, ou 269 mi­lhões de hec­ta­res. É o que ca­rac­te­ri­za a ter­cei­ra mai­or área agrí­co­la do mun­do, de­pois da China e dos EUA, e faz do Bra­sil o quar­to mai­or pro­du­tor de ali­men­tos do mun­do.

Pois bem. Es­te mun­da­réu de ter­ras es­tá di­vi­di­do em 170 mi­lhões de hec­ta­res de pas­ta­gens ati­vas e des­tas, 30 a 40 mi­lhões de hec­ta­res são pas­ta­gens de­gra­da­das com pro­du­ti­vi­da­de de­ca­den­te. A área de efe­ti­vo uso agrí­co­la ocu­pa 75 mi­lhões de hec­ta­res. So­bram 24 mi­lhões que não estão sen­do uti­li­za­dos.

O mais ba­ca­na da fa­la de Tas­so Aze­ve­do vem ago­ra. Se a pro­du­ti­vi­da­de agrí­co­la bra­si­lei­ra é mui­to mai­or do que a mé­dia da agri­cul­tu­ra tro­pi­cal, a da pe­cuá­ria é aque­le de­sas­tre co­nhe­ci­do. Es­tá em 1,3 ca­be­ça por hec­ta­re. A ideia é do­brar a pro­du­ti­vi­da­de pas­san­do pa­ra 2,6 ani­mal por hec­ta­re, e com is­so, li­be­rar 40 mi­lhões de hec­ta­res pa­ra a agri­cul­tu­ra. So­man­do tu­do, o Bra­sil te­ria um es­to­que de 50 mi­lhões de hec­ta­res, no mí­ni­mo, pa­ra aten­der as de­man­das da pro­du­ção ru­ral e as da re­cu­pe­ra­ção flo­res­tal. “Não faz sen­ti­do gas­tar pa­ra des­ma­tar se te­mos es­te ati­vo que pode ser re­cu­pe­ra­do. Nos­so de­sa­fio é re­cu­pe­rar as áre­as im­pro­du­ti­vas e de­gra­da­das do país”, diz ele.

Paulo Mou­ti­nho, pes­qui­sa­dor do Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa Am­bi­en­tal da Amazô­nia, o Ipam, lem­brou que a quan­ti­da­de de car­bo­no acu­mu­la­da na Amazô­nia equi­va­le a no­ve anos de emis­são mun­di­al de ga­ses-es­tu­fa. Uma úni­ca ár­vo­re da flo­res­ta re­ci­cla 500 li­tros de água por dia. “A Amazô­nia tem al­ta di­ver­si­da­de e al­to va­lor, es­pe­ci­al­men­te nes­te mun­do de trans­for­ma­ção cli­má­ti­ca”, se­guiu.

A no­ta me­lan­có­li­ca sur­giu na fa­la do se­na­dor Jor­ge Vi­a­na (PT-AC), pa­ra quem já pas­sou da ho­ra de o país ter uma bi­oin­dús­tria na Amazô­nia com fo­co na pro­du­ção de fár­ma­cos e cos­mé­ti­cos. “Não co­nhe­ço na­da que pos­sa ge­rar mais di­nhei­ro, mas nos­so país não en­xer­ga, não in­cen­ti­va.” O se­na­dor lem­brou que seus ad­ver­sá­ri­os po­lí­ti­cos di­zem que pro­te­ger o am­bi­en­te é a po­lí­ti­ca do atra­so, e que mo­de­lo bom de de­sen­vol­vi­men­to da Amazô­nia é o de Rondô­nia, Es­ta­do que des­ma­tou tu­do o que pô­de e mais um tan­to.

Só umas 40 pes­so­as es­ta­vam no de­ba­te, to­das do mo­vi­men­to am­bi­en­ta­lis­ta. Re­pre­sen­tan­tes da in­dús­tria e do agro­ne­gó­cio, en­quan­to is­so, tra­ça­vam es­tra­té­gi­as pa­ra en­fra­que­cer o li­cen­ci­a­men­to am­bi­en­tal, pro­ces­so que ga­nhou a anó­di­na al­cu­nha de “fle­xi­bi­li­za­ção”. “Te­mos uma agenda ruim e ame­a­ça­do­ra den­tro do Con­gres­so, com ini­ci­a­ti­vas ter­rí­veis pa­ra a flo­res­ta”, diz Vi­a­na. Nes­tas for­ças re­tró­gra­das, o dis­cur­so da pre­ser­va­ção da Amazô­nia é opor­tu­nis­ta e de­so­nes­to. Lem­bra a his­tó­ria da in­fe­liz Ge­ni, da mú­si­ca de Chi­co Bu­ar­que, que le­va a pla­teia a uma ex­plo­são ca­tár­ti­ca a ca­da show da tur­nê que o com­po­si­tor faz pe­lo Bra­sil. Ge­ni, que é fei­ta pa­ra apa­nhar, uma noi­te salva a ci­da­de on­de vi­ve, mas seu sos­se­go é fu­gaz — ter­mi­na com o rai­ar do dia, quan­do o pe­ri­go se vai. Bem as­sim é o tra­ta­men­to da­do às ques­tões am­bi­en­tais no Bra­sil pe­la cor­ren­te que só evo­ca os ter­mos pre­ser­va­ção e sus­ten­ta­bi­li­da­de quan­do con­vém. Pas­sa­do o sus­to com a re­a­ção de mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais que que­rem sa­ber se aque­la ma­dei­ra é le­gal ou não, se a car­ne na pra­te­lei­ra dos mer­ca­dos pro­vo­cou des­ma­ta­men­to ou se a so­ja der­ru­bou flo­res­tas, pa­ra que se dei­xe tu­do de la­do e flo­res­ta, am­bi­en­ta­lis­tas e pes­qui­sa­do­res vol­tem a ser al­vo de mo­tos­ser­ras e ig­no­ra­dos pe­los ru­ra­lis­tas.

Pro­du­ti­vi­da­de na pe­cuá­ria na­ci­o­nal é um de­sas­tre

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.