Nú­me­ro de acor­dos tra­ba­lhis­tas re­cua 29% no 1 tri­mes­tre

Mudanças fei­tas na le­gis­la­ção es­ta­ri­am di­fi­cul­tan­do ne­go­ci­a­ções en­tre pa­trões e em­pre­ga­dos

Valor Econômico - - BRASIL - Ana Con­cei­ção

O nú­me­ro de acor­dos e con­ven­ções co­le­ti­vas re­gis­tra­dos no Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho caiu de for­ma ex­pres­si­va nos pri­mei­ros me­ses des­te ano, em re­la­ção ao ano pas­sa­do, e tam­bém à mé­dia dos úl­ti­mos cin­co anos, se­gun­do o De­par­ta­men­to In­ter­sin­di­cal de Es­ta­tís­ti­ca e Es­tu­dos So­ci­o­e­conô­mi­cos (Di­e­e­se) e da Fun­da­ção Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa Econô­mi­ca (Fi­pe-USP).

O re­cuo in­di­ca que pa­trões e em­pre­ga­dos têm ti­do mais di­fi­cul­da­de em che­gar a bom ter­mo nas ne­go­ci­a­ções es­te ano, se­gun­do sin­di­ca­tos e es­pe­ci­a­lis­tas. Pon­tos da re­for­ma tra­ba­lhis­ta es­ta­ri­am con­tri­buin­do pa­ra o im­pas­se en­tre am­bos os la­dos.

De acor­do com o Di­e­e­se, 2.802 acor­dos fo­ram re­gis­tra­dos no pri­mei­ro tri­mes­tre, 29% me­nos que em igual pe­río­do do ano pas­sa­do, quan­do o nú­me­ro foi de 3.939. A mé­dia en­tre 2012 e 2017 foi de 3,8 mil. Os nú­me­ros de ja­nei­ro a mar­ço re­fe­rem-se a ins­tru­men­tos co­le­ti­vos acor­da­dos pa­ra 2018.

No le­van­ta­men­to da Fi­pe, que le­va em con­ta o mês de iní­cio dos acor­dos, hou­ve 1.841 acor­dos fe­cha­dos no pri­mei­ro bi­mes­tre, de uma mé­dia de 2,8 mil nos cin­co anos an­te­ri­o­res. A mé­dia dos cin­co anos é de 2,8 mil acor­dos. Es­ses acor­dos não são ne­ces­sa­ri­a­men­te sa­la­ri­ais. Eles po­dem con­ter ne­go­ci­a­ções co­mo com­pen­sa­ção de fe­ri­a­dos, ban­co de ho­ras, PLR, en­tre ou­tros itens.

Pa­ra He­lio Zyl­bers­tajn, co­or­de­na­dor do bo­le­tim Sa­la­ri­ô­me­tro, há cau­te­la de am­bos os la­dos so­bre o que pode ser in­cluí­do ou não nos acor­dos. Um dos pon­tos po­lê­mi­cos, diz, é o fim da con­tri­bui­ção sin­di­cal, uma das prin­ci­pais for­mas de fi­nan­ci­a­men­to dos sin­di­ca­tos, ex­tin­ta pe­la no­va lei.

“Sin­di­ca­tos têm pro­cu­ra­do in­cluir cláu­su­la pa­ra au­to­ri­zar o des­con­to em sa­lá­rio, mas al­gu­mas em­pre­sas se ne­gam por re­ceio de co­me­ter uma ile­ga­li­da­de”, afir­ma. Se­gun­do ele, há mui­ta dú­vi­da so­bre o que pode ser ques­ti­o­na­do pos­te­ri­or­men­te na Jus­ti­ça.

De ou­tro la­do, sin­di­ca­tos pres­si­o­nam por man­ter as cláu­su­las dos acor­dos fei­tos an­tes do iní­cio da vi­gên­cia da re­for­ma, em no­vem­bro de 2017. No ano pas­sa­do, por exem­plo, o acor­do fei­to pe­lo Sindicato dos Me­ta­lúr­gi­cos do ABC in­cluiu uma cláu­su­la pa­ra que as al­te­ra­ções na CLT pre­vis­tas pe­la re­for­ma tra­ba­lhis­ta não se­jam apli­ca­das sem ne­go­ci­a­ção.

Ser­gio But­ka, pre­si­den­te do sindicato dos me­ta­lúr­gi­cos de Cu­ri­ti­ba, afir­ma que des­de o iní­cio da cri­se econô­mi­ca hou­ve di­fi­cul­da­de pa­ra re­no­var acor­dos in­di­vi­du­ais (fei­tos em­pre­sa por em­pre­sa), mas ago­ra a si­tu­a­ção pi­o­rou. Nas ne­go­ci­a­ções des­te iní­cio de ano, o con­tin­gen­te de tra­ba­lha­do­res pro­te­gi- dos por acor­dos in­di­vi­du­ais pas­sou de 90% pa­ra 60% do total.

