Re­to­ma­da len­ta ele­va in­cer­te­za elei­to­ral, afir­mam ana­lis­tas

Qua­dro pode fa­vo­re­cer can­di­da­tos não ali­nha­dos com re­for­mas

Valor Econômico - - BRASIL - Thais Car­ran­ça e Edu­ar­do Cam­pos

A ati­vi­da­de econô­mi­ca em rit­mo mais len­to do que o es­pe­ra­do nes­te iní­cio de ano aumenta a in­cer­te­za em uma cor­ri­da elei­to­ral já bas­tan­te im­pre­vi­sí­vel. Na vi­são de eco­no­mis­tas e ana­lis­tas po­lí­ti­cos ou­vi­dos pe­lo Va­lor, a re­to­ma­da aquém do pre­vis­to pode for­ta­le­cer a can­di­da­tu­ra de no­mes com bai­xa ca­pa­ci­da­de de to­car no Con­gres­so as re­for­mas que ga­ran­ti­ri­am a con­ti­nui­da­de da po­lí­ti­ca econô­mi­ca atu­al.

Ape­sar dos nú­me­ros fra­cos da ati­vi­da­de em ja­nei­ro e fe­ve­rei­ro, com des­ta­que pa­ra a de­sa­ce­le­ra­ção na re­cu­pe­ra­ção do mer­ca­do de tra­ba­lho, os es­pe­ci­a­lis­tas ain­da re­sis­tem a al­te­rar ce­ná­ri­os e continuam a apos­tar na con­ti­nui­da­de da re­to­ma­da e elei­ção de um can­di­da­to com­pro­me­ti­do com as re­for­mas co­mo ce­ná­rio-ba­se. Mas re­vi­sões de apos­tas po­dem acon­te­cer ain­da an­tes da Co­pa do Mun­do.

O Ín­di­ce de Ati­vi­da­de Econô­mi­ca do Ban­co Cen­tral (IBC-Br) re­gis­trou avan­ço de ape­nas 0,09% em fe­ve­rei­ro, na com­pa­ra­ção men­sal ajus­ta­da, após queda de 0,65% em ja­nei­ro (da­do re­vi­sa­do de -0,56%). Na com­pa­ra­ção anu­al, a ati­vi­da­de cres­ceu 0,66% em fe­ve­rei­ro, abai­xo dos 2,95% de ja­nei­ro, con­fir­man­do a per­da de rit­mo da ati­vi­da­de. Em 12 me­ses, o cres­ci­men­to acu­mu­la­do é de 1,32% e no ano, de 1,8%.

A ex­pan­são do mês foi me­nor do que a mé­dia das es­ti­ma­ti­vas das ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras ou­vi­das pe­lo Va­lor Da­ta, que su­ge­ria va­ri­a­ção po­si­ti­va de 0,13%. As pre­vi­sões va­ri­a­vam en­tre queda de 0,4% a al­ta de 0,5%. O com­por­ta­men­to do in­di­ca­dor no mês de fe­ve­rei­ro foi in­flu­en­ci­a­do pe­la al­ta de 0,2% da pro­du­ção in­dus­tri­al, queda de 0,2% do va­re­jo e va­ri­a­ção po­si­ti­va de 0,1% na re­cei­ta de ser­vi­ços no pe­río­do.

Se­gun­do Ro­ber­to Pa­do­va­ni, eco­no­mis­ta-che­fe do Ban­co Vo­to­ran­tim, o im­pac­to da ati­vi­da­de no am­bi­en­te elei­to­ral é di­re­to e de­pen­de de du­as di­men­sões. A pri­mei­ra de­las é o rit­mo da re­cu­pe­ra­ção: qu­an­to mais in­ten­so, me­nor a re­jei­ção ao sis­te­ma po­lí­ti­co, o que fa­vo­re­ce can­di­da­tos do “es­ta­blish­ment”. O se­gun­do fa­tor é a per­cep­ção da po­pu­la­ção qu­an­to à re­to­ma­da, o que de­pen­de prin­ci­pal­men­te do em­pre­go for­mal, que dá mai­or se­gu­ran­ça ao tra­ba­lha­dor, e do ní­vel de ven­das e pro­du­ção, que afe­ta o fa­tu­ra­men­to das em­pre­sas.

“O que es­tá acon­te­cen­do é o pi­or dos mun­dos. Te­mos uma re­to­ma­da mais len­ta e que não tem si­do per­ce­bi­da pe­la po­pu­la­ção. Is­so re­for­ça dis­cur­sos po­pu­lis­tas ‘an­ti-es­ta­blish­ment’ e, por­tan­to, tor­na o re­sul­ta­do da elei­ção in­cer­to”, afir­ma Pa­do­va­ni. A fon­te da in­cer­te­za é que es­ses no­mes no­vos com dis­cur­so an­tis­sis­te­ma, co­mo Jair Bol­so­na­ro (PSL), Ci­ro Gomes (PDT) e Ma­ri­na Sil­va (Re­de), te­ri­am apa­ren­te­men­te uma me­nor ca­pa­ci­da­de de mon- tar co­a­li­zões no Con­gres­so for­tes o su­fi­ci­en­te pa­ra apro­var mudanças cons­ti­tu­ci­o­nais.

