Go­ver­no tra­ba­lha em no­vo de­se­nho pa­ra a área nu­cle­ar, afir­ma Mo­rei­ra

Valor Econômico - - BRASIL - An­drea Ju­bé, Da­ni­el Ritt­ner e Ra­fa­el Bi­ten­court

O mi­nis­tro de Mi­nas e Ener­gia, Mo­rei­ra Fran­co, quer um no­vo de­se­nho pa­ra a área nu­cle­ar do go­ver­no. Ele es­tá con­ven­ci­do de que ho­je exis­te uma so­bre­po­si­ção de es­tru­tu­ras. São mui­tos ór­gãos e au­tar­qui­as, es­pa­lha­dos por vá­ri­os mi­nis­té­ri­os di­fe­ren­tes, com fun­ções pa­re­ci­das e du­pli­ci­da­de de gas­tos: Ele­tro­nu­cle­ar, Nu­clep, In­dús­tri­as Nu­cle­a­res do Bra­sil (INB) e es­tru­tu­ras su­bor­di­na­das ao Co­man­do da Ma­ri­nha.

“É ir­ra­ci­o­nal”, dis­se Mo­rei­ra, em en­tre­vis­ta ao Va­lor. “Vo­cê tem di­ver­sas em­pre­sas do go­ver­no, uma ven­den­do pa­ra ou­tra, pa­gan­do im­pos­tos, pro­du­zin­do, o que é um ne­gó­cio des­pro­po­si­ta­do”, com­ple­tou o mi­nis­tro. “Ho­je uma par­te es­tá aqui [em Mi­nas e Ener­gia], ou­tra na Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia, ou­tra na Ma­ri­nha. Tu­do is­so tem que es­tar num can­to só.”

Além da Ele­tro­nu­cle­ar, que ope­ra as usi­nas do com­ple­xo de An­gra dos Reis (RJ), a Nu­clep pro­je­ta e fa­bri­ca bens de ca­pi­tal no se­tor. A INB se de­di­ca à mi­ne­ra­ção, ao en­ri­que­ci­men­to do urâ­nio e à mon­ta­gem do com­bus­tí­vel que abas­te­ce os re­a­to­res. Já a Co­mis­são Na­ci­o­nal de Ener­gia Nu­cle­ar (Cnen) pes­qui­sa a apli­ca­ção de téc­ni­cas nu­cle­a­res e re­gu­la o uso da ener­gia no país. En­quan­to is­so, a Ma­ri­nha tem um pro­gra­ma nu­cle­ar pró­prio, com o de­sen­vol­vi­men­to do sub­ma­ri­no de pro­pul­são atô­mi­ca co­mo au­ge.

Es­se re­de­se­nho men­ci­o­na­do pe­lo mi­nis­tro es­tá a car­go de um gru­po re­cém-cri­a­do, sob co­or­de­na­ção do ge­ne­ral Sér­gio Et­che­goyen, che­fe do Ga­bi­ne­te de Se­gu­ran­ça Ins­ti­tu­ci­o­nal (GSI). Mo­rei­ra tam­bém pe­diu o en­vol­vi­men­to do pre­si­den­te da Ele­tro­bras, Wil­son Fer­rei­ra Jr, nos tra­ba­lhos. A in­ten­ção é fa­zer a res­tru­tu­ra­ção ain­da nes­te ano, apro­vei­tan­do que a Ele­tro­nu­cle­ar pre­ci­sa­rá ser se­gre­ga­da da Ele­tro­bras an­tes de sua pri­va­ti­za­ção, por cau­sa do mo­no­pó­lio cons­ti­tu­ci­o­nal da­do à União pa­ra a ge­ra­ção de ener­gia nu­cle­ar.

Mo­rei­ra tem pe­la fren­te, nos pró­xi­mos me­ses, ou­tros de­sa­fi­os pa­ra re­sol­ver no se­tor. Um de­les é a ta­ri­fa da usi­na nu­cle­ar de An­gra 3, que es­tá pa­ra­li­sa­da des­de 2015, com 63% de su­as obras exe­cu­ta­das. Pa­ra que a Ele­tro­nu­cle­ar pos­sa ser se­pa­ra­da da hol­ding, ela não pode es­tar com pre­juí­zo con­tá­bil. E só sai do pre­juí­zo com uma atu­a­li­za­ção da ta­ri­fa pa­ra pa­ta­ma­res com­pa­tí­veis com os pa­drões in­ter­na­ci­o­nais. Ho­je o va­lor do me­gawatt-ho­ra es­tá em cer­ca de R$ 240. A mé­dia glo­bal é pra­ti­ca­men­te o do­bro dis­so.