But­ka diz que os acor­dos in­di­vi­du­ais com­ple­men­tam a con­ven­ção co­le­ti­va (que abran­ge to­da a ca­te­go­ria). “Fe­cha­da a con­ven­ção, fa­ze­mos acor­dos in­di­vi­du­ais com ca­da em­pre­sa pa­ra me­lho­rar pon­tos co­mo par­ti­ci­pa­ção nos lu­cros.”

Se­gun­do o sin­di­ca­lis­ta, al­guns seg­men­tos do se­tor me­ta­lúr­gi­co pa­ra­na­en­se não fe­cha­ram con­ven­ção no iní­cio do ano por cau­sa de itens tra­zi­dos pe­la re­for­ma co­mo, por exem­plo, a não obri­ga­to­ri­e­da­de de fa­zer a res­ci­são do con­tra­to no sindicato. “É pre­fe­rí­vel fi­car sem con­ven­ção que ra­ti­fi­car itens da re­for­ma nos acor­dos”, diz ele.

Com da­ta-ba­se ven­ci­da em mar­ço, os pro­fes­so­res do en­si­no bá­si­co no se­tor pri­va­do em São Paulo estão sem acor­do em vi­gor. Se­gun­do Luiz An­to­nio Bar­ba­gli, pre­si­den­te do Sin­pro, sindicato da ca­te­go­ria, pe­la pri­mei­ra vez des­de 2003 pa­trões e em­pre­ga­dos do se­tor irão a dis­sí­dio. Se­gun­do Bar­ba­gli, as cláu­su­las do acor­do, ba­si­ca­men­te as mes­mas há 20 anos, não fo­ram re­no­va­das. Com a in­fla­ção do INPC abai­xo de 2% em 12 me­ses, a re­po­si­ção sa­la­ri­al não tem si­do um en­tra­ve, diz.

En­tre as pro­pos­tas das es­co­las so­bre as quais não hou­ve acor­do estão a re­du­ção do re­ces­so es­co­lar de 30 pa­ra 20 di­as. Pa­ra Bar­ba­gli, a re­for­ma re­du­ziu o po­der de pres­são dos sin­di­ca­tos, por­que per­mi­te ne­go­ci­a­ções di­re­tas com os em­pre­ga­dos, por is­so não há in­te­res­se em fe­char acor­dos.

Ben­ja­mim Ri­bei­ro da Sil­va, pre­si­den­te do sindicato pa­tro­nal das es­co­las, o Si­e­e­esp, diz que as con­di­ções pre­vis­tas nos acor­dos pre­ci­sam ser atu­a­li­za­das. “Que­re­mos re­du­zir o re­ces­so por­que há di­fi­cul­da­de em com­ple­tar 200 di­as de au­las no ano. Há di­fi­cul­da­de em fa­zer com­pen­sa­ção de fe­ri­a­dos e que­re­mos nor­ma­ti­zar o ban­co de ho­ras”, afir­ma ele.

Pa­ra Luis Ri­bei­ro, téc­ni­co do Di­e­e­se, a queda nos acor­dos é um in­di­ca­ti­vo de ne­go­ci­a­ções mais di­fí­ceis. Ele pon­de­ra que a re­for­ma pode ser uma cau­sa, mas é pre­ci­so cau­te­la na ava­li­a­ção. “Pode ser que as ne­go­ci­a­ções es­te­jam mais du­ras, pode ser que es­te­jam mais de­mo­ra­das. Ou os sin­di­ca­tos po­dem ter dei­xa­do de re­gis­trar os acor­dos no sis­te­ma”, diz. Ri­bei­ro res­sal­ta, po­rém, a in­se­gu­ran­ça jurídica.

“Ain­da não há ju­ris­pru­dên­cia so­bre a re­for­ma. Há uma in­se­gu­ran­ça ge­ral de am­bos os la­dos”, diz. Ele lem­bra que a MP que iria al­te­rar al­guns pon­tos po­lê­mi­cos da re­for­ma vai per­der a va­li­da­de no fim des­te mês, se não for vo­ta­da pe­lo Con­gres­so, o que con­tri­bui pa­ra a in­cer­te­za ge­ral.

Ape­sar da di­fi­cul­da­de nas ne­go­ci­a­ções, caiu o nú­me­ro de dis­sí­di­os que de­ram en­tra­da no Tri­bu­nal Re­gi­o­nal do Tra­ba­lho da 2ª Re­gião, que co­bre São Paulo (re­gião me­tro­po­li­ta­na e Bai­xa­da San­tis­ta). De acor­do com o tri­bu­nal, 16 dis­sí­di­os fo­ram dis­tri­buí­dos no pri­mei­ro tri­mes­tre des­te ano, an­te 70 no mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do e 64 nos pri­mei­ros três me­ses de 2016. Ha­via 1.029 dis­sí­di­os pen­den­tes de jul­ga­men­to no pe­río­do, an­te 1.136 e 1.126 nos mes­mos pe­río­dos em 2017 e 2016, res­pec­ti­va­men­te.

LUIS USHIROBIRA/VA­LOR

He­lio Zyl­bers­tajn, co­or­de­na­dor do Sa­la­ri­ô­me­tro: cau­te­la dos dois la­dos so­bre o que pode ser in­cluí­do ou não nos acor­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.