Num qua­dro mar­ca­do ain­da por es­cân­da­los de cor­rup­ção e fa­lên­cia dos ser­vi­ços pú­bli­cos, o cres­ci­men­to da in­cer­te­za elei­to­ral e a fra­que­za da ati­vi­da­de se re­tro­a­li­men­tam. “O au­men­to da in­cer­te­za elei­to­ral e so­bre o ce­ná­rio pa­ra 2019 ten­de a pos­ter­gar de­ci­sões de con­su­mo, in­ves­ti­men­to, con­tra­ta­ção e cré­di­to, o que fra­gi­li­za a ati­vi­da­de. Is­so ge­ra um ci­clo vi­ci­o­so”, ob­ser­va.

Pa­ra Ro­dol­fo Mar­ga­to, eco­no­mis­ta do San­tan­der, a apos­ta do ban­co e do mer­ca­do em ge­ral con­ti­nua sen­do a de con­ti­nui­da­de da po­lí­ti­ca econô­mi­ca após as elei­ções de ou­tu­bro, com a me­lho­ra da ati­vi­da­de ao lon­go do ano for­ta­le­cen­do can­di­da­tu­ras di­tas “cen­tris­tas”. No en­tan­to, se a ve­lo­ci­da­de da re­to­ma­da per­ma­ne­cer mui­to me­nor do que es­ta­va nas con­tas, co­mo acon­te­ce nes­te iní­cio de ano, não ha­ve­ria o re­for­ço da eco­no­mia so­bre uma can­di­da­tu­ra de cen­tro, ava­lia.

“A te­se ge­ral é de que, ao lon­go de 2018, a eco­no­mia vai se re­cu­pe­rar de uma for­ma mais con­sis­ten­te, is­so te­rá im­pac­to mais per­cep­tí­vel pa­ra a po­pu­la­ção na sen­sa­ção de bem-es­tar so­ci­o­e­conô­mi­co, o que ten­de a for­ta­le­cer as can­di­da­tu­ras cha­ma­das cen­tris­tas, com ris­co me­nor de rup­tu­ra em re­la­ção à po­lí­ti­ca econô­mi­ca atu­al”, diz.

Pa­ra am­bos os eco­no­mis­tas, o prin­ci­pal ele­men­to por trás da frus­tra­ção no rit­mo da ati­vi­da­de nes­te iní­cio de ano é a de­sa­ce­le­ra­ção da re­to­ma­da do mer­ca­do de tra­ba­lho, com o em­pre­go in­for­mal cres­cen­do me­nos, sem que o tra­ba­lho com car­tei­ra as­si­na­da ocu­pe es­se es­pa­ço. “O em­pre­sa­ri­a­do de se­to­res mais in­ten­si­vos em mão de obra, co­mo ser­vi­ços e cons­tru­ção ci­vil, ain­da mos­tra uma de­mo­ra na to­ma­da de decisão de no­vas con­tra­ta­ções, es­pe­ci­al­men­te por ser um ano com gran­des in­cer­te­zas no qua­dro po­lí­ti­co”, ava­lia Mar­ga­to.

Na vi­são de Ri­car­do Ri­bei­ro, ana­lis­ta po­lí­ti­co da MCM Con­sul­to­res, a re­vi­são li­gei­ra­men­te pa­ra bai­xo das es­ti­ma­ti­vas de cres­ci­men­to pa­ra 2018 não afe­ta de ma­nei­ra re­le­van­te o qua­dro elei­to­ral, que já não era bom pa­ra can­di­da­tu­ras do “es­ta­blish­ment”.

Se­gun­do Ri­bei­ro, ape­sar da cren­ça qua­se unâ­ni­me do mer­ca­do na vi­tó­ria de um can­di­da­to re­for­mis­ta em ou­tu­bro, o qua­dro elei­to­ral se­gue mui­to aber­to. Pa­ra o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co, a pre­o­cu­pa­ção com a elei­ção e com 2019 es­tá cres­cen­do no mer­ca­do e a de­fi­ni­ção ou não de ali­an­ças nos cam­pos da es­quer­da, cen­tro-di­rei­ta e “ter­cei­ra via” pode re­sul­tar em cor­re­ção das apos­tas elei­to­rais já an­tes da Co­pa.

Mar­ço mais for­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.