Ou­tra pos­si­bi­li­da­de de sa­ne­ar as con­tas da Ele­tro­nu­cle­ar es­tá em uma emen­da que o re­la­tor da MP 814, de­pu­ta­do Ju­lio Lo­pes (PP-RJ), pre­ten­de in­cluir no tex­to ori­gi­nal da me­di­da pro­vi­só­ria em tra­mi­ta­ção no Con­gres­so. Pe­la emen­da, as re­cei­tas ob­ti­das pe­la usi­na bi­na­ci­o­nal de Itai­pu dei­xa­ri­am de en­trar no cai­xa da Ele­tro­bras e pas­sa­ri­am à Ele­tro­nu­cle­ar.

Ho­je à tar­de, Mo­rei­ra par­ti­ci­pa de sua pri­mei­ra reu­nião com o gru­po in­ter­mi­nis­te­ri­al que dis­cu­te a re­vi­são do con­tra­to pe­lo qual o go­ver­no ce­deu à Pe­tro­bras o di­rei­to de ex­plo­rar cin­co bi­lhões de bar­ris no pré-sal. Des­sa vez, os mi­nis­tros — Edu­ar­do Gu­ar­dia (Fa­zen­da) e Es­te­ves Col­na­go (Pla­ne­ja­men­to) — vão par­ti­ci­par, além do pre­si­den­te da es­ta­tal, Pedro Pa­ren­te. É um si­nal do es­for­ço pa­ra vi­a­bi­li­zar um me­ga­lei­lão com os ex­ce­den­tes da cha­ma­da ces­são one­ro­sa.

Mo­rei­ra evi­ta, no en­tan­to, cri­ar ex­pec­ta­ti­vas no plu­ral. “Pri­o­ri­da­de é uma pa­la­vra no sin­gu­lar”, diz o mi­nis­tro, dan­do ên­fa­se total na pri­va­ti­za­ção da Ele­tro­bras.

De acor­do com ele, o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer con­ver­sou no fim de se­ma­na com o pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), pa­ra des­fa­zer um mal en­ten­di­do so­bre o de­cre­to que in­clui a es­ta­tal no Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de De­ses­ta­ti­za­ção (PND). “Es­ta­vam achan­do [os par­la­men­ta­res] que que­ría­mos fa­zer uma es­per­te­za”, co­men­tou o mi­nis­tro, lem­bran­do que o úni­co ob­je­ti­vo do ato era li­be­rar a con­tra­ta­ção de es­tu­dos.

Ques­ti­o­na­do se o de­cre­to pre­si­den­ci­al sai­ria fi­nal­men­te nes­ta se­ma­na, Mo­rei­ra ado­tou um tom me­nos ta­xa­ti­vo do que di­as atrás: “Es­pe­ro que sim”. Ele pre­fe­riu não opi­nar so­bre o ca­len­dá­rio da ca­pi­ta­li­za­ção e nem so­bre es­ti­ma­ti­vas de va­lo­res. “Os es­tu­dos ser­vem exa­ta­men­te pa­ra is­so.”

No iní­cio do ano, en­quan­to es­te­ve à fren­te da Se­cre­ta­ria-Ge­ral da Pre­si­dên­cia, Mo­rei­ra ma­ni­fes­tou pre­o­cu­pa­ção com a efi­ci­ên­cia da re­gu­la­ção de pre­ços dos com­bus­tí­veis a par­tir da en­tra­da em vi­gor da no­va po­lí­ti­ca de pre­ços da Pe­tro­bras nas re­fi­na­ri­as.

Na­que­la oca­sião, o mi­nis­tro di­zia que as re­du­ções ofe­re­ci­das tal­vez não es­ti­ves­sem che­gan­do às bom­bas de com­bus­tí­veis. En­tre as pos­si­bi­li­da­des le­van­ta­das es­ta­va a prá­ti­ca de car­tel. Ago­ra, Mo­rei­ra afir­mou que continuam as in­te­ra­ções com o Con­se­lho Ad­mi­nis­tra­ti­vo de De­fe­sa Econô­mi­ca (Ca­de), mas com sus­pei­tas me­no­res so­bre a ques­tão con­cor­ren­ci­al. Pa­ra ele, o mai­or pro­ble­ma es­tá nos tri­bu­tos fe­de­rais e es­ta­du­ais. “So­bre bem es­sen­ci­al, há uma pre­sen­ça ex­ces­si­va [da tri­bu­ta­ção] dos Es­ta­dos e da União. Pas­sa por uma ta­xa­ção mui­to vi­o­len­ta.”

RUY BARON/VA­LOR

Mo­rei­ra Fran­co, mi­nis­tro de Mi­nas e Ener­gia: “Tu­do tem que es­tar num can­to só”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.